08/06/2012

Novo começo, nova vida, nova eu.


Me mudar para um lugar novo era algo grande para mim. 3 horas de distância da minha casa, da cidade que eu amava, da cidade na qual eu cresci, e do meu ex-namorado que foi o motivo para que eu fosse embora, quase fugindo.
Novo começo, nova vida, nova eu, era o que eu havia decidido quando me mudei.

Eu estava me saindo bem nos primeiros 6  meses, meu trabalho estava ótimo e eu até comecei a sair com um cara novo chamado Paul. Ele tinha basicamente tudo que meu ex não tinha. Era educado, gentil, compreensivo e com  aquele toque masculino na medida certa. As coisas estavam se saindo tão bem que eu sequer percebi quando começaram a dar errado. Foi quando e percebi que certas coisas que vinham acontecendo não eram apenas coincidências pequenas, e que estavam se juntando parar formar algo maior e mais complicado, e agora que paro para pensar era bem pior o que eu imaginava. Algo que me fez metade da mulher que eu fui um dia.
Começou por umas coisas pequenas, como o livro que eu estive lendo, lembrava tê-lo deixado no criado-mudo do lado da cama, e depois achá-lo no banheiro. A foto minha e de minha mãe que sempre matinha sobre a lareira estava no chão, quebrada. A frigideira estava com restos de comida e no chão, que eu não lembrava de ter preparado. A partir do momento em que eu morava sozinha, não podia ser mais ninguém. A princípio só imaginei estar sendo descuidada, então começaram a acontecer mais e mais coisas, como quando voltei para casa me lembrando de ter deixado a tv desligada e agora ela estava ligada e meu colar preferido fora da caixa de jóias, no chão. Liguei para Paul e chamei ele até minha casa para me ajudar a procurar por sinais de invasão. Ele aceitou gentilmente, mesmo achando que eu estava me preocupando demais.

"Amor, eu sei que geralmente você é muito organizada,  mas as vezes as pessoas se enganam, colocam coisas fora do lugar e se esquecem". Ele me disse para tentar relaxar. Eu sabia que ele estava certo, mas algo simplesmente não estava certo sobre aquilo tudo.

Ele ficou por uma semana mas nós só estávamos namorando a uns meses, e eu não queria que ele percebesse meu potencial para paranóia. Então após essa semana eu disse a ele que tudo bem, ele podia ir. Ele gentilmente me disse que se precisasse de algo era só ligar. Eu honestamente esperava que não precisasse.

Na noite em que ele foi embora eu fiquei assistindo tv. Estava um pouco ansiosa mas disse a mim mesmo que só estava exagerando. Estava tão cansada que me deixei levar por um filme e dormi na metade. Acordei as 4 da manhã coberta por um cobertor que não estava lá. Todas as outras coisas aconteceram quando estava fora da casa, então isso me assustou mais que o normal. Peguei meu telefone e liguei para Paul. Enquanto ligava percebi que talvez eu mesmo pudesse ter pego o cobertor para mi mesmo, talvez fosse essa a resposta para tudo. Quando Paul atendeu ele estava preocupado. Disse a ele o que aconteceu e pedi desculpas por tê-lo acordado.

"Tudo bem, amor. Eu já estava acordado."

Me senti levemente melhor, disse boa noite e fui dormir.

Passei dois dias só descansando após o trabalho, assistindo tv. Na segunda noite estava escuro demais lá fora, então abaixei as cortinas. Pensei ter ouvido algo lá fora, mas me convenci de que era somente um cachorro ou um gato, e seguiu assim por uma hora e meia, mas então uma pancada na janela me gelou o coração.

Liguei para Paul e ele foi atencioso e disse que já estava vindo. Enquanto esperava ele chegar, ouvi uns barulhos na porta e relutei em abrir, mas quando o fiz, era apenas Paul. Ele chegou mais rápido do que eu esperava. Foi muito carinhoso e pediu docemente para que eu me acalmasse e que estava tudo bem. Pediu uma lanterna e circulou a casa, até gritando por alguém, mas não havia ninguém.

Naquela noite ele ficou e me colocou para dormir.

Na manhã seguinte eu disse a ele que estava tudo bem, e que eu provavelmente só estava exagerando mesmo, e que podia ter sido um pássaro ou qualquer coisa assim, então ele foi para casa. Quando cheguei do trabalho, fui olhar a janela que havia sido batida na noite passada e abaixo dela achei meu próprio relógio.

