13/01/14

1000Vultures - Telas


Eu venho intencionalmente retendo alguns detalhes de muitas das minhas histórias. Deixei minhas esperanças relativa à como as coisas deveriam ser influenciar minha avaliação de como elas realmente são. Acho que não há mais motivos para fazer isso.

No final do verão entre o jardim de infância e a primeira série peguei uma virose de estomago. Esta tinha todos os componentes de uma virose comum; entretanto, como era de estomago, você vomita em um balde e não na privada, pois esta sentada nesta ao mesmo tempo - a doença fica saindo pelas duas saídas. Isso durou por uns 10 dias, mas antes de ter passado foi concedida um extensão em forma de conjuntivite. Minhas pálpebras estavam tão grudadas uma na outra pela secreção seca gerada durante a primeira noite que, no primeiro dia que acordei com a infecção, achei que tinha ficado cego. Quando comecei a primeira série tinha uma dobra no pescoço de ficar 10 dias deitado e dois olhos inchados e vermelhos sangue. Josh estava em outra turma e não tinha levado meu almoço para comer na sala, então em uma lanchonete com cerca de 200 crianças, eu ainda consegui uma mesa só para mim.

Comecei a manter alguns lanches na minha mochila para comer no banheiro depois do recreio, sendo que a maioria das vezes os garotos mais velhos roubavam minha comida no refeitório quando eu não enfrentava-os, já que ninguém ficava do meu lado. Essa dinâmica continuou mesmo depois de ter me curado por completo, pois ninguém queria ser amigo com o garoto que sofria bullying, para que não comecem a ser agredidos como eu. A única razão para isso ter acabado foi pelas ações de um garoto chamado Alex.

Alex estava na terceira série e era maior do que qualquer outra criança de qualquer outra série. Por volta da terceira semana depois das voltas às aulas, ele começou a sentar comigo no refeitório e isso colocou um fim imediato à escassez do meu estoque de lanches. Ele era legal, mas parecia ser um pouco lento; nós nunca tínhamos tido uma conversa longa, até que finalmente decidi perguntar o porquê  ele começara a sentar comigo.  

Ele era apaixonado pela irmã de Josh, Veronica.

Veronica estava na quarta série e, provavelmente, era a menina mais bonita da escola. Mesmo com seis anos de idade e entendendo completamente que meninas eram nojentas, eu ainda sabia o quão bonita ela era. Quando ela estava na terceira série, Josh me contou que dois meninos tinham entrado em uma luta corporal por causa de uma discussão sobre qual era o real significado da mensagem que ela tinha escrito no livro anual da escola. Um dos garotos acertou com o canto do livro anual na testa do outro e a ferida foi tão grande que ele teve de levar pontos. Embora não fosse um desses garotos, Alex queria que ela gostasse dele e confessou que sabia que Josh e eu éramos melhores amigos. Deduzi que ele esperava que eu transmitisse sua aparente filantropia à Veronica  e que presumivelmente ela ficaria tão comovida com seu altruísmo que se interessaria por ele. Se eu contasse isso para ela, ele continuaria a sentar comigo o tempo que fosse ainda preciso.

Por conta que isso aconteceu na época em que Josh ficava mais na minha casa para construir a jangada e navegar no lago comigo, não tive a oportunidade de conversar com ela pois simplesmente não tínhamos mais nos encontrado. Lembro de Josh chamando-a de "corvo feio". Nunca falei nada, mas me lembro se querer dizer que ela era bonita e um dia seria linda.

Eu estava certo.

Com 15 anos, fui ver um filme com uns amigos em um lugar que chamávamos de o Cinema Sujo. Provavelmente, tinha sido legal em algum momento, mas o tempo e o abandono tinham detonado o lugar severamente. Esse cinema tinha mesas e cadeiras moveis em um piso plano então, quando estava cheio, haviam poucos lugares onde você pudesse sentar e ver toda a tela. O cinema ainda estava aberto, imagino, por três razões: 1) era barato ver filmes lá; 2) eles apresentavam um filme cult diferente duas vezes por mês à meia-noite; e 3) Eles vendiam bebidas alcoólicas para menores nas sessões da meia-noite. Fui nos dois primeiros, e naquela noite eles estavam apresentando Scanners de David Cronenberg por um Dólar.

Meus amigos e eu estávamos sentados bem no fundo. Queria sentar mais na frente para ter uma visão melhor mas Ryan havia conduzido o bando, então cedi. Alguns minutos antes do filme começar, um grupo de meninas entrou. Todas eram muito bonitas, mas qualquer beleza era ofuscada pela garota de cabelos loiro-sujo, mesmo que eu tivesse visto apenas um vislumbre de seu perfil. Quando ela se virou para mover sua cadeira, consegui ver todo seu rosto e isso me deu borboletas no estomago - era Veronica.

Não a via fazia muito tempo. Josh e eu não visitávamos a casa um do outro tanto depois do incidente em que entramos na minha antiga casa quando éramos mais novos e normalmente quando eu ia visita-lo, ela tinha saído com as amigas. Enquanto todo mundo estava com os olhos fixados na tela, eu olhava Veronica - desviando o olhar quando o sentimento de estar sendo um esquisitão me vencia, mas essa sensação desaparecia rapidamente e meus olhos voltavam para ela. Realmente era linda, como eu achava que se tornaria. Quando os créditos começaram a rolar, meus amigos se levantaram e foram embora; havia apenas uma saída e  não queriam ficar presos esperando a multidão sair. Demorei-me na esperança de prender a atenção de Veronica. Quando ela e suas amigas passaram, aproveitei a oportunidade.

"Ei, Veronica."

Ela se virou em minha direção, parecendo um pouco assustada.

"Sim?"

Levantei de minha cadeira e andei em direção a luz que saía da porta aberta.

"Sou eu. Amigo de muito de tempo de Josh... Como... Como você está?"

"Ai meu Deus! Oi! Faz tanto tempo!" Ela falou para suas amigas que sairia logo.

"Né, alguns anos pelo menos! Desde a última vez que pousei na casa de vocês. Como Josh está?"

"Ah, é mesmo. Lembro das brincadeiras de vocês. Você ainda brinca de Tartarugas Ninjas com seus amigos?"

Ela riu e eu corei um pouquinho.

"Não. Não sou mais uma criança... Agora brinco de X-man com meus amigos." Eu esperava que ela risse.

E ela riu. "Haha, você é um fofo. Você sempre vem nesses filmes?"

Eu ainda estava processando o que ela me disse.

Ela realmente acha que eu sou fofo? Ou ela quis dizer que sou só engraçado? Será que ela me acha atraente?

De repente percebi que ela tinha me feito uma pergunta, e minha mente tentou entender o que tinha sido.

