21/04/13

Rave


Oi, eu sou Hannah Silver, 20 anos, e curso a faculdade de Direito

Eu estou aqui para contar a minha história, de infância. Naquela época, nós morávamos em Eureka Spring, Arkansas, Estados Unidos, e éramos crianças felizes lá. Eu era muito desajeitada, ninguém queria falar comigo, Só a Rave, minha primeira e única amiga. Ela era bem ‘Dark’ por assim dizer. como naquela época tínhamos 12 anos, a mãe dela achava que era só uma fase, que ia passar, e não se preocupava muito.

Um dia, nós fomos no único lugar onde gostávamos de nos reunir para brincar, porque lá, ninguém nos incomodava, eu não sabia o porque. Lá era bem estranho, com um jardim de rosas morto, era uma construção bastante antiga, e estava caindo aos pedaços. Naquele fatídico dia, Rave olhou pra mim e disse “Hannah, eu tenho que te mostrar um lugar, que eu vi ontem” eu achei normal, afinal ela era assim mesmo, esquisita. “Ok, Rave”.


Ela pegou minha mão e me mandou fechar os olhos, porque o caminho era bem especial. Nós andamos bastante até ela, em tom autoritário dizer “Abra os olhos”. Eu Abri. Hoje, desejava nunca ter aberto os olhos, mas eu não sabia disso naquela época.

Estudei o local com os olhos; Uma casa antiga, quero dizer, uma casa não, um castelo velho, que poderia ter sido um lugar onde criaturas como vampiros, bruxas e lobisomens se reunissem de noite. Com a pintura descascando, alguns buracos , e uma névoa estranha rondava o lugar. Decidi olhar para os lados e não reconheci aquele lugar como sendo parte de Eureka Spring, ou pelo menos, nenhum local que eu já tivesse visitado. E, encarando o castelo, ainda segurando a mão de Rave, disse “Ravie, onde a gente está? Aqui eu tenho certeza que não é Eureka Spring, e nem conheço esse lugar. Você sabe onde nós estamos? Sabe voltar? Tem a mínima noção de que há coisas com que agente não deve mexer?” ela respondeu, sorrindo quase ironicamente “Ah, Hannah, deixa de ser medrosa.Eu vou entrar aí, você vem?”

“Hãm... Ravie, já esta escurecendo vamos combinar outro dia? Por favor, eu juro que entro, mas agente vem preparada , ok?” Rave ficou chateada mas disse “Tá bom, mas você vem preparada, eu não preciso de nada. Fecha os olhos, vou te levar de volta” “Tá bom” Nós andamos. Muito, até chegar em frente da minha casa, e Rave largou minha mão e saiu correndo, e eu encarei minha casinha, de um tom azul bebê, com detalhes em cor de cobre. Entrei em casa, e minha mãe estava na cozinha e gritou alguma coisa pra mim.

Fui tomar banho , coloquei uma roupa, jantei e fui para a cama. Não consegui dormir.fiquei pensando no lugar, e quando finalmente o sol nasceu, de 4:30 da manhã, eu já estava me vestindo, com uma mochila nas costas, escrevi um bilhete e deixei na minha cama, escrito “Mamãe, ontem a Rave me mostrou um lugar e nos vamos para lá agora. Eu sei que a senhora não vai gostar mas eu não sei onde é exatamente, mas não é aqui, em Eureka Spring. Não se preocupe, volto á noite, perto das 18:00 horas, a menos que algo aconteça comigo.Estou levando gaze, esparadrapo e coisas para se eu me ferir. Também estou levando comida, porque acho que não volto para o almoço. Beijos, Hannah” fui para a cozinha, peguei um pote cheio de sal grosso bento. e peguei três tupperwares. O primeiro, eu coloquei quatro sanduíches de presunto que eu fiz de madrugada, quando estava sem sono, e uma barra de chocolate pequena, fechei e coloquei na minha mochila. No segundo eu coloquei quatro fatias de bolo, que mamãe tinha feito ontem, e um garfinho descartável. E no terceiro, olhei a geladeira e peguei o que havia restado do jantar de ontem; macarrão, molho de tomate, carne moída, e alguma coisa que cheirava bem. Fui na farmacinha e joguei um monte de remédios, bandagens e essas coisas na minha bolsa. Voltei para a cozinha e pus uma garrafa d’água grande, e uma lanterna.

