20/04/2012

Paralisia do Sono

Acordei uma noite, deitado de bruços na minha cama, incapaz de me mover .
Isso já tinha acontecido muitas vezes comigo. Me foi dito por um médico que era paralisia do sono, e que poderia ser desencadeada por alterações no padrão do sono, estresse, dormir em uma determinada posição, comer certas coisas antes de ir para a cama, o consumo de álcool, e etc.
Às vezes , eu via coisas. Elas variavam de gatinhos inocentes na minha porta para demônios terríveis que arranham a minha pele. Isto era chamado de alucinações hipnagógicas, e eram  aparentemente normais, segundo o que me foi dito. Apenas uma perturbação no ciclo REM , nada a temer ...
Esta noite em especial, e os acontecimentos que se seguiram, foram diferentes.

A janela do meu lado estava aberta, uma brisa fria soprou as cortinas acima de mim. Eu não tinha ido para a cama com a minha janela aberta. Eu senti como se estivesse sendo vigiado. Através da minha visão periférica, eu vi uma menina em pé na minha janela. Ela tinha cabelos pretos com aparência de pele bem suave, e justamente, usava um vestido branco. Sorrindo muito, ela apertou o dedo nos lábios.

"Shhh!"
Ela riu e em seguida a janela se fechou brutamente. De repente, senti um peso enorme nas minhas costas, eu não consegui mais respirar. Longos fios negros de cabelo, pingando em óleo, estendiam-se sobre o meu rosto de ambos os lados. Duas mãos frias e úmidas entrelaçaram nas minhas, dedos ossudos interligados com os meus. Então empurrou meu corpo contra a cama, forçando meu rosto contra  o travesseiro.
Eu ouvi um sussurro fraco. Ele ficou mais alto e mais rápido, até que ele era tão alto que meus ouvidos doíam. As palavras eram afiadas e rápidas, como uma espada sendo desembainhada. É difícil descrever a voz, ou vozes que ouvi. Era como um canto em Latim, mas cantado ao contrário, com um som musical deformado e distorcido. Violinos arranhados, batidas frenéticas de um piano, e um assobio constante das palavras "suicídio" e "silêncio". Isso tudo aconteceu de uma vez, e continuou durante o que pareceu horas. E eu continuava lá, paralisado. Eu ainda podia sentir o seu corpo frio, molhado contra o meu. Eu não queria pensar sobre a criatura, eu só podia imaginar como aterrorizante ela parecia. É a voz era suficiente para me enlouquecer. Eu comecei a me sentir fraco, como se eu fosse cair em uma espécie de sono profundo. Minha respiração ficou mais lenta e mais espaçada. Lábios frios roçaram minha nuca e uma mão ainda mais fria acariciou minha bochecha. A criatura então emitiu um grito horrível, terrivelmente de gelar a espinha antes de finalmente me libertar.O peso foi retirado de minhas costas. Não havia mais sussurros . Havia finalmente terminado.

Rolei na cama e pulei para o chão, correndo para o interruptor de luz. Parecia ter levando mais tempo do que o habitual. Algo ainda não estava certo. Eu acendi a luz e olhei ao redor do meu quarto. Tudo estava em seu lugar. Abri a porta e olhei para fora. Dois gatinhos siameses de olhos azuis sentados no fim do corredor. Eu podia ouvi-los ronronar em uníssono. Algo estava muito errado, poiso eu não possuía nenhum gatinho siamês, quanto mais, dois ... Caminhei lentamente em direção a eles. Eles pareciam bastante inocente, afinal de contas, eles eram uma mudança e tanto do que quando aquele demônio tinha me prendido em minha própria cama. Abaixei-me e olhei para eles. Eles olharam para mim, miando e inclinando a cabeça para o lado. Eu estendi minha mão. Ambos os gatinhos começou a lamber meus dedos. Alucinações ou não, eles eram adoráveis. Tentei pegar um deles, mas  os dois  miaram agressivamente e com um movimento rápido de sua pata, cortou meu rosto. Deixei os dois gatinhos, e eles sumiram para longe com o pelo das costas eriçado.