"SIM!" Disse muito alto. "Sim, eu tento vir sempre... e você?"

"Eu venho as vezes. Meu namorado não gostava desses filmes, mas agora que terminamos pretendo vir sempre daqui pra frente."

Eu estava tentando soar causal, mas falhei. "Ah, legal... Digo, não que vocês tenham terminado! Que você possa vir mais vezes."

Ela riu novamente.

Tentei me recuperar, "Então, você vai vir na semana depois da próxima semana? Eles vão passar Dia dos Mortos. É bem legal."

"Sim, vou estar aqui."

Ela sorriu, e eu estava prestes a sugerir que poderíamos sentar juntos quando ela chegou mais perto e me abraçou.
"Foi muito legal ver você," ela disse com os braços me envolvendo.

Estava pensando no que falar que percebi que o problema maior era ter esquecido como se falava. Mas Ryan, que eu podia ouvi-lo se aproximando no corredor, chegou e falou por mim.

"Cara, você sabe que o filme acabou, né? Vamos sair logo daqu- É ISSO AÊÊÊ!"

Veronica me soltou e disse que me veria na próxima vez.  Ela foi saindo do salão enquanto Ryan assobiava um ritmo de música de filme pornô. Fiquei furioso, mas passou logo que ouvi Veronica rindo no corredor.

Dia Dos Mortos não podia chegar tão cedo. A família de Ryan ia sair da cidade, então ele não estaria para nos conduzir e nenhum outro dos meus outros amigos que iriam naquela note tinha carro. Alguns dias antes do filme, perguntei para minha mãe se podia me levar. Ela respondeu quase imediatamente que não, mas insisti até que percebesse o desespero na minha voz. Perguntou porque eu queria tanto ir, sendo que tinha visto o filme anterior e estiei antes de dizer que esperava me encontrar com uma garota lá. Ela sorriu e perguntou brincando se conhecia a garota e relutantemente falei que era Veronica. O sorriso desapareceu de seu rosto e friamente disse "Não".

Decidi que ligaria para Veronica e ver se ela poderia me buscar. Eu não fazia ideia se ela ainda vivia na mesma casa, mas não custava tentar. Mas percebi que, talvez, Josh podia atender. Não falava com ele a quase três anos, e se atendesse era meio óbvio que não podia pedir para falar com Veronica. Me senti culpado por ligar e perguntar por sua irmã e não Josh, mas descartei esse sentimento rapidamente; Josh não me ligava fazia anos também. Peguei o telefone e disquei o número que ainda estava embutido na minha memória por tanto ter discado-o por tantos anos.

Tocou várias vezes antes de alguém atender. Não era Josh. Senti uma mistura de sentimentos: Alívio e frustração - percebi naquele momento que sentia falta dele. Depois dessa semana eu ligaria para falar com ele, mas essa era a única chance que tinha para ver se Veronica me buscaria, então perguntei por ela.

A pessoa disse que eu tinha discado o número errado.

Repeti o número e ela confirmou. Disse que talvez tinham mudado de número e concordei. Me desculpei por perturbá-la e desliguei. De repente, fiquei muito triste que não conseguiria falar com Josh mesmo se quisesse. Me senti terrível por ter ficado com medo que ele atendesse o telefone. Ele tinha sido meu melhor amigo. Percebi que o único jeito de voltar a falar com Josh seria por Veronica, e agora, agora que realmente precisava, tinha outro motivo para ir vê-la.

Alguns dias antes do filme, disse para minha mãe que não estava mais interessado em ir, mas que esperava poder passar a noite na casa de meu amigo Chris. Ela cedeu e naquele sábado me deixou algumas horas antes do filme na frente da casa de Chris. Meus planos eram andar da casa dele até o cinema, sendo que sua casa ficava só a uns 800 metros de lá. Seus pais iam para igreja na manhã de domingo então por isso dormiam cedo, e Chris estava de boa por não vir comigo pois tinha planejado ficar conversando com essa garota que tinha conhecido online. Chris falou que o caminho de volta para a sua casa ficaria anda mais solitário quando ela risse na minha cara por tentar beijá-la, e eu disse para ele tentar não se eletrocutar enquanto tentasse fazer sexo com seu computador.

Saí da casa dele as 23h15m.

Tentei andar em um ritmo tranquilo para chegar lá um pouco antes do filme começar. Estava indo sozinho e não queria ficar andando para lá e para cá no salão esperando. No caminho, percebi que se Veronica fosse, seria muita sorte chegar ao mesmo tempo que ela, então fiquei debatendo comigo mesmo se esperava na frente ou se já entrava. Ambos tinham seus prós e contras. Enquanto pensava nisso percebi que o fluxo constante de luzes de carro que estavam passando por mim durante o caminho tinham sido trocadas por um único farol, sempre parado que se recusava passar. A estrada não estava iluminada por postes de luz, então estava andando na grama com a estrada à um metro para minha esquerda; fui um pouco mais para direita e virei a cabeça por cima de meu ombro para ver o que estava atrás de mim. 

Um carro tinha parado a uns 3 metros atrás de mim.

Tudo que eu podia ver eram os dois faróis da frente brilhando violentamente, quebrando a escuridão. Pensei que fossem os pais de Chris; talvez eles tenham ido dar uma olhada no quarto e viram que eu não estava lá. Não levaria muito para que Chris confessasse meus planos. Dei um passo em direção ao carro, e este começou a andar em um ritmo lento em minha direção. O carro me passou e vi que não era o carro dos pais de Chris ou nenhum que reconhecesse. Tentei ver quem era o motorista mas estava muito escuro e minhas pupilas estavam enfraquecidas pela luz ofuscante de alguns segundos atrás. Minha visão voltou e consegui ver uma enorme rachadura no vidro traseiro do carro enquanto ele dirigia para longe.

Não pensei muito sobre o acontecimento; algumas pessoas acham engraçado assustar os outro - com frequência eu me escondia pela casa e assustava minha mãe, também.

Tinha previsto certo e cheguei lá uns dez minutos antes do filme. Decidi esperar até umas 23h57m lá fora, e isso me daria tempo de procurá-la por dentro do salão se já tivesse chego e entrado. Enquanto considerava a possibilidade dela não aparecer, eu a vi.

Estava sozinha e linda.

Abanei para e andei em direção à ela. Sorrindo perguntou se meus amigos já estavam lá dentro. Falei que eles não tinham vindo e percebi que parecia que estava forçando um encontro. Ela não pareceu se importar ou quando entreguei à ela um ingresso que já tinha comprado. Ela me olhou confusa e eu disse "Não se preocupe, sou rico". Ela riu e entramos.

