27/02/2012

Hypnotize.avi

Oi gente, Divina aqui :3

Só pra avisar que eu estou traduzindo por agora uma Creepypasta bem grande pra vocês envolvendo um certo show perdido da Nickleodeon, então pode ser que eu dê um certa sumida aqui por alguns dias pra dar prioridade a mesma, e por alguns outros motivos pessoais.
Não esqueçam que se vocês tiverem alguma boa Creepypasta em mão, podem mandar para o nosso e-mail que está nos contatos.

Obrigada, e agora vamos ao que interessa.

__________________________________________________________________________


Três adolescentes encontraram, em uma noite, uma fita VHS em uma lata de lixo. Eles estavam curiosos para o que estava gravado, então eles levaram a fita para casa, pegaram um velho videocassete no armário do quarto dos pais, conectaram em uma TV e assistiram.

O vídeo começa com um padrão de teste (aquelas faixas coloridas), que rapidamente corta para o preto por cerca de seis segundos. Depois disso, ocasionais flashes de cor e estática aparecem.

Aproximadamente nos 12 segundos, aparece um olho, que é descrito como o "vazio de alma".
O olho se aproxima, ocasionalmente, e vídeo continua, juntamente com telas pretas e flashes aleatórios de cores. Nos 43 segundos, o olho aparece com cores inversas e começa a se mover sempre para mais perto.
Uma mão acenando aparece nos 65 segundos, que inverte para o olho de novo, se afastando.
Uma tela preta aparece mais uma vez. A estática, que cobria todo o vídeo misteriosamente se dissipa, como a mão acenando se estende mais uma vez, apenas dando sequencia por um pedaço de texto em russo, que traduzido seria algo próximo de "hipnotizar". A fita termina.

Dos três adolescentes, dois cometeram suicídio, e outro deu a fita para investigadores paranormais dizendo "Hypnotize" seis vezes antes de desmaiar. Os investigadores fizeram o upload do vídeo no Rapidshare.
O vídeo vazou para o público em geral, e desde então, sumiu do Rapidshare, não sendo possível mais seu donwload.
O nome do vídeo era Hypnotize.avi

Suposto Vídeo do Hypnotize.avi




Vídeo alternativo também encontrado com o mesmo título.




Enviada por Leonardo Alves.


25/02/2012

Epic Mickey - It's a Small World

Fala ai, caçadores do medo!

Estou de volta aqui no blog depois de um tempinho de ausência (faculdade, mudanças e muita correria)... Felizmente, nossa querida colaboradora Divina Jasmin cuidou de tudo por aqui, e fez um trabalho excelente na minha ausência.

Enfim, estou aqui somente pra avisar que agora todos nós estamos de volta pra valer, agora com novas e assustadoras Creepypastas pra todos vocês, então esperamos que gostem!

Muito obrigado pelo apoio e tenham ótimos pesadelos!
\\Gabriel Azevedo dos Santos//

____________________________________________________________________________

"Epic Mickey Music with Choir Children: Small World Clock Tower Boss (a.k.a. WHAT HAVE I DONE?!)" é um vídeo do Youtube criado pelo usuário ‘skellington15’, que acrescentou a letra da atração original da Disneylândia ao tema do chefe depois que um amigo sugeriu-lhe a ideia. Porem, o que ele não sabia na época, era que esta era a intenção original por Warren Spector e Junction Point Studios, que acabou sendo removido devido a direitos autorais.

A música e a Concept Art da Torre do Relógio podem ser encontrados no vídeo abaixo.




A história conhecida sobre o chefe
____________________________________________________________________________

Mickey Mouse foi puxado pelo vilão Mancha Negra para a Wasteland, uma versão distorcida e macabra da Disneylândia. Depois de escapar da versão distorcida do Castelo da Bela, Mickey começa sua jornada através de Gremlin Village (uma versão macabra da atração It’s A Small World da Disneylândia) para encontrar uma maneira de escapar de Wasteland. Depois de viajar através de um projetor do clássico desenho Steamboat Willie, Mickey dá de cara com a parte principal da atração... Ao chegar, o rosto da Torre do Relógio se transforma de um simples e bonito sorriso, para um sorriso insano e deformado com braços mecânicos gigantes que saltam da torre para esmagar Mickey, forçando você a fazer amizade com ele, pintando seus braços para lhe dar uma carona para seu rosto para que você possa fazer amizade com ele e ganhar uma carona até a saída daquele lugar, OU apagar suas armas para que elas sejam destruídas na próxima vez que ele lançar um braço em você, seguido da destruição massiva do relógio e um caminho para a saída através de seus braços e plataformas destruídas.


A idéia original da Junction Points Studios
____________________________________________________________________________


Na versão original da batalha, a Torre do Relógio teria uma maneira alternativa de fazer amizade com ela: Depois de pintar seus braços e pegar uma carona em uma de suas mãos, o rosto se abre para revelar um tocador de vinil oculto tocando uma versão distorcida da “It’s a Small World” que você simplesmente destrói para continuar o jogo. Este conceito original do chefe é referenciado a partir do nome dos pinos: "Stop the Music (Pare a Musica)" e "Unwid the Clock (Desarme o Relógio)"

A musica original

Quando Junction Point Studios ainda estava planejando o jogo, o tema da Torre do Relógio teria uma versão assustadora da letra de “It’s a Small World”  tocando ao fundo. No entanto, devido a questões de direitos autorais, eles não podiam usar as letras de músicas reais, então tiveram que usar uma versão instrumental que pode ser ouvida na versão final. Esta mudança também afetou a tática de derrota-lo envolvendo o toca-discos obscuro.


As reações dos usuários do Youtube
____________________________________________________________________________

... é melhor você mesmo ler os comentários do vídeo.


A Torre do Relógio 'Sangrenta'
____________________________________________________________________________

Usando um efeito Chroma Key, skellington15 também criou um efeito de sangue durante a destruição da 
Torre do Relógio, que também tem tido muita atenção. Você pode vê-lo no vídeo abaixo:



A Torre do Relógio da Disneylândia: Versão Halloween
____________________________________________________________________________

Meses antes do início do Halloween na Disneylândia no ano de 2011, boatos sobre a Torre do Relógio receber um “upgrade” pro Halloween começaram a surgir ao redor da web, obviamente falando sobre a versão distorcida do game Epic Mickey. O argumento era sempre "Se a Disney pode fazer um dragão animatrônico de 50 metros e efeitos especiais através do fundo de “It’s a Small World”, por que não podem fazer dois braços gigantes apoiados por guindastes ocultos e uma fundo colorido para combinar?" Obviamente, os rumores eram falsos... até que foram levantados novamente quando a Disney anunciou uma seqüência para Epic Mickey em 2012.


24/02/2012

Espaço da Fé

Foi na metade do ano de 1995 que um evento intrigante e bizarro aconteceu aqui na minha cidade.

Aqui no brasil, mesmo com o avanço da televisão nas casas era normal as famílias terem um aparelho de rádio para ouvir estações de música e as vezes noticiários.

Porém na minha região eu e meus amigos daquela época tínhamos o costume de procurar rádios piratas. Normalmente a qualidade do som era péssima e as conversas eram voltadas sobre equipamentos ou sobre outros assuntos em relação como fazer uma transmissão de radio.

Mas tinham algumas rádios mais undergrounds que tocavam um rock mais pesado porém era bem raras e de péssima qualidade de som. Entretanto a nossa favorita era "O espaço da fé".

Era um programa evangélico sem hora certa. Nesse programa o apresentador que devia ser um pastor ou algo assim, falava com sua voz nervosa e acusativa sobre pactos e acordos satânicos das celebridades. Alguns amigos mais novos acreditavam, porém eu e outro que era mais velhos dávamos risada e ficávamos observando inocência do povo. O cara tocava as músicas para trás, e alegava que os ruídos bizarros eram frases. Cada um de nós tínhamos normalmente uma ideia de que o som deveria significar e o cara da rádio dizia que conseguia ouvir outra frase claramente na música, sendo normalmente não batia com as nossas.

