11/04/15

Acho que meu marido fez alguma coisa com um dos gêmeos - Parte II

Eu acabei fazendo a amniocentese, principalmente porque Phillip me persuadiu a fazer. Ele disse que na minha idade, a porcentagem de crianças que nascem com alguma deficiência era muito alta. As estatísticas estavam contra nós, e era melhor saber. Embora ver a agulha fosse aterrorizante, eu fiz. Antes dos resultados dos exames saírem eu tive más notícias. A casa da Dra. Withings havia sido assaltada, e ela tinha sido baleada no processo. A polícia estava investigando, mas ainda não tinha pistas. No meio da minha gravidez eu tive que encontrar um novo médico.

Phillip encontrou um ginecologista e obstetra muito perto da nossa casa, Dr. Keats. Ele imediatamente me tranquilizou. Ele era médico há mais de 40 anos, e a melhor parte era que sua clínica ficava a 20 minutos da nossa casa. Ele tinha permissão para atuar no hospital que havíamos escolhido, mas se não houvesse tempo suficiente, a sua clínica era completamente equipada para trazer os gêmeos à vida com segurança. Dr. Keats disse que traria os resultados dos da amniocentese o mais rápido possível. Olhando para trás, me dei conta que nunca recebi esses resultados.

Quando eu estava com 6 meses de gestação, nós viajamos até sua cidade natal para a festa de aniversário de um de seus amigos de infância. Eles tinham crescido na mesma cidade, além de terem ido à mesma Universidade e terem se mantido bons amigos lá. Vários de seus antigos amigos estavam lá, pessoas que nunca tinha visto antes. Eu tinha entrado para usar o banheiro e me refrescar com um chá gelado quando Todd me pegou na cozinha.

“Phillip é um homem de sorte.”

“Obrigada, Todd. Feliz aniversário. Deve estar se sentindo bem pelos 21, pela enésima vez haha!”

“Há, é, né? Cara, não parece que tem tanto tempo que eu me machucava todo no playgroud com o Phil e tentava escapar da detenção.”

“Eu soube da vez em que você colocou atum nas saídas da ventilação do reitor.”

“Puts, é mesmo! Nossa, eu pensei que fossemos ser pegos! Mas o Phil é liso. Ele ficou dando voltas e voltas em torno do reitor e do comitê disciplinar por tanto tempo que conseguiu os enrolar de um jeito que eles já não sabiam se éramos alunos.”

Notei que ele estava bem bêbado, mas ainda assim essa foi uma observação estranha.

“O que você quer dizer?”

“Phillip, cara, ele consegue falar como um bom jogador. Ele consegue fazer alguém acreditar que a grama é roxa. Quando eles nos questionaram, ele colocou tantas dúvidas nas cabeças deles que eles nos deixaram. Ele deveria ser advogado. Estou te dizendo, esse cara poderia fazer o Papa questionar a própria fé, de tão bom que ele é. Do mesmo jeito que aconteceu com a Leslie.”

“Leslie? Quem é Leslie?”

“Ele não te contou? Ai, merda, Isabelle, olha, eu tô bêbado. Esqueça isso. Não é nada, só um bêbado babaca falando.”

“Todd, quem é Leslie e o que ela tem a ver com Phillip?”

Todd olhou inquieto para fora, de onde Phillip estava lançando olhares tensos em nossa direção. Phillip começou a andar até nós e Todd começou a rir alto.

“Todd, que merda é essa?”

“Phillip! Hey, cara, eu estava contando aqui para a Isabelle sobre aquela vez no nosso primeiro ano em que você estava tão louco que pensou que aquela árvore velha fosse uma garota, e começou sua conversa mole.”

Phillip deu um tapa nas costas do Todd e eu ri apreensiva. Eu tinha meus dois braços cruzados protegendo minha enorme barriga, sentindo meus bebês se mexendo.

Quem é Leslie? Indo para casa, eu decidi trazer isso à tona. Phillip não poderia ir a lugar nenhum, ele não poderia decidir que essa era uma conversa estúpida e me deixar falando sozinha.

“Phillip, quem é Leslie?”

“Por quê?”

“Isso não importa. Quem é Leslie?”

“Quem te falou sobre ela?”

“Phillip! Quem é Leslie?”

“Leslie é, era, minha irmã. Ela está morta.”

“Sinto muito, Phillip. Por que só agora eu soube disso? O que aconteceu?”

“Não gosto de falar sobre isso, é por isso. Ela morreu quando era só um bebê, não é como se eu realmente a conhecesse. Podemos simplesmente esquecer isso?”

