03/05/2012

O Íncrivel Mundo de Gumball - "Mercy Street"



Ele começa com uma tomada da casa dos Wattersons. Pois é, este aqui se passa em Elmore, a cidade do programa. A família está sentada à mesa, provavelmente tomando café da manhã, quando Nicole pergunta se havia acontecido alguma coisa na escola, como se já soubesse que algo de errado aconteceu. Gumball, não arranjando uma desculpa que prestasse, simplesmente resolve falar a verdade para sua mãe; devido à mal comportamento, ela e Richard terão que ir até a escola conversar com a professora, o diretor e um terceiro cara qualquer não especificado por Paul.

Lá, na sala do diretor Brown, está sentado todos da família. E obviamente, também está lá o diretor, segurando um papel, e a professora de Anais (que não é a professora de Gumball e Darwin). Descobrimos também que a razão dos Wattersons estarem ali não é Gumball nem Darwin, mas sim a aparentemente dócil Anais. Acontece que a professora havia pedido para que seus alunos escrevessem uma redação sobre "liberdade de expressão". Eu sei que seria um tema incomum para se passar para alunos de 4 anos, mas vale lembrar que Anais era muito inteligente, portanto ela talvez tivesse avançado "algumas" séries. Nicole não entende o que tem de tão errado na redação de sua filha,então o diretor começa a lê-la.
  • "A gente não pode simplesmente impedir outra pessoa de falar, só porque discordamos de suas opniões. É preciso dar direito de expressão à qualquer um que se sinta na necessidade de expor as idéias que julgarem corretas". Até aí, Nicole não viu nada de errado. O diretor continuou:
  • "Dar tal liberdade envolve permitir que pessoas venham a defender abertamente qualquer tipo de causa, sem que exista nenhuma lei à ser infrigida. Idéias divergentes cria debates; dos debates se consegue o progresso. Não à toa, foi-se observado um grande avanço no mundo ocidental após a introdução do Iluminismo, primeira corrente filosófica à ir contra as constantes censuras às quais o povo era vitimado pela Igreja e pela nobreza. E a base de toda democracia vem da liberdade de expressão." Mas uma vez, não parece um texto que contenha qualquer ofensa, ou que motive Anais, e toda a família, vir a ser punida.
  • "Não se pode retirar a liberdade de expressão de ninguém, mesmo que tais pessoas defendam: a liberação sexual, a liberdade religiosa, o comunismo..." Nicole já começa à se irritar com o diretor Brown, já que tudo que Anais falou é verdade. Bem, ela exagerou um pouquinho na verdade. Assim continuava o trecho
  • "... o nazismo, a aceitação da pedofilia como uma opção sexual normal, a eugenia racial, enfim, TODOS mercem ter direito de expressar suas idéias. Um árabe deveria ter o direito de defender o homossexualismo em seu país, um alemão deveria ter o direito de expressar sua adoração por Hitler sem que a polícia seja envolvida em qualquer momento. Há que lembrar que, no caso do alemão, ele tem todo o direito de defender o nazismo e suas teses, mas não praticá-las, teses como a eugenia racial e uso de violência contra os negros... a não ser que ele convença a maioria (e por conseguinte, o governo) de que tais medidas deveriam ser defendidas pela lei, o que eu me posicionaria contra sem sombra de dúvida. Do mesmo jeito que eu posso demonstrar meu ódio à Hitler, ao nazismo, ao holocausto, sou obrigada a respeitar o direito dele de mostrar seu ódio à judeus, negros, homossexuais."

Ok. Assim termina a redação de Anais. Os Wattersons, inclusive Nicole, estão horrorizados pelo que ela escreveu. Brown culpa os Wattersons por terem educado ela de uma maneira tão "bárbara", e diz que é graças à eles que Anais agora defende esse tipo de coisas. Anais nega as afirmações do diretor, ela diz que sua família não teve nada a ver com o fato de ela ter defendido obscenidades na redação, ela apenas o fez por pensar por si própria. O diretor ri, ele diz que quem "pensa por si próprio" defende o direito dos homossexuais, legalização do aborto e da maconha, nunca defenderia aquilo que Anais defendeu. Ele ameaça tirar a guarda de Nicole e Richard por Anais e seus irmãos, mas, visto que a garota é uma das melhores alunas do colégio, ele resolve dar uma segunda chance a eles. Ele fala que existe um lugar, um "centro de correção" chamado Mercy Street (não tem como não se lembrar de Peter Gabriel depois dessa) que pretendia por pessoas desajustadas na linha. Mas não era uma prisão, garante o diretor. Os Watterson, como não tem alternativa, aceitam se "alistarem lá".