Comprei um saco de pipoca e dois refrigerantes e passei maior parte do tempo pesando se devia contar o tempo para pegar pipoca ao mesmo tempo que ela só para encostar em sua mão. Ela pareceu gostar do filme e antes que eu percebesse, tinha acabado. Não nos demoramos na sala por conta de ser a seção da meia-noite e o cinema ia fechar, então ficamos na rua.

O estacionamento do cinema era grande pois era junto com o de um shopping que não funcionava mais. Sem querer que a noite acabasse, continuei a conversar com ela enquanto caminhávamos em direção ao  shopping desativado. Quando estávamos prestes a virar uma esquina, olhei para trás e vi que o carro dela não era o único no estacionamento.

O outro tinha uma enorme rachadura na janela traseira.

Meu mal-estar imediatamente mudou para entendimento.

Faz sentido. O motorista dele trabalhar aqui e percebido que eu estava indo para o cinema.

Injetar terror na vida de um fã de terror era muito óbvio.

Andamos pelo estacionamento enquanto conversávamos sobre o filme. Falei que achava que Dia dos Mortos era melhor que Despertar dos Mortos, mas ela recusava concordar. Contei sobre ter tentado ligar para ela no número antigo e sobre o dilema de quem atenderia. Não achou tão engraçado quanto eu, mas pegou meu celular e colocou seu número nele. Comentou que, provavelmente, meu celular era o mais feio que já tinha visto. Sua reação não foi anulada quando disse que nem fotos conseguia receber nele. Liguei para ela para que ficasse com meu número em seu celular e ela o salvou.

Ela contou que estava se formando, mas que não tinha se dado muito bem naquele ano então não tinha certeza se iria para a faculdade. Falei que bastava anexar uma foto dela na aplicação e eles pagariam para que pudessem apenas olhar seu rosto. Ela não riu e achei que talvez tivesse ficado ofendida - talvez pensasse que eu tivesse suposto que  só podia entrar por sua beleza e não por sua inteligência.  Nervosamente olhei para seu rosto e vi que ela estava apenas sorrindo e mesmo sob pouca luz pude ver que estava corando. Eu queria segurar sua mão, mas não o fiz.

Enquanto fazíamos a volta final no shopping e estávamos perto do cinema de novo, perguntei de Josh. Ela falou que não queria falar sobre aquilo. Perguntei se ela sabia se pelo menos ele estava bem e simplesmente disse "Não sei". Deduzi que, em algum ponto, Josh tinha feito uma curva errada na vida e começou a se meter em problemas. Me senti mal. Culpado.

Enquanto voltávamos para o estacionamento notei que o carro com a janela quebrada não tinha sumido e que o dela era o único lá. Ela perguntou se eu queria uma carona e mesmo que não precisasse disse que apreciaria. Tinha tomado uma latinha de refri durante o filme e agora aquilo estava fazendo pressão na minha bexiga. Sabia que podia esperar até chegar na casa de Chris, mas decidi que iria beijá-la quando chegássemos lá, então não queria que nenhuma necessidade biológica apressasse o ato. Seria o meu primeiro beijo.

Não consegui pensar em nenhuma desculpa para esconder o que ia fazer. O cinema já tinha fechado faz tempo então tinha apenas uma opção. Falei que iria para trás do cinema para mijar e que voltaria em "dois pingos". Ficou óbvio que achei que isso era hilário e ela pareceu rir mais de mim do que da piada.

Enquanto estava indo em direção ao cinema, parei e virei para ela. Perguntei se Josh alguma vez tinha mencionado sobre algo legal que um garoto chamado Alex tinha feito por mim. Ela parou um segundo, pensando, e disse que tinha. Perguntou o porque daquela pergunta e falei que não era nada. Josh realmente era um bom amigo.

Quando fui para trás do teatro, percebi que havia uma cerca de arame que se estendia e passava pelas paredes da construção. Da onde eu estava ela ainda podia me ver, e a cerca parecia continuar eternamente. Então decidi que ia apenas pulá-la para sair de vista e voltar o mais rápido possível. Parecia ser um esforço e tanto, mas achei que compensaria. Escalei a cerca e andei um pouco até que ela não conseguisse mais me ver e mijei.

Por um segundo só podia ouvir os grilos na grama atrás de mim e a colisão do liquido com o cimento. Mas esses sons foram cobertos por um barulho que eu ainda consigo ouvir quando tudo está quieto e não há outros barulhos para distrair meu ouvidos.

Ao longe, ouvi um chiado que diminui apenas para ser substituído por uma quantidade de vibrações trovejantes. Rápido o suficiente, percebi o que era.

Um carro.

O barulho do motor começou a ficar mais alto. Então pensei.

Não. Não "mais alto". Mais perto.

Quando me liguei disso comecei a voltar para a cerca, mas antes que pudesse ir sair dali ouvi um grito rápido e o rugir do motor se terminar em um estrondo ensurdecedor. O carro havia batido. Comecei a correr, mas depois de dois ou três passos tropecei em um pedaço de pedra solto no chão e caí feio no chão de concreto - Minha cabeça batendo no canto de uma cadeira quando tombei. Fiquei tonto por uns 30 segundos, mas o ronco do motor voltando a ativa fez com que meus sentidos voltassem e meu equilíbrio foi reativado pela adrenalina. Redobrei meus esforços. Estava preocupado que seja lá quem tivesse batido aquele carro talvez tivesse machucado Veronica. Estava escalando a cerca e vi que só havia um carro no estacionamento. Não vi nenhuma evidência de uma batida. Talvez eu tinha julgado mal sua direção ou proximidade. Enquanto corria em direção do carro de Veronica, minhas orientações mudaram quando vi no que o carro havia batido. Minhas pernas pararam de funcionar quase que completamente.

Era Veronica.

Seu carro estava bloqueando a visão e quando eu dei a volta nele consegui ver.

O corpo dela estava torcido e amassado de um jeito que nenhum livro descreveria o corpo humano. Pude ver o osso de sua canela direita atravessado pelo jeans e seu braço esquerdo estava tão enrolado atrás do pescoço que sua mão estava pousada sobre o seio direito. Sua cabeça estava esticada para trás e sua boca estava totalmente aberta em direção ao céu. Havia muito sangue. Enquanto olhava para ela não conseguia discernir se ela estava de barriga para cima ou para baixo e esta ilusão de ótica me deixou enjoado. Quando você é obrigado a confrontar com algo que simplesmente não consegue acreditar, sua mente tenta convencê-lo de que está sonhando e fornece aquela sensação de que todas as coisas estão movendo em câmera lenta. Honestamente, achei que acordaria a qualquer momento.

Mas não acordei.