“Não, Phillip. Não podemos simplesmente esquecer isso. Por que você não me contou? Você não acha que isso é algo que o marido deveria contar a sua esposa? Você sabe tudo sobre mim! Quantos anos você tinha quando isso aconteceu? O que aconteceu?”

“Eu tinha sete anos. Meu quarto era perto do dela, e eu ouvi um barulho estranho. Fui até o quarto dela e ela estava roxa. Gritei pedindo socorro, meus pais vieram. Eles chamaram a ambulância, mas era tarde demais, ela estava morta. Naquela época, chamavam de morte no berço. Mas isso foi até o médico e a polícia questionarem meus pais e eu.

“Como assim?”

“Eles perguntaram se alguma vez eu vi meus pais batendo em Leslie. Como se meus pais sequer pudessem encostar a mão em qualquer um de nós. Eles acusaram meus pais de negligência, tentou levá-los a admitir algo que não fizeram.”

Phillip parecia pálido. Eu imediatamente me arrependi por ter sido tão dura. Segurei minha barriga e comecei chorar.

“Phillip, meu Deus. Sinto muito. Isso deve ter sido muito horrível.”

Phillip permaneceu em um silêncio impassível. Ficamos em silêncio pelo resto do caminho até em casa.

Naquela noite, ele não me abraçou na cama, como faz normalmente. Ele virou de costas para mim e caiu no sono. Embora eu tentasse me convencer que eram simplesmente memórias ruins sendo trazidas, os comentários de Todd continuavam em minha cabeça. Como o que aconteceu com Leslie. O que o jeito de Phillip falar e o tirar de problemas tinha a ver com sua irmãzinha morta?

Coisas estranhas começaram a acontecer. Eu fiquei acordada até tarde uma noite, fazendo um relatório para meu chefe. Estive trabalhando nele por semanas. Na manhã seguinte, quando eu fui passar o arquivo para o pen drive para então imprimir, ele tinha sumido. Não só o trabalho da noite anterior, todo o relatório tinha desaparecido do meu laptop. Liguei pro Phillip, apavorada. Ele disse que não se lembrava de ter me visto trabalhando nisso, mas talvez eu tivesse deletado acidentalmente. Eu sabia que não tinha deletado acidentalmente. Liguei para meu chefe, simulando um enjoo matinal, prometendo que chegaria mais tarde com o relatório. Levei o laptop para a assistência técnica, preparada para gastar o equivalente a nossa hipoteca para pagar o reparo. Infelizmente, disseram que não havia nenhum vestígio do relatório para ser encontrado. Era como se ele nunca tivesse estado lá.

Menti para meu chefe e disse que tinha pego um vírus que apagou todo o relatório. Eu prometi que ficaria até reproduzir todo o conteúdo na íntegra. Phillip disse que talvez eu tivesse feito algo acidentalmente e não lembrasse, o que ele chamou de cérebro de grávida. Eu tinha lido sobre isso, mulheres porque estavam numa loja e tal. Eu não poderia imaginar a exclusão de um relatório que meu trabalho dependia.

Então liguei para o consultório do Dr. Keats perguntando se poderia reagendar minha consulta. Que consulta? A consulta que agendei ontem e perdi. Eu estava um pouco distraída, isso era verdade. Mas não iria perder uma consulta quando estava esperando gêmeos. Remarquei para a semana seguinte, pensando que estava pior do que pensava. Dr. Keats disse que nosso garoto era maior que nossa garota. Ele me garantiu que isso era normal. Os meninos normalmente nasciam maiores que as meninas, e era perfeitamente normal um gêmeo ser maior que o outro. Perguntei quando faria outro ultrassom. Dr. Keats disse que não faria mais nenhum, a não se que algo estivesse errado, mas não estava. O que eu sabia? Não era médica.

Phillip continuou recusando discutir o nome de nossa filha. Ele disse que não ligava. Finalmente eu decidi por Jessica Marie. Nós compramos roupas no caminho de casa, eu queria dois bodies com patos amarelos. Phillip era veementemente contrário a essa ideia, ele queria roupas diferentes para os gêmeos. Não era tão importante para mim, então eu cedi. Phillip escolheu uma roupa de beisebol que dizia “Estrela do papai” na frente, com um boné macio de algodão combinando. Esqueci todas dúvidas quando ele colocou a roupinha sobre minha barriga de sete meses e disse “Henry, você já é uma estrela pro papai.” Isso foi tão bonito. Peguei um vestido rosa com margaridas roxas bordadas e um body branco para Jessica. Quando coloquei sobre minha barriga ele nem sequer olhou.

