01/03/15

A Experiência - (Dias 4-8)

Continuação da Creepypasta "A Experiência".
Se você não leu as últimas partes clique (Primeira parte) ou (Segunda parte);
------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 Dia 4
10/20/2009
2:30 AM

Alguém está batendo na porta do nosso barraco. Eu estou olhando pelas câmeras bem agora; Todas as cobaias estão dormindo em seus quartos. Garett está segurando uma faca de cozinha, e Edward está escondido no quarto. Não apenas fomos tolos suficientes para não posicionar câmeras na entrada do nosso esconderijo, como também não posicionamos janelas aqui. E só temos uma porta para saída.

Eu estou imaginando uma daquelas piscininhas infantis, cheias de sangue no lugar de água. Imaginei alguém me cortando em uma das paredes, e todo o sangue coagulado escorrendo, pegajoso, posto para fora como uma barragem quebrada. Isso é o que vai ser como quando as autoridades nos encontrar aqui, picados como pequenos pedaços de carne em uma sopa vermelho. Desculpe, eu estou apenas um pouco assustada. Eu tenho que ser a responsável por tudo aqui.

As batidas cessaram. Não eram batidas brutas, como quando você espera que elas soem quando a pessoa que bate à porta veio com a intenção de te esfolar vivo. Agora que eu pensei nisso, Eu estou realmente incomodada pelo motivo de que não temos ideia de quem estava nas premissas desse lugar, que está praticamente no meio do nada. Esse foi apenas o quarto dia que estivemos aqui.

Se não estivéssemos tão ocupados depois do ocorrido da Noite 2 para a manhã do Dia Três, nós gostaríamos de ver quem estava se aproximando de uma das três câmeras. Como se não bastasse, Edward derramou café nas configurações da torre dos computadores que continham o softwere de gravação. Todos nós temos transmissões ao vivo (sobrando). Se não fosse por mim ou algum demente do lado de fora da porta, um de s iria matar o Edward.

3:00 AM

Um pensamento me ocorreu de repente: talvez a pessoa batendo na porta fosse o zelador, voltando para nos checar e ter certeza de que estávamos bem. Tendo avisado isso para Garett e Edward, Eu fiz o caminho até a porta, apenas para espiar pelo chão.

“Me desculpe,” Disse o Garett. Ele parecia um pouco surpreso por si mesmo. Eu estava também, para falar a verdade. “Você não pode sair abrindo a porta pra qualquer um aqui, em lugar nenhum, ás 2:00 da manhã. Talvez fosse o zelador, talvez não fosse. Mas se fosse, Eu acho que ele deveria ter se apresentado.”

Ele estava absolutamente certo. Isso me alertou para começar a analisar o estado da minha mente mais completamente; Com os participantes agindo estranhamente ontem, e agora essas batidas, Eu acho que eu devo descansar só por um pouquinho. Edward palpitou da outra sala, dizendo que eu deveria descansar um pouquinho, de todos os assuntos. Por mais difícil que eu ache confiar no Edward de novo, Eu acho que ele tem razão. Eu ordenei que ele e o Garett grudassem suas caras nos monitores enquanto Eu descanso. Eles estão, sem chance alguma, de sair até que eu me levante.
Garett assentiu, mas o Edward apenas deu um grunhido estranho, meio gargalhado, do quarto. Eu ignorei. Estou me sentindo exausta.

Dia 5
10/21/2009
7:30 AM

Eu dormi por 16 horas e meia, direto. Eu não acho que isso seja possível.

E se é possível, por que eu ainda estou me sentindo cansada... Eu devo estar com algo. Problemas de adaptação da altitude ou intoxicação alimentar, talvez. Eu ainda estou bem cansada.

Day 6
10/22/2009
1:10 AM

Maxwell se foi. Estou acordada a duas horas e agora ele não está em lugar algum. Garett e Edward estão no maior sono no quarto deles. Eles deixaram notas para mim por todo o monitor, mas nenhuma delas menciona o sumiço do Maxwell. E nós não temos mais a capacidade de ir pela velha rodovia. Á cada dia eu perco mais e mais controle sobre tudo que acontece aqui.

