24/10/12

Love Story



Essa é uma história de amor. Por favor, tentem se lembrar disso enquanto lêem. Amor. É tudo sobre Julie.
Soube do momento em que pus meus olhos nela que faria qualquer coisa para tê-la. Felizmente, não tive de trabalhar tão duro. Podia ver em seus olhos na primeira vez que nos falamos e chamei-a para sair. Ela também me queria e disse sim antes mesmo de eu terminar de falar. Os olhos dela brilhavam como diamantes. É uma das coisas que eu mais gosto nela.

Nos apressamos em dizer "Eu te amo", logo após só alguns encontros, mas nós sabíamos.

Minha casa estava sempre cheia dos meus amigos idiotas e então começamos a falar sobre arrumar um lugar para nós sozinhos. Meu melhor amigo, Greg, não ia muito com o a cara dela nem com o fato de estarmos nos mudando, mas ele entendia. De qualquer modo, sempre saíamos todos juntos para ver filmes, jogar boliche, coisas normais desse tipo.

Bem, recebi uma ligação dos pais da Julie umas noites atrás. Eles me disseram que receberam uma ligação da Polícia dizendo que ela estava havia sido atingida por um bêbado que atravessou a faixa de pedestres, e agora se encontrava no hospital. De qualquer modo, corri desesperadamente ao hospital e no meio do caminho Julie me ligou, para me desesperar mais ainda, mas quando atendi e ela me disse que estava tudo bem, haviam sido só umas escoriações e cortes, relaxei e me acalmei um pouco. Não me importo em admitir que ainda assim havia chorado um pouco de preocupação. Ela me contou que também já estava recebendo alta e assinando uns papéis, e logo poderia ir buscá-la.
Ao chegar no hospital já havia me recomposto e voltado ao meu normal. Mal pude entrar e me aproximar do balcão de informações quando a ouvi chamar meu nome. Me virei e vi ela. O brilho dos seus olhos não estava lá (não era de se surpreender, pelo que havia acontecido), mas ainda assim era ruim. Eu totalmente perdi a postura que achei havia ter retomado. Quebrei totalmente e abracei ela forte enquanto ela deslizava a mão para minha nuca, como ela fazia quando  eu estava bravo, e após um ou dois minutos nós fomos para meu carro.
Julie me contou que o motorista bêbado havia morrido e eu pensei "bem, melhor ele do que ela", e não me arrependi do pensamento; eu mesmo teria matado ele se tivesse sido me dada a oportunidade. Ela me disse que estava bem e no fim das contas, era só o que me importava.

Voltamos para minha casa e as luzes estavam apagadas, o que era estranho, uma vez que meus colegas de quarto sempre esqueciam de apagar quando saiam.

Julie estava se sentindo um pouco fria e parecia tão pálida que só nos deitamos e dormimos de conchinha até ela melhorar. Foi um longo dia, afinal. Lembro de ouvir uma última coisa antes de dormirmos totalmente: "Eu vou te amar pra sempre, meu bem."

Liguei para o trabalho no dia seguinte e disse que ficaria em casa com Julie, ela estava se sentindo bem fraca ainda, novamente não surpreendente. Havia umas chamadas perdidas de meus amigos e família, sem dúvida haviam sabido do ocorrido e queriam dar suporte, mas retornaria as ligações depois.

Talvez só o acidente, ou o fato de não a ver muito sem maquiagem... mas ela não parecia muito bem. Digo, a cor dos olhos dela estava se esvaindo e ela se parecia cada vez mais vazia, e o brilho não voltava. Sugeri que voltássemos ao hospital mas ela disse não, que estava bem, somente cansada e sonolenta.
Bem, dias se passaram e liguei avisando que ficaria em casa até ela melhorar. Mas ela não melhorava. Os olhos só pioravam e ela só se parecia mais e mais vazia. A pele dele começou a esfriar e estava chegando a um ponto em que eu a levaria para o hospital, ela querendo ou não. Foi ai que recebi uma ligação de sua mãe. Estava chorando e soluçando, e fazendo esforço pra se manter composta.

Os serviços de Julie seriam conduzidos após amanhã, ela me disse. Perguntei sobre o que ela estava falando. Que serviços? Para que? Estava confuso.

Julie veio até mim e ficou lá enquanto eu segurava o telefone. Ela olhava bem em meus olhos enquanto sua mãe me dizia: "Eu sei que é difícil para você e para todos nós, mas Julie se foi e não podemos a trazer de volta, todos nós a amávamos mas ela se foi..."

