01/09/13

Na Colina (Parte Final)

No século 15 um grupo de refugiados vieram à essa área procurando um lugar que pudessem chamar de casa. Os vales - ou planícies, como são conhecidos na escócia - eram inabitadas na época, assim como uma estranha colina que era dominante na paisagem. O povo era de um lugar chamado Dungorth, e tinham escapado  do proprietário das terras que comandava aquela região; fugindo de suas perseguições, pois era um governador brutal e impiedoso que punia todos que não seguiam suas crenças.

Em geral, não passavam da casa das centenas, e enquanto os mais velhos queriam apenas se estabelecer nos vales, um sacerdote importante entre eles alegava que para abençoar a terras, e para assegurar que nenhum mal cairia sobre a comunidade, a colina devia ser estabelecida primeiro - um farol de santidade lançando uma sombra de proteção em todos abaixo. Enquanto alguns suspeitavam da fascinação do homem com o lugar, ele era conhecido por sua bondade e por ser alguém cujo o julgamento era confiável. Desanimados, os mais velhos começaram a seguir seu exemplo, como na época era típico das pessoas serem tementes a Deus. Lá, naquele morro isolado e sinistro, construíram um pequeno povoado, mas quase que imediatamente alguns colonos caíram em doença. Uma doença que não tinha explicação e que levava a uma loucura febril. 

O padre culpou algumas pedras altas que salpicavam a encosta, restos de - para ele, pelo menos - de uma religião antiga e herege. Foi decidido, por sua supervisão, que o povo devia construir uma igreja. Com a presença de algo sagrado na terra, pensava-se que seja lá o que residia anteriormente na colina, seria desenraizada.

Estavam errados.

Apesar dos esforços a doença só se tornou pior, e muitos começaram a desconfiar que o próprio padre estava em aliança com as forças abomináveis. Alguns dos anciãos levantaram-se contra ele, mas sob ordens do padre, os membros da congregação de sua igreja executaram todos aqueles que se rebelaram. Temendo por suas vidas, muitos colonos fugiram durante a noite, acompanhando outros anciões para outras terras. A maioria conseguiu sair da colina, mas alguns voltaram apavorados, dizendo terem sidos perseguidos por uma figura sobrenatural pela floresta, e foram incapaz de fugir. Para salvar suas vidas, eles comprometeram a comunhão eterna com o padre e sua igreja.

Dizendo receber visões do próprio todo poderoso, o homem santo assegurou aos aldeões que, se seguissem precisamente suas instruções, estariam a salvo. Todas as noites se amontoavam na igreja enquanto o padre vomitava suas visões e condenações, praguejando ódio à aqueles que haviam o deixado. Ficou claro para alguns que ele havia enlouquecido, mas até então o homem havia formado um conclave rigoroso, brutalmente fiel, de seguidores que pendiam sobre cada palavra que saia de sua boca, tornando toda e qualquer rebelião violenta, sangrenta e incerta.

Muitos falavam de sonhos sem formas, cegos pela escuridão, e várias famílias foram encontradas em suas casas, sufocados no meio da noite. O padre culpou aqueles que tinham escapado e contou histórias de como esses eram a fonte da escuridão que perseguia seu povo, os amaldiçoando por um final desesperado. Amargura e raiva se espalhou pela comunidade e vários aldeões foram selecionados para descer a colina e trazer de volta os anciões que seriam julgados e sacrificado, se necessário. Mas ninguém conseguia sair dali. Não importa o quanto tentassem, a igreja estava lá, não importava em que direção andassem, pra cima do para baixo, voltariam para onde haviam começado, confusos e desorientados.

A doença se espalhou, e os vigias da aldeia, um a um, foram encontrados estrangulados e multilados nas ruas, com testemunhas clamando ter visto uma estranha entidade rondando durante a noite. Em pânico, ficaram sem opção a não ser se apoiar em sua religião por salvação, na esperança que a igreja os protegeria. Todos se amontoaram juntos lá dentro, apavorados com o que estava saindo das sombras durante a noite.

Nessa parte, a escrita mudou marcantemente, ficando bastante rasurada, fervorosa, e mais pronunciada. O próprio padre tinha tomado o livro do cronista da aldeia, pois tinha considerado sua história insatisfatória. Seguiram várias páginas, rasuras em um Inglês emaranhado que mais parecia Latim, e um número de linguagens indescritíveis e esquisitas. Cada página estava preenchida com palavras de dor e desprezo por aqueles que haviam o deixado, e então, as palavras simplesmente pararam.
***

De pé, naquele lugar infernal e perturbado, eu corri meus dedos pela espinha do livro e pude ver claramente que a última página do livro tinha sido arrancada. O que estava escrito lá, eu não sabia.

