15/09/12

Sara O'Bannon



Caixões costumavam a ser construídos com furos neles, junto com 2 metros de tubos de cobre e um sino. O tubo forneceria ar para as vitimas caso fossem enterradas pela falsa impressão de que estavam mortas. Em uma pequena cidade perto Londres, Harold, o coveiro local, ouviu um sinal na noite e foi ver do que se tratava, provavelmente uma criança fingindo ser um espirito. As vezes era o vento. Mas desta vez não era nenhuma das duas coisas. Uma voz vinda de baixo implorava e pedia para ser desenterrada.

"Você é Sarah O'Bannon?" Harold perguntou.
"Sim!" A voz gruniu vindo do tubo.
"Você nasceu em 17 de Setembro de 1827?"
"Sim!"
"A escritura diz que você morreu em 20 de Fevereiro de 1857."
"Não, estou viva, foi um erro! Me desenterre, me liberte!"
"Desculpa, Madame" Harold disse, cortando o cordão do sino silenciando-o e colocando terra dentro do tudo de cobre. "Mas já estamos em Agosto. Seja lá o que estiver aí em baixo, tenho certeza que não está mais vivo, e você não vai subir."





24 comentários:

  1. Respostas
    1. Eles enterravam as pessoas em caixões com tubos de ar e sinos para elas sinalizarem caso fossem enterradas vivas por engano, no caso a mulher gritava dizendo que tinha sido enterrada por engano e estava viva, s que ela já estava morta faziam 8 meses!!! Ela já estava morta a muito tempo e seja la oque estivesse la embaixo não poderia sair!!! O coveiro foi Like a Boss! XD

      Excluir
    2. Foi daí que surgiu a expressão "salvo pelo gongo"

      Excluir
    3. Gente?!???!?!?!?!?!?!?! Como não entendeu? É tão simples.

      Excluir
  2. Galera não é um conto longo daqueles mas gostei acho dahora, eu nem morreria de medo kkkkkk

    ResponderExcluir
  3. Hohoho o cara trollo o zombie bonito

    ResponderExcluir
  4. Eu sempre pensei em ser enterada com um tubo pra mim respirar caso me enterra cem por algum "erro"

    ResponderExcluir
  5. Na realidade a historia acabou uhauhuha só é bem curta mesmo

    ResponderExcluir
  6. O coveiro não é bobo não hehehehe

    ResponderExcluir
  7. QUE COVEIRO FILHO DA PUTA! AGHUHAUHAUHUAHUAHUHAUHAUHA

    ResponderExcluir
  8. Imaginei ma hora o coveiro cortando a corda do sino, obstruindo o cano com uma pá de barro, virando-se para voltar ao seu posto então, no meio do caminho, ele para, olha pro céu, cruza os braços e com um sorriso sacana na cara pronuncia uma célebre frase:
    -"FUCK YEAH!".
    Haushaushaushausha!!!

    ResponderExcluir
  9. Genial! Essa história mostra que uma creepy não precisa ser longa para ser boa. Tem começo, meio e fim.

    ResponderExcluir
  10. meu, EU nasci num 17 de setembro, levei mó susto, mas esse coveiro ta muito troll fuck yea

    ResponderExcluir