Pela manhã do dia seguinte, eles pegam o carro e as coordenadas dadas pelo diretor a respeito da localização de Mercy Street. É uma construção bem estranha. Ela fica bem distante de Elmore. E mais parece uma instalação militar, à soldados andando por todo lado. Os Wattersons pensaram ter ido parar em alguma lugar errado (e dado a capacidade de Richard pra ler mapas, isso não era impossível). Porém o portão de ferro não mentia: em cima dele estava uma placa que dizia Mercy Street. Logo que entram, um soldado se aproxima do carro e mostra-lhe outro militar que irá guiá-los até dentro da instalação. Eles seguem o guia até lá dentro, de repente eles entram em uma sala bem pequena. A porta subitamente fecha, e tudo que se ouve é um barulho de gás escapando, e é perceptível nas vozes de todos os membros da família de que eles estão ficando tontos. Desmaiam; só para depois acordarem em uma cela. Outro guarda aparece à porta, acordando não só os Wattersons mas todos os "prisioneiros" daquele corredor. Enquanto algumas pessoas pareciam compreender a situação, outras, como os Wattersons, claramente se mostram confusas quanto à o que está acontecendo. Todos são enviados até uma espécie de cafeteria, dessas bem parecidas com as das cadeias, só que não tem nenhuma janela. Apenas luzes brancas. Há uma espécie de palanque do outro lado da sala. Todos recebem ordem para sentar, enquanto um delegação entra, trazendo consigo soldados, em particular dois que parece serem mais importantes. Eles se chama Hansen (obviamente alemão/ é um humano) e Kenneth (provavelmente Judeu, também é humano/ o resto da delegação não é humana).

Hansen e Kenneth param em cima do palco, enquanto encaram toda a multidão de pessoas ali sentadas. Hansen começa a falar:
  • "Sejam bem-vindos a Mercy Street. Esta instituição tem o único objetivo de ensinar-lhes como se portar de maneira correta na sociedade. Creio que todos aqui foram enviados para cá devido à algum comportamento "desajustado", alguns diriam, muito imoral. Isso os torna sujeitos alheios à sociedade, desprezado por esta. Mas não se preocupem, nossa única vontade é mudar essa situação, fazê-los se integrar novamente ao mundo em que viviam. Sua estadia aqui poderá ser muito boa se jogar conforme as regras. Ande na linha, e logo sairá daqui, como uma nova pessoa. Porém comportamentos de indisciplina resultarão em mais tempo perdido por vocês aqui. Estou vendo caras novas: compreendo o nervosismo que estão sofrendo. Mas garanto que este lugar não é uma prisão, é apenas uma pequena assistência que o governo e a sociedade dâo a vocês. Não quero que nos vejam como seus inimigos, ou mesmo como uma espécie de líder autoritário, ok? Bem, funciona de maneira muito simples: vamos passar pequenas tarefas e vocês devem apenas segui-las, certo? Não é muito difícil. Kenneth, por que não lhes mostra qual a primeira tarefa?"
  • "Muito bem, vocês tem à sua frente papeis brancos. Do seu lado, vocês tem materiais de arte, tintas, lápis, pincéis... tudo o que precisam fazer é um pequeno desenho, em que exponham ideais como fraternidade, respeito, amizade, etc. Podem desenhar o que quiser, estaremos passando apenas para avaliar."
Nenhum dos cinco personagens parece estar entendendo qualquer coisa ali. Eles preferem não enfrentar a autoridade dos caras com as armas. Obviamente todos estavam extremamente chateados com Anais, afinal tudo aquilo só estava acontecendo graças a ela. Mas Gumball parecia particularmente IRRITADO com ela, parece que de todos, ele é o que menos suportava a idéia de estar preso. Kenneth se aproxima para ver os desenhos que eles faziam. ele olha para o desenho de Anais, e vê um monte de gente de mãos dadas, embaixo de um desenho da Estátua da Liberdade. A princípio, ele aprova o que vê. Mas teve o azar de querer confirmar com Anais o que ela quis representar com aquele desenho: ela conta que os personagens que davam as mãos tinham opniões bem distintas entre si. Ela desenhou um Judeu na mesma roda que um nazista, um negro e um membro do KKK; basicamente ela queria passar a idéia de que, sob a égide da liberdade, nenhuma ideologia tem tratamento especial em relação à outra. As feições de Kenneth mudaram abruptamente. Ele disse que o desenho que ela havia feito era racista, e que isso fazia ela parecer uma defensora de qualquer ideal radical, e imoral. Anais lembra que é extremamente contra o nazismo, o KKK, e odeia qualquer um que concorde com tais opniões, ela estaria apenas defendendo a liberdade de expressão/ a mesma coisa que fez na maldita redação. Kenneth não se convence, pega o desenho de Anais e joga ele fora. Brutalmente, ele ordena que ela faça outro desenho, que mostre defensores da igualdade racial com sorrisos em seus rostos, e nazistas na cadeia, que é o lugar deles. Anais a princípio se recusa a fazer isso, mas é só ela olhar a feição de raiva de sua família (em particular, a de Gumball) que ela decide que é mesmo uma melhor idéia. Darwin volta a fazer seu desenho, mas acaba fixando sua atenção no desenho de Gumball. Ele abruptamente pega o desenho das mãos do irmão, para ver que &%$#@ ele estava fazendo; na verdade era bem engraçado, simplesmente mostrava Anais em volta de chamas, obviamente sofrendo, enquanto embaixo estava escrito em letras garrafais "Meu Melhor Sonho". Todos acabam vendo a obra de arte do pequeno da Vinci, inclusive sua modelo, mas ele não parece demonstrar nenhum remorso pelo que fez. Infelizmente Kenneth mas uma vez passava por ali, e ao ver o desenho, ele perde a paciência.
  • "Ei, cozinheiro, de quantos pratos você precisava mesmo?"
  • "Uns 102"
  • "Agora só precisa de 97"
Os Wattersons são mandados de volta para a cela.

