14/05/2012

XoRax


Meus pais foram os primeiros a serem infectados pela terrível doença, conhecida como XoRax. Posso me lembrar vividamente de meu pai em sua cama enquanto sofria espasmos musculares e se sufocava no próprio vômito. Eu fiquei ao seu lado, congelado no meu lugar, me recusando a sair e segurando soluços, as pupilas dele dilatavam até que seus olhos se tornarem manchas pretas no seu rosto. Ele tentava falar, virando sua cabeça para o meu lado, mas abrir a boca só fazia com que ele vomitasse de novo.

Lembro de ter dito algo, mas esse detalhe está perdido para mim agora. Eu lembro de olhar para seus olhos enquanto seu olhar se tornava cada vez mais incerto até sumir por completo de sanidade. Deixei sair um suspiro e fui correndo para meu quarto em desespero, sem querer encarar a verdade. Minha mãe foi a primeira a morrer, então meu irmão mais velho que tinha acabado de fazer 17 e finalmente meu pai.

Não tinha considerado o fato deu ter sido o único que não peguei a doença - e ela era de fato muito contagiosa - Eu só me julgava dono de uma sorte muito grande, mesmo sendo uma sorte tão trágica. Cai no sono no corredor, enrolado no cobertor da minha mãe. Seu perfume fazia o cheiro pútrido suportável de algum jeito, ou pelo menos fraco o suficientente para que eu pudesse ignorá-lo.

Então me lembro de um bater insistente na minha porta, uma série de gritos do outro lado da porta. Estavam procurando por sobreviventes, procurando fervorosamente por qualquer um que ainda estivesse vivo apesar da epidemia. Eu corri até a porta e abri para descobrir de quem se tratava. Eles se identificaram como a Tripulação do Dia.

Seus rostos estavam obscurecidos por imensas máscaras de gás presas a algum tipo de filtro nas bochechas, a respiração era lenta e monitorada, as vozes era praticamente indecifráveis através do seu aparato mecânico fazendo roncos e chiados. Estavam cobertos da cabeça aos pés em uniforme isolante com os dizeres "Tripulação do Dia" nas suas costas.

Mandaram que eu fosse ao salão principal onde pude ver outras quarenta crianças com mais ou menos minha idade recebendo ordens e sendo enfileiradas. Um vez que todo o grupo tinha sido totalmente examinado, começamos nossa viagem pelas ruas, sendo essa visões de caos e destruição. Ouvíamos o barulho de saques e o desespero de dentro das casas, mas não tínhamos saído ao mundo nos últimos dias com medo de pegarmos a infecção.

Haviam mais membros da Tripulação do Dia queimando os corpos que estavam caídos pelas ruas, tentando purgar a terra enquanto mantinham distante a fuligem. Fomos silenciosamente colocados na parte de trás de um enorme caminhão que nos levou para o sul, para longe das cidades e dos subúrbios, para dentro da densidade crescente da floresta.

Quando o caminhão chegou a um corredor estreito, as portas se abriram para revelarem mais membros da Tripulação do Dia, que nos guiaram para uma clareira na floresta. Fomos interrogados sobre a exposição que sofremos à infecção, ao XoRax, e se sentíamos qualquer sintomas como náuseas ou vertigem; apesar de todos terem testemunhado os membros de nossas famílias adoecerem e termos tentado em vão cuidar deles, estávamos perfeitamente bem em qualquer aspecto físico.
A Tripulação do Dia inicialmente disse que estava perplexa com a nossa imunidade, ao passo que qualquer um que entrasse em contato com a doença iria certamente adoecer em horas. Então era chocante ver que nós, que havíamos passado por esse pesadelo por semanas estávamos bem. Administraram mais testes e perguntaram mais coisas, mas no fim, decidiram que tínhamos uma imunidade genética no nosso sistema de genomas, e então o vírus não podia nos pegar.

Nos contaram que a Tripulação do Dia queria nos estudar, que nos viveríamos sob proteção da floresta na quarentena, e que eles esperavam achar uma cura a partir do nosso grupo que pudesse ser usada para curar o mundo todo e acabar com o XoRax de uma vez por todas.

Deram o melhor para soarem positivos e tranquilos em relação a situação, mas era óbvio que até eles mesmos estavam em dúvida de seus esforços, e que não havia garantia de que seus testes seguiram por muito tempo.