Essa descoberta realmente me fez questionar tudo que estava acontecendo até agora. E se fosse tudo criação da minha imaginação? Comecei a achar que estava ficando um pouco louca. Não sabia o que estava acontecendo e as explicações pareciam pouco confiáveis uma vez que só eu presenciava as esquisitices e tudo parecia tão estranho só comigo.

Uma noite alguns dias depois, eu estava na internet, e por acaso vendo vídeos no youtube, quando a conexão falhou. Desci as escadas para checar o roteador e vi o plug em cima do sofá. Naquele momento percebi que não havia sido eu. Eu estava no computador e não poderia ter feito aquilo. Então percebi que se não havia sido eu, alguém devereria ter entrado em minha casa e feito aquilo. Talvez ainda estivesse em minha casa. Liguei para Paul e ele não  atendeu. Após três chamadas deixei uma mensagem dizendo que ia até sua casa porque coisas estranhas estavam acontecendo de novo. Peguei meu carro e fui. Cheguei em sua casa e achei estranho  pois ele não estava lá. Ele não havia mencionado que sairia mas nós não contávamos tudo um ao outro então eu simplesmente liguei para ele de novo. Quando atendeu ele estava ofegante e assustado exatamente como eu me sentia. Ele disse que tinha recebido minha mensagem e estava voltando para me encontrar.

Eu perguntei a ele se deveríamos chamar a polícia, mas ele disse que provavelmente não achariam ninguém e que se realmente houvesse alguém na casa, provavelmente já estariam longe a essa hora, pois haviam  perdido a chance de me atacar. Era tudo muito  lógico e me senti muito mais segura em seus braços. Deixei as coisas como estavam e ele me disse que voltaria no dia seguinte para olhar.

Naquela noite ele permaneceu roncando suavemente próximo a mim, mas eu não consegui dormir. Estava pensando demais quando um pensamento estranho me ocorreu. Quando eu chamei ele mais cedo ele apareceu mais rápido do que eu esperava, e ele sempre estava por perto da minha casa, tinha acesso aos meus pertences e até minhas chaves reservas. Nunca estava por perto quando acontecia algo e me desencorajou a chamar a polícia. E se eu estivesse deitada do lado do homem que tem feito tudo isso a mim? Não aguentei o pensamento, mas cada vez mais e mais parecia fazer sentido e eu e assustei como nunca na vida. Deslizei de leve para fora da cama e fui  até sua escrivaninha para procurar algo. Lá estava meu colar, meu pertence mais caro, nas coisas dele.

Mas, o que ele estaria ganhando  com isso? Poder, eu acho.  É.  No  fim das contas, é tudo poder, ele não é tão diferente assim do meu ex. Eu  pensei  em acordá-lo e confrontá-lo mas acho que era exatamente isso que ele queria. Não suportava mais estar ali.

Sem pensar duas vezes eu saí, fui de volta para casa. Precisava pensar mas  também precisava me concentrar na estrada. Como eu  cheguei em casa inteira, nunca vou saber.

A  ligação que eu recebi de manhã era a que eu esperava mas não sabia como responder.  Era ele, perguntando porque eu tinha ido embora? Disse a  ele que não conseguia dormir e precisava pensar um pouco. Não se convenceu muito mas deixou por isso mesmo. Ele perguntou se queria que ele viesse checar a casa de novo para ver se achava algo ou alguém, mas eu disse que estava tudo bem, não precisava. Mas não contei que havia mudado as fechaduras ou que tinha colocado uma tranca extra na porta.

Pela próxima semana eu basicamente me excluí da sociedade. Avisei no trabalho que estava doente e parei de atender as ligações de Paul. Ele começou a me mandar mensagens dizendo o quanto estava preocupado e até veio aqui algumas vezes bater na porta, mas eu só ignorava. Então resolvi ligar para ele e dizer que tinha voltado para a casa da minha mãe para passar uns dias  e pensar. Não podia sair da casa por  ele poder entrar e fazer algo pior. Não podia nem chamar a polícia, porque provavelmente me achariam louca por não ter provas.

Acordei na noite seguinte a ligação que fiz a ele com um barulho na porta da cozinha. Peguei a faca grande que sempre mantinha comigo e me esgueirei pela parede.

Tinha certeza que ele viria. Certeza que ele entraria. Foi tudo bem por  um tempo, sem mais sons pela noite. Tirando alguns míseros segundos, eu não dormi nada nessa noite. Quando o sol nasceu, eu me levantei de minha cama e fui fazer mais café. Parei morta no caminho para minha sala.

"Porque você não me quer na sua vida?!"

Letras de metro e meio rasgadas na parede. Caiu no chão chorando. Ele entrou na minha casa. Eu chequei a porta, sem sinais de arrombamento, não entendi como ele fez isso.