Me atrapalhei com meu celular para pedir ajudar, mas não havia sinal. Consegui enxergar o celular de Veronica saindo do que achei ser o bolso da frente de sua calça jeans. Eu não tinha opção. Tremendo, e quando deslizei ele para fora e ela se moveu e engasgou tentando respirar tão violentamente que parecia que estava tentando respirar todo o oxigênio do mundo.

Fiquei tão assustado que cambaleei para trás caindo no asfalto com o celular dela em minha mãe. Ela estava tentando arrumar o corpo para que ficasse de um jeito natural, mas a cada espasmo ou movimento eu podia ouvir o quebrar e a trituração de seus ossos. Sem pensar, me arrastei até ela e coloquei meu rosto perto do dela e falei,

"Veronica, não se mexa. Não se mexa, Ok? Fiquei parada. Não se mexa. Veronica, por favor não se mexa!"

Continuei a repetir aquela frase mas as palavras começaram a se embaralhar enquanto lágrimas caiam de meu rosto. Abri o celular dela. Ainda funcionava e ainda estava na tela em que tinha salvo meu número; quando vi aqui meu coração afundou no peito. Liguei para a policia e esperei com ela, dizendo que ela ficaria bem e me sentindo culpado por mentir cada vez que falava aquilo.

Quando os sons da sirene atravessaram o ar, ela pareceu ficar mais alerta. Tinha ficado consciente desde que a encontrará, mas agora o brilho de seus olhos parecia ter voltado. Se cérebro ainda a protegia da dor; mas agora parecia que estava tomando consciência de algo horrível tinha acontecido com ela. Seus olhos rolaram em minha direção e seus lábios se moveram. Estava  lutando consigo mesma, mas consegui  ouví-la.

"Hhh...Ele...f...fo...foto. Mi...minha foto... ele tirou."

Não entendi o que ela queria dizer, então respondi a única coisa que podia "Desculpa, Veronica".

Fui na ambulância com ela onde finalmente perdeu a consciência. Esperei no quarto em que tinham reservado para ela. Ainda estava com o celular dela então coloquei em sua bolsa e liguei para minha mãe do telefone do hospital. Era por volta das quatro da manhã. Falei que estava bem, mas Veronica não. Ela me xingou e disse que logo viria para cá, mas eu disse que não sairia dali até que Veronica saísse da cirurgia. Ela disse que viria de qualquer forma.

Minha mãe e eu não nos falamos muito. Falei que sentia muito por ter mentido, e ela falou que conversaríamos sobre aquilo mais tarde. Provavelmente teríamos conversado mais naquele quarto se eu tivesse contado para ela sobre Caixas ou sobre a noite da jangada, ou se ela tivesse contado o que sabia. As coisas teriam mudado. Mas sentamos lá em silêncio. Ela disse que me amava e que eu podia ligar para ela quando quisesse ir embora.

Enquanto minha mãe saia, os pais de Veronica chegaram apressados. O pai dela e minha mãe trocaram algumas palavras que pareciam ser muito sérias enquanto a mãe de Veronica conversava com a pessoa atrás do balcão. A mãe dela era enfermeira, mas não trabalhava naquele hospital. Tenho certeza de que ela estava tentando transferir Veronica de hospital, mas nas condições em que se encontrava, era impossível. Enquanto esperávamos, a polícia veio e falou com cada um de nós - contei o que tinha acontecido, eles tomaram algumas notas, e então saíram. Quando saiu da cirurgia, 90% do corpo de Veronica estava coberto por ataduras grossas e brancas. Seu braço direito estava livro, mas o resto dela parecia um casulo. Ela ainda estava sedada, mas me lembrei de como me senti quando coloquei gesso no jardim de infância. Pedi uma caneta para a enfermeira, mas não conseguia pensar em nada para escrever. Dormi em uma cadeira no canto, e fui para casa no dia seguinte.

Voltei todas as tardes durante vários dias. Em algum momento eles colocaram outro paciente no quarto com Veronica e com isso uma tela de divisão para dividir o aposento. Ela não parecia estar se sentindo melhor, mas pelo menos tinha mais momentos lúcidos. Mas mesmo nesses momentos não conversávamos. Sua mandíbula tinha sido quebrada no atropelamento, então os médicos tinham a travado com arame.  Ficava sentado com ela por um tempo, mas não havia muito o que dizer. Levantei e andei até ela. A beijei na testa e ela sussurrou algo entre seus dentes trincados.

"Josh..."

Isso me surpreendeu um pouco, mas olhei para ele e perguntei, "Ele ainda não veio te visitar?"

"No..."

Fiquei muito irritado. Mesmo que Josh estivesse metido em problemas, ele devia visitar sua irmã no hospital, pensei.

Eu estava prestes a expressar isso para ela quando ela falou, "Não... Josh... ele fugiu... Eu devia ter te contado antes."

Senti meu sangue congelar.

"Quando? Quando isso aconteceu?"

"Quando ele tinha 13."

"Ele... Ele deixou algum recado ou algo do tipo?"

"No travesseiro..."

Ela começou a chorar e eu também, mas agora acho que estávamos chorando por razões diferentes. Nesse ponto ainda haviam muitas coisas que não me lembrava da minha infância, e tinha muitas conexões que não havia feito. Falei para ela que tinha que ir, mas que podia me mandar uma mensagem qualquer hora.

Recebi uma mensagem dela no outro dia dizendo que não queria que eu voltasse lá. Perguntei porque e disse que não queria que eu a visse daquela forma de novo. Concordei a contragosto. Conversávamos por SMS todos os dias, mesmo que fizesse isso escondido da minha mãe, sabendo que ela não queria que eu falasse com Veronica. Geralmente suas mensagens eram bem curtas e a maioria apenas respostas das longas mensagens que eu enviava. Tentei ligar para ela uma vez, tenho certeza que ela conseguia ver quem a ligava, mas esperava poder ouvir sua voz; atendeu mas não falou nada - Eu podia ouvir em sua respiração o quão difícil aquilo estava sendo para ela. Cerca de uma semana depois de ter dito para não ir mais vê-la, me enviou uma mensagem que simplesmente dizia:

"Eu te amo."

 Fui preenchido por tantos sentimentos diferentes, mas respondi me expressando o mais simples possível:

"Também amo você."

Ela disse que queria ficar comigo e mal podia esperar até que pudesse me ver de novo. Disse que tinha sido liberada e agora se recuperava em casa. Estas trocas de mensagens prosseguiram por várias semanas, mas toda vez que perguntava se podia ir vê-la, recebia um "Em breve". Continuei insistindo e na semana seguinte ela disse que talvez poderia ir no próximo filme da meia-noite. Não conseguia acreditar, mas ela insistiu que tentaria. Recebi uma mensagem dela na tarde do filme dizendo:

"Te vejo hoje a noite."