Ainda assim, seguiam otimistas e nos prometiam que salvaríamos milhares com nossos esforços. Construíram uma vila fechada na floresta, providenciando a cada um de nós uma moradia feita nas árvores daquela área. Fui levado a uma simples casa na árvore que tinha uma única cama em um canto e uma mesa no meio. Nos contaram que a primeira coisa na manhã seguinte é que tirariam sangue nosso para exames, então não nos permitiram comer nada até lá. Eu lidei bem com isso, não tinha fome a dias, e a imagem do meu pai, mãe e irmão cobriam minha mente. Não conseguia dormir, a floresta estava fazendo muitos barulhos com grilos e sapos, e o som do maquinário das roupas da Tripulação da Noite me mantiveram acordado.

Fomos acordados no dia seguinte bem cedo para nos enfileirarem para que nosso sangue fosse retirado. Enquanto agulhas eram preparadas para nós, nos contaram que receberíamos uma vacina que impediria que atingíssemos a puberdade, de modo que não perdêssemos a imunidade com o crescimento do sistema imunológico. Não pensaram no fato de que nunca poderíamos crescer, ou ter filhos, mas não deveríamos nem ter sobrevivido as primeiras horas de epidemia, quanto mais nos próximos anos, então nossa vida adulta foi vista como um sacrifício necessário.

Isso seguiu por algumas semanas, continuamos recebendo vacinas de modo a garantir que a cura seria achada, mas estavam começando a se desesperar. Passei a prestar atenção as conversas da Tripulação da Noite, e comecei a conseguir entender o que diziam quando se sentavam perto da minha janela, ao redor de uma fogueira.

Descobri que nosso acampamento era apenas um em vários na área ao redor, e que eles haviam descoberto que o XoRax havia vindo do mar do oeste. Contavam histórias de terror sobre as pessoas que viviam a beira mar, que foram atingidos de modo mais forte, tinham se tornado totalmente pálidos e começado a criar estranhos esporos nos cotovelos, cinturas e dedos dos pés. Precisavam manter-se constantemente hidratados, do contrário, sua pele começaria a descascar e cair. Suas pupilas haviam se dilatado e seus olhos estavam completamente negros. Nessa parte, lembrei-me do meu pai, sentado em seu sofá, remoendo-se em dor.

Havia comida nas montanhas, um afirmou ao outro, estavam mantendo em conserva, talvez para evitar que apodrecesse. Outro falou, revelando que encontraram mulheres grávidas que não haviam sido expostas ao XoRax, e que eram mantidas nas montanhas para poderem dar a luz longe da doença. A conversa voltou a situação atual e começaram a discutir sobre o acampamento, e sobre nossos resultados, sobre eles não estarem sendo desenvolvidos muito rápidos. Então houveram acusações, dedos apontando e gritos, mas então decidiram apenas manter o pensamento positivo e esperar para que algo de bom finalmente ocorresse eventualmente.

A discussão voltou aos infectados da costa oeste, que claramente trazia a atenção de todos, ao se lembrarem dos corpos que viram nas águas, com os olhos inteiramente negros e profundos.

Rolei em minha cama, sem conseguir ouvir mais nenhuma história sem me lembrar da minha própria família. Olhando para o teto, rezando para que encontrassem logo uma cura, e esperando não ouvir mais sobre o assustador povo do oeste.

-

Faz mais ou menos um mês que os testes estão sendo conduzidos, até que a umas horas atrás, após as vacinações, algumas crianças começaram a reclamar de visão destorcida. Elas conseguiam ver luzes caminhando nos céus,através das planícies. Mesmo com os rostos cobertos por máscaras, eu conseguia ver a preocupação que os atormentava.

Nos disseram que era apenas ilusão de ótica, e que desaparecia logo, em horas. Quando acordei no dia seguinte, olhei para fora e também podia ver as luzes se movendo pelos céus, então proibirão qualquer um de falar sobre as luzes, já que era óbvio que todos podiam vê-las.

Ao que nos enfileiramos para a retirada de sangue, um dos membros da Tripulação da Manhã ficou terrivelmente doente, e começou a vomitar através da máscara. Em um pânico horrível, eles nos mandaram voltar para nossas casa enquanto levavam o membro adoecido para dentro da floresta. Nos mandaram sair e nos enfileirar para uma descontaminação. Após nos cobrirem com uma substância parecida com giz, começaram a remover usando um líquido de cheiro horrível, até que fosse seguro lidar conosco de novo. esse exercício se tornou parte de nosso regime diário, e começamos a chamar de "As Remoções", ao invés dos termos oficiais, estávamos desiludidos, e era óbvio que eles também estavam.

