22/01/2015

Hyper Cola

Eu prefiro não falar sobre os dias em que trabalhei para a Coca Cola. Entretanto, sinto que é meu dever revelar os segredos doentios dessa companhia. Para eles, nunca houve qualquer problema em atormentar, torturar e até mesmo matar se isso garantisse que seus negócios não fossem prejudicados.

Não faz muito tempo - talvez em 2009, se me lembro bem - eu estava me tornando um funcionário de respeito pela minha diligência e habilidade. O chefe do nosso setor me promoveu para ver o novo projeto que estava sendo testado: Hyper Cola. Energéticos estavam cada vez mais populares, e a Coca não tinha nenhum produto nesse campo. Hyper Cola seria o primeiro.

Eu não sabia muito bem quais eram os ingredientes da Hyper Cola, uma vez que meu trabalho era de marketing. Eu sabia, entretanto, que a intenção era criar um produto extremamente viciante. Depois de conversar com a equipe desenvolvendo a bebida, nós concluímos que a única coisa de que ainda precisávamos era da opinião dos consumidores.

Diversos beta testers, dos mais novos aos mais velhos, dos mais baixos aos mais altos, chegaram. Eles experimentaram a bebida, e disseram que o gosto era ótimo. Depois do teste do sabor, nós levamos todos (15 pessoas, se me lembro bem) para uma sala enorme. Haviam cestas de basquete, escorregadores enormes, até mesmo frisbees. Havia espaço suficiente para exercícios. Depois de fechar a porta, nós ficamos olhando por uma janelinha, curiosos para ver quais seriam os efeitos da Hyper Cola.

Os idosos estavam andando ligeiro, as costas não mais arqueadas. Pareciam muito mais ativos que antes. Os mais jovens estavam correndo, pulando, jogando basquete, mas um deles estava parado, no canto, encarando a parede. Parecia estranho, mas no fim das contas todos os outros estavam mais empolgados que ele, então não demos importância. Um casal idoso começou a fazer jogging, dois irmãos começaram a jogar frisbees, haviam até mesmo dois homens de meia idade disputando uma partida de basquete; agora, entretanto, haviam duas pessoas paradas num canto, de costas para nós.

A segunda pessoa era mais velha, tinha pelo menos sessenta anos. Os dois indivíduos eram baixos e pareciam exaustos, sem vida até. Não sabíamos se estavam cansados da atividade ou se estavam meramente fazendo uma pausa. Não tínhamos certeza, é verdade, mas algo estava me deixando um tanto nervoso e preocupado. Decidimos enviar um funcionário para verificar o que acontecia.

Enquanto ele andava na direção da dupla, outras pessoas se uniram a eles. Acho que pelo menos três outras pessoas já haviam ido para o mesmo canto quando o funcionário chegou lá. Parecia que, aos poucos, todos iriam se dirigir para aquele mesmo canto. Quando o empregado chegou até eles, nós encaramos aquela pequena área, tensos. Ele lentamente ergueu o braço, e, olhando para uma garota, tocou de leve em seu ombro. "Está tudo bem, moça?"

Ela se virou para ele. Sua aparência era assustadora. De pé, encarando o funcionário com seus enormes olhos completamente vermelhos, ela lambeu sua pele bastante pálida com um sorriso enorme. Seus lábios pareciam se esticar por toda sua face, seus olhos cada vez mais abertos, e as pupilas englobavam todos seus olhos. Lábios trêmulos, pele sem qualquer cor e pupilas dilatadas ao extremo, ela respondeu, "Socorro." Sua voz estava inquieta e ela tremia da cabeça aos pés. E isso foi tudo que ela pôde dizer antes de desmaiar.

Outros desmaiaram juntos e em pouco tempo, todo o grupo estava caído, empilhado no canto daquela sala. Os funcionários correram para resgatá-los, colocando-os em quarentena. Uma vez em quartos separados, cada paciente parecia mais perto da morte. Suas peles não tinham qualquer cor, e quase todos constantemente vomitavam aquela substância viscosa, amarelo neon. Começaram a falar coisas sem sentido e a agir de maneira estranha.

Um dos pacientes começou a arranhar as paredes, e não parecia querer parar. Ele estava dedicado àquela missão, e parecia temer por sua vida. Seus lábios quebradiços se abriram, revelando seus dentes podres enquanto ele gritava "Socorro, socorro!" Ele continuou arranhando as paredes até que suas unhas quebraram e sua carne começou a rasgar. Nós imobilizamos este homem, mas só depois de sedá-lo e amarrá-lo é que percebemos que ele já havia exposto  os ossos de suas mãos. Sua pele descascou completamente, e suas mãos estavam banhadas em sangue. Estava mesmo determinado a fazer o que quer que fosse.