Consegui que Ryan me levasse, pois os pais de Chris tinham descoberto sobre todo o acontecimento e disseram que eu não era mais bem vindo em sua casa. Expliquei para Ryan que ela poderia estar ainda um pouco mal, mas que eu me importava muito com seu bem estar então pedi que ele nos desse um pouco de espaço. Ele aceitou e fomos para lá.

Veronica não apareceu.

Tinha guardado um lugar para ela em meu lado, bem perto da saída, para que pudesse sair rapidamente se assim precisasse, mas dez minutos depois que o filme começou um homem sentou naquela cadeira. Eu sussurrei "Desculpe-me, mas estou guardando esse lugar," mas ele não respondeu; só ficou olhando para a tela. Me lembro de querer me mudar de lugar pois parecia haver algo de errado com a respiração daquele homem. Fiquei arrasado, percebendo que ela não viria.

Mandei uma mensagem para ela no dia seguinte perguntando se estava bem e porque não tinha aparecido no cinema. Ela respondeu como o que seria a última mensagem que me mandou. Ela simplesmente disse.
"Te verei de novo. Em breve."

Ela estava delirante e isso me deixava preocupado. Mandei várias respostas contando que o filme nem tinha sido tão bom assim mas nunca mais me respondeu. Nos dias seguintes fiquei muito triste. Não conseguia ligar para a casa dela pois não sabia o número e não tinha certeza sobre onde eles moravam hoje em dia. Comecei a ficar muito depressivo e minha mãe, que começara a ser muito legal comigo, perguntou se eu estava bem. Contei à ela que nunca mais conseguira falar com Veronica e vi todo o calor de sua pessoas sumir imediatamente.

"Como assim?"

"Ela devia ter se encontrado comigo ontem no cinema. Eu sei que faz só três semanas que foi atropelada, mas ela disse que tentaria ir e depois disso simplesmente parou de falar comigo. Ela deve me odiar."

Ela parecia confusa e conseguia ler em seu rosto que tentava ver se eu tinha simplesmente surtado. Quando viu que não, seus olhos ficaram cheios de água e me puxou, me abraçando. Ela começara a soluçar, mas isso parecia uma reação muito intensa para o meu problema  e eu não tinha nenhum motivo para acreditar que ela se sentia mal por Veronica. Ela respirou fundo e então disse algo que me deixo extremamente enjoado.

"Veronica está morta, querido. Ah Deus, achei que você soubesse. Ela morreu um dia depois que você a visitou pela última vez. Ah, amor, ela morreu faz semanas."

Ela estava chorando muito, mas sabia que não era por Veronica. Me soltei dela e dei alguns passos para trás. Minha mente girava. Isso não era possível. Eu troquei mensagens com ela ontem. Só conseguia pensar em uma pergunta.

"Então porque o celular dela ainda estava ligado?"

Ela continuou a chorar. Não me respondeu.

Explodi "PORQUE DEMOROU TANTO PARA QUE ELES DESLIGASSEM A PORRA DO CELULAR?!"

Ela quebrou a choradeira e sussurrou, "As fotos..."

Depois descobri que os pais dela achavam que o celular de Veronica tinha se perdido no acidente, mesmo que eu tinha colocado na bolsa dela na noite em que foi levada para o hospital. Quando foram recuperar os pertences, o celular não estava entre eles.  Eles pretendiam contatar a empresa da linha do telefone para desativar a linha, mas receberam um telefonema informando-os sobre uma acusação iminente de centenas de fotos que haviam sido enviadas aparto do telefone dela. Fotos. Fotos que foram enviadas para o meu celular. Fotos que nunca recebi pois meu celular não recebia imagens. Descobriram que foram enviadas na noite em que ela morreu.Então desativaram imediatamente.

Tentei não pensar nos conteúdos dessas fotos. Mas me lembro de me perguntar se eu estaria em alguma dessas.

Minha boca ficou seca e senti um desespero enorme quando me lembrei qual tinha sido a última mensagem que recebi do celular dela...


Te verei de novo. Em breve.


143 comentários:

  1. Nosssa, essa serie ta ficando cada vez melhor!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né? Fique ligado que essa semana ainda posto mais um capítulo do 1000Vultures! :D

      Excluir
    2. Tô esperando, Divina. ;-; Please, rápido. ;-; Tô pra arrancar meus cabelos fora, ancioso pelo próximo cap.

      Excluir
  2. *-* Mds... esperando a parte 6 ansiosamente. Ótima tradução, Divina.

    ResponderExcluir
  3. Alguém sabe se essa história é real ou inventada?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pyo,eu realmente não sei te dizer. O autor faz crer que tudo que escreve realmente aconteceu consigo, até responde alguns comentários dizendo mais detalhes ou fazendo mistério. Agora se é mesmo, nunca vamos saber.

      Excluir
    2. Divina tão carinhosa respondendo todo mundo *-*
      Obrigada pela atenção <3

      Excluir
  4. Respostas
    1. ânimo, isso não foi tão ruim quanto uma friendzone!

      Excluir
  5. A melhor até agora. Parabéns pela ótima tradução, Divina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também achei, apesar de gostar muito da do Caixas! Será que vem melhores por aí? Vamos ver :3

      Excluir
  6. Pensem bem, a história, até agora, só cita a mãe do garoto, a minha opinião, por enquanto, é que os pais dele se separaram enquanto ele era bebê e agora o pai quer se vingar, porque todos esses fatos são plausivelmente humanos, concordam?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou confessar: Eu só leio enquanto traduzo, então o desfecho da história é um mistério pra mim igual para os leitores. Estou traduzindo o mais rápido que posso não só para o blog, mas porque estou curiosíssima sobre o que vai acontecer nos próximos contos. hahahah! Ainda tem mais cinco, viu? Fiquem ligados no blog!

      Excluir
    2. Estamos todos curiosos Divina, todos kkkkkk

      Excluir
    3. Corrigindo, não tem mais cinco e sim só mais uma! Sorry!

      Excluir
    4. Acontece nas melhores famílias ;p haha

      Excluir
  7. Essa 1000 vultures, é a melhor creepy que já li. Muito obrigado por traduzir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Divina, mais cinco histórias? Eu li o original lá no Reddit mesmo e a série termina na 6ª parte, ou seja, na próxima!
      De qualquer forma, meus parabéns pela tradução! Está muito boa!

      Excluir
    2. Você está certo, Bellum! Me confundi, haha. Acaba na próxima!

