05/08/15

Minha esposa não queria que eu entrasse no nosso quarto

Fiquei me perguntando se ela tinha tido algum pesadelo onde eu morria ou algo do tipo, ou talvez tivesse recebido alguma mensagem com notícias trágicas. Quando finalmente se acalmou um pouco apenas disse "Vamos apenas ficar sentados juntos um pouco".

"Quer me falar o que aconteceu?" Perguntei. Ela pareceu pensar um pouco, mas recusou. "Não. Só quero passar um pouco de tempo com você".

"Estou cansado", falei me espreguiçando. "Vamos pra cama". "Não!" quase berrou. "Não. Não quero ir para o quarto agora". Fiquei preocupado, mas minha esposa era um tanto excêntrica, até um tanto infantil. Talvez voltar para lá fosse a fazer lembrar do pesadelo que teve?

Ficamos sentados no sofá conversando. Sobre tudo que fosse possível (exceto aquilo que a tinha chateado). Jogamos vídeo game. Ela fez café, comemos algumas sobras de ontem. Rimos, relembramos bons momentos do começo da nossa relação. Nem percebemos quando o dia começou a raiar e já eram 7 horas da manhã. "Querida, estou muito cansado e tenho certeza que você também. Vamos dormir um pouco para não desperdiçar todo o nosso sábado?"

"Não! Não podemos! Por favor!" Ela chorou. "Por que?" perguntei, "qual o problema?"

"Nós não podemos entrar lá. Por favor. Se entrarmos estará tudo acabado". Falou com os olhos enchendo de lágrimas. 
"Que? O que tem no quarto?!" (Fiquei realmente confuso. Ela teria quebrado alguma das minhas esculturas e estaria com medo que eu ficasse bravo?)

Houve um longo silêncio enquanto ela lutava com os soluços, até que...

"Meu corpo está lá! Estou morta, Prakash. Eu vi meu corpo morto, jogado na cama. Quando você ver, estará tudo acabado."

Achei aquilo até demais. Era óbvio que tinha tido algum pesadelo que estava acreditando ser real.

"Ah, querida, não, não. Foi só um pesadelo. Está tudo bem." Abracei-a enquanto ela chorava. "Você está apenas com sono. Vai se sentir melhor quando acordar. Prometo."

Ela acenou com a cabeça e andou em silêncio comigo até o quarto. Apontei para o quarto vazio, sem nenhum cadáver. "Viu? Foi só um sonho. Vamos nos deitar". Me joguei na cama e virei em direção a ela para conversar até adormecer. Ela deitou do meu lado e fechou os olhos.

"Então, como foi o tal sonho?" Perguntei, mas ela não respondeu. "Diane?", a chamei. "Você realmente dormiu assim tão rápido?" Dei uma risada. Cutuquei-a no ombro e ela continuou parada. Logo percebi que os lábios dela estavam um tanto azulados. Depois vi que não estava respirando. 

Claro que entrei em pânico
.
Claro que chamei a policia. 

Ela tinha apensar 27 anos de idade. Uma aneurisma enquanto dormia. O legista falou que ela já estava morta faziam cinco ou seis horas antes de eu encontrar o corpo. Eu sinto tanto sua falta. Espero que minha promessa tenha se cumprido - que ela esteja se sentindo melhor seja lá aonde tenha acordado. 


7 comentários:

  1. eu deixava o quarto fechado o resto da vida e saía viajando o mundo com ela

    ResponderExcluir
  2. Pois é, e é por isso que você sempre escuta sua esposa.

    ResponderExcluir
  3. Eu mesmo teria matado ela se não me deixa se dormir

    ResponderExcluir
  4. ''Ela tinha APENSAR 27 anos de idade.''

    ResponderExcluir
  5. Creepypasta Brasil tem um canal que também faz creepypastas assim em esquetes. https://www.youtube.com/c/Horrosfera

    ResponderExcluir