Com o tempo começamos a fazer o jogo de quem adivinhava que o radialista estava ouvindo. Alguns meses depois de termos descobrimos esta frequência, ele começou um novo programa, algo mais light que era um programa em que pessoas que se estavam ou fingiam estar de desesperada ligavam para esse ele, pedido conselhos ou ajuda. Os problemas iam desde um gatinho desaparecido(rimos muito do tal clichê) ao extremo de um filho que tinha levado tiro de doze na cara mas ainda estava vivo. Então com sua voz imponente e intimidadora o pastor falava que o infortunado precisava aceitar Jesus na sua vida senão o Diabo ainda teria direito de fazer males cada vez pior. Algumas semanas depois começaram a ligações de agradecimento, dizendo que milagre tinha acontecido, sendo normalmente coisas extremas, como ter se curado da Aids ( na época a gente nem sabia o que era isso direito), recuperado a fertilidade ( o cara com voz de vô disse com essas palavras ), entre outras bizarrices que não consigo me lembrar.

Mais para metade do outro ano começou uma história de fazer exorcismo via o telefone. Ouvindo algumas pessoas meio que chorando ou fingido que pediam para ser exorcizados. Eu ria disso porque era mais um programa de comédia do que algo sério... Porém. Teve uma noite que após ter garantido o emprego à uma mulher caso ela converte-se(acho que era isso, a mulher tinha voz engraçada...se não foi anterior deve ter sido penúltima.), uma garota de em torno 15 á 17 anos (estou chutando pelo que lembro da voz) ligou para ele. Bem, o Dialogo foi mais ou menos assim se não falha a memória.

Garota: Boa noite senhor. ( Pensamos que ele iria dizer de novo que senhor era só deus.)

Radialista: Boa noite filha de Deus.

Garota: Todos somos...

Radialista: Mas o que vem procurar aqui minha jovem? Qual o mau que te aflige?

Garota: Tem gente que vem falando algumas mentiras sobre mim e sobre minha família...me sinto perseguida.

Radialista: Filha, aceita Jesus que ele ira realizar um milagre em sua vida.

Garota: O povo me culpará de qualquer forma... não tem escapatória. Eles não aceitam a responsabilidade por suas ações...E ainda tem gente promove isso.

Radialista: Os impuros que o fazem, pagaram por isso.

Então começou uns barulhos e interferência no telefone da menina.

Garota: O mau irá levar todas essas pessoas para pagar pelos seus crimes e pecados.

Radialista: Quem não tem a piedade do Senhor no coração sentirá a fúrias da chamas das trevas.

Garota: Ódio também pode ser também ser considerado.

Radialista: Qualquer um que use mentiras em proveito de si próprio será punido.

As interferências ficaram mais forte quando ele afirmou a punição pela segunda vez...começamos a ouvir vozes. Todos ficamos tensos, ouvindo o rádio.

Garota: Então todas mentiras você falou sobre diversas pessoas me dá liberdade para te levar para sua posição. Você semeia o ódio, de todas as formas, porém sua mentiras já não funcionam como antigamente... Além de andar me desafiando....

Radialista: Garota, pare com essa brincadeira.

A voz da garota engrossou, não a ponto parecer como um porco, mas algo mais macabro que fazia parecer demônio. Não me lembro direito o que ela disse, só sei que depois disso começou haver um som de fogo no seguidos de ruídos mais altos ao ponto de ter quase certeza que eram vozes, porém não conseguiam entender suas fala. A estação caiu. Depois de um mês ela voltou com novo apresentador que não tocou no assunto do que aconteceu com anterior.

20/02/2012

Contatos

Olá, queridos!

Meu nome é Francis Divina, e há algum tempo estou aqui traduzindo e postando algumas Creepypastas por semana aqui no Blog.

Devido à vários comentários sobre como entrar em contato com a gente, tanto para enviar dicas de CreepyPastas à serem traduzidas, CreepyPastas próprias a sere divulgadas ou até parcerias, estaremos aqui divulgando nossas paginas, perfis e e-mail pra maiores detalhes que queiram nos comunicar.

No nosso e-mail você pode mandar Creepypastas tanto em Inglês como em Português, vamos dar uma avaliada nela, e postaremos quando possível. É realmente muito bom mandarem suas opiniões e sugestões sobre o blog e as Creepypastas.

Email para Contato: "creepypastabrasil@hotmail.com"

Oficial Facebook FanPage: "Creepypasta Brasil"

Canal do Youtube: "Strongstar Productions", pertencente aos colaboradores Gabriel e Alex. Canal especializado em videos de Jogos, Analises, Curiosidades, Creepypastas e Creepy Videos (jogos de Terror, feitos exclusivamente para o blog CPBr). Também temos uma FanPage, exclusivamente para o Canal: "Strongstar Productions"

Oficial Facebook Youtube FanPage: "Strongstar Productions"

Era isso, gente.
Muito obrigada & Keep Creepying!

19/02/2012

The Faces of Evil - O suicídio do Rei.




Por causa do meus dowloaders de vídeo estarem dando um bug horrível, eu tive que importar essas cenas cortadas direto do ROM.

Era sexta-feira 13, e eu nunca havia acreditado em mitos, até aquele dia. Eu tinha apenas uma cutscene quando eu tinha acabado o rip: "suicideking_01.avi", um clipe de 2 minutos e 58 segundos. Não estava nenhum um formato especifico, veio diretamente como um HD video, de alguma forma. A cutscene começava como a intro de Faces of Devil. Mas estava mudo, tudo que eu ouvia era um fraco e estranho barulho de estática de fundo. Link estava apenas parado na tela, dizendo nada. A próxima cena era diferente. O Rei estava bebendo vinho, ele não se movia. Não tinha nenhum fundo. Então um zoom no Link, imóvel.

Por um milésimo de segundo, ele não tinha rosto. Eu estava começando a ficar assustado, porque nada disso fazia parte do jogo. Então, voltou para o Rei. Nesse hora, era para ele falar o famoso "Mah Boi", mas ele estava diferente. Seus cabelos e sua barba estavam brancas, as pupilas estavam vermelhas, e sua pele estava bem pálida, e estava mudo, que nem desde o começo. Eu sentia como se décadas haviam passado durante as duas cenas, como se ele estivesse mais velho. A cena voltava para onde Link devia estar, mas não havia nada nem ninguém lá.

Ao invés disso, uma grande mancha de sangue estava nos tijolos, e algumas jánelas estavam quebradas. A cena voltou para o Rei, que estava olhando fixamente para frente (para mim, no caso) por alguns segundos, e depois, lentamente, voltou para seu vinho. Novamente Link foi focado, mas ele estava muito estranho. Ele estava quase completamente preto, a boca sorridente dele tinha um sorriso, como dentes protuberantes de tubarão, sangrando. O fundo era preto e vermelho, e agora uma musica muito estranha começara de fundo. A tela ficou preta e muda por alguns segundos, por milésimos, o sorriso de Link se fora, agora com pupilas vermelhas me fitando. Neste ponto, eu estava mais assustado do que já tinha ficado em toda minha vida.

Novamente a tela ficou preta por alguns segundos, e então, eu vi o cálice do Rei caindo lentamente, com algo que parecia a Song of Healing tocando de trás para frente de fundo. Quando ele caiu, no que não parecia ser chão, e sim o nada, ele se quebrou. E então o Rei estava caindo de costas, de olhos fechados. Eu tinha certeza: Ele estava morto. Agora o titulo fazia sentido. Ele tinha cometido suicídio. Como? O cálice, talvez, tinha veneno? Quem vai saber... Sem-nenhum som, ele atingiu o chão, imóvel.

Depois, as cores dele se tornaram diferentes do nada. Havia um estaca de ferro atravessando seu peito, e o triângulo de sua testa, agora ela uma cruz invertida. Eu não queria continuar, mas a curiosidade era mais forte, e me forçou continuar assistindo aquilo. Mais tela preta por alguns segundos. Uma espada aleatória apareceu, apontada para baixo, silenciosa. As cores eram invertidas, piscando por alguns frames. Então, a mão de Link apareceu e segurou, puxando pra cima. A silhueta negra dele apareceu em uma tela vermelha depois de uns dois segundos de escuridão. Ele fazia alguns sussurros demoníacos, mas não por toda a cena. Tudo ficou mudo, a não ser por ele ainda falando. Tudo ficou preto de novo, e ele falou alguma coisa distorcida.