      Excluir
  8. Nossa, arrepiei, já to esperando ansiosamente as próximas :D

    ResponderExcluir
  9. olha quase chorei no final!kkkksacana a mais linda e quando tiver namorando morrer ai se fosse eu ficaria loco ela morta e me enviando mensagem e fiquei com a mais linda e ela morre sacana!mas não entendi no final te vejo novamente??? to tentando entender alguem me ajuda???kkkk mas muito bom todo dia vejo se posto novas 1000vultures e pulo da cadeira quando vejo que tu posto y.y

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O lance é que o cara que tava perseguindo o guri deve ter pegado o celular, e provavelmente é o mesmo homem que sentou do lado dele no reencontro no cinema

      Excluir
    2. Vc acha???!!?!?! Mds como n pensei nisso antes.
      Status: sendo sarcástico.

      Excluir
  10. To muito curioso pra saber como essa serie acaba!!! Eu vou morrer de curiosidade se não postar logo *-*

    Esse capitulo ficou cheio de erros de portugues hein...

    ResponderExcluir
  11. Achei esse e o Baloons os dois melhores. Mas esse ganha o primeiro lugar. Mal espero pra última parte, ótimo trabalho Divina =D

    ResponderExcluir
  12. Babadoo!!!
    Tô rosa chiclete!!!

    Vocês concordam comigo que o mesmo cara que estava do lado dele no cinema é o mesmo que atropelou veronica?? o mesmo que sequestrou josh, e ele no primeiro capitulo? eo mesmo que recebeu o balão e mandou/tirou as fotos?? e que pegou caixas? e que talvez estivesse no mato e matou a véia do quarto capitulo??
    Essa historia ta incrivel haha'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem saaabe? No próximo capítulo, que é o ultimo da série, vamos descobrir!

      Excluir
  13. Recomendo revisar antes de postar pq o texto possui varios erros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tinha criticado a Divina no "Caixas" mas eu me arrependo disso, porque, ela carrega tudo nas costas, ela traduz, revisa, posta, etc. Não tem ninguém ajudando ela. Então erros acontecem, principalmente quando se trabalha sozinha.

      Excluir
    2. Owww... mas bem que alguem podia ajudar a Divina né? Alguem se voluntaria para tal? Alguem? Dou-lhe uma, dou-lhe duas...

      Excluir
    3. Se fosse tão fácil quanto dizer "Eu ajudo." e a Divina simplesmente aceitasse, eu me voluntariava. Mas não é bem assim, eu creio.

      Excluir
    4. Oi gente, tudo bom? Então, não posso escolher um revisor assim do nada, pois seria injusto com tantas outras pessoas que já perguntaram antes se eu queria ajuda.

      Mas se quiserem me ajudar, poderiam comentar aqui em baixo aonde estão os erros que eu corrigiria assim que possível; já estou traduzindo a última parte desta série e queria fazer isto o mais rápido possível.

      Agnes, Yuukoku e Ikamui: vocês são uns amores, tá? ;*

      Excluir
    5. Que isso, você que é. Divina sua linda :3

      Excluir
    6. Fiquei tão assustado que camableei para trás caindo o asfalto com o celular dela em minha mãe. (acho que teria de ser mão ao invés de mãe)

      Tem mais um erro Divina mas não achei ele novamente, mas pelo que me lembro é perto do erro acima!

      Excluir
  14. Omg, essa CreepySerie tá perfeita. *------*

    ResponderExcluir
  15. Pelo o que eu sei parece que só tem mais um cap dela. ;/' Que merda. A próxima é "friends" ;//'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. Tentei ler no Reddit em ingles, mas pensei "Não seria mais legal descobrir tudo com o pessoal do CPBR? Só vou ler quando sair lá u.u". Mas tambem o texto era longo e bateu uma preguiça na hora deler...

      Excluir
    2. Yuukoku, Idem, fiquei com preguiça e achei mlr ler por aqui...

      Excluir
    3. Gente, só tem mais um capítulo mesmo... Vou tentar postar amanhã ou quinta.

      Excluir
    4. Bem, já tá chegando sexta e nada de "friends" '-' uahauhuas'

      Excluir
  16. Gostei. Temos que estar preparados para o final. Na 6ª parte vamos descobrir quem é esse maníaco. O fim está próximo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "O fim está próximo" Isso soou como se o mundo estivesse acabando...

      Excluir
  17. Suspeitos
    Parte 1: Slender
    Parte 2: Pedófilo
    Parte 3: Pedófilo que gosta de gatos
    Parte 4: Pedo bear/ amigo do grandalhão que e um urso

    ResponderExcluir
  18. Nossa, que deprimente essa...
    Do jeito que eu gosto. Tipo, é foda você se comover por leitura(pelo menos pra mim, pois não acontece muito). É até normal a história me atingir, mas não comover. Do caralho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tô super apegada aos personagens dessa história também, Levanildo. Juro que quase chorei no final de "Caixas" e agora com o "Telas". Agora é só esperar pelo final que posto ainda essa semana. Fique ligado! ;*

      Excluir
    2. Do jeito que essa série ta trágica, George R. R. Martin, logo logo contrata o autor dessa série!

      Excluir
  19. Caramba fiquei triste pela garota ter morrido se fosse comigo arrumava um jeito de comprar uma arma para no próximo encontro com esse maniaco enfiar uma bala na testa dele

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho que falar que, quando comecei a traduzir, não esperava que ela morresse. Fiquei triste também. Vamos ver como isso acaba ainda essa semana, ok?

      Excluir
  20. E Josh sera que aconteceu algo de rui com ela, dei altas risadas com ele zuando o amigo, espero que esteja bem

    ResponderExcluir
  21. Ei... Só eu pensei na teoria, de que, o cara que atropelou e tirou as fotos da Verônica, e sentou ao lado do carinha tenha sido o Josh? Pra mim pareceu bem plausível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que não... Eu acho que o Josh tá morto, bom, é o que EU acho, pois o stalker lá está afastando todos que o menino se apega, como Verônica.

      Excluir
    2. Eu penso que o Josh tá envolvido de alguma coisa importante. Tem o capítulo que chama "Friends" e... Verônica falou um pouco sobre o Josh. Realmente que tem algo sobre ele aí.