No caminho até lá, Anais faz de tudo para pedir perdão à Gumball, mas ele simplesmente nem quer mais ficar perto dela. Ele inclusive xinga ela com uma quantidade recorde de palavrão (a princípio isso chama a atenção, mas é só lembrar que, inicialmente, o desenho seria voltado para um público mais adulto). Nicole repreende Gumball, mas pela primeira vez ele (qualquer personagem na verdade) não demonstra medo dela. Ele parece disposto a não querer ouvir mais falar na irmã. Foi um bom dia para os Wattersons, no final das contas. Mas vai ficar melhor.

Finalmente, de volta à cela, Gumball e Darwin já estão dormindo, e Richard está quase pegando no sono de novo. Nicole acha que esta é a hora perfeita de conversar com Anais, exigir certas explicações dela de porque ela fez aquilo. Ela diz que estava apenas expondo as opniões dela, e que imaginava que não fosse ser censurada pelo governo de um dito país de "liberdade de expressão". Nicole, porém, aifrma que os direitos dela acabam aonde começam o dos outros, e Anais não pode simplesmente sair ofendendo pessoas conhecidas por terem perseguido inocentes, tirado a vida de milhares; isso seria um desrespeito aos descendentes daqueles que perderam suas vidas em nome de tais ideologias. Mas Anais em nenhum momento havia defendido o nazismo, aliás, na redação ela deixou bem claro que ela odiava qualquer uma que tivesse empatia por tais pensamentos, mas que não é censurando aqueles que defendem estes pontos de vista que o nazismo sumiria da sociedade. Elas acabaram tendo um debate mais ou menos assim:
"As pessoas precisam saber que o nazismo perseguiu e matou milhares de Judeus, só trouxe pobreza para um povo inteiro, e foi uma máquina de genocídio impiedosa na história da humanidade. Mas elas também precisam saber que Hitler tirou a Alemanha de um buraco em que ela se encontrava pós- primeira guerra, que ele ajudou a reerguer um país como poucos líderes foram capazes de fazer. Pois essa é a verdade, mãe!! O mundo real não está cheio de heróis e vilões, e sim de pessoas que simplesmente fizeram. E se o que fizeram era algo bom ou ruim, isso depende de em que Universo você vive. No meu Universo, os nazistas fizeram atrocidades que nunca deveriam ser perdoadas, no Universo de um Skinheadd, Hitler foi um gênio. Um mundo onde o nazismo caiu é um mundo melhor para judeus; certamente não para neo-nazistas. E, de certa maneira, soa-me estranho viver em um mundo onde todos respeitam todos, é como se todo mundo tivesse a mesma opnião, todo mundo é obrigado a abandonar seus preconceitos, isso não soa autoritário? O que acontece com quem não abandonasse? Viria para lugares como Mercy Street?"
  • "Há um motivo para o nazismo ter caído, Anais. Ele caiu porque ele tinha que cair. Porque era um sistema falido. Não dá para viver em uma sociedade que persegue outros povos só porque tem uma cultura diferente da nossa."
  • "Nós não adoramos perseguir o Mundo Árabe porque são muito religiosos, são contra o homossexualismo, e contra o direito das mulheres?"
  • "Nós não concordamos com o Mundo Árabe porque sua cultura também persegue pessoas, como você mesma disse. Homossexuais, mulheres...
