30/05/13

Amor Esquecido

Eu fui capaz de manter um sadio ceticismo sobre fantasmas, assombrações e todas as coisas sobrenaturais até meus 28 anos. Achava a maioria das alegações de tais coisas serem duvidosas na melhor das hipóteses e, na pior das hipóteses, prejudiciais. Eu estava mais inclinado ao campo da ciência clássica, por ter muitos anos antes estudado física na universidade de Edimburgo. Enquanto minha profissão nunca me levou de volta para as áreas cientificas, eu tinha mantido até esse momento uma oposição implacável à pseudociência e superstições.

Com frequência, meus amigos ficam pensando sobre a mudança que eles viram em mim na época. O que os surpreendeu é que não foi uma mudança constante e lenta do coração, mas sim uma reviravolta completa da noite para o dia; uma transformação, se quiser assim chamar. Visto de certo angulo, parecia ter ocorrido muito rápido, mas na verdade aconteceu em uma escala de tempo ligeiramente mais prolongada; duas semanas para ser preciso.

Era Fevereiro, de fato era a semana do Dia dos Namorados (N.T: O dia dos namorados, que se chama "Valentine's Day" em inglês, ocorre dia 14 de fevereiro). Nessa época eu estava passando por uma fase de isolação social. É algo que muitas vezes acontece no sombrio inverno escocês, onde me torno cada vez mais agarrado a minha solidão e passando amargura para aqueles que "se encaixam". Era, e ainda é, uma ressaca neurótica da minha adolescência, algo que me atormentou por muito tempo.

Duas semanas antes encontrei-me vagando pelas ruas de Edimburgo para limpar minha mente. Andar a pé, o quão engraçado que possa parecer, sempre foi um grande conforto para mim. Você está, em todos os sentidos, a sós com seus pensamentos, mas essa parte que almeja a companhia de outra pessoa é apaziguada por um tempo.

Edimburgo é uma cidade muito antiga e tem mantido notavelmente a forma de seu passado. As ruas de paralelepípedo serpenteiam o lado íngreme do que já foi um vulcão, rompendo-se esporadicamente em ruas estreitas que ocasionalmente se abrem para pátios isolados.  Esse inúmeros pátios são geralmente ladeados por casas altas geminadas, amontoadas como se sussurrassem umas as outras segredos esquecidos do passado: a majestosidade de Edimburgo como uma cidade que frequentemente é perdida naqueles que viveram tempo suficiente para ver a beleza banal.

Como muitas vezes acontece quando tomado pela depressão, eu não tinha dormido bem. Eu tinha terminado de trabalhar por volta das cinco da tarde e quando consegui dormir um pouco, minha mente não me deixava relaxar. As seis da manhã eu tinha conseguido dormir pouco e, mesmo que fosse domingo, admiti a derrota nas minhas tentativas de ter um bom descanso e levantei-me relutante para cumprimentar o mundo.

No momento eu já tinha percebido que ainda estava cedo da manhã e o frio gelado de janeiro ardeu em minha face. Apesar de Edimburgo ser, por falta de uma expressão melhor, uma cidade turística, naquela época ainda estava relativamente deserta, mesmo para um domingo. Uma ligeira névoa subiu para fora das águas de Leith fazendo-me sentir ainda mais frio enquanto passava pelas ruas estreitas e calçadas vazias, totalmente absorto em meu caminho.

Enquanto as lojas abriam e as primeiras gotas de turistas começavam a vazar de seus hotéis para as calçadas de paralelepípedo, eu decididamente me desviei para outras ruas que geralmente são esquecidas. Minha mente distante tinha tomado conta de mim, pois quando sai de meus devaneios, eu estava de frente a um velho cemitério. Eu pensei em dar meia volta e ir para casa, mas algo deste lugar despertou uma compulsão em mim; eu tinha de explorá-lo.

Eu achei curioso que o portão, feito negras barras de metal, estavam entreabertas de manhã cedo num dia como aquele. Entrando no cemitério, eu imediatamente notei a isolação total do lugar, apreciando o som do cascalho debaixo de meus pés que quebrava o silêncio enquanto eu me direcionava lentamente por um caminho cheio de pequenas pedras brancas.

Não era um cemitério muito grande. Parecia consistir em dois lotes separados, com os velhos túmulos à frente, beirando o muro e o portão, e mais para trás, conforme o terreno se afunilava em uma colina, se encontravam os túmulos dos falecidos mais recentemente. Os túmulos mais antigos carregavam as antigas cicatrizes da idade. Encontrei um que estava datado 1776, mas o epitáfio estava ilegível. Eu senti uma tristeza olhando a lápide, e sem culpa alguma me imaginei como uma alma perdida ou esquecida.

