26/03/2012

A lenda de Julia Legare.




Em algum momento de 1800, uma menina estava visitando sua família em Edisto Island, na Carolina do Sul. Enquanto estava lá, a menina ficou doente, tinha pego malária ou alguma outra doença fatal da época. Ela morreu pouco tempo após ficar doente, e como antigamente achavam que doenças eram possíveis ser transmitidas através dos mortos, um caixão foi construído as pressas e ela foi enterrada no túmulo da família Legare.

Anos depois, outro morte aconteceu, e o Mausoléu (uma pequenas cabanas de concreto que eram feitas para depositar caixões de famílias inteiras) foi reaberta para colocarem um novo caixão. Para o choque dos presentes, um esqueleto caiu na frente deles. Aparentemente, a menina que tinha sido enterrada anos antes estava apenas em coma, e quando acordou, lutou do seu jeito para sair do seu frágil caixão, mas estava fraca demais para que pudesse mover a porta de concreto do Mausoléu. Marcas de arranhões cobriam toda a porta mostrando o pânico que estava antes de morrer, presa. O mausoléu ainda existe, mas agora, sem porta.

12 comentários:

  1. Essa creepy é bem possível de ser verdadeira, dado fato de que é perfeitamente possível

    ResponderExcluir
  2. Que tenso, tenho mó medo disso acontecer comigo...

    ResponderExcluir
  3. Poderia ser real se não fosse pelo fato de que ela teria morrido por falta de ar dentro do caixão.

    ResponderExcluir
  4. Poderia até t morrido por falta de ar como tb poderia tb n t morrido disso, ela pode t tido forçasna hora do desespero de abrir o caixão mas n do resto. Enfim , isso pode c possível ou não, diferente de outras creepys que são bastante fantasiosas

    ResponderExcluir
  5. Que história curta e besta. Para começar, não é assustadora, e boas creepypastas TÊM que assustar. Além disso, não é convincente, e boas creepypastas DEVEM ser. Você gostou dessa historinha? Então provavelmente vai gostar de merda de cachorro também, porque é isso que esse texto é, um monte de fezes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porra meu
      você só sabe criticar? ¬¬
      Tá...Não tenho nada contra criticas...mas oque você faz não é nem criticar '-' é agir feito uma criancinha retardada D:
      Pra você coisas assustadoras são oque? Fantasmas e monstros?
      Você deve acordar mais pra vida, meu jovem =|
      Coisas reais e possíveis de acontecer dão mais medo do que coisinhas inventadas pra criancinhas terem pesadelos '-'
      Você pode não ter sentido medo porque isso não aconteceu com você, mas se você estivesse no lugar da menina você não ia se desesperar também??
      Se disser que não, estará mentindo, pois ser enterrado vivo é um medo comum do ser humano, NINGUÉM agiria normal nessa situação '-'

      E alias, se você acha que essa é uma história inventada?... Não é não '-'
      Pode ser que essa dessa tão de Júlia sei la oque seja, mas existem fatos COMPROVADOS de pessoas que foram enterradas vivas antigamente '-' pois encontraram marcas de unhas feitas de forma violenta nos caixões.

      Então antes de falar merda, pare pra pensar um pouco sobre oque é realmente assustador e oque não é D:

      Excluir
  6. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    essa é a merda mais merdada que ja li kkkkk ta pior do que aquela crrepy da OLA,MOLLY kkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. fala Olá Chuck Norris e nao tenha medo de nada

      Excluir
  7. Isso do "cadáver acordar" já aconteceu várias vezes. Normalmente acontece por uma doença que as funções vitais são reduzidas (se eu não me engano se chama catalepsia) e a pessoa parece morta, mas na verdade não está. Lembro de ter lido uns casos cabeludos, com direito à grávida sendo enterrada e o bebê nascer no caixão... Eu li várias histórias desse tipo que, obviamente, ocorreram em séculos passados (hoje em dia nossa tecnologia é avançada o suficiente para sabermos quando uma pessoa está ou não morta). Criaram até um botão, se eu não me engano, que o "morto" aperta e alguém vai desenterrar a pessoa, é bem louco.

    ResponderExcluir
  8. Totalmente copiada de um conto do E. A. Poe.

    ResponderExcluir