Me senti oprimido pelo relato que tinha acabado de ler, enquanto um medo muito palpável e real subiu por todo meu corpo. Me ocorreu um pensamento, de que os relatos de doença que afetaram os exilados de Dungorth era notavelmente semelhante às experiências de John. Eu não podia negar as coincidências e comecei a suspeitar que algo realmente tinha afetado-o; algo realmente tangível. Uma contaminação do solo? Um veneno, talvez? Eu já havia lido sobre bolsões de gás metano que escapavam através da terra ou no mar que haviam matado muitos, mas não estava fora de questão que algo semelhando, em doses menores, poderia ser o que causava alucinação em massa, doenças e loucura. Era a explicação mais viável que eu conseguia ter. Mas então, por que não tinha me afetado? Talvez, como dizia no livro, algumas pessoas eram mais imunes à contaminação do que outros.

Minha atenção, mais uma vez, voltou para o túmulo, ou pelo menos o que tinha sobrado dele. Me perguntava o que o povo tinha feito com o corpo do amado, mas também odiado padre, assumindo ser aquele referido como "o pai". Teriam re-enterrado em outro local? Talvez os seguidores estivesse com medo que o túmulo fosse saqueado. A resposta veio a mim quase que imediatamente: Eles tinham o queimado em seu túmulo, em baixo da própria igreja que haviam construído; O buraco era onde seu corpo um dia tinha sido posto, agora marcado eternamente pelas manchas negras da fumaça e da brasa. Estremeci com o pensamento que tudo isso podia ter sido feito enquanto ele ainda estava vivo.

O ar ficara notavelmente mais gélido, mas não foi isso que marcou o começo do meu calvário. Eu me curvei, olhando de  perto o que enxergara na borda do túmulo. Eu não conseguia acreditar. Lá, na borda do buraco, havia uma assinatura cruel deixada pelo ex-atendente da igreja.  Na escuridão, eu devia ter deixado passar, mas agora estava nítida. Era uma grande mancha negra em formato de uma mão, escurecida e queimada, como se algo tivesse tentando sair da sua cova eterna e esquecida.

Minha respiração saiu lentamente de meus pulmões, congelando no exterior enquanto meu coração acelerava pela mera possibilidade do que algo tinha se levantado do buraco no chão. Enquanto o ar esfriava, me levantei e fiz meu caminho até o pé da escada - tinha que sair logo dali, para a luz do sol, para a saída. Foi então que ouvi. No começo era só a impressão que escutava algo. Depois ficou mais definido, aumentando intensamente e claramente. Algo agitava-se lá em cima.

Pessoas. Muitas delas, gemendo e lamentando, chorando por suas vidas em coro. Cânticos na escuridão, ambos cristãos e de algo mais antigo, uma fétida religião que havia desaparecido por bem. Enquanto as lamúrias de miséria aumentavam, uma única voz se distinguiu das outras. Ensurdecedoramente terrível, falou sobre o fim dos tempos, da traição e do pecado desimpedido. A voz gritava e urrava, renunciando a todos que não ouvissem, um sermão vingativo vindo do altar de pedra no andar de cima.

Sem pensar, pulei para dentro do túmulo vazio, desligando a luz do meu celular e fique encolhido, tremendo até a alma por causa das vozes que praguejavam contra o mundo e contra os outro - ódio e absoluto desespero com o mal, tanto fora quanto dentro. Os rugidos de agonia aumentavam, homens, mulheres e crianças chorando e xingando por acreditar terem sido abandonados por seu Deus. Acusações, perseguições e o rasgar da carne. Depois, o silêncio. Agarrei-me ao fundo da cova carbonizada, cravando minhas no solo. Meu ceticismo a respeito de qualquer força invisível ou espiritual tinha se reduzido drasticamente. Tremendo violentamente por causa do frio, esperei passar alguns minutos até ter coragem de ligar novamente a luz de meu celular.

Espiando por cima da borda do túmulo, me desloquei lentamente até o chão. Os salões estavam vazios, não havia nada além de ossos e crânios quebrados de inúmeras vidas arruinadas por causa do mal que vivia na encosta. Finalmente criei coragem com meus nervos desafiados e crenças destruídas, subi as escadas vagarosamente, com um medo inflexível do que poderia estar me esperando no topo; mas infelizmente era a única saída, e estaria ferrado se ficasse ali para apodrecer como tinha sido o destino daquelas pobres pessoas, encolhidos nas profundezas.