Eventualmente eu me desloquei, subindo a colina em direção as sepulturas mais recentes. Me aproximei de um velho e grande Sicômoro que pairava acima de vários túmulos, com um comportamento quase que protetor. Eu fitei uma das lápides, lendo as palavras mas nãos as registrando, e minha mente foi engolida  por outro devaneio. O túmulo se sobressaia de algum jeito entre os outros. Ele era branco, enquanto os outros que o rodeavam eram feitos de um mármore negro profundo.

Sem pensar, eu corri minha mão pela pedra lisa sentindo ocasionalmente as marcas dos elementos nela. Nos pés da sepultura estava um vaso pequeno e inofensivo. Era feito de um metal amarronzado ( assumi que era cobre, pois na superfície deste podia-se ver pequenas veias de coloração azul por conta da exposição de variações climáticas em Edimburgo).

Enquanto fiquei de pé lá, algo britou na minha mente. Algo que me aborreceu profundamente. De primeira eu não sabia o que era, julgando que fosse apenas um senso crescente de desconforto. Quando esse sentimento atingiu seu auge, eu percebi o que estava errado.

O nome na lápide era Lisa Maine.

Eu reconhecia bem aquele nome,assim como todos moradores locais. Eu conhecia ela quando eu era adolescente, pois íamos a mesma escola. Ela era alguém que eu observava de longe, cheia de vida e exuberante, enquanto eu era tímido, recluso e reservado. Eu possuía uma paixão e desejo intenso por ela o qual apenas o primeiro amor produz. 

As palavras em sua lápide se destacaram fortemente; 15 anos. Eu fui preenchido com um sentimento tremendo de luto e perda, o que me pegou de surpresa, tanto que tive de sair do lugar; eu não conseguia aguentar. Sai do cemitério o mais rápido que pude e fui para casa ignorando as confusas ruas de Edimburgo. 

Eu não olhei para trás. 

No decorrer dos dias seguintes eu estava inquieto. Eu tinha muito trabalho e dificuldade para dormir, mas isso não era incomum de mim. O incomum era as memórias de Lisa Maine que não saiam de minha cabeça, memórias e pensamentos que me seguiam para todos os lugares.

Na época eu tinha sido afetado fortemente pela morte dela pois só tínhamos 15 anos, mas isso fazia quase uma década e eu não pensava nela fazia muitos anos. Era como se o sentimento de perda tivesse acordado quando eu olhei a lápide, um sentimento de dor que eu tinha dado um jeito de enterrar tão profundamente dentro de mim que tinha me persuadido a esquecer.

As memórias agora me assombravam;  lindas e terríveis. A qualquer momento eu era presenteado pelas lembranças do sorriso dela, o cabelo, a bondade, e depois engolido pela desesperante imagem dela enterrada a sete palmos da terra; fria e sozinha. Antes tão cheia de vida, agora uma casca em decomposição, o qual antes tinha sido a casa de uma alma tão bela.

Se eu tivesse contando a alguém como eu estava me sentido, esses me chamariam de emotivo ou sentimental, por um simples motivo; eu mal conheci Lisa. Observando ela por anos pela sala de aula, eu me imaginava falando com ela, compartilhando aqueles momentos que significavam tanto para um adolescente; o primeiro contanto com alguém que você adora, o primeiro sentimento de ser amado, o primeiro beijo.
Eu mal tinha falado com ela até poucas semanas antes dela morrer. Em uma dessas vergonhosas manobras sociais que os professores as vezes fazem, os alunos eram forçados a formarem pares para ir primeiro baile. Para alguém como lisa era algo a ser divertido e aproveitável, enquanto para mim era algo a ser detestado. Era constrangedor, possuindo nenhum talento relativo a dança e ainda com muito medo de passar um tempo com uma garota.

Era fim de Janeiro, e na aula de dança onde praticávamos, Lisa rapidamente me escolheu para facilitar as coisas. Eu não consigo transmitir os sentimentos simultâneos de felicidade e medo que eu senti quando ela me pediu para levá-la até em casa naquele dia. Algumas pessoas acham que as interações sociais são cansativas, muito como eu que sempre fiquei preocupado em dizer algo errado, mas alguns indivíduos podem deixar os outros à vontade sem menor esforço; Lisa era uma dessas pessoas. À medida que atravessávamos uma ponte em estilo vitoriano para a casa dela, o sol de inverno brilhava confortavelmente. Eu não poderia estar mais contente de estar na presença dessa garota tão feliz e de coração bondoso. Ela era tão linda, com um sorriso incrível e cabelos dourados que pareciam fazer parte de uma personagem de contos de fadas. 

Por semanas a gente fez o mesmo trajeto para casa. Conversando, rindo (coisa que eu fazia raramente) e ficando cada dia mais próximos. Quando você está nessa idade, tudo é potente. Eu não tinha muitos amigos, e vivia sozinho com minha mãe que não era uma mulher muito afetuosa, então naquele curto período eu me apaixonei facilmente por Lisa Maine.