E então do nada, como num piscar de olhos eu estava de volta na minha cama. Era como se nada tivesse acontecido. Rolei na cama e me levantei lentamente antes de ligar a luz do quarto. Desta vez, tudo estava normal. Sem gatinhos estranhos. Eu estava realmente acordado neste momento. Caminhei pelo corredor até o banheiro. Acendi a luz e olhei para o espelho. Para meu horror, meu pijama estavam manchados de graxa preta, e eu tinha três marcas de garras na minha bochecha, com sangue ainda fresco. Entrei em pânico. Eu ainda estava preso no meu pesadelo? Ou será que tudo foi real? Ambos os pensamentos me aterrorizava . Eu só me lembro de cair no chão do banheiro.

Eu acordei em uma cama de hospital. Meu irmão mais novo tinha me encontrado no banheiro, e avisou meus pais, que me levaram rapidamente para o hospital.
"Mas que merda aconteceu?" Perguntei.
"Olha esse língua, Carl!" Minha mãe disse.
"Você caiu no banheiro e se nocauteou". Meu irmãzinho Timothy respondeu.
"Nem fudendo" Eu murmurei entre minha respiração.
Meu pai riu, e minha mãe deu uma cotovelada nele, dando-lhe um olhar severo.
O médico explicou que eu tinha caído e batido a cabeça, resultando em uma pequena concussão. Eu não bati a cabeça forte o suficiente, pois eu ainda me lembrava de tudo o que tinha acontecido.Estremeci.
No caminho para casa, sentei-me no banco de trás do carro com o meu irmãozinho. Eu quis dizer a alguém o que tinha acontecido levando-me até meu colapso no banheiro, mas eu sabia que ninguém ia levar a sério. Eles sabiam sobre os problemas que tinha com a paralisia do sono no passado, mas levaram com um grão de sal no mar. Eram nada mais do que pesadelos bobos para eles.
Eu fiquei em silêncio no caminho de casa e no resto do dia. Eu ficava mais cansado à cada minuto que se passava. Cada minuto que passava era mais um minuto mais perto do cair da noite, que seria quando eu estaria indo para a cama. Decidi não dormir naquela noite. Ou na noite seguinte. Ou a seguinte aquela...

Depois de ficar acordado por quase dez dias seguidos, meus pais me levaram de volta para ver o médico. Ele me receitou alguns comprimidos para dormir. No início, eu estava com medo de usa-los. Eu não queria ir dormir e ter que passar por todo aquele horror novamente. Mas o meu corpo e mente estavam esgotados, então eu cedi que naquela noite eu tomaria, então tomei duas. Eu dormi durante a noite toda e acordei com facilidade. Alívio em cima de mim. Cada noite, tomava os comprimidos e adormecia. Nas manhãs, eu acordava sem incidentes. Esta paz continuou por meses. A paralisia do sono parecia uma memória distante.
Um dia , cheguei em casa mais cansado que o habitual. Ainda era cedo, três da tarde, mas resolvi tirar um cochilo. Parecia bastante inofensivo. Eu me deitei em minha cama e adormeci. Acordei uma hora mais tarde. Bocejei e rolei para o lado da cama. Levantei-me e me estiquei por alguns segundos. De repente, ouvi meu irmão gritando.
"Carl! Carl! Tem algo no meu quarto! Me ajuda, me ajuda!"   
Eu corri pelo corredor até o quarto de Timothy. O que vi me encheu de horror. A criatura fêmea, encharcada em algum tipo de tinta preta ou graxa, espalhada através da janela e no chão. O corpo dela estava dobrado em uma forma desumana, ossos estralando enquanto aquilo se movia pelo chão. O Líquido negro corria de sua boca e olhos, enquanto sussurrava e fazia um barulho de borbulhar, arrastando-se pelo chão em direção ao meu irmãozinho. Eu gritei e agarrei-o pela mão. Nós corremos para fora do quarto, batendo a porta atrás de nós. Eu gritei por minha mãe e meu pai, mas não ouve resposta. Não deviam estar em casa. Eu levei meu irmão para o meu quarto e tranquei a porta. Eu podia ouvir os ossos da criatura rangendo enquanto se movia pelo corredor nos seguindo. Ela parou na porta. A porta começou a tremer violentamente. Eu gritava, segurando o meu irmão perto de mim.