Depois de ouvir 5 vezes seguidas, eu ouvia claramente "Kill anyone friendly" (N.T: " Mate qualquer um amigável" em tradução livre). Eu estava totalmente assustado, com as mãos tremendo. Então, Gwonam apareceu como na cena real, mas ele tinha o estilo antigo, e nenhum som de fundo. Quando seu discurso acabou, a espada de Link apareceu, e um sussurro demoníaco ficando cada vez mais alto. Gwonam de novo, e depois Link segurando a espada apontada para cima. Então, Gwonam de novo. Quando tudo ficou preto, ouvia-se ruídos de abate. Novamente então aparecia a espada de Link, mas coberta de sangue. A silhueta preta de Link reaparecera, com um fundo diferente desta vez.

Mais tela preta. Depois.. a espada de Link. Ele apareceu de novo, e pegou-a. Mas desta vez ele começou a matar várias pessoas com ela. Não era possível ver seus rostos, eu apenas podia ver a espada balançando e sangue se espalhando por tudo, com muitos gritos e barulhos de massacre. Estes gritos estavam me amedrontando ainda mais. Link enfiou a espada em alguém, que levantou a mão para o alto como um ultimo grito de suplica, mas ele cortou-a fora. E então , havia um cara acorrentado no fundo , lutando para escapar enquanto ele observava Link matar mais 2 pessoas . Ele estava implorando para Link não matá-lo , mas Link se aproximou e cortou-o pela metade. Por uma fração de segundo, um par de olhos horrendos apareceram. Mais tela preta.

Desta vez , a tela preta durou por mais tempo. Mas então, Link foi lentamente se aproximando da tela, sem rosto, desaparecendo lentamente, com cores diferentes. Como ele estava se aproximando, imagens aleatórias foram aparecendo para frames individuais , uma música estranha estava aumentando mais e mais seu volume . Quando ele estava "olhando" para mim, ele começou a falhar , até que foi dado um close-up em seu rosto vazio. Antes de o vídeo terminar , o Rei apareceu em um único frame , como zumbi. Depois disso tudo, uma tela azul permanente.



14/02/2012

A Criatura.

Você alguma vez já tentou descobrir o que era aquela coisa que se esconde na sua mente? Assombrando seus sonhos? Devorando você em cada um de seus pesadelos? Agora, finalmente você pode ficar cara a cara com ele, falar com ele. Mas tenha cuidado... Quem sabe o que pode acontecer com você?

Tem que ser uma noite de lua nova em Dezembro. Quando der exatamente 1:28 da manhã, você tem que ir para a cama, usando apenas roupas totalmente brancas. A mesma coisa se aplica para o lençol. Se você não tem nenhum lençol branco, não ponha nenhum outro na sua cama, se não o ritual não funcionará. Deite, finja que está dormindo. Mas eu sugiro que você não durma de barriga para cima pois assim pode ser mais doloroso. Feche seus olhos, e espere até começar a ouvir sussurros vindo atrás de sua porta. Quando começar a ouvir esses sussurros assustadores, fale em voz alta: "Venha até mim, eu quero conversar". Se feito corretamente, a porta abrirá, e você dormirá de repente. Se não, você apenas dormirá normalmente.

Enquanto dormindo, você acordará instantaneamente dentro de um pequeno quarto, com duas janelas em paredes opostas. Olhando pela janela, você verá um céu de noite infinita, chovendo sangue tanto para baixo quanto para cima. Não há nada a não ser uma mesa, duas cadeiras, uma porta e sangue. Sangue por toda parte. Haja como se você não se importasse com isso, não se importasse de verdade. Vá até a cadeira mais próxima, sente-se e diga confiantemente "Estou aqui". A porta irá abrir, e ele virá. A criatura que tem uma aparência inexplicável vai aparecer. Mas de alguma forma, você sentirá como se estivesse cara a cara com a coisa que mais teme, independente se for uma pessoa, um objeto,um lugar ou qualquer outra coisa. Apenas fique olhando para a criatura enquanto ele se aproxima e se senta. Não entre-em pânico, não irá te machucar. Pelo menos, não fisicamente. A criatura começará a falar. A voz fará com que você se arrepie tanto que até sua alma sentirá. Mas haja como se não se importasse. Apenas ouça. A criatura falará sobre os segredos da sua vida, seus futuro, e falará também sobre a pavorosa verdade por trás da existência. Você terá que evitar toda e qualquer reação mesmo sabendo quão inquietante e assustador aquilo é. Se não evitar, ele irá te atacar, e você morrerá dormindo. Quando ele parar de falar, você saberá. Ele irá apoiar a cabeça no punho direito. Então você tem que dizer "Eu entendo. Eu sou merecedor de saber?" Ele pedirá para ver sua mão. O faça. Não seja desobediente. Se você fizer corretamente, ele vai colocar algo em sua mão, que você não consegue definir o que é no momento. Mas quando isso acontecer, você irá acordar e será exatamente 7 da manhã.

Você vai notar algo na sua mão, que estará fechada. Abra-a, não se preocupe... Ainda. Você verá o que o monstro colocou em sua mão. Poderá ser uma de quatro opções: se você ver uma moeda de 25 centavos, toda noite você terá um sonho bem agradável. Se você ver um pequeno pato de borracha, seus sonhos serão sempre memórias da sua infância. Se for uma pequena chave, você será capaz de ver todos os pensamentos secretos de seus amigos nos seus sonhos. Mas se não tiver nada em sua mão, da próxima vez que dormir, nunca mais acordará. Os efeitos dos objetos duraram exatamente 6 dias . Depois disso você terá suas noites de sono de volta ao normal.

Mas eu tenho que te avisar. Durante esses 6 dias, não se livre do seus objeto. Sempre o tenha com você, o tempo inteiro. A criatura sabe o que você está fazendo.

12/02/2012

Chocolate

"Mamãe" disse a pequena menina, esfregando seus olhos, parada na porta do quarto de sua mãe. "Mamãe, o coelho da pascoa está comendo Chocolate" disse.

"Não, carinho." respondeu a mulher, "O Coelho da Pascoa dá chocolates, não come."

A mulher se moveu um pouco em sua cama e continuou falando, metade para sua almofada, metade para sua filha.

"Volte a dormir, carinho."

"Mas mamãe..." disse a menina "O Coelho da Pascoa está comendo Chocolate!" Agora de um jeito mais sério, quase como se fosse chorar.

A mãe se sentou e abriu seus braços.

"Carinho, eu acabei de dizer. O Coelho da Pascoa não come chocolate, ele dá para crianças pequenas. Além do mais, sequer é Pascoa, volte a dormir." Disse em uma voz mais suave.

"Tudo bem, mamãe." Disse a menina chorando e voltou para seu quarto.

A mulher sorriu e pensou "Essas crianças e sua imaginação" e voltou a dormir em um bocejo.

No corredor, a pequena menina parou por um momento, observando o Coelho da Pascoa comer Chocolate.
"Mamãe disse que eu devia voltar para a cama".

Ela sorriu e pegou um pequeno pingente de metal. A pequena o levantou e começou a chorar ao ver o que era. Uma placa para cachorros, e nela se lia "Chocolate"...


A Mágica

Você já leu alguma coisa e gostou tanto que desejou nunca ter lido, podendo assim ler de novo como se fosse a primeira vez, quantas vezes quiser? A primeira vez é mágica, certo? Não importa quantas vezes você leia depois, nunca mais será tão bom .

Esta é a tua chance de ler algo realmente incrível sentindo essa “primeira vez”. Você só vai ter esta chance, então não desperdice-a. Eu preciso de você para fazer a maior parte disso, portanto, confie em mim. Faça exatamente como eu disser.
Em primeiro lugar: se você não está sozinho, trate de ficar imediatamente. Mágica – mágica real, não essa bobagem de bruxaria – costuma ser tímida. Ela não vai acontecer se você estiver lendo isto em um lugar povoado, como em um vagão de trem.
Só leia a partir daqui quando estiver sozinho.

Muito bem. Começamos.
Agora, preciso que você faça mais algumas coisas – só mais algumas coisinhas.
Pense nisto aqui como um manual de instruções, um processo que você deve seguir para atingir um resultado. Eu não quero parecer controlador, muito menos agressivo por motivo nenhum. Eu só quero te passar uma experiência.