  • "Mas nós não perseguiríamos um cara que dissesse que tem fantasias sexuais envolvendo garotos? Um que nunca tenha tido qualquer relação sexual de verdade, apenas fantasias --
  • "CHEGA!!!!! Por que você tem que fazer estes questionamentos? Acho que eles já trouxeram problemas suficientes, não?
  • "Eu não tenho medo de morrer pelo que eu acho."
  • "Mas não é só você que vai morrer!!!!! Todos nós vamos, você está tão centrada em seus malditos ideais que nem percebeu o que você causou à todos nós???? Por que não vai simplesmente dormir?"
Nicole já estava tão irritada, que Anais nem queria mais continuar a discurssão. Elas gritaram tanto que me impressiona Gumball e Darwin não terem acordado. Um guarda veio averiguar o que estava acontecendo, mas ao ver que parecia tudo em ordem ele foi embora. Richard tentou consolar Nicole, do "jeito dele", que aparentemente nicole adora, pois ela parecia um pouco melhor. De repente eles ouvem um barulho vindo de um canto escuro da cela. Ao olhar para este canto, tudo o que enxergamos é um par de olhos: havia alguém ali, mas não podíamos ver seu corpo, pois estava envolto nas sombras. Ele diz que entrara na cela dos Wattersons através de uma galeria que une esta e mais duas celas diferentes. São pequenos buracos na parede, onde dá para se passar agaixado (Anais consegue passar em pé). Ele conta que havia ouvido a discurssão, e que ele e os Wattersons poderiam se ajudar.
  • "Eu não pude deixar de ouvir a discurssão que você e seu "marido" tiveram agora à pouco. Me parece que vocês são novos por aqui, né? Logo vi, ainda consigo ver muita... rebeldia no comportamento de vocês. Eu e meus companheiros de cela já estamos aqui a pelo menos 1 ano, isso é quase 10 meses!! Ficamos todo esse tempo aguardando que esta cela fosse preenchida, pois finalmente poderíamos por nosswo plano em prática. Um plano de fuga."
Richard e Nicole pareciam bastante interessados no plano, não me pergunte porque, e o... par de olhos contou a eles como seria o processo.
  • "Mercy Street, na prática, é um reformatório-prisão. Vocês estão aqui para terem sua mente manipulada por eles, eles podem enganar-lhes com todo esse papo de politicamente correto, mas não caiam nessa jogada: isso é só motivo para vocês se transformarem em massa de manobra a ser utilizada não pelo governo, não pela Nova Ordem Mundial, mas pela própria sociedade... que também é massa de manobra de si própria. Pessoas como seu marido (ele na verdade estaria se referindo a Anais) é justamente o tipo de gente que eles odeiam: critique o que já vem programado na sociedade, critique os dogmas que a moral impõe. Você é um herege, um imoral. Uma pessoa alheia a uma sociedade alienada por ela mesma. Eu gosto de ser assim. E pretendo continuar sendo, quando fugir daqui. Vocês topam?
Como o dia não podia ficar mais estranho, Nicole e Richard concordam com o par de olhos e selam a união. Mais tarde, naquela noite, eles acordam os seus filhos, lhe contam do plano de fuga, e eles prontamente aceitam (talvez porque estivessem com muito sono, pra pensar direito). Naquela madrugada, o plano entrou em ação.