Um fim de semana, Phillip teve que sair da cidade para um treinamento prolongado. Ele estava preocupado que eu pudesse entrar em trabalho de parto antecipado quase não foi. Dr. Keats disse que o risco era mínimo, e Phillip me fez prometer que ao menor sinal eu o chamaria. Prometi que daria um tempo com a decoração. Ele não queria correr o risco de algo caindo sobre mim. Meus pés e tornozelos começaram a inchar, então eu não estava muito interessada em colocar papéis de parede. Eu tinha sido colocada em repouso na cama, já que estava chegando ao fim da gravidez e Dr. Keats estava preocupado. Ele me disse que os gêmeos são automaticamente considerados de alto risco e "na minha idade" o risco era ainda maior. Ele me queria deitada, tanto quanto possível. Como Phillip tinha ido, eu não estava pensando em estar de pé por horas a fio tentando tirar algum tornado de poeira dos topos dos armários da cozinha.

Por volta de uma hora da tarde, a campainha tocou.

"Todd! O que você está fazendo aqui?"

"Phillip queria que eu checasse você, por isso estou aqui."

"Você levou viajou horas para vir checar se estou bem?"

"Connecticut fica chato, de qualquer maneira. Excesso de dinheiro, velho sangues azuis correndo por aí. E agora é o momento do ano em que seus filhos estão voltando para casa da faculdade e isso só me faz lembrar quantos anos eu tenho."

"Você não ouviu? Trinta e cinco é o novo vinte! Entre."

Todd se mostrou muito interessado quando eu mostrei a ele a casa e se emocionou no quarto dos bebês. E enquanto eu estava razoavelmente certa de que ele não dava a mínima para o fato de que eu acabei escolhendo patos amarelos para o tema, ele pelo menos fingiu que ele estava.

"Phillip me contou o que aconteceu com Leslie." Finalmente disse, meu corpo reduzido para baixo no sofá com os pés inchados apoiados sobre a mesa do café.

"É mesmo? O que ele disse? "Todd perguntou com um olhar interessado.

"Que isso aconteceu quando ele tinha sete anos, ele ouviu um barulho estranho e quando ele encontrou sua irmã, seu rosto estava roxo. Ele disse que ela morreu. Mas ele disse que os policiais realmente duvidaram de seus pais."

"Isso é o que ele te disse?"

"Ah, sim. Por quê?" Eu estava começando a pensar que havia algo de errado com Phillip. Toda vez que eu falava sobre os bebês era como se não existisse a nossa filha, ele apenas dizia que era porque ele queria tanto um menino que seria necessário um tempo para se acostumar. Eu queria acreditar nele. Mas caramba, ele agiu como se Jessica não estivesse mesmo lá. Como se fosse apenas Henry me chutando e me fazendo ir ao banheiro a cada dois minutos.

"Bem, metade disso é verdade. Os policiais duvidaram deles, e que acabou sendo determinada a morte de berço. Mas, como Phillip encontrou? E por que eles foram todos questionados? ESPECIALMENTE Phillip? Olha, Isabelle, isso pode não ser da minha conta. Mas eu sei que você está grávida de uma menina e um menino. E eu sei que Phil e eu, somos um caminho sem volta, sabe? Mas eu acho que você deve saber por que você nunca ouviu falar de Leslie e porque ele quer tanto um filho."
_________________________________________________________________________________

CONTINUA...


15 comentários:

  1. Postem mais rápido por favor otima creepy *---*

    ResponderExcluir
  2. Acho que leslie era amante dele :v ta essa foi péssima parei ;--;

    ResponderExcluir
  3. Eita... Ta ficando muito interessante! Tomara que não demorem muito pra postar a próxima parte

    ResponderExcluir
  4. Mano ta interresante espero que postem a outra parte mais rapido

    ResponderExcluir
  5. Primeiro Leslie, depois Jessica, dai o mundo *-*

    ResponderExcluir
  6. "Disia" foi cruel mesmo, desculpa, gente!

    ResponderExcluir
  7. A creepy é super interessante mas com tantos erros de português e continuidade fica muito desconfortável de se ler, sei que tem pressa e pouco tempo pra traduzir, mas sempre que der tenta dar uma revisada no texto, abçs

    ResponderExcluir
  8. A creepy é super interessante mas com tantos erros de português e continuidade fica muito desconfortável de se ler, sei que tem pressa e pouco tempo pra traduzir, mas sempre que der tenta dar uma revisada no texto, abçs

    ResponderExcluir
  9. Obrigada pela dica, Victor.
    Você pode apontar onde estão os outros erros?

    ResponderExcluir