28/02/15

Eu era um soldado da Guarda Real - Parte III (FINAL)


Minha sobrinha veio para a cidade na sexta-feira e eu teria o fim de semana todo com ela. Correr atrás de uma criança de sete anos faz você perder a cabeça sem sobrar tempo para pensar numa mulher louca te assediando. Além disso, eu estava fora daquele trabalho – peguei a documentação de transferência naquela manhã.

Eu passei todo o dia levando a menina a diferentes lugares que ela gosta. Foi muito cansativo. Sábado eu preparei o café e passamos boa parte da manhã assistindo desenho animado. Depois nós colocamos o filme da Mulher Gato e minha sobrinha se vestiu como ela – por algum motivo ela a amava (o filme é um lixo completo). Acho que não estava acostumado a ter que cuidar de crianças, porque eu dormi no sofá, já exausto.

Minha sobrinha me acordou.

“Uki” disse ela (é como ela me chama) “Uki, vamos brincar.” Ela estava segurando meu velho par de walkie-talkies. Eu costumava amar aquilo quando criança, então não poderia dizer não a ela.

“Claro, vamos ver se essas coisas velhas funcionam. Vamos lá fora, eu quero checar o alcance dessas belezinhas.”

Seu rosto se iluminou enquanto ela corria para fora.

Eu liguei o walkie-talkie e comecei a mexer nele. O barulho de estática estava lá, o que significava que as baterias estavam funcionando, era só uma questão de encontrar a frequência certa.

“Ashley? Ashley, está me ouvindo? Câmbio.” Eu tentei algumas vezes.

Finalmente ouvi alguma coisa.

“Ashley, está me ouvindo? Repito, está me ouvindo? Câmbio.”

“Nero” foi tudo o que ouvi em baixo volume.

“Ashley, pirralha, você precisa dizer “câmbio” quando terminar.”

“N...e...ro” ouvi de novo.

“Que merda!” pensei. Com preguiça de ir para fora, tirei as baterias, soprei nelas, como se tivesse algum efeito, e as coloquei de volta.

“Ok, mulher gato, é o Nero, está ouvindo agora? Câmbio.”

“ZERO”

Derrubei o walkie-talkie.

Não era a voz da Ashley. Não era “Nero” o que eu tinha ouvido.

Ashley.

Corri para fora e imediatamente comecei a me odiar por deixar a menina sair sozinha. Ashley estava no quintal, segurando o rádio, apertando com força. À sua frente estava a mesma mulher, inclinando-se toda para baixo, em direção ao rosto de minha sobrinha.

“Zero, zero, zero, zero, zero” era o que a mulher repetia freneticamente para o rosto traumatizado de Ashley.

Sim, quando alguma aberração me incomoda eu consigo me controlar. Mas uma criança, minha sobrinha?

Perdi a cabeça. Corri em direção à mulher e a ataquei com tanta força que tive certeza que a machucaria. Assim que caí no chão me levantei e peguei Ashley. “Você está bem?” Eu gritei. “Ela tocou em você?” Eu nem sequer percebi o quanto a estava sacudindo, provavelmente a assustando ainda mais.

Ashley agora estava chorando tanto que não conseguia responder.

“Vamos entrar” Disse quando me virei para a mulher. Ela continuava caída no chão, o rosto virado para baixo. Assim que entramos em casa, fomos até a janela. A mulher começou a se levantar. Ela virou para nós.

“Estou chamando a polícia” Falei aterrorizado para Ashley enquanto pegava o celular. “Não se preocupe, meu amor, tudo vai ficar bem.”

A mulher deu um passo até a janela. E mais um. Seu nariz estava sangrando e ela estava visivelmente machucada porque estava mancando, mas isso não parecia a incomodar. 

Eu vou admitir, estava quase congelando com a descarga de adrenalina. Nós só ficamos na janela, observando a aberração se aproximar de nós.

“A polícia está a caminho” falei para minha sobrinha que continuava chorando.

A mulher andou até a janela.