No dia 13 de fevereiro, nós paramos do lado de fora da casa dela. Ficamos conversando por uns instantes e então pela primeira vez Lisa se tornou distante. Ela olhou fixamente para mim de um jeito que nunca tinha feito antes. Eu me senti inquieto, mas ao mesmo tempo alegre. Houve um momento, um breve momento onde não falamos nada um para o outro, então ela me abraçou. Os dedos dela escorregaram em meus cabelos. Eu nunca esquecerei o quão doce era seu cheiro, o quão viva ela parecia, e o quão maravilhoso era me sentir amado como nunca tinha sido antes.

Lentamente ela me soltou e foi andando para a porta. Então antes de desaparecer dentro de casa ela se virou e sorriu pra mim mais uma vez.

De imediato eu sabia o que iria fazer. Pela primeira vez na vida eu estava cheio de foco e propósito, um desejo de fazer apenas uma coisa. Eu corri o mais rápido que pude para o centro onde se encontravam as lojas. Eu tive sorte, pois a maioria já estava fechando. Um gentil senhor que administra uma antiga loja de cartões me deixou entrar, mesmo que já estivesse de saída.

Eu iria comprar meu primeiro cartão do Dia dos Namorados.

Tinha de ser perfeito. Tinha que ser a coisa certa. Depois de olhar quase todos os cartões que eu podia pagar, eu achei um. Era o destino. O cartão era vermelho com um circulo branco no meio. Dentro do circulo 
havia um menino e uma menina andando ao longe de mãos dadas, juntos. Eu não ligava o que estava escrito dentro, pois eu sempre tive um jeito com a escrita, e sabia que conseguiria fazer um bom texto vindo do fundo do meu coração. Eu comprei. Depois de sair da loja de cartões, eu fui direto para a banca de jornal local. Eu tinha salvado ainda minhas últimas 2 Libras (N.T: Dinheiro Escocês e Inglês). Minha mãe tinha me dado permissão de comprar lanche na escola toda semana, e eu sabia que ela não me daria mais para gastar. Com isso, eu tinha que ficar alguns dias sem comer na escola para ter algum dinheiro em mãos, e com o resto de minhas Libras eu comprei uma caixa de chocolate para acompanhar o cartão.  

Eu esperei pelo dia seguinte. Foi tudo muito devagar.

O dia 14 de Fevereiro. Eu nuca esquecerei o entusiasmo de me arrumar para a escola. Eu dei uma última olhada para os chocolates e o cartão antes de colocá-los na minha mochila. Eu acho que tinha deixado claro demais que eu estava carregando algo importante e delicado, enquanto andava com a mochila nos braços a maior parte do dia.

Eu estava tão entusiasmado, tão concentrado que eu iria marchar até Lisa e dar a ela o presente sem me importar no que os outros, o qual alguns podiam ser muito cruéis, iriam pensar.
Mas ela não estava lá.

Ela não estava no parquinho, ela não estava nas aulas. Nas matérias que dividíamos, eu fiquei apenas sentado olhando o lugar vazio dela. Bateu o sinal da escola e eu me vi fazendo o mesmo caminho que Lisa e eu fazíamos normalmente. Fiquei de pé do lado de fora da casa dela, segurando os chocolates. Eu não consigo descrever o sentimento que estava sentindo lá. Pode dizer que era a falta de comida ou o fato de estar totalmente preparado o resto do dia, mas a ansiedade tomou conta de mim o que resultou que eu não conseguia bater na porta dela. Voltei para casa, deprimido. Tanto que eu mal consegui comer uma garfada do presunto mal cozido de minha mãe,  então eu simplesmente subi as escadas e rastejei até a cama, mal dormi durante a noite.

Nos próximos dois dias eu me vi fazendo o mesmo caminho de sempre segurando aqueles chocolates, sem me atrever a cruzar a cerca branca que ficavam a frente da casa de Lisa. No terceiro dia eu perguntei a uma das professoras sobre as faltas de Lisa, algo que eu ainda não tinha pensado em fazer antes. Eu associava qualquer autoridade sendo um ser frio, distante e injusto, e com resultado eu normalmente evitava contato com os professores a qualquer custo. Sra. Randall, nossa professora de História, me disse que Lisa estava com uma febre muito alta e estava muito doente.

Ela poderia ficar ausente por semanas.