Primeiro, os Wattersons cobrem o ralo da cela com uma manta, e abrem bem a torneira. Sem ter para onde escorrer, a água vai para fora da cela, molhando todo o chão. Então eles começam a fazer barulho, para chamar a atenção do vigia. Sorte que era um bem burro, pois ele nem viu a poça d'água onde escorregou. Com ele apagado, Nicole consegue pegar a chave na cintura do guarda. A porta de todas as três celas são abertas. São formadas então três equipes, cada uma composta pelos integrantes de cada cela. Cada equipe irá chegar a saída por um caminho diferente, para dar mais chance de que alguma consiga de fato escapar de Mercy Street. Após se separarem, Nicole aconselha a ela e Richard à roubarem o uniforme de algum guarda, para que possam passar despercebidos pela armada local. Eles deixam os garotos em um canto da cela, enquanto se escondem em um armário que se encontram na cela a frente. Mas por muita sorte, os guardas que passam são um homem de corpo semelhante ao de Nicole, e um cubo gigante, de corpo semelhante ao de Richard. Eles capturam os soldados dentro do armário, e vestem seus uniformes (bem, na primeira vez, um vestiu a roupa do outro/ os peitos de Richard foram fortes demais para a camisa da Nicole). Finalmente fardados como militar, Nicole diz que irá escoltar as crianças até um corredor, enquanto Richard faz uma batedura no local. Ao chegarem no corredor, Anais mais uma vez está tentando convencer Gumball de que ela não quer ser odiada por ele, e que ele é muito importante para ela. Darwin tenta intervir, mas nesse momento, quem corta o "clima familiar" é Hansen e Kenneth. Eles aparecem armados, aparentemente haviam percebido a fuga através das câmeras de segurança do local. E não parecem nada felizes. Eles dizem que estão cansados do comportamento evasivo dos Wattersons, especialmente de Anais. Fazem isso enquanto Kenneth aponta uma arma bem em direção a ela (de novo, essa menina parece atrair armas). Ele estava pronto para atirar quando, meu Deus, a idiotice de Richard salva o dia: ele aparece do nada na frente do corredor, derrubando uma lata de lixo que havia por ali. O barulho é o suficiente para assustar Kenneth, fazendo desviar a mira para pouco acima da cabeça de Anais. Enquanto olha pra trás assustado, Gumball pula bem em cima dele e (eis aqui um momento creepypasta) usa as garras para abris um corte grave no peito dele. Hansen, que desviou sua atençao para o amigo, sofre uma rasteira de Nicole, bate a cabeça no chão, e fica desacordado. Bem, agora temos uma pessoa morta e outra apagada.

Gumball na verdade continuava dilaçerando o peito de Kenneth, até que Nicole consegue fazê-lo parar. Todos obviamente estão assutados com o que aconteceu, especialmente Gumball, que não imagionou que fosse ser capaz de fazer algo do tipo. Em uma cena, que eu achei um tanto quanto pertubadora, porém, Anais abraça o irmão, dizendo que não sente medo dele, e que sabe que ele só fez aquilo para protegê-la. O restante da família acaba percebendo que a atitude PSICOPATA do Gumball foi apenas uma tentativa de defender a irmã; bem, exceto Richard que não estava entendendo nada, mas ele nunca entende nada. Assim que Darwin esconde os corpos em um armário, os Watterson começam a correr em direção à saída. Bem em frente a porta principal, eles dão de cara com o grupo da cela 2, a cela do "par de olhos". Finalmente nós conseguimos ver seu corpo: é um humano, ou pelo menos tem corpo de humano. Mais ainda não conseguimos ver seu rosto, que está todo coberto por uma grossa faixa de pano... exceto nos olhos. Ele conta que o terceiro grupo foi todo capturado, e provavelmente foi enviado para uma seção especial de Mercy Street, onde são levados cativos mais pitorescos. Não havia mais salvação para eles, mas para os Wattersons e para o par de olhos, a salvação estava bem ali, do outro lado da porta. Ao abrirem, porém, já estava formado uma pequena barricada com dois carros militares, uns 15 soldadados e inclusive um helicóptero!!!! E o restante da guarda de Mercy Street já estava se dirigindo em direção à lá. Um dos integrantes da equipe 2 sugere que é hora do plano B, para desgosto de Richard.