Liguei para a polícia e disse tudo que aconteceu. Contei-os sobre Paul, disse a eles o quanto estava assustada. Eles fizeram um b.o e vieram checar minha casa. Não acharam sinais de arrombamento nem de entrada. Na verdade, não havia entrada na minha casa, salvo uma pequena janela no porão que eu não me lembrava de ter trancado.

Me deixaram e me disseram que iam falar com Paul. Tranquei a porta quando eles saíram.

Fiquei acordada de novo.  Sentada na minha cama contra a parede e com  minha faca em mãos; nem precisava mais de café para ficar acordada.  Mais barulho durante a noite. Eu não pude sair do quarto para checar. Os barulhos aumentaram por mais tempo também. Na manhã seguinte uma nova mensagem. Bem abaixo da outra, escrita com mais raiva, mais incompreensiva, cheia de fúria.

"Porque você simplesmente não me deixa entrar?"

Perdi o ar dos pulmões e liguei para a  polícia de novo. Investigaram tudo, tiraram mais fotos e fizeram um escritório na minha sala.

Prisioneira em minha própria casa, ao menos me sentia mais segura. Passei por um dia normal após semanas de loucura.  Quando a noite veio eu dormi profundamente após checar que haviam três carros da polícia lá  fora.

Acordei melhor do  que nunca e desci as escadas pronta para oferecer aos policias um pouco de café quando me deparei com algo que nunca me esquecerei.Uma terceira mensagem, por cima das outras duas, em letras imensas. A tinta estava pingando, em vermelho forte, como sangue.

"Eu entrei."

Corri até o carro da  polícia mas ele não  estava lá.  Falei com os policiais e imediatamente mandaram reforços. Estava muito assustada para voltar para casa e fiquei parada tremendo no gramado. Em minutos os reforços chegaram e logo minha casa estava cheia de policiais. Dois homens saíram de dentro de minha casa com uma maca coberta e eu não precisei preguntar quem era. Era o policial que estava no escritório em minha casa.

Fui levada até a delegacia onde me deram um lençol e um chá. Quando tentaram pegar meu depoimento, eu  não conseguia falar. Gritava com eles com os meus olhos de que havia sido Paul, e que eles precisavam parar ele, impedir que ele fizesse aquilo de novo. Mas eles não me entenderam. Me deram pílulas e um doutor veio me ver. Os  policiais decidiram me manter em uma cela durante a noite devido a morte que aconteceu em minha casa. Me disseram que não acharam Paul, o cara dele havia desaparecido e sua casa vazia. Fiquei feliz em estar na delegacia aquela noite, me senti mais segura. Dormi sendo perturbada por pesadelos nos quais eu era perseguida  por uma criatura  que não conseguia identificar. Sabia que era Paul.

Acordei de manhã com o Doutor na minha frente. Ele estava me explicando algo, eu realmente não consegui entender direito. Algo sobre "dormir" e "múltiplas" e "perigoso". Eu logo percebi que não estava na cela em que tinha dormido. Essa era maior, mais brilhante, mais branca e eu não conseguia me mexer.

Aparentemente escrever isso aqui deveria me ajudar, pelo que disse meu psiquiatra. Eu acho entediante.

34 comentários:

  1. BOA!

    Esquizofrenia, multiplas personalidades, esse final foi bem mind fucker mesmo! Estava esperando algo como um demônio, um fantasma ou algo assim.

    Caras, cada dia que entro no blog me surpreendo, vocês mandam muito bem nas escolhas das creepies!

    ResponderExcluir
  2. Muito boa! Demorei um pouco pra entender o final, mas adorei!
    Cada dia que passa o blog fica cada vez melhor. Que continue assim!

    ResponderExcluir
  3. interessante como a mente humana pode ser deturpada, é um conto mas não duvido que uma pessoa com problemas mentais possa realmente fazer tudo isso. Ótimo conto e parabéns ao blog!

    ResponderExcluir
  4. olha eu posso ajudar voces na parte de desenhos eu já achei várias eu posso ajudar voces ou voce sei lá .voces ou voce querem a minha ajuda nos desenhos eu mando o url de algumas creepys que já achei e mando pra voce ou um dos seus colaboradores traduzem.posso mandar para alguns dos seus colaboradores?

    ResponderExcluir
  5. A primeira mindfuck q eu
    nao entendi ._.
    alguem esplica?
    u.u

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo que eu entendi a mulher sofria de múltiplas personalidades e estava causando todo o mal a ela mesma e pensando que era o namorado. Até que foi parar no hospício.