 Saí de casa e dei de cara com Rave. “Vamos.” Fiquei surpresa “C-como você sabia que eu estava pronta?” “am... er.... vamos logo, vai ficar escuro” o.k ela desviou minha pergunta. Dessa vez fomos olhando o caminho. Prestei bastante atenção, mas de repente, começou um nevoeiro. Era de manhã ainda, isso era... impossível. Mas estava ali. Olhei para os lados e vi a construção. Rave soltou minha mão e entrou correndo me deixando plantada lá. Corri atrás. Eu não devia ter feito isso. Não mesmo. Quanto entrei na mansão senti cheiro de... de bolor, carne podre, e ... e cheiro de... de morte.

Me assustei, claro. Olhei ao espaço em volta de mim; teias de aranha eram a única coisa visível, naquela escuridão.Peguei a mochila que estava nas minhas costas e procurei a lanterna. Achei, tirei-a da bolsa e a ergui na escuridão, o feixe de luz iluminando partes da casa. Vi as coisas rapidamente, com medo demais para me aprofundar em algo; vi vários morcegos com seus olhinhos vermelhos me encarando, vi uma poltrona, ou melhor, um sofá, coberto por um lençol, e uma mão humana, apoiada no encosto. Usei a lanterna para ver quem era a pessoa, porém quando o feixe iluminou sua face, gritei. Gritei alto e não consegui me mexer.

 Os morcegos voaram ao meu lado, mas eu estava paralisada. Ali no sofá, não estava um ser vivo sentado. Mas também, não era um ser morto. O que vi, na realidade era algo, impossível. Tinha forma de humano, no rosto, um olho humano e o outro onde deveria estar outro olho na realidade, estava um... um... buraco negro. A mandíbula estava rasgada, como se um lobo o tivesse arranhado, e a boca, escancarada, com uma baba preta caindo. O corpo, nada mais era do que um esqueleto com algumas partes com carne, e pele, coberto por um tecido rasgado. Finalmente consegui me mover, procurei com a lanterna uma escada. Vi algumas outras ‘coisas’ que preferi não olhar, até que achei a escada.

Eram dois lances, subi correndo. No meio do segundo tropeço em alguma coisa. Algo meio mole. Iluminei com a lanterna. Era um braço. Gritei alto, e fui subindo o resto da escada engatinhando. Andei por um corredor sem fim, e ouvi uma risada vindo de uma das portas e corri até ela. Ouvi de novo, tinha o som da risada da Ravie. Corri um pouco mais. Estava na frente da porta e resolvi ilumina-la com a lanterna. Comecei por cima, onde vi algumas manchas de tinta vermelha seca, já descascando, e quando iluminei mais em baixo vi mais tinta, saindo das frestas da porta. Olhei de novo, e percebi que não era tinta, mas sim, sangue. Em cima também não era tinta. Gritei. Quem quer que estivesse lá dentro, usando a voz da minha amiga, eu nunca ia saber, porque eu na ia entrar. Fui correndo em direção da ultima porta. Cheguei do lado e me encostei na porta. Parecia seguro, não ouvi nenhum som.

Tirei a mochila das costas e peguei a lanterna, examinando o conteúdo. Dei uma olhadinha no meu relógio e vi que era hora do almoço. Tirei um sanduíche do tupperware e comecei a comer. Quando estava na terceira mordida, sinto algo esmurrar a porta onde estava apoiada. De novo. E de novo. Começou a arranhar. Me levantei, guardando tudo na bolsa, nas pressas e segurando o sanduíche com a minha boca. A porta começou a ranger, e nela, se abriu uma cratera. Mais daquelas criaturas horríveis. Dessa vez os malditos gritavam, ou quase, algo que se assemelhava a “comi....da” com vozes horríveis, e a baba caindo de suas bocas horrendas e desfiguradas. Peguei uma parte do meu sanduíche e joguei para eles.