Com a noticia eu estava decidido; Eu iria bater na porta dela, e bater na porta dela foi o que fiz. Eu bati, bati, bati e bati mas ninguém responder. No dia seguinte fiz o mesmo, e de novo nenhuma resposta.
Agora faziam cinco dias da última vez que eu tinha visto Lisa. Era um sábado e, mais uma vez, eu fui até a casa dela, com o chocolate e o cartão em mãos. Enquanto me aproximava de sua casa, o céu se encheu de nuvens, trazendo uma tonalidade monótona em cima da rua de Lisa, fazendo-a parecer deserta. Era claro que o pai de Lisa não era um jardineiro. O gramado estava crescido demais com ervas daninhas espalhadas entre as fissuras do concreto que era usado para fazer um pequeno caminho em direção ao hall. Eu parei um instante e olhei ao redor para ver uma estátua de gnomo que estava claramente se afogando na vegetação alta; estava tristemente quebrado.

Muitos sugerem que quando algo está errado, alguém sabe. Essas pessoas podem não saber exatamente o que aconteceu, mas eles quase conseguem sentir uma sensação de pavor no ar. Eu olhei ao redor e continuei a andar para a porta da frente.

Algo estava diferente.

Eu estava certo que a casa parecia deserta como estava nos dias anteriores que eu tinha visitado, e mesmo estivesse do mesmo jeito que antes, uma coisa tinha mudado. A porta da frente estava aberta. Eu estava certo de que ela estava fechada quando eu cheguei, mas eu deixei isso passar enquanto admirava o jardim mal cuidado. Veja só, eu não consigo explicar direito, mas havia algo sufocante sobre aquela casa naquela rua silenciosa.

Eu alcancei a porta e segurei a aldrava, batendo três vezes. Sem resposta. Eu repeti minhas batidas com mais força dessa vez, mas mesmo assim ninguém veio.
A porta estava apenas levemente entreaberta, de um jeito que eu não conseguia ver muito bem o interior. Tudo que eu podia ver é que estava muito escuro  e que o ar que saia da casa parecia bolorento, como se não estivesse habitada por muito tempo. Eu comecei a ficar nervoso. Eu não sabia realmente o por que.
Limpando a minha garganta e balbuciante eu perguntei "Olá?" várias vezes sem resposta. A rua estava vazia e o lugar parecia totalmente sem vida. Então um pensamento começou a ruminar e ganhar impulso dentro mim. E se Lisa e seu pai estivessem machucados? Eu comecei a fazer todas as possibilidades na minha mente, os dois em alguma parte da casa, machucados e sem comer ou beber água por dias. Então eu lembrei que minha professora de História tinha dito que Lisa estava doente. Ela tinha que ter falado com alguém que sabia sobre isso, provavelmente o pai de Lisa. Eu esperava que ela não estivesse tão doente que seu pai tivesse a levado para o hospital.

Apesar de meus pensamentos lógicos, eu ainda não podia negar o horrível sentimento que algo estava de fato errado. O medo começou a se agarrar em mim, então fechei meus olhos por um momento e achei a memória de Lisa sorrindo que me deu o conforto que eu precisava para vencer aquilo. Eu segurei firmemente os chocolates e o cartão enquanto empurrei a porta para ficar totalmente aberta. Me movi silenciosamente, mas  o barulho que a aldrava fazia por causa do movimento repentino da porta ecoou pela casa, mas mesmo assim ninguém veio.

A casa estava banhada em escuridão.

Eu dei uma última olhada em volta e cruzei a soleira. Mesmo que Lisa não viesse de uma família muito rica, a casa tinha dois andares e no mínimo quatro quartos e um sótão. Talvez o fato que Lisa fosse filha única fazia a casa parecer maior ou mais vazia. Quando eu fui andando lentamente pelo corredor, eu sentia como se cada passo meu ecoasse pelas passagens e quartos vazios.

Começando pela sala de estar no primeiro andar, eu fui de quarto em quarto ocasionalmente perguntando se alguém estava me ouvindo, mas rapidamente percebi que estava falando sozinho. O ar estava sufocantemente quente e passando minha mão pelo radiador eu percebi que a caldeira deveria estar ligada fazia algum tempo.

Quando fui em direção da cozinha no fundo da casa, eu ouvi algo. Era quase como uma batida rítmica. Eu não conseguia identificar o que era, mas eu sabia que vinha do andar de cima. Sai da cozinha, o que eu fiquei muito feliz em fazer, porque estava cheirando a comida apodrecida, e andei em direção as escadas.
O lance de escadas era estreita e se estendia por dentro de uma parede. No topo da escada havia um corredor que dobrava para a esquerda e levava até os outros quartos. A batida tediosa estava agora mais intensa e enquanto eu escalava lentamente os degraus, o medo que tinha se agarrado quando na porta da frente voltou a mim. A realização de que eu estava vagando sem ser convidado na casa de alguém veio à tona. Parando por um momento, eu fechei meus olhos e pensei em Lisa de novo. Continuei.

Quando cheguei ao topo, a batida parou; eu me arrepio agora só de pensar nisso. Haviam três portas que davam nos três outros quartos e uma que dava no banheiro que eu já havia visto que estava vazio. A porta para o primeiro quarto estava aberta. Eu espiei lentamente esperando ver alguém lá dentro. Não havia ninguém. Era o quarto do pai de Lisa, elegante, organizado, com quase nenhum objeto. A única coisa curiosa era que as cortinas não estavam abertas.