Ela... Ela não estava mais olhando para mim. Ela se inclinou até o rosto de Ashley. A pobrezinha agarrou minha mão e estava apertando forte demais para uma menina de 7 anos. Aquela porra, vaca, mulher, o que quer que fosse, se inclinou toda para a janela. Somente o vidro separando ela e Ashley. Quando eu estava quase levando minha sobrinha para outro cômodo, longe dessa coisa, a mulher abriu a boca, mas imediatamente a fechou num sorriso. Isso de novo. Isso era tão impossivelmente estranho. Quando ela abria a boca, as pupilas iam para a parte de trás de sua cabeça, só para imediatamente voltar seguido com um sorriso. Agora ela estava inumanamente alternando entre um sorriso e uma boca escancarada combinada com olhos sem pupilas.

“Vamos sair daqui.” Falei para Ashley assim que a peguei e levei para meu quarto.

A polícia chegou 15 minutos depois. Eles começaram a varredura do bairro e realmente pegaram uma mulher que correspondia com a minha descrição. Eu tive que ir até a delegacia para reconhecê-la, mas primeiro eu tinha que deixar Ashley na estação de trem. Sua mãe queria que ela voltasse imediatamente depois do que aconteceu e eu não poderia culpá-la. Eu a levei até a estação, onde eu combinei com a equipe para ficar de olho nela até chegar a seu destino.

Um condutor muito agradável me prometeu que iria acompanhá-la por toda viagem. Ele pegou Ashley pela mão e lhe prometeu mostrar todas as partes legais do trem. Finalmente a garota sorriu.

Assim que o trem estava se preparando para partir, o condutor colocou minha sobrinha nas escadas. “Diga adeus para seu tio,” ele disse “estamos prestes a sair.”

“Tchau, Ashley, diga para a mamãe me ligar quando Você chegar, ok?”

Ela não respondeu, o que era compreensível. A criança provavelmente continuava terrivelmente assustada, porra, eu ainda estava assustado.

Quando no alto-falante informou que o embarque estava terminado, o condutor abriu a porta para que eles entrassem no trem. Entretanto, Ashley não se moveu. Ela olhou para o condutor.

“Vamos agora.” Disse ele.

Ashley abriu a boca, olhando para o homem.

“Nós temos que entrar agora, estamos quase começando o trajeto, querida.” Ele disse novamente. “Vamos.”

Assim que entrou no trem e Ashley o seguiu, ouvi-a dizer “10, 9, 8”.


- - - - - - - 



Estou planejando escrever sobre o que aconteceu com Ashley, em algum momento, embora sua família prefira que seja mantido privado.
_________________________________________________________________________________


PARTE I AQUI

PARTE II AQUI


19 comentários:

  1. Tá, foi legal e tudo, mas ficaram umas dúvidas no ar: O capitão do cara realmente estava bem? Aconteceu algo com ele?; E a mulher? O que aconteceu com ela depois? Ficou normal depois de passar a 'porra louca' da 'maldição' para a menina ou continuou atormentando outras pessoas?
    E por favor, né, que mãe/tio deixam uma criança de sete anos viajar de trem sozinha (Claro que tinham os carinha do trem lá, mas mesmo assim.) depois de um acontecimento desses?

    Mas enfim, de resto foi bem interessante, a estória deixava a gente ansioso(a) para a próxima parte. E se tiver mais alguma contando sobre Ashley, seria bem interessante de ler.

    ResponderExcluir
  2. O final foi meio curto e broxante, esperava mais, muitas coisas por dizer, e como a Luana disse assim, QUEM DEIXA A SOBRINHA IR EM UM TREM COM UM ESTRANHO?
    As outras duas partes foram perfeitas, mas essa foi fraquinha. :/

    ResponderExcluir
  3. Meio que me decepicionei com o final. A história é tão interessante, deixa um gosto de "Quero a próxima parte". Achei que teria um fim impactante, tipo: uma maldição capirotesca, o homem descobre, dá uns tapas nessa mulher, final feliz (yeah!). Ou talvez a mulher engoli ele com sua super boca de bojobi, sei lá. Enfim, mesmo o final sendo broxante, a história foi muito boa. Não consigo aceitar que é o final, putz.

    ResponderExcluir
  4. Eu me decepcionei bastante, com algo que tinha tudo pra ser um ótimo roteiro de filme. Ficaram algumas lacunas abertas, concordo com vocês, mas mesmo assim o final deixou algo a desejar; Essa maldição transforma as mulheres em outros "monstros", certo, mas e os homens, morrem? O que isso teve a ver com a guarda real? A sobrinha dele vira um monstro, e a outra mulher? Pelo que eu vi, se não tivesse o nome FINAL eu ficaria aguardando a parte 4, é isso.