      Excluir
  6. entao pau é uma inveçao da mente dela ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk!! não o "Pau" existe já o Paul é o lado que ela não sabe que existe (pelo o menos eu acho que é isso)

      Excluir
    2. Eu ri do "pau". Hermafrodita? D:
      Enfim, pelo que entendi o Paul é a outra personalidade dela. Isso pode explicar porque ela achava ele perfeito.

      Excluir
  7. Eu acho que a creepy ficou um pouco mal escrita por conta dos erros ortograficos e de pontuação. eu não consegui entender muito bem o que a garota fez antes de depois mas no final acabei entendendo o propósito da creepy. o medo e a ameaça podem vir de todos os lugares. até mesmo dos lugares que vc acha que conhece, como vc mesmo.
    uma boa creepy. não é uma das melhores, mas eu gostei. parabens ao escritor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. na minha opinião erros e palavrões deixam a creepy mais real

      Excluir
    2. sim, até porque nem todos falam direitinho ou deixam um "porr*" de lado.
      concordo com esse cara aqui.

      Excluir
    3. sim, mas eu falo de erros do escritor mesmo. acho que algumas partes ele deixou alguns erros de pontuação, o que pode confundir bastante o leitor e assim prejudicar no entedimento, mas felizmente não chegou a esse extremo. eu tambem acho que palavrões deixam mais realistico, porque mesmo a pessoa mais crente/direita em uma hora dessas não vai segurar a lingua.

      Excluir
  8. Mas e o plug que foi desconectado da internet ?

    ResponderExcluir
  9. Verdade cara... E o plug?!?!
    UHUAHUA
    fora isso, Creepy mt boa (algumas inconsistências)... Eu comecei a duvidar desse Paul no momento que ela começou a falar bem dele APOSKposkaS O que mais me intrigou foi a crença total de que era ele, do dia pra noite literalmente... Mas as mensagens não deixaram dúvida... Esquizofrenia ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o plug era ela mesma quem fazia tudo tinha várias personalidades...

      Excluir
  10. pow... o plug foi ela mesma oras... mas ela nao tinha consciencia kkkkkkkkkkk
    mto boa a creepy
    parabens galere!

    ResponderExcluir
  11. Na parte dela ter achado o proprio relogio eu me liguei

    Muito boa

    ResponderExcluir
  12. Eu achei que seria tipo outra parte da alma dela ou uma tulpa...

    ResponderExcluir
  13. eu achei que fosse dupla personalidade, mas acho que errei feio :P
    foi o "pau" mesmo?
    em fim, damn it~

    boa essa, bem inteligente e tem o final estiloso. not bad :o

    ResponderExcluir
  14. Tipo, quando ela dorme ela fica inconsciente do que ta fazendo, sabe? É ela que fez tudo, que escreveu, que o diabo a 4.

    ResponderExcluir
  15. esse pedro vitor deve ser gay, pq como ele tem um namorado?
    é um baita viado!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na boa, você é troll néh?
      Não pode ser tão ignorante ¬¬...
      As creepys são traduzidas, encontradas, criadas... NENHUMA delas necessariamente ocorreu com autor/tradutor -.-''

      Excluir
    2. Posso assegurar pra ti que ele não é gay, haha.

      Excluir
  16. Muito bom, Mas eu achava que era o Paul era o Ex dela disfarçado e tentando matar ela ou algo do tipo... O final me deixou bem surpreso, Adoro esse blog :D

    ResponderExcluir
  17. Francis, como tu sabes hein?! Aposto que tu e ele estão NAMORANDO! Tão namorando! Tão namorando! Tão namorando!

    ResponderExcluir
  18. Foda, ela tem dupla personalidade. Eu só pensei nisso quando ela suspeitou do cara e foi morar com a mãe. Antes eu jurava que o Paul estava obsecado por ela... Muito bom esse conto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pensei tbm que o Paul estava seguindo ela e tals...mas ai quando ela falou do relogio na janela...

      Excluir
  19. mas tipo, a internet caiu e ela desceu no mesmo instante, e o plug tava la.
    Essa dupla personalidade dela permite ela se clonar? é isso? '-'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo que entendi, ela já havia colocado o plug lá antes, mas como era outra personalidade dela, ela não tinha consciência disso. Ela que tava fazendo tudo aquilo, ela escreveu as mensagens e matou o policial, entendeu?

      Excluir
  20. "Tudo bem, amor. Eu já estava acordado." ==== > A Partir daí eu jah percebi tudo =)

    ResponderExcluir