Escolha um lugar onde seja possível fechar uma porta. Assim você pode ler sem ser interrompido. Não importa onde – em um quarto ou mesmo no banheiro. Qualquer lugar que possa assegurar total privacidade. E, como eu disse, feche a porta.
Talvez algumas pessoas leiam e não sigam apropriadamente as instruções. Mas, por que não fazer direito? Eu garanto, é melhor participar do que apenas escutar casualidades sobre Mágica. Ainda é tempo. Não é preciso nenhuma crença especial para fazer funcionar, tenha apenas total confiança em mim. Eu não posso prometer nada, pois depende fundamentalmente de você. Se você for para um lugar tranquilo e fechar a porta... Eu farei o meu melhor.

Então, aqui estamos nós. Ou melhor, aqui está você. Eu realmente espero que você esteja gostando disso tudo até agora. Eu sei que não aconteceu nada ainda, mas você não está ansioso? Tua curiosidade não está crescendo cada vez mais? Aproveite. Esta será a única vez que você poderá sentir o que está sentindo agora. Imaginando o que vai acontecer a seguir, formando meia conclusões com base no que você já deve ter feito por aí – mas algumas só acontecem uma vez. E isto está acontecendo agora, pela primeira vez.
Parte da mágica já está acontecendo, tenho que informar. Você está sozinho em algum lugar, certo? Mas você também está unido com todos os que já fizeram isto antes, e todos os que farão algum dia. Você pode sentir? Talvez você se sinta bobo com tudo isso, ou talvez se sinta privilegiado. Você agora faz parte de um grupo solitário, unido através do tempo, através das mesmas palavras. Não se preocupe, esse não é o motivo em si, e certamente não é uma piada. Eu não estou aqui para desperdiçar o teu tempo com metafísica barata. E para provar, vamos adiante.

Deve haver luz aí, onde você está, certo?
Vamos lá, você pode responder quando eu lhe pergunto algo! Na verdade, você deve responder, essa é uma das instruções. Vou te perguntar de novo. Responda dessa vez. Alto e claro, não tenha medo. Para fora. Diga apenas, “Certo”.
Façamos isso. É só uma palavrinha, no lugar de tantas outras que são ditas a toa, toda hora. Lembre-se, estou fazendo isto por você – esta é a tua única chance.
Responda a minha pergunta.

Muito bem. Você deve ter se sentido bobo falando alto assim. Mas não há ninguém aqui que possa te ouvir, então que problema tem? Agora você pode continuar gostando disso aqui, sabendo que as instruções estão sendo perfeitamente seguidas. Pois quando instruções são seguidas, as coisas costumam funcionar.

Faça o máximo que puder para deixar o lugar o mais escuro possível, de forma que você tenha luz apenas para continuar lendo. Feche as cortinas, apague a luz principal e direcione um foco de luz para cá. Melhor ainda, acenda uma vela ou use a chama de um isqueiro. A não ser que você esteja lendo através de um objeto que emita luz própria. Se este é o caso, apenas assegure-se de que não há mais nenhuma fonte de luz. Eu odeio ter de ficar lembrando, mas isso só vai funcionar se você fizer exatmaente como eu disser. É vergonhoso deixar algum passo de fora agora, tão longe você já foi.
Vou descrever a tua cena atual. Isso é meio estranho, né? Vamos pensar um pouco sobre isso? Normalmente quando se lê alguma coisa, a cena é descrita de forma que se pode construir a imagem mentalmente. Mas, aqui você está lendo a tua própria cena, em que você se encontra sentado em um lugar escuro, completamente sozinho, lendo de onde quer que você tenha escolhido para fazer a Mágica. Que implicações poderosas! Quando você era criança, você brincava de ser ser um personagem de um livro ou de um filme que outras pessoas conheciam bem? Isso não parecia real às vezes?

Não se preocupe, a Mágica não é essa.
Aproveite este momento. A Mágica virá agora.

Rapidamente, fique de pé, apoie em alguma parede se for preciso. Procure a porta que você fechou atrás de si há alguns minutos. Encoste o ouvido na porta e escute. Segure a respiração.
Eu me pergunto se você pode me ouvir.

Deixe eu expandir a cena que eu descrevi agora a pouco. Você no quarto escuro, sozinho, lendo e sendo guiado por alguém, lembra-se? Pois, do lado de fora, do outro lado da porta fechada, alguém que você não está vendo está ali, parado. Sou eu. Eu imagino se você pode acertar o meu nome.
Você pode escutar a minha respiração? Não? Talvez eu esteja segurando ela também, com um ouvido contra a porta, tentando te escutar.
Ou talvez haja um último passso, uma última instrução que você deve seguir para fazer a coisa acontecer. Vamos, não fique tímido. Você já falou comigo antes, há pouco tempo. Eu ouvi a tua voz, mas você ainda não ouviu a minha. Quer saber como é? Tudo que você deve fazer é me convidar para entrar.
Você percebe a situação? Eu sei que você está aí dentro sozinho, só você, no mais completo escuro. Eu só quero provar que a Mágica funciona. Me convide para entrar e ficar aí com você. Não tenha medo, você já ouviu falar de mim. Eu sou conhecido de tantas maneiras, tenho tantos nomes. Mas este que você está pensando serve.

Muito prazer.

09/02/2012

Luigi's Mansion - Area 5




Um dia desses, resolvi tirar meu velho Gamecube do armário e jogar algum jogo qualquer. O primeiro jogo que eu vi então, foi o Luigi's Mansion.

Eu amava este jogo quando criança, então pra mim seria ótimo jogá-lo novamente. Dei uma avaliada no CD para ver se ainda estava decente pra ser jogado. Tinha meu nome escrito com minha letra levemente infantil na parte de cima do CD e vi apenas um arranhão em forma de X na parte de baixo. Eu pensei "bem, é só um arranhão, de qualquer forma...", então assoprei a poeira de meu Gamecube e coloquei o CD dentro, e liguei o Videogame. Tudo estava normal. Apertei start, e vi que eu já tinha virado o jogo 17 vezes no meu file. E isso era verdade, pois eu tinha jogado e ganho várias vezes quando era criança. Não comecei de imediato, porque dei uma pausa para ir ao banheiro. Quando eu voltei, selecionei um dos arquivo salvos e o jogo travou. Pixels verdes flutuavam na parte inferior da tela e um chiado com uma frequência altíssima soava estridente.

Eu desliguei o Gamecube, tirei o CD e dei mais uma olhada no CD e o "X" que antes estava lá arranhado tinha sumido. Coloquei de novo o jogo e liguei o Videogame novamente. O logo da Nintendo estava todo errado. Dizia: Nitedo, o que era muito estranho. E no menu dizia "Ugi's Man", o que também era muito estranho. Eu nunca tinha visto um bug daquele tipo em qualquer outro jogo que tivesse jogado na minha vida. Tentei selecionar meus arquivos salvos, tentando acessar o Hidden Mansion, mas a opção não estava lá. A única acessível era Gallery Room. Então, selecionei esse mesmo.

Péssima escolha.

Luigi entrou na galeria, que estava bastante escura. Eu não tinha lanterna, e E-Gadd não estava no lugar habitual. Fui à sala anterior, que era aonde a sala de treino era. Havia uma porta ao lado esquerdo dentro sala, então adentrei nela. Ouvi uma risada de bebê (Chauncey) e então a tela ficou preta. Havia voltado para o Menu principal. Todos meus files tinham desaparecido, exceto por um save que dizia "Area 5". Não existe nenhuma Area 5 no Luigi's Mansion, mas eu selecionei o arquivo de qualquer forma, morto de curiosidade.

Eu estava na sala de estar. Apertei A para chamar Mario, só de brincadeira, e a porta da entrada se abriu. Eu estava então fora da mansão. Fiz o caminho de volta e fui para a Cabana de E-gadd na frente da mansão. E-Gadd estava de pé em um quarto escuro quando eu entrei. Quando falei com ele, ele falou de volta "Mriáo etsá MOTRO" Tive que ler umas três vezes até me dar conta que dizia MÁRIO ESTÁ MORTO. Quando a caixa de texto desapareceu, a cabeça decapitada e ensangüentada caiu do teto, seguido por seu corpo mutilado. E-Gadd desaparecera. Fiquei olhando a cabeça de Mário por algum tempo antes de ser tele transportado para a Sala de estar da mansão novamente.