O "Par-de-Olhos" (não sei porque ainda o chamo assim) atira em direção ao helicóptero: ele provavelmente era um atirador treinado, já que a bala conseguiu penetrar bem no olho do piloto, fazendo a aeronave cair em cima da tropa. Tempo suficiente para botar em ação o plano B, todos voltam para dentro de Mercy Street, e atravessam vários corredores só para chegar à uma sala que dá aos esgotos da estrutura. Gumball perguntou porque eles não haviam ido por ali desde o começo, e Richard diz que era uma "saída muito nojenta". De qualquer forma, eles descem pelo esgoto, e vão caminhando todos em direção à Deus-sabe-onde. Eles eventualmente chegam à um bueiro, e enquanto todos saem dele ao som de Beat It (cena engraçada, até), eles olham para atrás e vem Mercy Street à distância, com o helicóptero pegando fogo na sua entrada. Perto deles estava ninguém menos que... o senhor Small, para quem não sabe, é o conselheiro educacional da escola. Ele conta que era amigo do "par-de-olhos" desde a infância, e ficou sabendo de sua intençâo de fugir de Mercy Street. Haveria um final para concluir, mas Paul não conseguiu pensar em nada, então a conclusão ficou em aberto.


14 comentários:

  1. Essa creepypasta:
    -Trata de temas pouco discutidos na sociedade, -Aprofunda liberdade de expressão sem desrespeitar
    -Utiliza personagens conhecidos (sendo que eu não os conhecia até ter lido aquela outra creepy sobre este desenho) sem precisar daquele papo de "encontrei uma fita no meio da rua, levei para casa e vi que tinha um episódio perdido e blá blá blá"
    -E ainda tem um toque de humor (na parte que eles saem do bueiro ao som de Beat it, de Michael Jackson), o que eu nunca tinha visto numa creepypasta.

    Excelente, vou divulgar bastante ela, isso é, vou divulgar o blog.

    ResponderExcluir
  2. Não curti !

    Queria ter me assustado! =\

    ResponderExcluir
  3. Entendi que, o diretor da escola era amigo do "par de olhos" e concordava com o que ele dizia, isso é, também concordava com os princípios de Anais.
    Por conta disso, o diretor fingiu não concordar com Anais para ter um motivo para mandá-la para a prisão com a família dela para que eles pudessem fugir com o amigo dele, isso é, era tudo um plano do diretor para que o amigo dele estivesse fora da prisão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O diretor não era amigo do par de olhos e não concordou com a Anais em momento nenhum, na verdade quem queria ajudar o par de olhos era o conselheiro da escola (acho que e o senhor pequeno).

      Excluir
    2. O diretor não era amigo do par de olhos e não concordou com a Anais em momento nenhum, na verdade quem queria ajudar o par de olhos era o conselheiro da escola (acho que e o senhor pequeno).

      Excluir
  4. Creepypasta criativa, gostei!

    ResponderExcluir
  5. A melhor creepypasta que já li. Parabens

    ResponderExcluir
  6. Pqp odiei e isso nem eh uma creepypasta

    ResponderExcluir
  7. eu gostei e ao mesmo tempo n gostei, eu gostei do conteudo, mas ao contrario das creepypastas, isso n tem muito haver com o desenho em questão

    ResponderExcluir
  8. Gente BURRA que nao entendeu a creppypasta

    ResponderExcluir
  9. Eae Pessoal do Blog Creepypasta Brasil tudo certo ? então, queria dar uma pequena informação que estamos desenvolvendo dois episódios perdidos de Bob Esponja (Patrick's Leg e Red Mis ou Suicidio de Lula Molusco) porém os projetos vão demorar um pouquinho para terminar, mas iremos tentar fazer o máximo possível para poder termina-los, nós também faremos outros Episódios Perdidos em Geral,porém isso mais tarde.

    Entrem no Canal : www.youtube.com/user/brawsks/videos

    E Assista aos dois únicos vídeos que ainda temos, de Bob Esponja SlenderMan e Eyeless Jack

    Peço também que porfavor se puder já se inscrever para poder acompanhar não só os Episódios Perdidos que iremos postar e Bob Esponja mas também outros de Terror.

    Muito Obrigado,
    prazer Amendo

    ResponderExcluir
  10. Olha não quero ser chato mas uma certa coisa me incomodou nessa creppy foi o fato de vc escrever "HomossexuaLISMO" quando na verdade o certo é "Homossexualidade" o LISMO que vc escreveu significa doença e com certeza não é uma doença. só queria corrigir esse erro sei que foi um erro inocente mas isso pode nos ofender obrigado pela atenção ótima creepy aliás ;)

    ResponderExcluir