Os outros pacientes pareciam cada vez mais insanos, correndo em volta de seus quartos, banhados em suor. Depois de um dia ou dois, nossa equipe médica conduziu testes nesses pacientes. Foi confirmado que havia uma substância desconhecida na bebida causando a deterioração e apodrecimento dos cérebros dos pacientes em velocidade acelerada. E no entanto, a única coisa que os mantinha vivos eram os demais produtos químicos da bebida. Os médicos disseram que poderiam resolver aquele problema, mas os efeitos da bebida continuariam para sempre nos organismos das vítimas.

Os cientistas da companhia correram para fazer diversos testes na bebida, tentando encontrar uma resposta. Infelizmente, não havia nenhuma. Os pacientes receberam alta, e agora pareciam não lembrar de nada do que ocorreu durante aquele período. A empresa, chocada, ordenou que nunca falássemos do assunto com ninguém.

Ao contrário dos demais, entretanto, eu acompanhei a vida desses pacientes. Fiz algumas pesquisas e descobri algo aterrorizante. Todos eles haviam morrido depois de sair do prédio. Isso era ruim o bastante, mas o pior de tudo era que todos haviam morrido exatamente no mesmo dia. O dia em questão era o mesmo dia do prazo de validade das garrafas de Hyper Cola. Aquilo me enervou bastante.

O projeto foi jogado debaixo do tapete devido à sua periculosidade. A companhia, é claro, tratou de se proteger, mas com sua fama e tamanho, não foi muito difícil. A Coca Cola deletou todos os traços da Hyper Cola de todos os cantos. Especulações foram desmentidas, e artigos sobre o "suposto" produto foram removidos. E, como eu disse, ninguém na empresa jamais falou sobre esse assunto. Ninguém exceto eu. Eu não me surpreenderia se esse texto fosse removido. Afinal, a Coca Cola vem fazendo um trabalho maravilhoso para esconder todo esse projeto do público.

13/01/2015

Creeper da Semana: Carlos Alberto


Idade: 25 Anos

Estado: Rio de Janeiro

Como Conheceu o Blog/Por que gosta de Creepypastas: Como conheceu o blog/porque gosta de creepypastas: Sempre adorei histórias e contos de terror. Quando era pequeno sempre assistia "Are You Afraid of The Dark" (Clube do Terror para quem assistia na Nickelodeon xD) e chegando à idade adulta me tornei um leitor assíduo de Edgar Alan Poe e Stephen King. Acompanhava sites estrangeiros de creepypastas, até que resolvi procurar um em português (tenho um bom inglês mas sou preguiçoso demais para ficar muito tempo traduzindo textos :D). O primeiro link que veio com a pesquisa foi o da CPBr, e desde então não parei mais de acompanhar!

Contato

Facebook: http://www.facebook.com/mr.playsson

(Creeper de Semana - 12/01/2015 à 18/01/2015)

Quer se tornar o próximo Creeper da Semana? Clique aqui e saiba como!


06/01/2015

ANO NOVO, VIDA NOVA! MUITAS NOVIDADES E ESCLARECIMENTOS!

Primeiramente, feliz natal e um feliz 2015 atrasado pra todo mundo!

Esperamos que esse ano tenha sido um ótimo ano pra todos vocês. Pessoalmente, 2014 foi um ano muito complicado, conturbado pra mim, recheado de coisas novas, algumas boas e outras não tão boas assim. Novos rumos, novos obstáculos, novas amizades, novas brigas, novas responsabilidades. Sem entrar em muitos detalhes, pessoalmente, foi um ano bastante complicado desde de Janeiro, até o final. Correria pra arranjar emprego, problemas financeiros e pessoais tensos, e claro, preocupação máxima com o blog e o canal, no sentido de atualizar semanalmente, editar, gravar, renderizar, etc. Tudo isso custou muitas de minhas madrugadas, mas vendo o numero de seguidores tanto do canal quanto do blog, e que esse numero continua a crescer constantemente, é muito mais do que satisfatório pra mim, pra todos nós.

É claro que, como todo começo de ano, temos nossas metas a serem atingidas, e nesse ano não poderia ser diferente. Já tenho minhas metas pra esse ano, como comprar um carro, conseguir um trabalho que eu goste e que ganhe bem (essa meta, felizmente, consegui lol), entre outras coisas. Uma dessas metas, e a principal pra mim, é dar mais atenção e prioridade ao canal e ao blog, alavancar tanto a qualidade quanto o reconhecimento de ambos, pois sim, reconhecemos que 2014 foi um dos piores anos pro blog, com pouca frequência de postagens, muitas creepypastas dos fãs que acabaram desgastando bastante, e a falta de mudanças, devido ao fato de ter sido um ano complicado não só pra mim, mas pra todos os integrantes do blog. Pois bem, já conversei com a Divina sobre isso, e estaremos já começando a trabalhar nisso nesse começo de ano, pois escutem o que eu digo: 2015 vai ser o ano em que vamos arregaçar!