Fui para o salão, e não tinha nenhuma mobília no local, e uma musica infantil, como a de um berçário ou quarto de criança, começou a tocar. Ouvi a risada de bebê novamente( um pouco mais alto desta vez), e examinei uma pintura que estava em uma das paredes. A pintura mostrava os olhos de Mário arrancados, uma imagem terrivelmente assustadora. A legenda da pintura era "Jantar". Eu já estava ficando muito,mas muito assustado por não ter noção do que estava acontecendo. Ninguém podia ter simplesmente pego meu cd e trocado por outro só pra me assustar, pois lá estavam meu nome na parte de cima do mesmo. Então por precaução desliguei meu Gamecube.
Reiniciei o jogo, e desta vez Luigi's Mansion estava completamente normal. Joguei meus files de sempre, até fui para Hidden Mansion e tudo mais. Mas quando eu esqueci um Boo, tudo ficou escuro novamente. Chauncey, o bebê, estava deitado em seu berço. Procurei por todos os objetos, e um Boo apareceu. O Boo tinha "X" de HP e escapou para o Twins Room. Tentei sugar o Boo, mas de alguma forma eu me teletransportei para uma sala escura. Andei em direção norte por quase cinco minutos, e então ouvi um "MÁRIO ESTÁ MORTO!", e sua cabeça mais uma vez caiu do teto.

Desliguei meu Gamecube, peguei o CD, vi meu nome gravado e o arranhão em forma de X havia voltado. Joguei o disco contra o chão, e pisei nele, quebrando-o em várias partes, apavorado do jeito que eu estava. Joguei pela janela os pedacinhos restantes do CD do jogo, e peguei o Mario Party 4 para jogar. Sem aparecer o logo da Nintendo nem nada, ele apenas iniciou e foi direto para o Menu. O menu do Luigi's Mansion, enquanto uma risada de bebê soava ao fundo.

06/02/2012

Hiper-Realismo

Numa certa manhã hiper-realista, eu abri meus olhos hiper-realistas depois de ter um pesadelo hiper-realista, apenas para descobrir que meus lençóis hiper-realistas haviam sido arrancados de minha cama hiper-realista e espalhados meu quarto hiper-realista. Decidi, com meu cérebro hiper-realista, saltar para fora da minha cama hiper-realista para encontrar a causa disto, apenas para descobrir que, quando meus pés hiper-realistas tocaram o tapete hiper-realista, tudo estava úmido. Olhando para baixo com os meus olhos hiper-realistas, eu vi que o chão hiper-realista estava coberto de sangue hiper-realista. Eu abri minha boca hiper-realista para gritar, mas ao invés disso, comecei a vomitar sangue hiper-realista, e meus olhos hiper-realistas ficaram cheios de lagrimas de sangue hiper-realistas. Devido a uma perda massiva de sangue hiper-realista, eu morri, e depois, um esqueleto hiper-realista apareceu na minha frente, usando um chapéu amarelo hiper-realista.

Este era o homem hiper-realista que estava assombrando meus sonhos hiper-realistas durante meu sono hiper-realista, antes que eu hiper-realisticamente acordasse.


Mario: The 13th Hotel


Pensei que aquele seria só mais um dia normal... Eu estava guardando os arquivos do jogo Hotel Mario para usos futuros, mas nunca esperava... encontrar isto...

Um dos arquivos no meio das pastas era uma fase, chamada “The 13th Hotel”, que havia uma cena secreta. Eu estava tão empolgado para testá-lo que usei meu emulador para jogá-lo o mais rápido possível. A cena de abertura começou: Era a introdução original, mas desta vez Mario estava sozinho. Havia uma música realmente assustadora no fundo. A cena seguinte era no lugar onde Bowser normalmente ficara me observando, mas ele não estava lá. Ao invés disso, sua mão direita ainda estava sobre a rocha, mas estava sangrando. Em seu lugar, havia o que parecia ser uma enorme pilha de metal, cheio de sangue.

Neste momento eu já estava completamente assustado. A cena seguinte era no lugar onde Mario e Luigi andavam falando sobre o piquenique, mas não havia ninguém lá, nem mesmo Mario. O grande cogumelo vermelho que deveria estar lá estava quebrado, e havia sangue. O céu estava cinza o tempo todo. Mario chegou à porta da frente do reino. A placa estava branca, com marcas de garras enormes e mais sangue. Mario não disse nada; apenas pegou a carta. A próxima cena era realmente inquietante: Era um close-up no Mario, lendo a carta. Seus olhos estavam completamente negros, e os céus mudaram de cor. Mario estava falando uma espécie de encantamento demoníaco.

Na próxima cena, fiquei ainda mais chocado. Ele olhou para Luigi, que estava morto em uma pilha de ferro, e falou alguns ruídos. Mario ficou olhando para Luigi com um brilho divertido nos olhos por cerca de 8 segundos. A cena seguinte era a placa do jogo escrita "Condemned", mas ao invés disso, estava escrito "YOU ARE Condemned”, e havia marcas de garras e um monte de sangue em volta dos tijolos e sobre o solo. Mario aparece, sem rosto, com roupas brancas e negras, segurando a caixa de pão que estava branca. O fundo era uma espécie de placa vermelha demôniaca. Duas mensagens piscaram muito rapidamente na caixa de pão: "Hotel 13th" e "Help Me". A cena seguinte era a princesa acenando em cima do cano verde. Ela continuou fazendo isso, com a cena piscando de vez em quando. Então, de repente, ela desapareceu, e havia sangue espalhado em cima do cano.

Mario apareceu novamente, com uma cor vermelha com um estilo infernal no fundo, com som de estática e com mais vozes demoníacas sussurrando ao fundo. Então, o castelo de Ludwig em ruínas apareceu. A cena estava parecendo muito abandonada, com névoa em torno do lugar. Mario apareceu novamente, apontando para cima como no quadro final da Introdução, mas seus olhos estavam negros, e a musica ficou diferente, e travando ocasionalmente. Por um breve momento, ele havia ficado com pupilas vermelhas diante de mim. Próxima cena: Mario andava como na cena do brinde, tudo estava completamente preto e tudo o que havia lá era o cadáver do Luigi. Mario ficou assim por alguns segundos e, em seguida, houve um close up em seu rosto. Seu olho direito fora estourado e estava pendurado fora do lugar, e havia uma faca em sua barriga. A voz demoníaca disse "MARIO IS DONE FOR", e um som muito alto de estática veio. Depois disso, o jogo congelou, e tanto meu emulador quanto meu computador travou.


Mario Kart Wii



O ano era 2009. Meu irmão tinha acabado de ganhar um Nintendo Wii de aniversário. Era um Wii preto, que era a cor que tanto queríamos. Ele também havia ganhado um jogo chamado Mario Kart Wii, um jogo que eu havia jogado muito no SNES quando era mais jovem (exceto pelo ‘Wii’ no final). Jogamos por horas naquele dia, até que meu irmão pegou no sono. Mamãe disse que eu poderia ficar acordado só até meia-noite. Ela desligou o videogame, e levou meu irmão pro andar de cima.

Eu não pude resistir... Liguei o Wii mais uma vez, e voltei a jogar Mario Kart. Só que havia algo muito estranho... Quando cheguei ao menu principal, as cores da tela estavam todas invertidas, e mais vermelhas do que de costume. Uma versão mais lenta da musica tema de Mario Kart Wii estava tocando ao fundo, um pouco mais baixa do que o normal. Fiquei surpreso, mas achei que era apenas um bug que só acontecia de vez em quando. Apertei Start, e a tela piscou rapidamente antes de ficar completamente escura. Esperei por um minuto até que ela finalmente apareceu, e então, selecionei meu perfil e comecei a jogar a 50cc Mushroom Cup.