Ainda não entendia quando olhei para o rosto de horror de Julie. Ela sabia. Esse tempo todo ela sabia. Ela não havia sobrevivido ao acidente, mas de algum jeito ela estava ali e eu entendi. Os olhos dela, vazios e fundos, o brilho sumido, sua pele descolorida... Ela estava morta e eu estava observando ela decair aos poucos! Meu estômago se revirou e quase desmaiei. Julie me segurei, e senti suas frias mãos na minha nuca, fria como a morte. Ouvi a voz fina de sua mãe. Sem saber o que fazer ao certo, segurei o telefone e ela me disse que o corpo de Julie seria queimado no dia seguinte, logo ao clarear do dia. Desnorteado, eu disse ok, e avisei que iria ao funeral e a veria lá.

Desliguei o telefone e Julie e eu ficamos nos olhando por um longo tempo. Não havia mais dúvidas. Eu estava olhando para alguém que não estava vivo. Eventualmente eu falei : Como?

Ela disse que não sabia e não se importava. E quer saber? Eu também não.
Ela foi comigo para o funeral, e não foi como nos filmes, onde as pessoas atravessam ela ou algo assim. Não podiam vê-la, mas também não esbarravam nela. E quando abriam espaço para mim, abriam para ela também. Fui até seu corpo e ela ficou ao meu lado, triste, porém forte, por mim. A mão dela, fria, tão fria agora, na minha nuca. No caixão ela parecia saudável, desfarçada pela maquiagem. Foi muito difícil, mas ela estava ali do meu lado, soube me ajudar e entender que tudo que eu sempre amei foi ela e por isso me sentia tão destruído.

Voltamos para minha casa. Meus colegas de quarto estavam em casa mas ficaram fora do nosso caminho conforme eu fui para meu quarto. Naquela noite não dormimos. Só seguramos um ao outro e não me importei o quão fria ela estava. Choramos, conversamos, rimos das memórias engraçadas e choramos mais. Não falamos sobre o que estava acontecendo ou o que aconteceria.
O dia foi amanhecendo e a luz preenchendo o dia, e então o pensamento mais obscuro me ocorreu. Eu estava vendo ela como ela estava naquele momento, em decomposição. E ao meio dia desse novo dia que acabara de nascer, ela seria cremada. Entende meu sofrimento? Ela seria queimada até o nada na minha frente, e eu só poderia ver, sem fazer nada contra.
Liguei para seus pais, para a igreja, para a funerária, para quem pude para tentar evitar que a queimassem, mas ela me segurou, bem naquele lugar na nuca e me disse que estava tudo bem, tudo bem, me olhou nos olhos e agora ela começava a ficar grotesca de verdade, afundada... morta. Ela disse que me amaria para sempre e naquele momento eu soube exatamente o que faria.

Nas últimas horas o sol subiu alto e um lindo dia havia se formado. Nós assistimos as nuvens se tornarem formas engraçadas, e ao aproximar da tarde eu inventei uma desculpa para ficarmos no meu closet e lá esperamos. Quando o chegou o meio dia, eu vi seu olhar. Soube antes de começar. Ela me disse que não estava doendo. Fumaça começou a sair de seus olhos e seu cabelo pegou fogo. Uma calma fria se abateu sobre ela e calmamente a segurei em meus braços. As chamas começaram a me queimar também. Ela tentou me empurrar, mas não tinha mais forças. Sentia as chamas me queimar e não gritei. Não gritamos, não reclamamos, não falamos nada. Pude ver seu rosto se tornar uma massa preta disforme e o pressionei contra meu peito. Apertei ela e disse que a amava mais do que tudo e para sempre e a veria logo. Segurei-a até que virasse cinzas em meus braços e caísse pelos meus dedos.

Abri os olhos e não a vi mais ali. Nenhum traço dela. Nem cinzas, nem roupas, nada. Nada no closet havia queimado e minhas queimaduras haviam sumido.
Havia sido tudo isso só tristeza? Eu imaginei tudo? Ela esteve realmente ali esse tempo todo? Não sei. Escrevi isso para que minha família e amigos entendam o que eu tive de fazer. Não ficaria aqui sem ela. Não posso. Vou encontrá-la de novo e lá estará ela, acompanhada de seu brilho nos olhos e tudo estará bem de novo. Tudo bem.