      Excluir
  22. Tomara que saia logo a ultima parte, estou muito ansiosa e não quero ler em inglês... Ótima tradução Divina!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, linda! Não leia em inglês não que ainda essa semana eu posto a última parte. <3

      Excluir
  23. Muito boa,como sempre,mas essa eu acho que foi a pior até agora.As primeiras foram melhores de se ler,era mais interessante com ele criança e eu acho histórias com romance meio...ah,não gosto.
    Saudades Josh,acho que ele foi pego pelo cara que persegue o protagonista.
    Só espero que não termine com aquele clichê do narrador morrendo no final =/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo. Caixas > Balões > Passos > Mapas > Telas.
      Romance is a saqueiton.
      Concordo com o cliche do personagem morrendo no final - previsivel e chato - mas pior ainda é o cliche do "ou mato alguem ou morro, voce ja sabe qual eu escolhi... "

      Excluir
    2. Não seria possível, já que ele tá contando uma história que aconteceu no passado, e nessa creepypasta o próprio autor é o personagem, ele até respondia a galera q lia os contos dele.

      Excluir
  24. Ei ta mano a primera mina do cara e ai vem um cara a mata ela esse tiu é muito azarado memo viu

    ResponderExcluir
  25. Verônica, me sinto tão só
    Quando não estais junto a mim
    Verônica, eu quero dizer
    Que te amo tanto
    Que não posso mais
    Que te quero tanto, amor
    Quero teus olhos, olhar
    Quero tua boca, beijar

    Ahhhh uma gelaaaada kkk

    Divina, até agora a melhor que já li! Parabéns, todo dia vejo CPBR \o/

    ResponderExcluir
  26. A melhor que eu já li!! Estou amando!! Cara, imagina a última parte, quando eles vão ligar tudo O.o
    Muito bom Divina!!!

    ResponderExcluir
  27. Meu Deus, soh tem + uma parte? Esperando ansiosamente pela melhor Creepy q já li *-* Sua tradução tá perfeita, Divina =3

    ResponderExcluir
  28. Melhor serie de creepy que eu já li em todo o blog
    Precisava comentar

    ResponderExcluir
  29. Ou o cara é o pai dele(como já disseram), ou é o tal do Alex ou é alguém nada a ver mesmo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, eu nem tinha pensado na possibilidade do "stalker" ser o Alex o_o

      Excluir
    2. Vcs ainda n perceberam q é o Jeff, ele vive mandando o Mlk dormir eno cara vai ver filme q COMEÇA de meia-noite, se encontrarem o corpo dele.... Já sabem quem foi.
      Status:Dando explicações lógicas.

      Excluir
  30. Foda, não tenho outra palavra para esta série

    ResponderExcluir
  31. Eu li o proximo capitulo em um site e so digo uma coisa pra deixar vcs anciosos,uma pessoa ira morrer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se for o narrador fica sem graça

      Excluir
    2. O narrador com certeza não foi, pois já que o cara está contando como se isso tudo fosse fatos reais e do passado, ficaria meio estranho no ultimo capitulo acontecer uma coisa tipo "Ai ele me pegou e eu morri" É o que eu acho...

      Excluir
    3. Concerteza foi Josh que morreu axo q ele fugiu não

      Excluir
  32. Merda a Verônica morreu!!!!!
    Adoro essa série li todas e só n comentei pq n conseguia.
    Status: Aguardando a parte final
    E bom trabalho com a tradição Divina e n ligue para oq o povo fala dos erros ortográficos, da para entender e errar é humano.

    ResponderExcluir
  33. nossa q crepy foda...
    eu sempre leio o blog so q pelo celular entao nao comento mais sempre olho as mesmas pessoas comentando e tao legal queria fazer parte dos comentarios vejo a tanto tempo o blog q estou bastante familiarizado com os nomes muito dahora espere comentar por aki mais fica dificil pelo cel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu tbm só comentava pelo celular,+ agora ñ tá dando+ ñ sei pq
      =/

      Excluir
    2. Uhuul somos3
      li acho que quase o blog todo e nunca comentei

      Excluir
  34. Nossa, fazia tempo que não lia uma série de contos que me fazia querer ler o final. Valeu Divina por trazer isso para o blog

    ResponderExcluir
  35. Não vejo uma creepy tão fodástica assim desde "A Casa Sem Fim"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, há quanto tempo nào leio essa creepy da Casa Sem Fim xD agora que vc me lembrou vou ler de novo, haha

      Excluir
  36. Meu Deus eu tanho q ler a proxima parte #_#

    ResponderExcluir
  37. Eu nunca fui chegado em creepypastas muito grande mais esse mês fez ler cada parte até o fim

    ResponderExcluir
  38. meeeee eu como muita gente esta acompanhando esta serie ........
    nunca li algo que tanto me chamou a atenção essa historia por assim dizer relata muito bem toda a situação passada pelo personagem ......

    meus parabéns..... *^-^* eu adorei

    ResponderExcluir
  39. Respostas
    1. Se escreve: IS Divina dead? Não:Divina is dead?

      Excluir
    2. kkk valeu, mas vc entendeu o q eu queria dizer , mas ta tipo quase 2 dias sem postar nada n blog sera q os malucos morreram?

      Excluir
    3. don't die divina !!!!!!!! (escrevi certo yumi?)

      Excluir
  40. Escreveu sim, e eu entendi sim o q vc disse
    Eu tbm estou muito ansiosa pra ler a ultima parte

    ResponderExcluir
  41. Ninguém tá reclamando que não postou ainda?
    Eita porra

    ResponderExcluir
  42. Que muito tenso cara! daria um otimo filme!

    ResponderExcluir
  43. Alguem sabê o nome do protagonista?
    Ja pensaram que o aspirante a Dath Vaider que fica perseguindo o garoto pode não ter matado a veronica, ele roubou o celular sim mas não foi ele que atropelou o carro não era dele é tudo mais. Talvez não tenha sido ele que desapareceu com Josh.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O nome do garoto/protagonista é Dathan Auerbach

      Excluir
    2. O nome do garoto/protagonista é Dathan Auerbach

      Excluir
  44. Eu sei que a teoria parece fraca principalmente se pensar que a senhorita Meg foi esquartejada.(Quando li pela primeira vez maps achei que ela tinha matado alguem ou morrido acidentalmente de forma violenta, ela matou homens similares a Tom ou só matou um homem ou até mesmo o corpo de Tom ou de algum dos filhos estavam dentro do saco.) Mas eu basicamente tava sem nada para comentar levando em conta que todo mundo falou tudo que eu queria falar lá em cima coisas como "É a melhor historia que já lí.", "Excelente tradução divina" ou "A espera esta praticamente me matando".

    ResponderExcluir
  45. *---* Divina tem facebook ? Se sim passa u.u ?

    ResponderExcluir
  46. Faz muito, muito tempo, que eu não leio algo tão bom!
    Eu me identifiquei com o personagem, o texto é coerente e é quase impossível prever o encerramento dessa história!