Quando o jogo começou, eu era o único personagem na corrida. O céu estava escuro e chovia muito. Fiquei me perguntando o que estava acontecendo ali, porque nunca havia acontecido nada parecido antes. Depois veio o famoso "3... 2... 1... GO!". Disparei o motor e comecei a corrida, porem o personagem não estava indo rápido. Eu havia selecionado Mario, e o veículo que eu escolhi era o Wild Wing. Rajadas de trovão retumbavam do céu ao longe, e eu cruzava uma estrada totalmente cheia de lama. Quando cheguei em torno da primeiro curva, o horror começou.

Havia uma pilha de karts recém quebrados cheios de fumaça, com roupas rasgadas e partes de corpos mutilados dentro. Então, de repente, Mario ficou maluco. Ele começou a chorar alto e ter espasmos contínuos, enquanto passava por todo o entulho de karts. Eu pude ver a cabeça decepada de Luigi e o braço estragado de Boswer, do outro lado da estrada. Que merda estava acontecendo?! Por que este jogo estava funcionando perfeitamente quando meu irmão estava comigo?! Então passei por um cartaz que dizia "Turn Back Now!" escrito em sangue. Eu fui ousado e passei por esta linha, mas assim que o fiz, acabei desencadeando o inferno...

Mario começou a correr tão rápido, mas tão rápido que ele virou apenas um borrão. A tela piscava rapidamente enquanto gritos violentos podiam ser ouvidos em segundo plano. Eu ouvi sussurros quando passei ao lado de um outro kart quebrado que parecia ser o kart principal do Mario. Então, alguém na TV gritou com uma voz satânica "MARIO!". Em seguida, Mario grita e um barulho muito alto de rodas derrapando na estrada pode ser ouvida, e em seguida, um horrível som de esmagamento, acompanhado por um forte estalo e um ultimo grito do Mario. A tela ficou vermelha e depois ficou preta.

Eu estava à beira de um ataque cardíaco... Estava tão assustado que mal conseguia me mexer! Em seguida, a tela voltou a aparecer. Ela mostrava Mario com uma expressão muito deprimida dentro de seu kart no topo de uma colina. De repente, ele acelerava o motor e saia em disparada do penhasco, seguido de gritos horripilantes de dor e depressão. Depois disso, pude ouvir somente um barulho de acidente, seguido de horríveis gemidos de dor.

Eu estava morrendo de medo. Na tela, uma mensagem lentamente apareceu, dizendo apenas: "Suicídio". Não agüentando mais aquilo, eu gritei e tentei desligar o Wii, mas a tela só mostrava o kart do Mario estraçalhado e piscava a palavra "Suicídio" repetidamente. Depois de uns 20 segundos tentando desligar o videogame, barulhos horríveis e demoníacos vieram da TV, assim como as imagens brutais de personagens dos jogos do Mario mortos. Eu, sem mais o que fazer, peguei o Wii e joguei-o da janela sala... Não consegui dormir a noite inteira.

No dia seguinte, minha mãe gritou comigo por ter quebrado o Wii, e meu irmão estava em prantos. Tentei contar a história pra minha mãe, mas ela não acreditou em mim. Então eu disse ao meu irmão, que estava chorando e soluçando até não poder mais, mas ele não também não acreditou em mim. Eu estava completamente em choque. Nunca toquei em um Nintendo Wii depois daquele dia... Eu nem sequer queria ver um novamente. Agora toda vez que vejo o jogo em alguma loja, sempre penso em coisas horríveis, principalmente em suicídio...


04/02/2012

O Incrível Mundo de Gumball - " O vírus"




Já vou logo avisando: quem veio à essa página esperando ver episódios perdidos que envolva "cenas assustadoras" com "hiper-realísticas tomadas do cadáver de um garoto", um episódio perdido que nem mesmo o criador do programa sabe que existe... esse não é o texto que procura. Antes, porém, de escrever o episódio, seria interessante vocês saberem um pouco da história deste episódio. Bem, acho que vocês já devem conhecer o destenho chamado de "O Incrível Mundo de Gumball" (The Amazing World of Gumball, no original), um destenho bem recente do Cartoon Network. Sendo do Cartoon Network, você não espera um destenho com temas muito adultos, como são South Park, Family Guy, e os Simpsons. Bem, esse é o novo Gumball. Acontece que antes de o programa ficar assim, o criador do destenho (Ben Bocquelet) imaginava roteiros bem próximos ao dos destenhos citados acima. Antes de lançarem o piloto, Bocquelet e a equipe reunida por ele para produzir os primeiros episódios, já haviam escrito diversos Storyboards. São esses os tais "episódios perdidos". Nada mais do que exemplares de um "Incrível Mundo de Gumball" que, por razões que desconheço, nunca chegaram à TV, dando espaço à uma versão mais familiar do desenho. Mas o que tenho a ver com isso? Um amigo meu (o qual chamarei de Paul) integrava essa equipe de edição. Na verdade, o nome dele era Paulo, mas na hora de pronunciar esse termo, todos da equipe, por não estarem acostumados ao Português, o chamavam de Paul, que ele acabou adotando como "nome artístico". Como éramos amigos bem próximos, ele me confiou exemplares dos storyboards que ele e a equipe produzira. Ele me disse que era só o que tinham sido feitos sobre os episódios, agora se um vídeo de verdade chegou a ser produzido isso eu não sei. Ele disse que não, mas ele não é conhecido como o "Paul, O Honesto". De qualquer forma, tudo que eu tenho são os storyboards, mas eu garanti a ele que não botaria nenhuma foto deles na internet. Mas como não garanti nada sobre transcrever suas histórias...


O Episódio

O episódio começa com os Wattersons (a família principal do programa) andando de carro por uma floresta à noite. Não havia qualquer sinal de civilização por perto ,exceto, a estrada em que eles estavam dirigindo. Não havia nenhum carro à mais passando pela estrada. Eis que descobrimos o porquê de eles estarem ali: Richard, o coelho rosado e gigante, havia seguido as indicações de um mapa astral achando que fosse o mapa da estrada (há o uso de humor nos episódios). Antes que perguntem, sim, Richard é tão idiota quanto Homer Simpson. Os Wattersons, oficialmente perdidos na floresta, não sabem o que fazer, até Nicole (a mãe)sugerir procurar uma cidade onde possam passar a noite, que todos concordam ser o melhor a se fazer. Todos exceto Darwin (o peixe), que sugeriu trocar de pai . Seria outro momento de humor normal, mas aí você já vê a diferença: no desenho da TV, Darwin é um bom rapaz, ele nunca, por mais anta que fosse, diria algo do tipo.

Continuando a "viagem", os Wattersons logo avistam sinal de civilização ao longe, uma pequena cidade, destas cidades do interior americanas, apenas casas, nenhuma estrutura que tivesse mais de dois andares. Caminhando um pouco pela cidade, minúscula por sinal, eles encontram uma pousada para passar a noite, ou as noites, já que aquele povoado parecia estar à quilômetros de qualquer outra cidade. Ao entrarem na pousada, eles se deparam com a recepcionista, uma senhora idosa. Mas o que mais me chamou a atenção: ela era uma humana! Em todos os episódios de "O Incrível Mundo de Gumball", a gente se depara com bananas falantes, gatos falantes, frutas falantes, tem até um amendoim com pernas falante, pra você ter uma ideia. Mas a coisa mais próxima de um ser humano era uma personagem que era um queixo virado de ponta cabeça, filmado em Live Action. Nicole, logo após conseguir um quarto para toda a família, conta a história que a família passou, e pergunta se ela pode ajudar. A velhinha disse que seria difícil arranjar ajuda, não é costume eles receberem visitantes por ali. Gumball, o personagem central, pergunta então por que ela havia aberto uma pousada, se nunca recebia turistas por lá. Antes que ela pudesse responder, Richard interrompe, dizendo que havia visto alguém na janela da pousada, que fica bem ao lado da porta de entrada. A velhinha diz que não era ninguém, e mostra à família o quarto deles, que era apenas uma única cama de casal, sendo que há cinco pessoas, e Richard sozinho já ocupava meia cama. A atendente disse que era o único quarto que eles poderiam alugar, pois era o único quarto da pensão. Sem alternativas, eles decidem ficar por alí. Nesse momento, Anais (a coelhinha pequena) espirra. A atendente se aproxima dela,balbuciando e falando feito um macaco (do mesmo jeito quando alguém vai falar com um bebê filho recém-nascido), perguntando se "alguém não estaria gripado". Gumball diz que não é uma gripe, e sim uma doença cujo nome não consigo me lembrar agora. Aparentemente, essa doença não tinha nada de mais, mas ao ouvir qual era o problema com Anais, a idosa parece ter ficado bastante assustada. Forçando um sorriso de que estava tudo bem, ela pergunta se eles não querem comer alguma coisa, depois de horas na estrada. Todos vão ao restaurante, exceto Anais que estava muito cansada, e prefere ficar por lá. Na saída do quarto, a atendente pisa em cima de um tecido e pergunta o que é. Darwin fala que é o pijama da Anais, causando certo estranhamento na velha, visto que segundo ela, "até um preservativo tinha mais tecido que aquilo".