35 comentários:

  1. Ali no final da a sensação de que terá aquele final clichê, do tipo: "Ô,ela estava morta mas mesmo assim estava comigo!". Felizmente foi totalmente diferente. O Personagem agiu bem também, aproveitou os últimos momentos com a sua amada mesmo sabendo que a mesma estava morta. Isso foi bonito.

    Muitos, ao ver que a mina estava morta, chamariam no minimo um padre para limpar a casa ASJIDSOIJDAIOSJDAOISJD' ;) Ótima creepye!

    ResponderExcluir
  2. Cara... Muito estilo, gostei bastante e como ainda estou em fase de amadurecimento em quesito creepy ainda nao tenho totalmente argumentos criticos..mais em um português não coloquial..MUITO FODA *--*

    ResponderExcluir
  3. Não sei se podemos encaixar em creepypasta uma vez que não chega a dar medo, mas se pudermos, foi uma das creepypastas mais lindas que já li, sério.

    ResponderExcluir
  4. uh uh gosssteiii mais o carinha se foi tbm pro além....... podia remoçar e ter filinhos (uns 10 no minimo)

    maisss ae como alguns disseram foi profundo..... e bonito tbm né

    gosti, gosti xD

    ResponderExcluir
  5. Gostei da Creepy! Mas jura que vcs acharam bonitinha a história?
    Ter alguém se decompondo e queimando do seu lado é meio trapeira hein! Ainda mais dormindo de conchinha! Shaushua!
    Tá, vão falar que ele ficou junto pq amava demais a Julie, que mesmo depois de saber que era uma "visão" ele ainda era apaixonado e toda essa ladainha.. Mas pra mim o cara é um necrófilo!Shauhsuahu!

    ResponderExcluir
  6. Queria saber qual o necromante que ressuscita esse blog de quando em vez *-*

    Gostei muito da creepy, tô até com um lencinho aqui para conter as lagrimas ;)
    Bem escrita, não parece clichê e o final (apesar de obvio) foi emocionante :P

    ResponderExcluir
  7. Ainda assim,uma estória de Amor melhor que Crepúsculo!!!

    ResponderExcluir
  8. É uma história boa, bem contada e que faz vc se interagir, mas ainda acho que deveriam postar pelo menos uma vez por noite aqui no blog, e coisas que assustam

    ResponderExcluir
  9. Nossa velho quase chorei com essa creepy ela é muito profunda e sim sou macho!

    ResponderExcluir
  10. Todas as creepys daqui são boas mas, ultimamente não estão mais como eu gosto, terror puro de quase chorar de medo, muitas não assustam, como eu acho que creepypasta deve assustar!

    ResponderExcluir
  11. na minha lista de favoritas... essa fica no topo!

    ResponderExcluir
  12. vou admitir! eu chorei á noite º!_!º

    ResponderExcluir
  13. Eu chorei...minha melhor amiga ta aqui me abrasssando chorando junto...mt linda comovente

    ResponderExcluir
  14. Eu chorei...minha melhor amiga ta aqui me abrasssando chorando junto...mt linda comovente

    ResponderExcluir
  15. Eu chorei...minha melhor amiga ta aqui me abrasssando chorando junto...mt linda comovente

    ResponderExcluir
  16. Eu chorei...minha melhor amiga ta aqui me abrasssando chorando junto...mt linda comovente

    ResponderExcluir
  17. Eu chorei...minha melhor amiga ta aqui me abrasssando chorando junto...mt linda comovente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e precisava postar esse tanto de vezes? saahushuahsuaha

      Excluir
    2. Kkkkk chorei, chorei de rir com esse comentario continuo que aparecia no meu celular e pensava que estava travando lol

      Excluir
  18. É bonitinha, mas não acho que seja uma creepy. Eu jurava que o fim ia dar medo haha, ficou tchuco, as vezes é bom ter creepy light assim.

    ResponderExcluir
  19. Cara que foda deu um nó na garganta aqui

    ResponderExcluir
  20. Awn, que coisa mais fofa e escrota.

    ResponderExcluir
  21. Omg... É a creepy mais linda que vi, eu sinceramente chorei aqui enquanto imaginava a cena dos dois no closet... É assustador mas lindo... :')

    ResponderExcluir
  22. Eu chorei T^T Mas a questão é que, bem de toas as creepys que eu ja li, essa é uma das mais bonitas ! E olha a coincidência, estava tocando o tema do jogo Ib (Memory), que eu sou apaixonada e acho linda musica >< Só sei que amei essa creepy!

    ResponderExcluir