O salão estava vazio. O mais silenciosamente o possível, cruzei o lugar desviando rapidamente dos detritos e escombros, cortando dentre o silêncio opressivo, finalmente saindo pela porta para o ar livre. Uma vez fora da igreja caí de joelhos, tremendo de ansiedade e tentando processar a experiência toda.  Minha mente voltou para o que tinha estado naquela sepultura, e mais importante, onde estava agora. Então eu soube. Correndo o mais rápido que pude, atravessei entre os arbustos e o matagal, alcançado a trilha rapidamente, sem ser parado pelo mal que havia impedido os colonos de escapar, mas não parei, metade de mim morrendo de medo de ser perseguido e a outro metade implorando para que meus instintos estivessem errados.

O ar queimou meus pulmões enquanto me apressava pela trilha, em minutos o portão de madeira já estava a vista e eu estava fora da colina maldita, um lugar que nunca me atreveria a ir novamente. Nem por dinheiro, nem por uma história, nem por nada. Eu teria respirado em alívio, mas isso nem passou pela minha cabeça. Eu tinha de voltar à pousada o mais rápido possível. Continuando a correr o mais rápido que pude, lutei contra a exaustão e o limite do meu corpo, e logo eu já estava no Lorde de Dugorth.

Cambaleando em direção da construção antiga, foi então que ouvi. Gritos, de agonia, de terror, e de misericórdia. Eu soube imediatamente de onde e de quem. Descobri em mim uma nova energia quando me pus a correr mais uma vez, atravessando as portas do bar. Lá estava tudo quieto. Pessoas da vila estavam sentadas, imóveis olhando suas bebidas. O senhoril também parado, olhando para o chão. Os gritos continuavam a vir dos quartos de cima. Implorei e supliquei por ajuda a alguém, mas ninguém ouvia. Percebendo que me encontrava sozinho para enfrentar aquilo, parti para as escadas. Para minha surpresa, o senhoril interveio com força me puxando para trás, seus braços apertados com força em meus ombros.


"Deixe ele meu filho, você não pode o ajudar!" ele gritou, conforme mais dois homens se esforçavam para me conter.


Em um impulso forcei meu cotovelo para trás e acertei o senhoril, me soltei e em uma corrida desesperada derrubei os outros dois homens enquanto subia  a escada. Seguia os agoniados gritos até o quarto de John. A porta estava trancada. Respirei fundo e comecei a arrombar a porta com meu ombro, batendo, batendo e batendo, sentindo ela ceder. A cada empurrão eu ouvia o gaguejar interrompido de alguém lá dentro , como em um choro. Finalmente, a porta cedeu e eu pude entrar no quarto.


Por um momento testemunhei algo que se parecia com um homem, ou pelo menos algo que um dia foi vivo. Escurecido e queimado, virou a cabeça para me olhar - Não posso dizer se ele chegou a me ver, uma vez que não tinha olhos. Em seus braços estava o amassado sem vida corpo de John R---.

Então se virou, esgueirando-se para fora por uma janela aberta, levando junto o corpo do homem. Ambos haviam partido.


O quarto tomou uma aparência aquosa e volátil. Não sei se foi a extensão dos meus esforços ou apenas a aproximação daquele ser grotesco, mas um enjoo tomou de mim, atravessando meu estomago e, enquanto eu perdia a consciência, eu chorava em desespero.
***

Isso tudo aconteceu a vários dias. Parece que bati com a cabeça contra o chão quando caí e feri minha perna de algum jeito. O médio da vila que me examinou receitou-me alguns antibióticos para o que acreditava ser uma infecção estomacal, e um sedativo para aliviar minha ansiedade. Com pouca coisa para me distrair, tomei meu tempo passando tudo que eu lembro para o papel. Afinal, um escritor tem de escrever.

Ontem visitei pela primeira vez o quarto de John depois que ele foi levado. Estava silencioso, e parecia vazio de um jeito estranho, como nunca achei que poderia estar. Uma ausência de vida é o melhor jeito que consigo descrever. O lugar estava revirado, com seus pertences espalhados pelo chão. Assumi que ninguém tinha estado lá desde então, o senhorio devia estar com muito medo, mas eu não podia culpá-lo por isso. Quando me virei para sair do quarto vago, vi um item que parecia não pertencer ao lugar. Na cama que um dia tinha sido de John, havia um pedaço de papel amassado e manchado. Eu sabia de onde era, mesmo sem precisar lê-lo; era a última página da crônica, o final daqueles que tinham se estabelecido na colina. Um labirinto de frases repetidas em línguas misteriosas e esquecidas, espalhadas pelo papel frágil, mas algo em inglês se destacou. Simplesmente dizia: "Ninguém vai embora".