Saí correndo pelo corredor, e senti os meus pés ficarem molhados, e ouvi as risadinhas de novo. Sabia que o que estava no meu pé, com certeza não era tinta. Corri até uma porta quase no fim, agarrei a maçaneta e a abri. Gritei. Naquele cômodo, tinha uma cama, suja e fedida. Mas o que me assustou, foi que um cachorro enorme, ou talvez um lobo estava deitado lá. Isso mesmo, um lobo imenso estava deitado lá. E ele abriu os olhos e me encarou. Ele tinha olhos completamente prateados. Sem pupila, sem nada. Fechei a porta e corri escada a baixo, dessa vez não tropecei no braço como da ultima vez, mas ouvi alguns barulhos atrás de mim.

 Me virei e não tinha nada, mas a porta do lobão, estava quase sendo arrombada, droga! Droga! Droga! Corri mais e acabei por tropeçar nos meus próprios pés. Ótimo, alem de encrencada, eu estava tendo um ataque de pânico. Meu coração martelava no peito, quando caí em algo macio, um lençol branco. Ótimo estava no sofá, perto do ‘coisa’. Foquei o feixe de luz da lanterna em uma porta, onde me parecia ser a cozinha, o algo do gênero. Vi um ser alado de frente a uma porta, e pensei “que ótimo ,meu anjo da guarda!” Não era um anjo. As asas, olhei mais de perto, eram negras com escarlate. Um cabelo longo, perto e sedoso caía pelas suas costas, não quis olhar mais nada. Me lembrei da porta de entrada. Corri para lá, na esperança de estar aberta. Não estava, mas a maçaneta estava enferrujada, quase se esfarelando ao toque. Chutei com força e a porta se abriu. Peguei o pote de sal grosso e circulei todo o castelo. E saí correndo no meio do nevoeiro.

 Cheguei em casa exausta, já estava de noite, e bati na porta, 5 vezes, me arrastando. Mamãe abriu a porta e gritou, ao mesmo tempo me abraçou, perguntando se estava tudo ok. Respondi que sim, e ela me mandou para o chuveiro. Me olhei no espelho. Meus cabelos cheios de sangue. Eu toda estava coberta de sangue. Meu pé não era o único lugar cortado. Estava toda arranhada,nos braços principalmente. Deixei a água lavar tudo aquilo, junto com as lembranças daquele dia. No mês seguinte, eu e mamãe fomos para outra cidade. Dês do dia daquele lugar, nunca mais vi Rave. Mas depois daquilo, só a lembrança da Rave trazia tudo aquilo á tona.

Enviado/Escrito por: Sam Salvatore




16 comentários:

  1. Legal a creepy, mas a 'a gente' se escreve separado :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com tantos erros e você só percebeu esse?

      Excluir
    2. Realmente, com tantos erros e você só percebeu esse?

      Excluir
  2. Sera que era a Rave que estava a caçando?

    ResponderExcluir
  3. mas que porra de "creepy" eu já tinha visto historias toscas, mas essa se superou poutz

    ResponderExcluir
  4. Tosco seria se ela não conseguisse escapar e ainda assim estivesse contando a história por exemplo...

    ResponderExcluir
  5. PqP...Isso ia dar um ótimo jogo de rpg maker!
    Será q dá pra nois fazer um assim?!
    Espero q alguem tenha a mesma ideia q eu!

    ResponderExcluir
  6. A rave é o ser alado,rave...corvo...por ai

    ResponderExcluir
  7. Ninguém pensa na Hannah? Ela perdeu a única amiga, seus insensíveis )';

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu pensei nela sim.......mas eu tava mais ligada ao fato de q como ia ficar se essa creepy fosse um jogo

      Excluir
  8. Apoio o povo aí de cima, RPGmaker ftw

    ResponderExcluir
  9. Só consigo pensar... Alok, ela circulou o castelo todo com sal? Haja paciência, mesmo sendo um castelo pequeno QQ

    ResponderExcluir
  10. Ela leva comida, remedio e lanterna, eu levaria bandagem faca, espada, isqueiro comida bomba pistola, metralhadora querosene gasolina e um sinalizador :3

    ResponderExcluir
  11. Ela parou pra comer um sanduíche porque estava na hora do almoço, wtf??????

    ResponderExcluir