Eu preciso começar a colocar as coisas de volta no lugar. Mas não posso começar até eu encontrar o Maxwell e colocar ele de volta naquela casa. Eu nem posso imaginar o porquê dele ter ido para longe da Aspen. Aqui tem uma nota em particular que o Garett deixou.
“Pelo menos o Sexperimento é um sucesso,” dizia ela.

Olhei novamente no monitor e encontrei Elija fazendo farra com a Tabitha no próprio quarto deles. No outro andar na Asa Leste, encontrei a Aspen, Sozinha numa cama muito larga, abraçando um travesseiro. As malas do Maxwell estavam no cômodo com ela. Se ele não levou seus pertences, então é pouco provável que ele saiu do experimento.

Tendo decidido que era sem dúvidas uma emergência, eu chamei-os pelo celular, esperando chamar a atenção deles. Ele só tocou e tocou. Nada parecia estranho, primeiramente, por que o tilintar do telefone parecia vir do monitor. Mas algo estava errado. Eu desliguei os auto-falantes e liguei novamente. Eu pude ouvir tilintar. O telefone estava na floresta, do lado de fora da nossa cabine.

8:30 AM

Edward foi quem levantou primeiro, então foi ele que eu mandei ir lá fora encontrar a origem do tilintar enquanto eu ligava. Tendo encontrado o telefone, ele penetrou na mansão enquanto os outros acordavam. Eu ví ele fazer seu caminho pela casa, colocando o telefone na bancada da cozinha antes de voltar para a cabana.

Garett já está de pé. Ele e Edward estão agindo muito estranho um com o outro. Temos uma tensão óbvia aqui. Isso precisa ser resolvido se estamos prestes a começar a tomar medidas drásticas para salvar o experimento. Dei uma olhada de relance pelos monitores. Eu pude ver que os participantes (se eles podem ainda ser chamados assim a esse ponto) estão totalmente desanimados. Parece que uma disposição fria cobriu tudo nos confins da Mansão Rosewood.

Aspen foi pega olhando pelas janelas, muito constantemente. Ela parece muito obcecada com algo. Seria o Maxwell? Quando Tabitha veio pelo quarto delas, elas sentaram juntas e conversaram um pouco.

“Ele voltou novamente?” Tabitha perguntou quietamente.

“Não.”

“Sei que você está assustada,” ela acariciou a cabeça da Aspen por alguns momentos. “Eu também estou. Eu nunca fui uma irmãzona para ninguém, mas Eu posso dizer que você precisa de uma agora mesmo. Seja lá o que esteve nos aterrorizando no último dia e meio, aposto que são alguns adolescentes locais. Muitas pessoas ficaram sabendo sobre essa casa. O Maxwell não tinha que...”

Tabitha parou, olhando diretamente para as câmeras. Segurando a Aspen pelas mãos, ela guiou ela para fora da sala e apenas sussurros roucos puderam ser ouvidos agora de uma localização desconhecida.
Enquanto eu olhava pelos meus arquivos, eu percebi que nesse ponto, minhas notas pareceram bem fora do assunto. Eu não sei aonde minha lógica havia ido, mas parecia estar continuando, seguindo em frente pelas minhas experiências. Com certeza eu estive doente, mas eu me perguntei se eu já tinha percebido isso antes, ou era essa viagem toda um erro? Eu preciso saber o que meus “ajudantes” sabem sobre Maxwell e os outros participantes. O que esteve os aterrorizando enquanto eu estava fora dessa?

12:05 PM

Nós três temos que sentar para começar do zero. Significa que o Edward saiu da cabana enquanto eu dormia. Ele disse que foi só por que ele estava preocupado com uma das garotas, mas pelo olhar que o Garett me dava, eu não acho que ele estava me contando a história toda.
Você falhou ao me alertar isso antes,” Eu alertei o Edward. Ele não pareceu arrependido. Garett e Eu tivemos que nos questionar calados o tanto que o Edward andou falhando sem querer; ou o quanto ele esteve cometendo deslizes propositais. “Então, aquelas são suas pegadas na câmera 23?”

