08/02/14

A "morte" de Margorie

Depois de sucumbir por causa de uma febre alta em 1705, uma mulher irlandesa chamada Margorie McCall foi enterrada as pressas para prevenir que seja lá que a tivesse matado não se espalhasse. Margorie foi enterrada junto com um anel muito valioso, o qual o seu marido não tinha conseguido tirar de seu dedo devido ao inchaço do corpo da mulher. Isso a fez um alvo cobiçado dos ladrões de túmulo, que ganhariam dinheiro tanto com o corpo quanto com o anel.

Na noite após ao enterro de Margorie, antes mesmo do solo ficar firme, os ladrões apareceram e começaram a cavar. Sem conseguir tirar o anel, eles decidiram cortar o dedo fora. Assim que o sangue começou a jorrar, Margorie acordou de seu coma, e se sentou gritando.

O destino dos ladrões permanece desconhecido. Alguns dizem que os homens morreram de susto no local, enquanto outros dizem que eles fugiram e nunca mais voltaram a exercer a antiga profissão.

Margorie escalou para sair da cova e caminhou até sua casa.

Seu marido John, um médico, estava em casa com as crianças quando ouviu as batidas na porta. Ele disse para as crianças, "Se sua mãe ainda estivesse viva, eu juraria que era sua batida".

Quando ele abriu a porta e viu sua mulher ali de pé, vestida com suas roupas de enterro, sangue escorrendo dos dedo mas viva, ele caiu morto no chão. Ele foi enterrado na vala que antes tinha sido dela.


Margorie se casou de novo e teve vários filhos. Quando ela finalmente morreu, ela retornou para o cemitério Shankill em Lurgan, Irlanda, onde sua sepultura ainda existe. A inscrição na pedra diz: "Viva uma vez, enterrada duas."