A porta para o segundo quarto estava fechada. De novo, eu fui invadido por uma sensação de ser um intruso ali. Eu estava andando dentro da casa de alguém sem ser convidado. Eu era um transgressor. Bati levemente na porta. Esperando por um tempo eu percebi que não devia ter ninguém lá, então segurei a maçaneta e girei. Abriu. Empurrei a porta e ela travou com apenas alguns centímetros de abertura. Algo estava bloqueando a passagem. Puxei em minha direção e depois empurrei de novo, mas sem sorte. Em cada tentativa a madeira da porta batia em algo. De repente eu fiquei ciente que o barulho que fazia quando eu empurrava a porta ecoava pela casa. Não era muito diferente do que eu tinha ouvido antes.  

Eu tentei mais uma vez, empurrando contra o obstáculo com mais força possível. Sem sorte. Eu estava prestes a desistir e ir para a próxima porta quando eu vi o que estava bloqueando minha entrada. Eu nunca vou esquecer o olhar vidrado do rosto que parecia estar espiando pela fresta que fica entre a parede e a porta. A pele era de um cinza pálido, alguns cachos de cabelo cobrindo a cabeça, e algumas gotas de suor congelados na testa. A maior parte de suas feições estavam obscurecidas pela porta, mas o único olho visível continuava encarando, oculto, coberto de sombras.

Eu não gritei porque percebi não só que era o rosto do pai de Lisa, mas que ele estava prá lá de morto. Eu me senti anestesiado, mas olhando de volta, percebo que consegui controlar a situação muito melhor do que a maioria dos adolescentes naquela idade teriam, mas posteriormente eu comecei a ter uma estranha fascinação por isso, lendo muitos casos de mortes horrendas.

Eu me concentrei por um segundo, me compus, e instantaneamente meus pensamentos se voltara para Lisa e onde ela estaria. Ela esta no mesmo quarto? Ela estava no porão? Tudo que eu desejava é que ela estivesse bem.

Então algo aconteceu. Um evento que até hoje eu reprimi, ignorei, e evitei o máximo que pude. Algo que me chocou o fundo da alma. Algo que nunca contei a ninguém.

O rosto que me olhava através da lacuna escura se mexeu. No começo, era apenas um movimento rápido, e eu ignorei como efeitos do choque da morte sobre corpo. Em seguida, mudou-se novamente. De repente, a porta começou a tremer violentamente como se estivesse sendo chutada e socada pelo corpo que estava atrás dela. O rosto se virou para cima com um estalado do pescoço morto  enquanto lutava contra cada movimento brusco. Um som borbulhante e pútrido soou ofegante, enfurecido de dentro de sua garganta inchada.

Fechei meus olhos. Eu estava certo que aquilo não era real. As colisões pararam, e a casa caiu em silêncio mais uma vez. 

Eu dei um suspiro de alivio e abri meus olhos. O que vi, mal posso descrever agora. O rosto tinha mudado em direção à cima e ficou no mesmo nível que o meu. A porta balançou e sacudiu sob a tensão do seu agressor venenoso que tentava fazer seu caminho através dela. Finalmente o rosto se empurrou e se apertou contra a fresta, revelando inteiramente suas características repulsivamente repugnantes.

Morto, coberto de sangue coagulado, ofegando incansavelmente por ar, o tempo todo olhando diretamente para mim com ódio nos olhos e seus lábios repuxados para trás mostrando os dentes juntos.
Eu não me lembro muito bem o que aconteceu depois disso, e estou contente por isso. Eu sei que sai de lá, corri confuso para casa, chorando, e balbuciando feito um louco. Sei de mais uma coisa, que enquanto as memórias vem correndo por mim, eu lembro que aquela coisa conseguiu escapar e me agarrou. Como escapei eu não lembro.

A verdade era mais assustadora do que eu podia imaginar. O pai de Lisa tinha perdido seu trabalho algumas semanas antes e as contas se empilharam junto com a pressão de cuidar da sua única filha, ele enlouqueceu. Quando a policia entrou na casa encontrou o corpo da pobre e doce Lisa no porão. Seus pulsos estavam amarrados ao radiador. Tinha sido estrangulada até a morte. Depois de matar a filha, o pai de Lisa foi ao quarto dela e se enforcou. Depois de uns dias pendurado, a corda que ele tinha usado para tirar a vida de si mesmo parece ter arrebentado. A policia achou o corpo dele caído atrás da porta. A porta estava aberta.
Enquanto o tempo corroía as memórias, a explicação destes eventos se alteraram várias vezes em minha cabeça. Através dos anos na escola e na faculdade, eu li sobre pressão psicológica e como um trauma poderia fazer um ser humano alucinar. Eu me convenci que tinha encontrado o pai de Lisa morto e que o choque tinha produzido o resto da experiência. Não importa o quão real parecia, a ideia de que um cadáver se retorcia por raiva e ódio, talvez até pelo amor que sentia pela filha, poderia voltar a vida e atacar os vivos... Simplesmente não se encaixa nas minhas crenças científicas de ateístas.