Com Anais dormindo, e eventualmente espirrando no quarto, o restante da família desce até o saguão. Na verdade, o "restaurante" ficava no mesmo lugar do balcão de atendimentos e da porta principal. E era BEM pequeno, diga-se de passagem, mas na verdade, toda a pousada era minúscula. Logo a velha chega com o prato do dia, a qual ela batizou de "Sopa Surpresa". A cara não era das melhores, e houve certa relutância de todos em comer a sopa, e ver que surpresa ela trazia. Até que Richard finalmente toma uma colherada,e aprova a sopa. Logo, todos acabam tomando e gostando do sabor. Até que, de repente todos caem de sono. Enquanto isso, no quarto, Anais continua dormindo, quando ouve um barulho estranho. Ao se levantar, bem ali no meio do quarto, bem mal-iluminado pela única janela dele, ela vê uma figura um tanto quanto difícil de se descrever. Era como se fosse uma pessoa normal, coberta por um manto preto, mas com bizarros olhos brancos. Obviamente amedrontada demais para sequer pensar em gritar, ela só gritou quando sentiu a mão da coisa tocar em sua perna. O grito dela ecoou por toda a pousada, onde, no saguão, os Wattersons são acordados. Logo eles correm em direção ao quarto. A sombra, ao ouvir o barulho dos Wattersons subindo apressadamente pela escada de madeira, salta pela janela, provavelmente o mesmo lugar por onde ela entrou. Ao entrarem no quarto, Anais conta o que tinha acontecido. Nicole acha que ela deve ter tido um pesadelo, causado pela doença dela. Anais manda que olhem pela janela, mas tudo que se vê é uma rua vazia. Nenhum sinal de um homem vestindo um manto preto. De qualquer forma, todos acham que ela precisa de um médico urgentemente. Eles procuram pela atendente, mas ela não foi achada em nenhum ponto da pousada. Eles decidem sair e procurar por conta própria pelo hospital. A essa hora, o desenho já parece ter perdido a nuance cômica, se concentrando mais no lado sério da história. Eles procuram por toda a cidade, o que é um tanto fácil, visto que ela é minúscula.

Gumball e Darwin acabam achando o tal "hospital", a maior estrutura da cidade, mas ainda assim também era minúsculo. Eles resolvem entrar, mas eles se deparam com uma cena estranha. Apesar de todas as luzes estarem acesas, não há ninguém no saguão principal. Nenhum médico, nenhum paciente, nenhum recepcionista. De repente, um doutor aparece no saguão. Gumball rapidamente pergunta o que houve com o hospital, e o médico fala que ele costuma ficar assim de vez em quando, visto que a cidade quase não tem moradores. Mesmo que isso não tenha sido uma resposta que tirou todas as dúvidas dele, ele leva Anais para lá de qualquer jeito, afinal, mesmo sendo um hospital muito estranho, é o único hospital na cidade. O médico observa Anais (a família toda já está lá), e diz que ela precisará ser internada por um dia. "Para evitar qualquer uma das inúmeras complicações que essa doença pode trazer", diz ele. Ele também garante aos Wattersons que ela ficará bem, pois eles tem todos os equipamentos que precisam pra tratar da doença. Eles queriam passar a noite lá, ao lado de Anais, mas o doutor fala que infelizmente o hospital não tem instalação suficiente para suportar "tanta gente". Basicamente, na sala onde Anais ficaria internada, só há espaço para o paciente e o doutor. Mesmo todos concordando em, nesse caso, passar a noite no saguão, o médico diz que outras pessoas poderiam vir ao hospital, e seria antiético mantê-los ali. Com muito desconforto, os Wattersons voltam para a pousada.Não havia muito mais o que fazer, pois Anais teria que ser tratada de alguma maneira. E já que era o único hospital da única cidade em provavelmente um raio de quilômetros de extensão, era o máximo que podia ser feito. De volta à pousada, a atendente continua desaparecida. Agora que Anais já está no hospital, eles têm mais tempo para procurar com mais atenção onde ela foi parar. Saguão; nada. Quarto; nada. Sótão; nada.

De repente Nicole à encontra no banheiro. Ela havia sido assassinada. Se por um lado, não era uma dessas cenas de "assassinatos graficamente brutais" típicos de episódios perdidos, mas também não era uma cena à ser mostrada em um programa assistido por crianças. Não havia "tripas escorrendo pelo chão, o um olho foi arrancado e arremessado contra a parede". Mas havia muito sangue. Muito mesmo. Foi o suficiente para assustar os Wattersons. Aterrorizados, eles voltam para o hospital, para pegar Anais. Aquela cidade era um perigo para eles. Ao chegar no hospital, mesma cena de antes: luzes acesas, ar-condicionado ligado, sala vazia. Sem-nem se preocupar em chamar o doutor, eles correm dentro do corredor que era apontado como sendo "triagem". Finalmente eles chegam até a única sala de internação. A sala estava em condições precárias. Quer dizer, não havia rombos nas paredes, nem baratas andando pelo chão, como uma boa sala de hospital público do Brasil. Mas também, não haviaa quase nenhum aparelho. Só haviaa aquele pedestal de metal aonde se prende o soro fisiológico ou sangue. Mas em uma coisa o médico acertou: só haviaa espaço para um paciente e um doutor naquela sala. Extremamente nervosos, os Wattersons começam a procurar freneticamente por todo o hospital. Richard ouve um barulho estranho vindo de trás de uma porta que não tinha nenhuma placa de identificação. Ao entrarem por ela, os quatro descem uma escada até onde parece ser o porão do hospital. Lá eles encontram a cena. O doutor jazia morto à facadas no chão, em uma morte bem parecida à da velhinha. Também havia outro homem (eu esqueci de mencionar, o doutor também era humano, só tem humano nessa cidade). A princípio não se conhecia ele, mas uma certa vestimenta que ele segurava na mão acusava que ele é quem tinha tentado raptar Anais. Mas o principal estava no centro do porão. Deitada sobre uma espécie de maca, e presa à amarras, estava Anais vestindo um desses aventais finos comuns nos hospitais. Sua boca estava amordaçada por um lenço, e ao redor dela se encontravam umas 3 pessoas, todas trajando os macacões utilizados por infectologistas com máscaras de gás, botas e luvas vedadas. Um deles, provavelmente o líder, apontava uma arma à cabeça da pobrezinha. Eles estavam prontos à matar Anais, mas foram impedidos pelo susto que a entrada dos Wattersons causou neles. Nicole, horrorizada pergunta que diabos eles faziam.

O líder conta que eles iriam matar Anais. Porque ela apresentava uma doença contagiosa, à qual ninguém na cidade era imune. Na verdade é biologia básica: ao longo do tempo, as pessoas vão se adaptando à doenças, e passam tais características à próxima geração. O mundo civilizado estava composto por pessoas que receberam essa característica de reconhecimento dessa doença específica e, embora ainda apresentassem sintomas, ela agiria muito mais branda. Só que falávamos do mundo civilizado, mundo com o qual aquela cidade evita contato à tempos. Portanto aquela doença era letal para seus habitantes. E com Anais carregando o vírus por aquela cidade, todas as pessoas estavam em risco. A melhor maneira seria matar qualquer um que mantivesse contato com Anais, sem-nenhuma proteção. Era o caso da velhinha, do doutor que na verdade, até sabia do plano de sequestrar Anais, mas aceitou "morrer por sua cidade" e do sequestrador. Os carrascos estavam vestindo o macacão especial, portanto eles estavam limpos. Claro, não só Anais deveria morrer, como todos os Wattersons. Nicole lembra à eles que estão sendo muito radicais e certamente irracionais. O líder mostra um álbum contendo fotos de todos os habitantes da cidade, crianças estão entre-eles. A doença de Anais poderia matar todos eles. Segundo o líder, a vida de uma pessoa não vale a vida de tantas outras. Na verdade, faz sentido: valia a pena salvar uma pessoa arriscando a vida de tantas outras? Com a morte de Anais, é garantido a segurança de toda uma cidade. Mas os Wattersons ainda assim queriam salvá-la (não foi necessariamente uma decisão egoísta, você deixaria morrer sua filha de 4 anos, para salvar pessoas que nem conhece, portanto sem poder saber se são ou não honestas- e merecedoras de tal atitude?)