    ResponderExcluir
  5. Não acredito! Uma história tão boa, que deixou todo mundo ansioso pra sequência... Acabar desse jeito? Deu um ar de "ai, cansei de escrever isso, vou finalizar logo". Uma pena. :/
    Espero que ao menos surja logo algo em relação a Ashley e, principalmente, que contenha uma explicação sobre tudo.

    ResponderExcluir
  6. A primeira parte foi boa, a segunda enrolou bem, mas eu não fiquei com vontade de ler uma quarta.
    Ficou totalmente fora de contexto nada acontecer com ele. Acredito, pelo menos, que todo mundo esperava algo impactante no fim da contagem. E, se você reparar, nada relevante acontece; dá pra resumir a história toda em duas linhas...

    ResponderExcluir
  7. pq toda creepy que parece ser foda pelas primeiras partes, tem um final broxante? '-'

    ResponderExcluir
  8. Esse foi o final? sério? Decepção...

    ResponderExcluir
  9. Final perfeito!! Não entendo essas pessoas que estão falando que o final foi broxante, o final deixou claro que a especie de maldição continua e agora com uma garotinha, deixou algumas dúvidas no ar para continuarmos com vontade de ler mais, eu não gosto quando uma creepy grande e maravilhosa termina com um final curto onde o personagem morre e acabou tudo, é mil vezes melhor quando é um final que deixa um mistério no ar, que deixa claro que não acabou alí, que deixa claro que vai continuar fodasticamente foda! Enfim, parabéns, creepypasta maravilhosa, parabéns à quem escreveu, aguando ansiosamente por uma continuação!!

    ResponderExcluir
  10. Caramba?? Como assim??
    Ainda to meio perdido com essa creepy...
    Muitas perguntas por responder. Achei que o chefe ia acabar explicando que zorra tinha acontecido, e que a mulher já tinha feito o mesmo com ele, sei lá... A historia tem potencial mas também fiquei com a sensação de que quem escreveu cansou da historia e quis finalizar logo

    ResponderExcluir
  11. Assim que entrou no trem e Ashley o seguiu, ouvi-a dizer “10, 9, 8”.

    Mas imaginei que fosse somente algo da minha cabeça, ou então que ela só estaria assustada com o que aconteceu.

    Ao chegar à delegacia encontrei o comandante, não sabia o motivo de ele estar aqui, mas fui perguntá-lo, ao me aproximar vi que a criatura estava ao seu lado. Corri para ajudá-lo, mas ele me disse que aquela já não era mais a criatura.

    Não estava entendendo mais nada, mas ele pediu para eu me sentar e começou a dizer, “Filho, esta é minha esposa, ela era a “criatura” que você encontrou, mas, se você não está amaldiçoado, que está? Essa maldição só sairia da minha esposa se outra pessoa fosse amaldiçoada, se não foi para você que ela disse “zero” para quem foi?”.

    Depois que ele disse isso eu senti um calafrio subindo pela minha espinha e me lembrei que quando encontrei a “criatura” ela estava encarando minha sobrinha e dizendo “zero” diversas vezes, e quando estávamos cara a cara ela não estava mais me encarando, os olhos dela só estavam na direção de minha sobrinha Ashley.

    Rapidamente peguei o telefone e liguei para a mãe de Ashley, mas a única coisa que pude ouvir foi a voz de Ashley ao fundo dizendo “Zero, zero, zero, zero, zero” e sua mãe gritando pedindo ajuda, mas isso não durou muito, pois logo a ligação caiu.
    ____________________________________________________________________________

    Galera fiz esse fim para aqueles que não gostaram muito do original...Não liguem muito, pois não sou muito bom para escrever...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ficou mais interessante esse final

      Excluir
    2. Pra mim o final, com esse seu epílogo, ficou foda!

      Obrigado =D

      Excluir
    3. Puta merda, mano. Perfeito, sem mais. Eu fiquei MUITO perdido no final, realmente foi algo tipo isso que imaginei, mas fiquei perdido demais.

      Excluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. ai que saco, sem querer li esse final ao invés do início '-'

    ResponderExcluir