As alucinações começaram a piorar, mesmo as vacinações tendo parado a muito tempo. Algumas crianças começaram a criar amigos imaginários que viviam no ar, falando com as luzes. Estava horrorizado pelo fato de talvez começar a enlouquecer também.

Não queria bisbilhotar nas discussões perto da fogueira durante a noite, mas as conversas pioravam a cada semana. Com um desespero notável em suas vozes, a Tripulação da Noite começou a trocar informações sobre os outro campos.

A comida das montanhas havia sido contaminada, e rumores começaram a circular sobre as grávidas terem dado luz a filhos defeituosos, com cada criança em um peso muito acima do saudável e com os olhos muito separados. Eles provavelmente adoeceriam e morreriam logo, obviamente. A cura que havia sido testada nos pacientes afetados pelo XoRax não mostrava nenhum sinal de prevenir a doença, tão somente tornando o progresso dela mais lento, perdendo vidas em dias, e não em horas.

Ao que haviam pouquíssimas boas notícias, dentro de tão pouco que havia sido feito em tanto tempo de esforço, notícias sobre a decisão de que qualquer um com a doença deveria ser destruído para evitar mais infecções. Havia um gelo em suas vozes.

Deitei e observei as luzes dançarem sob minha cabeça, brincando em meus olhos, até que dormi.

As "Remoções" acabaram no dia seguinte, deixando-nos para trás, ao que seu experimento havia falhado. As outras crianças pareciam não terem notado isso, e decidiram continuarem a fazer amizade com as luzes, as criaturas imaginárias, e em depressão, afundei em minha cama, só para sofrer uma dor violenta de espasmos e tremor no processo. Apaguei e desmaiei aquela noite. Tive pesadelo atrás de pesadelo. Quando acordei, ouvi algo no ar passando pela minha porta,algo que não deveria estar lá. Me virei na minha cama e relutante olhei para cima no ar e vi a bola de luz semovente flutuar ao redor de minha casa até descer em minha cama.

"Olá, Link. Acorde. A Grande Árvore Deku lhe invoca!"










19 comentários:

  1. oi pessoal,tudo bem?aque quem ta falando é o bubu.
    e eu tenho um canal no youtube de creepypastas da uma olhada la

    http://www.youtube.com/user/medodemorrer/videos

    ResponderExcluir
  2. AAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH VSF

    aeaheuaheuauehauehuaehuae cai direitinho nessa

    ResponderExcluir
  3. Boa só achei meio Confusa ... .-.

    ResponderExcluir
  4. haha nem tinha reparado que era sobre a série Zelda, pra mim tava mais uma história de terror com direito a continuação...

    ResponderExcluir
  5. Trololol lolo lol hsuahsuashauhasuahsush cai direitinho nem reparei que era sobre ele xD

    ResponderExcluir
  6. Li essa no celular hoje de manha, uma pena pois a imagem aparece logo ao lado do texto, tirou toda surpresa, e foi logo nessa, que se trata de uma serie que eu sou fa :-(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comigo foi quase a mesma coisa, eu dou scroll na página toda do blog pra ver se tinha perdido alguma creepy, dai eu vi o Link e fiquei mow triste... mas tudo bem pq essa creepy é muito foda *u*

      Excluir
  7. kkk' que trollagem crepystica ;P shauhs'

    ResponderExcluir
  8. vish vamos quebrar algun vazos

    ResponderExcluir
  9. Genial! Os infectados perto da costa são os Zoras e os bebês defeituosos são os Gorons

    ResponderExcluir
  10. Comigo aconteceu o msm vi pelo celular debaixo do título a foto do Link

    ResponderExcluir
  11. kkkkk mais e os humanos normais nun entendi onde tão

    ResponderExcluir
  12. lol,pensei que iam arrancar as tripas para fazer experiencias nas crianças,coisas assim.LOL

    ResponderExcluir
  13. Nossa véi, nem fazia ideia que era da série kkkkkkkk quando eu vi
    "Olá, Link. Acorde. A Grande Árvore Deku lhe invoca!" eu abri um sorrisão e pensei ''NAO È POSSIVEL'' aí eu vi a foto dele la em baixo kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  14. quando eu li a parte da casa na arvore com uma cama e uma mesa no meio eu ja pensei "LINK???" e quando eu li aquela parte das bolinha flutuantes eu tive a certeza que era The Legend of Zelda! muito boa a creepy

    ResponderExcluir