Ele encarou o monitor por um longo tempo antes de dizer em tom baixo, que não eram. A Câmera 23 estava apontando para a parte de trás da asa oeste, por onde ele fez seu caminho pelo leste. Mas não haviam poucas pegadas. O lugar estava cheio delas.
“Estou indo dar uma olhada, por minha conta, agora.” Eu disse, pegando minha jaqueta. O pensamento não me agradava completamente, mas eu senti como se eu tivesse chegado a uma posição sem nenhum outro recurso.

Garett olhou feio para o Edward. Este olhar foi desviado inconfortavelmente. Era suficiente para chamar minha atenção. Eu estava ficando frustrada. Eu demorei para descobrir o que realmente havia acontecido enquanto eu dormia.

“Aquelas são minhas pegadas,” disse Edward. “Mas não dessa manhã, e não de apenas uma viagem. Eu estava tentando manter o espírito original, da nossa experiência, vivo... Você sabe. O Medo.”

Não é muito interessante, Eu retruquei

[Uma pequena anotação do Thiago:
  Isso era tudo que o arquivo continha naquele dia. Isso foi obviamente ocultado ou deletado. Abaixo temos um arquivo intitulado: Ajudante Edward 22. Esse arquivo continha quatro documentos, todos fragmentados. Um em particular contêm uma única palavra. Eles dão uma pequena evidência sobre o tempo que foi coberto, mas pelo nome do arquivo, talvez seria mais seguro dizer o que eles encobriram pelo resto do Dia 6.

Não quero privar aqueles interessados em algo que eu tive acesso, então Eu suponho que Eu irei postar os respectivos pedaços em tópicos, como eles apareceram no arquivo.]

Ajudante Edward 22:
1. W
2. O maior erro do Edward foi não medir suas iniciativas,
3. Sintomas de surgimento de um sociop;
4. Negativa evidente no

Dia 7
10/23/2009
3:00 PM

Não era suposto o Edward estar assustando eles mais. Só era cabível a ele fazer o reconhecimento. Eles estão ficando mais adeptos a se esquivar dos microfones e gravadores de vídeo. Em breve iremos precisar de uma linha franca de comunicação aberta em ordem de tomar o fundo dessa revolta.

Nesse meio tempo, Edward não pode ser autorizado à ter regime aberto nesse lugar. Não mais. Ele se foi e absolutamente assustou Aspen e Tabitha. Para completar, ele escapou de novo na noite passada, após confessar o quão mal ele estava pelo seu comportamento durante minha doença. Ele foi aterrorizar as garotas novamente. Elija, o pobre e ousado idiota que ele é, estava vindo logo após com um taco de baseball quando nós o encontramos nas câmeras, com um taco de baseball.

Edward é muito sortudo, pois o Maxwell chegou de volta à casa quando ele também chegou. Elija pensou que ele era quem estava assustando as garotas. Maxwell pareceu perplexo e preocupado sobre o taco e a irritação do Elija.

“Por onde você andou, cara?” Elija interrogou. Edward, não mais que 10 pés de distância da esquina, fez de um largo carvalho seu esconderijo. “Eu pensei que a aberração estava vindo para nós novamente, mas era você. O que você andou fazendo? Você encontrou...“

Ele olhou para a câmera e parou. Isso estava ficando irritante. Eles pareciam ter ciência de cada câmera e suas localizações, como se eles tivessem um mapa ou algo assim.

“Te direi lá dentro.” Maxwell respondeu bem baixo. “Vamos sair de vista.”

Edward então fez seu caminho de volta. Eu não irei mais tolerar o comportamento múltiplo dele. Ele não irá mais pôr em perigo o estudo... seja lá o quê o estudo possa ser. Percebo que, outro dia, eu poderei agradecer a ele por ajudar a experiência a tomar esse rumo novo e excitante que nos foi mostrado. Mas esse dia não é hoje.