"Faça isso parar!" Tymothy chorava sem parar. Eu não sabia o que fazer. O choro do meu irmão me devastava, mas a criatura no outro lado da porta me aterrorizava do fundo do meu peito. "Por favor, por favor, faça parar!"
Eu não conseguia lidar mais com aquilo. Em um surto de adrenalina e insaniedade, eu parti pra cima e abri a porta com rispidez. A criatura torceu a cabeça pra cima e olhou pra mim. Sorriu com os dentre negros e quebrados. "Lembra de mim?” Sussurrou. A voz afiada se destorceu e ecoou pelo quarto, Tymothy tapou os ouvidos com as mãos e sacudiu a cabeça.Olhei para a criatura,chacoalhando de ódio e medo. Ela gritou, com o liquido preto escorrendo pela boca como uma fonte, me encharcando. Tymothy começou a soluçar incontrolavelmente. Chutei uma vez, duas, três vezes , quatro vezes ...

Ela ficou no chão, "enrolada" como uma aranha esmagada e seca em uma pilha de lama negra.
Era o fim. Havia finalmente terminado. Eu joguei meus braços em volta do meu irmão e ri.
Tinha acabado! finalmente acabado!
 ——–

Eu acordei na minha cama. Tymothy dormia do meu lado em posição fetal chupando o dedo. Eu rolei com cuidado pela cama e andei pelo quarto. Liguei a luz. Dois gatinhos siameses com olhos azuis estavam do lado do meu irmão, ronronando. Meu coração deu um salto. Eu olhei para minhas roupas, e elas estavam totalmente manchadas e úmidas em preto. Eu senti algo como uma picada na minha bochecha.

O som de sussurros e ossos rangendo ecoaram pelo quarto. Eu cai no chão, paralisado.








14 comentários:

  1. Essa eu gostei kk
    Já tive paralisia do sono, dá um certo medo mais pelo que se ouve do que pelo que se vê. Sem conta se sensação de ter uma rocha sobre você te impedindo de se mexer... Só quem teve sabe o quanto é ruim (embora tenha gente que adora, pois indica que o SONHO LÚCIDO tá chegando)

    ResponderExcluir
  2. Achei meio previsível e simples.Mas valeu pela tradução.

    ResponderExcluir
  3. eu sei fazer paralizia de sono, mas nao sei fazer a catalepsia projetiva =/ ( que é a alucinação consciente)

    ResponderExcluir
  4. Gostei muuuuuuuuito, que fooda pqp :3
    Aposto que vou morrer de medo pra dormir hoje ._.

    ResponderExcluir
  5. Muito daora, eu ja tive um sonho lúcido várias vezes, mas nao pesadelos... Eu sabia que era um sonho, sabia oq fazer eu falei isos não é possivel é um sonho, e sempre que eu sabia que era um sonho eu me beliscava e.e quando eu fazia isso pouco tempo dps eu acordava, nada demais...

    ResponderExcluir
  6. consigo entrar no estado do sonho lucido
    qnd eu era menor tinha costume de anotar td q sonhava...
    e acabei acostumando a controlar meus sonhos e uma experiencia indescritível muito relaxante e positiva...
    mais teve uma época q eu n estava sabendo diferencia se estava acordado ou dormindo

    ResponderExcluir
  7. é só durmir de barriga pra cima, reto, tem que ficar 30 minutos assim com os olhos fechados, o corpo fica paralizado =) aí é só abrir os olhos depois disso

    pra fazer alucinação eu nao sei como faz =O

    ResponderExcluir
  8. Paralizia do sono vivia acontecendo comigo, pra entrar nesse estado basta dormir numa posicao encomoda ou dolorida, assim seu corpo dorme mas a dor ou encomodo vai servir como uma ancora pra te manter acordado, ai voce nao se consegue se mecher. Algumas pessoas tem alucinacoes nesse estado, outras como eu, nao. Quando se entra nesse estado, e so dormir pra ter sonhos lucidos, o problema e conseguir se manter calmo para dormir , ainda mais quem tem alucinacoes
    Ja tive alguns sonhos lucidos, agora controlar os sonhos ja e outra historia. Eu so consegui uma vez
    Quem faz muito isso, dizem que depois tem problemas de nao saber diferenciar se estar dormindo ou acordado, mas existem alguns reality checks como se olhar no espelho, se estiver sonhando aparece so uma mancha distorcida, e apertar um interruptor de luz, se estiver sonhando ele fara qualquer coisa menos ascender uma luz

    ResponderExcluir
  9. Essa é foda, fico no top das minhas preferidas, mais ainda n barrou a do chaves

    ResponderExcluir
  10. Deu alguns arrepios, a paralisia do sono é um passo a favor do sonho lúcido, mas quando se é novo e não tem menor idéia do que está acontecendo com você, e o pior, você abre os olhos, um erro pra época, e de uma hora pra outra começa a alucinar, ouvir vozes, tem a impressão de que está conseguindo mexer a mão mas na verdade não está, vê vultos passando bem na sua frente. Eu como ateu não acredito nessas coisas, e isso me levava a me questionar, a me desesperar e só piorava a situação... Essa creepy realmente me deu medo...