Eu rejeitei toda a experiência, mas algo continua a me assombrar enquanto tempo me esconder da verdade. A policia relatou que Lisa tinha sido amarrada alguns dias antes de ser morta.

A morte foi datada em 15 de Fevereiro.

Ela estava no porão, amarrada, assustada mas mesmo assim viva quando eu fui até a casa dela dar seu presente de Dia dos Namorados. As pessoas falam sobre assombrações e espíritos, mas a memória do rosto se contorcendo atrás da fenda não era nada comparado a saber que eu tinha estado na casa dela e que talvez, apenas talvez eu podia ter a salvo. Sim, eu era uma criança, mas eu podia ter feito algo!
Eu cresci, mas nunca amei mais ninguém; aquele sentimento de conexão com outro ser humano. Eu desenvolvi uma apego que não era saudável à minha própria companhia e me encontrei mais interessado em meter a cabeça em livros do que talvez conhecer novas pessoas, ou me apaixonar de novo. Os amigos que eu tinha nunca tinham sido realmente próximos, nem nunca entenderam realmente quem eu era.

Ver o túmulo de lisa tinha trazido tudo à tona. Os momentos perdidos, a coisa na casa, a morde dela. O engraçado que de todas essas memórias, todas traumáticas e preciosas, a que não me abandonava era do presente que eu nunca dei. Mesmo ainda desejando que a morde de Lisa tivesse sido apenas um sonho e que ela estivesse ainda nesse mundo, eu ainda sentia que tinha que corrigir esta situação.

Eu ainda tinha o cartão depois de todos os esses anos, e em muitos aspectos, era o meu bem mais precioso mas ainda assim o mais detestado. Precioso pelas memórias  que estavam gravadas dentro de mim e odiadas pelo mesmo motivo. Na manhã do dia 14 eu andei pelas ruas de paralelepípedo em sentido ao lugar de descanso de Lisa, no caminho parei em uma banca de jornal e comprei uma caixa de chocolates.
Na minha primeira visita eu tinha andado até lá por acaso, vagando simplesmente em transe, mas desta vez eu estava focado e decidido. Sentimento é uma coisa interessante e que tinha me feito manter o cartão e a fita da caixa de chocolate que havia feito na época. Quando entrei no cemitério, olhei para cima em direção da colina onde ela estava. Me senti hesitante. Não porque eu não queria deixar os presentes no seu túmulo, mas porque eu não até que ponto o sentimento de remorso, tristeza e nostalgia amarga poderiam tomar conta de mim de novo. No entanto, depois de um tempo eu fiz meu caminho caminhando sobre as pedrinhas brancas, subindo a colina.

Lá eu fiquei. O sol ainda estava relativamente baixo no céu e fazia que tudo ficasse exageradamente contorcido com as sombras banhando tudo. Depois de ficar por lá pelo o que pareceu um década, tirei a fita do bolso, amarrei cuidadosamente em volta da caixa e então coloquei os chocolates e o cartão em cima da pedra fria da sepultura.

Não sei se disse algo. Naquele momento provavelmente não, pois eu não estava convencido que ela estava lá para me ouvir; que uma vez que meus entes queridos morrem, eles se vão para sempre; que a morte é o fim. Eu sei que chorei. Eu chorei como não tinha chorado desde criança. Eu cai em meus joelhos e enterrei meu rosto nas mãos. Eu esta inconsolável.

Eu tinha ouvido e lido sobre pessoas tendo experiências religiosas e espirituais, e enquanto eu não podia aceitar verdadeiramente os testemunhos dos outros, o que posso dizer é que o que eu senti naquele momento foi profundo; um sentimento dolorosamente lindo de companheirismo e amor. Eu olhei em volta. Ninguém estava lá, mas eu senti como se estivesse. Eu tentei me livrar da sensação achando que minha mente estava só estava brincando comigo, mas eu simplesmente não conseguia, por mais que tentasse.  Aquele sentimento tinha emoção dupla. Eu só tinha me sentido daquela forma uma vez antes; quando Lisa me abraçou na última vez que nos vimos. Enquanto a sensação tomava conta de mim, eu percebi que eu tinha estado procurando incansavelmente pela mesma sensação, mas nunca tinha encontrado até aquele momento.