    (E nada disso seria possível sem esta tradutora, linda e sedutora, que nós temos ;D)

    ResponderExcluir
  47. Opaaaa! Creepers! Eu sei que ninguém perguntou, mas sinto uma necessidade extrema de comentar em todos lugares relacionados a Penpal/1000Vultures.
    Primeiro de tudo:
    Divina, MIL PARABÉNS. Sua tradução, das que vi até agora, está a mais exata. Você escolheu o meu livro preferido para mostrar às pessoas. (cof cof Egocêntrico)

    Segundo:
    Como dito, livro preferido. Honestamente, eu aviso: TODOS VOCÊS PREPAREM AS LÁGRIMAS PARA O PRÓXIMO CAPÍTULO.
    Eu chorei. Muito.
    Cara, eu ainda estou chorando. Algo nesse conto mexeu com cada osso meu. Eu poderia citar mil motivos:
    Não ter NADA sobrenatural, mas sim ser sobre a natureza de um maníaco obcecado, sobre coisas que, quando criança você não entende, mas, principalmente, pelo Josh, pela amizade e pelo amor que tenho por ele. O personagem principal é 87% eu.
    E eu me surpreendi quando terminei de ler.
    Então, galera, esperem. Vocês terão uma história absurdamente perfeita.
    Penpal, você construiu e destruiu minha vida.
    Dathan, eu te amo mano.
    Último capítulo: Amigos.

    Ainda chorando...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso aconteceu de verdade com o Dathan???

      Excluir
    2. Olha Lucas, ele nunca confirmou que aconteceu, nem que "des"aconteceu. Mas quando você termina de ler, você percebe que essa história tem TODA possibilidade de ser real. Como eu disse, não é sobre fantasmas ou demônios. É sobre um garoto, seu melhor amigo e algum maníaco sem alma. Ele retrata bem como os humanos podem ser animais.
      Como em momento NENHUM contam o nome do personagem principal, alguns acham que é o próprio Dathan que é a criança!
      Não sabemos se é, mas, se for, cara... Eu sinto uma dor imensa por ele.

      Excluir
    3. Né? Tipo, puta merda, que cara sofrido véi '-'

      Excluir
  48. Divina pelo amor de deus posta logo a sexta parte aaafdsgsdkd,....,........
    Aaaaahhgggr
    Meu coracao.....
    Estou tendo um enfarte
    ......divina....
    .....aahh...

    ....posstaaaarrrhhhhbxbxbcdjdikk......................,....,........................,.........................................................................

    ResponderExcluir
  49. Divina posta logo a ultima parte por favoooorr °_°

    ResponderExcluir
  50. Divina posta logo a ultima parte por favoooorr°_°

    ResponderExcluir
  51. Galera, o último capítulo, Friends, é MUITO longo. E tem termos muito difíceis! Então, a Divina pode ter um trabalho maior. Mas olha, esperem com gosto e juntem os lenços, que o capítulo é de parar o coração!

    "Eu gostei da sua lancheira." - Josh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu leste o original la no reddit???
      eu so nao li em ingles ainda pq eu to pelo
      celular u.u
      Mas hoje eu volto de aviao pro meu querido notebook e jogo mimecraft ops...quer dizer leio a creepy em ingles \oõô/

      Excluir
    2. (Vou te responder por este aqui agora.)

      Li a versão do reddit mesmo, já que meu livro só chegará em Agosto (mas terei o prazer de reler).
      Leia sim, Lucas! Se você tiver um fraco para histórias sobre amizade, cara, é essa a história.
      O Dathan consegue passar uma realidade muito forte para nós e vale a pena ler.
      Quando ele diz no quinto, Telas, o seguinte: "Eu queria que ele atendesse. Eu sinto a falta dele."

      Cara, eu já comecei a morrer aos poucos. Vale a pena ler. Até eu deixei de jogar para poder ler. Deixei até de trabalhar. @.@
      O Dathan disse que parte da história tem a ver com coisas da vida dele, como o fato dele acordar de madrugada quando criança.
      Mas minha maior dúvida é saber se o Josh realmente era amigo dele... Porque...
      Cara... ele ia completar o mapa, cara. Ele ia. T.T
      Enfim, espero que goste do final da leitura! Qualquer coisa, continue respondendo.

      Excluir
    3. Tu compraste o livro penpal??!!
      ONDE VENDE
      ..
      eu so sei onde vende o em ingles

      Excluir
    4. Oh não. Foi o inglês mesmo, pelo Amazon. "INFELIZMENTE".
      O Brasil as vezes lerda um pouco quando trata-se de escritores independentes e mais desconhecidos. Mas, honestamente, tenho MUITA esperança que o livro venha para cá.
      Quer dizer, se o filme sair mesmo, em um pulo o livro vem!
      Mas queria tanto ler a história completa, e não só os "rascunhos" que decidi comprar. T.T

      Excluir
    5. Ei Rhuan pelo que intendi o livro é mais completo, tem mais coisas certo ? Porque também vou comprar o livro e queria saber.

      Excluir
  52. Ah, Lucas, deixe-me fazer uma pergunta completamente descasional: Tens PSP? @.@

    ResponderExcluir
  53. Posta logo a proxima Por Favorrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr

    ResponderExcluir
  54. a ultima parte deve ser grande pra kct, pelo tempo q tá levando pra ser traduzida :s
    #ForçaDivina #ContamosComVocê

    ResponderExcluir
  55. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  56. Quando postarem a ultima parte,vou ser a garota mais feliz do universo :)

    ResponderExcluir
  57. Apesar de estar com muitos Error Ficou Muito Bom

    ResponderExcluir
  58. MHavwsyvshwhvguxbhsbsis zbsibdhzhshvsjbsjzdbisvslabshsbdid dbudnshswhbsizhsbshz ddbdjfbdkbdbixbshsvdizd djbdix xnxhvnsodbsosfbdjdpd dkxhddofbhxufidhh.... FRIENDS???

    ResponderExcluir
  59. cadeeeeeeeeee a ultima parte :'(:'(:'(

    ResponderExcluir
  60. Nunca comentei nenhuma creepy ( apesar de ler todas.) Mas minha necessidade em ler o final está me deixando louca, entro no site de um em um minuto pra saber se postam, e nada! Divina, vc morreu? Rsrsrs postem logo, por favor.

    ResponderExcluir
  61. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  62. Ou a Divina tá fazendo suspense, ou tá ocupada ou a história é longona mesmo. Até tem outras possibilidades, mas deixa só as mais prováveis mesmo
    lol

    ResponderExcluir
  63. caramba cara, isso ta muito bom, senti leves arrepios, muito bom

    ResponderExcluir
  64. quero o proximo episódiooooooooooooooooooooooo pelo amor de Deus, estou dependente desse conto ;---; e tem que ser traduzido pela Divina, de outro blog n aceito! u.u

    ResponderExcluir