Eu não sei mais o que fazer agora. Me sinto exausto, mas minha mente continua revivendo os últimos dias, parte por parte. Estou arruinado pela culpa, sinto que minha presença naquela colina fez com que aquela monstruosidade viesse buscar John. Caso o contrário, por que esperaria tanto tempo?

Acho que eu tive sorte porque fui para a colina quando aquele ser não estava lá, e foi isso que provavelmente salvou minha vida. De qualquer forma, seja lá como os moradores vão explicar isso, vou relatar o desaparecimento de John quando voltar para Glasgow e também pedirei para os policiais darem uma olhada no número de moradores desaparecidos ao longo dos anos. Acho que eles vão se surpreender com a quantidade.


Meu lar parece estar a milhões de quilômetros de distância, mas sei que estarei lá em breve, para minha cama, um mundo totalmente distante desse em que presenciei os eventos recentes; Quem sabe lá eu consiga entender melhor essa loucura. Espero chegar lá em algumas horas, embora o ônibus esteja um pouco atrasado. 

Fim


Todos os créditos da história original à Michael Whitehouse
Tradução autorizada pelo autor.
História original em inglês pode ser encontrada em Creepypasta.com

Essa Creepypasta faz parte de uma série.
Essa Creepypasta é a parte final, veja abaixo as anteriores:



10 comentários:

  1. Respostas
    1. Épico! Gostei muito,as palavras são bem escolhidas, o ritmo é bom, mas não é melhor do que "Hora de dormir".

      Excluir
  2. Fazia um tempo que eu não entrava nesse site, vim seco pra copiar a Creepy e esse Tio Slender não deixou :(
    Não to copiando pra roubar não, nem tenho Blog nem nada, é que eu pego as Creepys copio pro Word e coloco no celular pra ler antes de dormir hehe, ai eu ia pegar Na Colina juntar tudo em um arquivo pra ir lendo, mais vou ter que pegar em Inglês mesmo heheh.
    Eu até entendo, por que os outros ficavam copiando e tal, é que eu sempre fazia isso (eu entrava no Creepypasta.com desde que ele nem era tão famoso, e quando Creepys no Brasil nem eram tão conhecidas também).

    Última coisa hehe, eu mandei umas Creepys ai já faz um tempo, veja se eu fiz certo, eu fui na área "Entre em Contato Conosco", e mandei pro E-Mail que está lá, foram 3 Creepys anexadas no mesmo E-Mail, Um Holder que eu inventei, uma Trollpasta e uma Creepy normal, ai eu não sei se ainda não foram publicadas porque tem muita Creepy na frente, ou se eu fiz algo errado na hora de enviar, ou se minhas Creepys não prestam mesmo hehehehe, é que toda vez que eu entro no Site eu fico caçando elas pra ver o que o povo achou ehhehe!!!

    Olhe pro teto porque o que está embaixo da sua cadeira, te olhando por entre as suas pernas não é nada agradável!!!

    The Paladins Rules!!!
    The Nightwalkers Rules!!!

    ResponderExcluir
  3. *0* Mais uma perfeita de Michael Whitehouse... Amei <3
    Parabéns CPBr. Ótimas traduções e creepys espetaculares sempre. (:

    ResponderExcluir
  4. É meu filho... você tá fudido... muito boa toda a creepy, embora eu prefira Hora de Dormir, dá mais medo hehe...

    ResponderExcluir
  5. Muito Fóoda ... Uma Creepy que te Prende do inicio ao Fim !
    Feéra Demais !

    ResponderExcluir
  6. Excelente creepy espero que tenha mais creepys do Withouse aqui XD

    ResponderExcluir
  7. Muito boa essa historia, pena que no final, não tenha explicado tudo.

    ResponderExcluir
  8. Muito bom, cada vez foi ficando melhor e o final foi ótimo

    ResponderExcluir
  9. Delicia de leitura ...vim aqui procurar uma serie já q me tornei visitante frequente ultimamente e estou preso nessa serie dsd q cheguei da facul ...faz tempo q foi postado ...mas n deixa de merecer elogios pela tradução e por trazer algo de tao prazerosa leitura ...parabéns ..by:will

    ResponderExcluir