Dia 8
10/24/2009
10:30 AM

Finalmente, essa experiência está de volta aos trilhos. Acredito que o Edward tem sim tomado um gosto de seu novo emprego no barracão do outro lado do pátio. Tendo em vista que ele não pode se permitir ser barulhento, para sua própria segurança, é a situação perfeita para todos nós. É só estranho que o zelador não tenha percebido que havia outro barracão na propriedade.

Levantada da última rodada de eventos, eu já era capaz de colocar os participantes no telefone e conseguir uma entrevista em vídeo com a Aspen. Ela está sentada na sala de gravações agora. Ela possui uma quantidade considerável de maquiagem, como se ela fosse num encontro amoroso. Seu cabelo loiro estava elegantemente enrolado, e sua pele estava absolutamente brilhante.

“Maxwell voltou,” ela sorriu.

“Estranho.” Eu disse para o Garett. Ele revirou os olhos. Com o Ed fora de cena, ficamos mais próximos, algo mais que parceiros. “Quando ela começou à se importar tanto com ele?”

“Devem ter finalmente se entendido” Garett disse, com sarcasmo.

Eu dei a ele um sorriso apaziguador, mas eu tenho outros pensamentos percorrendo minha mente. Eu não acho que essa seja a única explicação. Seria difícil o suficiente para explicar todas as mudanças comportamentais ocorrendo em torno do assunto.

“Me conte sobre o Maxwell” Eu disse pelo microfone.
“Me desculpe,” ela disse, ainda sorrindo estranhamente. “Só o Max pode te contar sobre o Max. Não sou a babá dele; Não sou babá de ninguém, ou biógrafa de ninguém. Mas eu acho que você deva gostar de sabe que todos nós tivemos uma conversa na última noite. Achamos que você se sentiria honrada em saber que estamos prontos para sermos bons participantes na sua pesquisa. Você tem alguma ordem imediata, Mestra? Ou devemos continuar explorando nossa sexualidade e compatibilidade?”
A energia caiu.

7:30 PM
Estive pensando sobre a estranha cronometragem da falha elétrica, justamente como se ela fizesse aquilo. E têm mais, Eu estive pensando sobre ser chamada de mestra. Ela não soou puxa-saco, sarcástica ou rebelde. Sua voz era, no mínimo, neutra. Então o que ela estava pensando?
É difícil agora estar feliz sobre resumir exatamente o que viemos fazer aqui. Isso não soava normal. Não mais. Entretanto, parece ter algo novo para descobrir aqui, algo da mais interessante natureza psicológica. Não pude colocar minhas mãos nisso ainda. Garett e Eu, ambos sentimos que isso irá se apresentar cedo demais: A real descoberta está para ser revelada aqui, na Mansão Rosewood.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Continua...


9 comentários:

  1. Bem... Devo admitir que, apesar do suspense, a leitura está ficando pesada e perdendo a dinâmica das duas primeiras partes. O final desta parte pareceu muito clichê, mas eu ainda acho que vou me surpreender com essa creepypasta.

    ResponderExcluir
  2. Cara ñ acredito #mesentindosherlockholmes

    ResponderExcluir
  3. Sob o jardim vai voltar, aguardem.
    Gostei de como deram a notícia. Continuem assim ^^

    ResponderExcluir
  4. Super mal escrito, dêem uma revisada, tá horrivel ler isso.

    ResponderExcluir
  5. Ao ver as pequenas diferenças, de cara tudo fez sentido em minha vida. Entendedores entenderão

    ResponderExcluir
  6. Continuo não entendendo bulhufas dessa creepy (eu sou burrinha, dá um desconto), kkkk.
    Mas ganhei meu dia ao saber que Sob o Jardim vai voltar. Aliás, preciso dar uma lida de novo, depois de tanto tempo a gente acaba esquecendo coisa ou outral

    ResponderExcluir
  7. Ta muito confuso essa creepy já, muita pergunta, mínimas respostas, prefiro assistir novela assim, em caso de dúvida eu compro um jornal com o script completo da trama, vamos ver como será a 4a parte desse BBB sem Pedro Bial

    ResponderExcluir
  8. Foda a mensagem subliminar..
    Essa creepy tá muito boa, não consegui pensar em nada pra explicar, nem adivinhar o fim;

    ResponderExcluir