Eu me levantei, enxuguei meus olhos e toquei a sepultura como se dissesse adeus. Andei para a entrada do cemitério com um sorriso que ia de orelha a orelha, algo que qualquer um que me conhece bem diria ser extremante raro. Quando eu cheguei ao portão eu olhei para a colina mais uma vez, que para mim não era mais um local de solidão, e sim amor e amizade.

A segunda e a última vez que posso dizer que vi um espírito foi naquele momento, de pé atrás do túmulo de Lisa estava uma imagem embaçada de uma moça em um vestido de dança rosa. Eu não corri para a sepultura, pois sabia que não precisava. Ela acenou lentamente para mim e desapareceu lentamente.
Eu andei para casa. Eu me sentia completo, contente e exuberante. É quase impossível de descrever a experiência do cemitério, mesmo que eu a tenha feito em plenitude, mas mesmo assim sem puder convencê-los.  

Meus amigos se perguntam o que aconteceu comigo naquela época. O fato é que eu encontrei algo que eu nem sabia que me faltava. Alguns lendo isso podem pensar que eu encontrei minha fé, mas não foi isso. O que eu encontrei naquele dia foi o companheirismo e aceitação da única pessoa que eu já amei. Sabia que daquele dia em diante o mundo tornara-se muito mais misterioso e maravilhoso do que eu jamais fui capaz de imaginar. Eu sabia que nunca mais temeria ficar sozinho, pois quando vago pelas ruas de Edimburgo e me encontro em um lugar calmo sem nenhum passante por perto,  eu sorrio sabendo que se eu escutar cuidadosamente,  posso ouvir os passos de Lisa, a garota que eu amei tão profundamente quando criança, andando comigo para onde quer que eu vá.


Creditos à: Micheal Whitehouse (escritor de "Hora de Dormir")



49 comentários:

  1. Super bem escrito. Um ótimo conto, de verdade.

    ResponderExcluir
  2. Nossa amei *u* uma história de amor melhor do que crepúsculo.Esse Micheal escreve muito bem,não posso deixar de sentir um pouco de invenja hehe :3 mas é invejinha do bem :33

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Filha, qualquer história de amor é melhor do que Crepúsculo.

      Excluir
  3. Quando ele disse: "Alguns lendo isso podem pensar que eu encontrei minha fé, mas não foi isso." Eu lembrei do que os cristãos dizem que é uma prova de amor, Deus deu seu filho por nós, o que eu acho que é totalmente o contrário, uma prova de egoísmo, se eu fosse fazer isso, não daria meu filho, daria a mim mesma. E o que o personagem da história fez, foi realmente uma prova de amor, ele entrou na casa (que pelo o que eu percebi, tinha cara de morte) sem saber quem ou o que estava lá dentro, para procurar pela pessoa que ama, sem saber o que aconteceria, sem se preocupar com o que ele poderia encontrar, algo poderia atacar e matar ele a qualquer momento, ele estaria preparado? Não. Jesus sabia o tempo inteiro que iria morrer. Acho que a maior prova de amor não é se entregar para ser ferido para provar que ama, e sim simplesmente se entregar por quem ama, sem se preocupar em quais serão as consequências e estar disposto a fazer qualquer sacrifício, isso sim pra mim é uma prova de amor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando Deus deu o seu único filho ele estava se entregando, pois Deus, Jesus e Espírito Santo são o próprio Deus em personificações diferente, é confuso mas é isso, Deus é a personificação dele próprio, sua "verdadeira forma", Jesus é a forma mais próxima dos homens, uma personificação dele na Terra, Deus veio como Jesus para mostrar que nós podemos ter parte nos céus, por que Jesus foi homem como todos nós e o Espirito Santo é a personificação do poder de Deus. Bjos, fica com Deus

      Excluir
    2. nah, concordo com a julia... mas nao quero discussao sobre religiao u.u'

      Excluir
  4. Puta merda, nunca senti tanta preguiça de ler um texto na vida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lê Hora de Dormir ._. Ele foi dividido em 10 partes -.-

      Excluir
    2. Eu parei na terceira parte do Hora de Dormir, mas um dia termino hue hue

      Excluir
    3. Eu parei na terceira parte do Hora de Dormir, mas um dia termino hue hue

      Excluir
  5. sinceramente,Mesmo sendo uma Creepy Longa,é uma Otima Creepy

    ResponderExcluir
  6. Adorei mesmo!
    e ler pelo celular parece mais curto kkkk

    ResponderExcluir
  7. Coitado do rapaz,ficou esquizofrênico :/

    ResponderExcluir
  8. Eu amo esse cara. E ponto.

    E, para quem sentiu preguiça de ler ao ver aquele texto intimidante, só vou dizer que vale a pena. Os contos do Whitehouse são excelentes (pelo menos os que foram traduzidos aqui), e esse não é uma exceção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou traduzindo mais um dele agora, que vai ser o mesmo esquema do Hora de Dormir, dividido em 10 partes. Também é muito bom!