Mas a sorte estava do lado deles. Um deles descobre que havia um buraco em seu macacão. Sua segurança foi violada, agora ele era um possível infectado. Em meio a essa confusão, Nicole aproveita e imobiliza um dos médicos, Richard cai em cima do outro, Gumball e Darwin libertam Anais, e o outro médico simplesmente correu pra fora do porão. Os wattersons fazem o mesmo. Eles vão até o carro deles, que ainda tinha combustível, nem pegam as coisas dentro da pousada, e dão no pé. Eventualmente eles chegam à uma cidade (de verdade dessa vez). Animados pelo inferno finalmente ter acabado, e Anais estar de volta com eles, eles se abraçam. Temos uma família unida, de novo. Anais, porém, não deixa de se sentir mal por quase ter tirado a vida de uma cidade inteira. No entanto, Gumball lembra ela de que todas as pessoas com quem ela entrou em contato morreram. Exceto o médico covarde, mas Darwin garante que ele iria se matar, sabendo que estava infectado. Ele faria a mesma coisa que o doutor que atendeu eles no hospital- ele se mataria em nome de sua cidade. Anais mais uma vez abraça sua família, e assim o episódio acaba. Os créditos passariam agora. Mas havia uma anotação de uma cena que apareceria ao término dos créditos. Nesta cena, vemos a cidade. Muitas macas são vistas nas ruas, todas carregam pacientes agonizando. A cãmera vai rodando pelo cenário, e além das macas, vemos também corpos sendo queimados, pessoas lamentando a morte de seus entes queridos... a cidade toda foi contaminada.

Docinho.avi




Há algum tempo atrás eu fui convidada para jantar na casa de um amigo, que era sobrinho de Craig McCracken, o criador das Meninas Super Poderosas. A festa estava bem agradável, e fiquei surpresa que o próprio Sr. McCracken era um dos convidados. Assim como todas as outras meninas da minha idade, eu era totalmente obcecada pelo desenho. Eu me debruçava no chão na frente da televisão a cada episódio, e gritava com meus irmãos mais novos se eles não ficassem quietos assim que os comerciais acabassem. Sendo, de certo ponto de vista uma adolescente mau-humorada, Docinho sempre foi a minha preferida dentre as três meninas. Adorava o sarcasmo e o jeito nervoso dela. Quando conheci o Sr. McCracker, falei para ele a grande fã que eu era e que era um prazer de poder conhecê-lo, mas ele parecia não estar interessado no que eu falava, e seu tom de voz era vago e com tom apressado. Supus que era porque ele devia encontrar varias fãs e devia ser um tanto irritante, então me afastei.

Um pouco mais tarde , Sr. McCracken saiu apressado, sem perceber que deixara pra trás um pequeno envelope com um CD dentro. Eu olhei em volta rapidamente antes de pegar o CD, pensando na possibilidade de talvez haver um novo desenho animado feito pelo gênio que criara as Meninas Super Poderosas.

Quando a festa acabou, eu fui rapidamente para casa, ansiosa para ver o que o misterioso CD tinha reservado para mim. Com minhas mãos tremendo, tirei o CD do envelope, e meu coração encheu-se de alegria quando eu vi que em cima do CD havia escrito "Docinho.avi" com canetão. Docinho, como eu disse anteriormente, sempre tinha sido a minha favorita, e eu estava muito ansiosa para ver o episódio, que por alguma razão não tinha sido publicado na televisão, e sim, esquecido em cima de uma cadeira qualquer em um jantar. Coloquei o CD dentro do meu aparelho de DVD, e o desenho começou no mesmo segundo. Sem titulo inicial, sem créditos, nada. Apenas iniciou.

O episódio começou de forma estranha. As cores tinham sido transformadas para quase um tom de sépia, e a casa estava diferente. As janelas estavam vedadas, e as paredes pareciam sujas. Haviam pequenas pegadas vermelhas subindo a parede até o meio das janelas do segundo andar. Confusa e um pouco assustada até, eu continuei a assistir. A câmera deu zoom para dentro da casa, que parecia ainda pior do que do lado de fora. Professor estava sentado no chão, soluçando. Ele olhou diretamente para a câmera, e seus olhos estavam muito realístico mesmo para a forma mais avançada de animação na época, e tinha no rosto uma expressão dolorosa e horrorizada no rosto que estava acostumada a ver sorrindo. "Docinho, o que você fez?! O que você fez com suas irmãs?! Por quê?! POR QUÊ?!! POR QUÊ?!!

Ele falava como alguém que tinha perdido tudo, e meu coração doía por ele. Atrás dele estavam os corpos de Lindinha e Florzinha, terrivelmente mutilados. Florizinha estava sem um olho, e um sangue muito realístico escorrendo de sua meia vazia. Seus membros estavam quebrados e torcidos de um jeito totalmente irreal. Seu coração tinha sido arrancado fora do peito e estava colocado do lado do seu corpo, com uma mancha no seu vestido rosa aonde o seu coração antes estava. Lindinha tinha sido morta de uma maneira parecida, tirando o fato de que seus dois olhos não estavam nas órbitas, e sim empurrados para dentro de sua garganta, e as pernas tinham sido arrancadas. Estava mais perturbada com aquilo, do que estive em minha vida toda, e começava a me sentir mal do estômago, mas sabia que eu tinha que continuar assistindo.

A câmera cortou para Docinho, que estava com os olhos tão realísticos quanto os do Professor. Em seus grandes olhos verdes, agora mais realísticos que nunca, ela tinha um jeito cruel e com um sorriso torto em seus rosto. Ela estava com sangue em seu corpo dos pés a cabeça. Ela levantou o rosto bem lentamente, e então soltou uma risada maníaca, que ecoou pela sala e meu cérebro.

"Você não viu que isso aconteceria mais cedo ou mais tarde, professor? Tenho certeza que todos os seus adoráveis fãs sabiam." Ela falou, cuspindo as palavras e soando totalmente nojenta enquanto falou 'adoráveis fãs'. " Eles eram tão irritantes, sempre felizes, sempre com o amor irradiando e sendo o centro das atenções, sempre sendo legais, bons e perfeitos. Eu odiava! Por tantos anos, isso me enojava, não mais, Professor! Não mais!".

Professor continuou a soluçar, e o som horrível de sua voz continuou cada vez mais alto até que uma faixa verde com um brilho prata atravessou a tela. A cabeça de professor, agora sem-corpo, voou até a câmera e seus olhos me fitaram a alma por um tempo até que a tela ficasse preta.
Pensando que tinha acabado, eu levantei para desligar a televisão, mas eu parei quando eu ouvi gritos e uma cantoria.

Os gritos de Lindinha e Florizinha se cessaram, e a voz de Docinho estava mais alta enquanto ela cantava "Rápido meus bebezinhos, fiquem quietas, Mamãe vai matá-las e queimá-las, e se seus corpos não queimarem, mamãe vai enterrá-las debaixo dos matos* " Apesar das palavras serem péssimas, o som de Docinho cantando e os olhos do Professor ainda perseguem cada um de meus sonhos.



N.T.: * Tradução livre de "Hush little babies, don't say a word, Momma's gonna kill you and make you burn, and if those corpses just don't burn, Momma's gonna bury you beneath the ferns.", que vem a ser a paródia de uma canção de ninar muito comum nos Estados Unidos chamada "Hush, Little Baby".