    ResponderExcluir
  11. Eu ja tive duas paralisias enquanto dormia e com certeza é horrivel a primeira vez foi de boa nao vi nem escutei nada so fiquem parada sem me mexer por um tempo mas a segunda vez foi um pesadelo eu via tudo preto e no fundo tinha tres pessoas corcundas e deformadas susurando algumas coisas incompreensivas e eu vi alguns vultos depois parou mas me deu um medo tao grande '-'

    ResponderExcluir
  12. Eu já tive duas vezes também. A primeira eu sonhava que estava fugindo de um demônio na casa do PC Siqueira, e logo depois ele me pegou. Fui possuída, e enquanto era possuída eu acordei. Imagina o que eu pensei? Sem conseguir me mover, gritar, chamar por ajuda, eu JURAVA que estava sendo possuída de verdade. Acabei indo dormir no quarto do meu irmão, toda medrosa. Contei pra ele e ele me disse que isso se chamava paralisia do sono e explicou o que era. Depois de meses eu tive novamente, e dessa vez eu senti uma presença no quarto (o que foi "normal", eu já sabia que tinha essa de alucinação e tal) e então eu acordei. Acordei mais rápido que a primeira vez porque eu já sabia o que era e me acalmei mais rápido. Mas que assusta, assusta. Não importa quantas vezes eu terei, acho que vou me assustar e tentar gritar em todas.

    ResponderExcluir
  13. *voltando páginas e lendo creepys velhas QQQ*
    Creepy muito boa! Parabéns pra quem escreveu, e pra Divina por postar aqui.
    Eu tive paralisia do sono duas vezes na mesma noite. Na época, eu já conhecia a paralisia do sono, tinha lido sobre isso na internet e tals, mas foi MUITO estranho quando aconteceu. A sensação de não conseguir se mexer é horrível. Não lembro com muita clareza, mas na primeira vez que aconteceu, eu tinha dormido de peito pra cima, e eu só senti o peso no meu corpo, e na hora lembrei de ter lido sobre isso, LOL. E depois de um tempo pude me mexer. Assisti um pouco a TV, e acabei voltando a dormir. Acho que dessa vez, foi de bruços. E aconteceu de novo, mas naquela hora, eu tive alucinações. E eu nem lembrava que envolvia isso também na época, porque já fazia um tempo que tinha lido sobre, então foi tenso ._.
    Quando percebi que tava acontecendo de novo, fiquei com raiva. E então eu tive a sensação de que tinha gente do lado da minha cama, e ouvi duas vozes; uma de mulher, e outra de uma criança, não sei dizer se era menino ou menina, e também, pareciam conversar num tom meio divertido e debochado, mas não entendi o que falavam. Acho que era em outra língua ou coisa assim @_@
    Comecei a ficar com um pouco de medo, mas também, com mais raiva. Tentei abrir a boca pra gritar, não exatamente por ajuda, mas simplesmente por ter a sensação de que ajudaria a afastar e acabar com tudo aquilo. E não consegui gritar, e eventualmente, desisti. Pouco depois, tudo tava normal de novo e eu conseguia me mexer. Levantei pra buscar biscoito e fiz de tudo pra não dormir de novo HIEOHEOIEHEOIEHOIEHEOI'
    Dormi algumas horas depois porque tava caindo mesmo de sono, e torci pra não acontecer de novo. E não aconteceu ^--^
    Putz, escrevi quase um livro agora. QQ

    Enfim, confesso que tô um pouco receosa de acontecer de novo qualquer dia desses, e eu alucinar com essa menina aí D: q

    ResponderExcluir
  14. Nunca tive e nunca vou querer ter esse treco

    ResponderExcluir