      Excluir
    2. Ah, sim, eu vi na fanpage do Facebook. Esperarei ansioso.

      E parabéns pela tradução, ficou muito boa.

      Excluir
  9. To com tanta preguiça. nem cheguei na metade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Preguiça de comentar coisa babaca não tá não, né?

      Excluir
    2. Depois dessa voltava pro casulo

      Excluir
    3. Nossa a Divina humilhou legal agr xD

      Excluir
  10. Meus olhos se encheram de lagrimas... me identifiquei muito com o personagem

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Teria sido melhor ir ver o filme do pelé...

    ResponderExcluir
  13. ÊÊÊÊÊÊÊÊÊ preguiça de ler uma creppy manO!
    Eu nem li Bed Time!
    Imagina essa!
    Vai demorar
    '-'

    ResponderExcluir
  14. Francamente,esse Whitehouse é tão bom quanto o H.P.Lovecraft.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Heeeey! Não exagere, Lovecraft é Deus.

      Excluir
    2. Os livros do Lovecraft não me fizeram sentir tanta tensão quanto o Bed Time...

      Excluir
    3. Tsc, o estilo do Howard é totalmente distinto ao de Whitehouse.

      Eu diria que os livros de H.P.L são de suspense, e não de terror. Não todo o mundo consegue se "introduzir" nos livros dele. "The Call of Cthulhu", por exemplo, é puro suspense. Suspense e ficção, para ser preciso.

      Já "The Loved Dead" se introduz mais no estilo de terror.

      Excluir
  15. Nota 10 pra história, porém o tradutor usou muitas vezes a palavra "eu".

    Tem um erro de colocação pronominal em ". Me aproximei de um velho e grande", o correto é usar ênclise no início de frases. Também há alguns erros de concordancia, no mais, 10/10 pra creepy.

    ResponderExcluir
  16. Eu normalmente não comento as creepypastas, mas vou comentar esta. Ela é muito boa, de verdade. Derramei lágrimas ao terminar de ler. Muito bem feita e bem emocionante, para mim ela está no patamar de Obra Prima, uma das melhores creepies que eu já li.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Eu juro que li essa creepy pensando no menino que eu gosto :X
    o Whitehouse se não é vai ser um "Fodástico" do terror como H.P.L,King e Romero porque as creepys dele não são aquelas que se diz WOOOW QUE MEDO NEM VOU DORMIR A NOITE mais elas tiram uma lição e fazem a gente refletir muito que nem bedtime espero ver mais creepys dele aqui no CPBR ú.ú cara queria muito ler todos os contos dele esse cara é foda

    ResponderExcluir
  18. Encare a morte
    ouroboroslegacy.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Não acredito que não conhecia esse autor.

    Obrigado, CreepypastaBR.

    OBS: Lovecraft é Deus [2].

    ResponderExcluir
  20. E parabéns pela tradução, Divina!

    ResponderExcluir
  21. Que bonitinho...

    Gostei, me identifiquei com o protagonista, inclusive.

    ;-;

    Quase chorei nesta porra ;-;

    ResponderExcluir
  22. nem chorei u_u
    ok, rolou uma lagrima, ótimo conto!

    ResponderExcluir
  23. nem chorei u_u
    ok, rolou uma lagrima, ótimo conto!

    ResponderExcluir
  24. Cara, pro inferno, esse Michael é um deus. Primeira vez que eu choro lendo uma creepy. Depois da parte em que o menino abraça a Lisa, eu fui lendo com o coração apertado, porque sabia que ela ia morrer logo. Lindo, lindo. ;w;

    ResponderExcluir
  25. Muito bem escrito s2 pena que muita gente perde a oportunidade de ler um conto ótimo como esse só pelo fato de ser longo =/

    ResponderExcluir
  26. Muito lindo! Hahahaha vale a pena ler tudo! Com atenção.. é bem forte a historia, e triste.. mas ela salvou ele de certa forma, com um amor além da vida.

    ResponderExcluir
  27. Eu amei essa Creepy! O pior são os bandos de preguisoços que nem na metade chegam e dizem que nem leram Bed Time... Eles deviam deixar a preguiça de lado e ler, porque não sabem o que estão perdendo! =3=

    ResponderExcluir
  28. Ei,vao se foder preguicosos,as historias assim que sao legais,vcs nao leem creepypasta por causa da historia,e sem aquela sensaçaozinha de medo,aquele frio na barriga,vcs sao tipo o pessoal que le contos eroticos,so leem pela sencacao zinha que da,e nao pela historia,meu ovo pra vcs

    ResponderExcluir
  29. E eu nao to copiando o comentario acima,eu so vi ele dps

    ResponderExcluir
  30. Faço aniversário dia 13 de fevereiro,ja posso morrer?

    ResponderExcluir