Entre as mudanças do CPBr, estão:

- Nova cara e layout do CPBr, para dar uma "refrescada" no blog;
- Novos tradutores para ajudar na frequência de postagens (nossa intenção é voltar a postar diariamente, diversas por dia);
- Mais métodos de divulgação e melhor interação com vocês, com destaque a atenção também ao feedback de todos (para que isso ocorra com mais facilidade e profissionalidade, estaremos deixando nossos facebook's SOMENTE para fins pessoais, então se você acompanha nosso trabalho e quer passar dicas, sugestões ou somente trocar uma ideia conosco, pode nos contatar pelas fanpages do blog e do canal, respectivamente);
- Playlist de musicas totalmente renovado;
- Creepypastas foderosas e aterrorizantes, daquelas que te deixaram com medo de passar pelo corredor pra ir ao banheiro de madrugada.

Gostaram? Esperamos que sim! Agora, vamos às novidades pro canal:

- Novas séries macabras, que tem tudo e mais um pouco a ver com o blog, fazendo com que ambos se intercalem mais (sem spoilers, mas temos certeza que vocês irão adorar!);
- A primeira temporada do ARQUIVO CP continuará firme e forte, dessa vez será lançado com mais frequência, agora que eu e os outros editores, Beluga e Argentino, conseguimos nos organizar melhor. Já temos diversos episódios gravados e estamos trabalhando na edição desde já;
- Diferente programa de edição, fazendo com que os videos tenham uma qualidade melhorada, em quesito de estética de edição e resolução;

Por ultimo, tenho só mais uma coisinha a abordar, também sobre o canal... Muitas pessoas especularam nos comentários do último Creepy Video que esse era o ultimo episódio da série, ou até mesmo do canal. Pois bem, estou aqui pra dar algumas satisfações a respeito do caso, pois não acho legal deixar vocês que acompanham tudo no escuro.

Sim, os Creepy Videos e os Maldições e Reações estão se despedindo... Por enquanto. Fiquem tranquilos que nunca descartaremos a possibilidade de voltar a grava-los, mais pra frente, caso as coisas se acertem pra todo mundo, mas isso ocorreu devido a uma série de fatores. Um deles foi que com a quantidade de problemas que estavam ocorrendo no ano de 2014, acabou que isso foi desanimando um pouco a gente, pois estava sendo mais por obrigação do que por diversão, e acho que quando passa a ser por isso, simplesmente você não está fazendo videos pela razão correta.

"Okay então, vamos dar um tempinho, depois voltaremos com tudo", foi o que pensamos. Decidimos dar foco total ao Arquivo CP durante o tempo, e ir subindo os Creepy Videos já gravados aos poucos. 

Porém, dentro desse tempo, começaram a ocorrer muitas merdas, e isso em especifico eu vou deixar em off, pra preservar todo mundo, pois ai é algo pessoal demais para expor aqui. Só digo o seguinte: Quase todos nós de toda a equipe recém criada fizemos merdas ao decorrer de toda essa jornada, porém, duas pessoas fizeram uma merda tão feiaem especifico que nos custou um integrante, e não será possível gravar esse tipo de videos sem ele.

Por essa razão, vamos dar continuidade ao Arquivo CP (cujo tem o potencial de virar algo grandioso dentro do Youtube futuramente, já que o pessoal aparentemente adorou e deu criticas e feedbacks super construtivos para os episódios futuros), começar séries novas, diferentes do que você já viu e que tem tudo a ver com Creepypastas, com diferenciais a mais. Não posso revelar mais, porém ainda em Janeiro, vocês verão do que estou falando. E temos certeza de que vocês vão adorar.

Pois é, como podem ter visto... Não foi um ano nada fácil, e por essa razão, vamos começar esse ano com tudo. E meu conselho é que vocês façam o mesmo: Corram atrás de seus sonhos, suas metas. Lutem por isso então deixem pra depois, e o mais importante, valorizem as pessoas que estão do seu lado, especialmente sua família e seus melhores amigos, pois isso não se troca por nada nesse mundo... Nada.

É isso ai galera, vamô que vamô, e que 2015 seja do caralho pra todos nós!

Grande abraço, até a próxima, and Keep Creepying!!!


Creeper da Semana: Raíssa Bastos


Idade: 12 Anos

Estado: São Paulo

Como Conheceu o Blog/Por que gosta de Creepypastas: Logo depois de descobrir o que eram CreepyPastas (eu já havia lido uma, a do episódio perdido de Hora de Aventura), procurei rapidamente uma sobre My Little Pony, e encontrei, no blog da CreepyPasta Brasil, o Creepy Video do Luna Game, e conheci o Alex, Gabriel e Maurício, e, acredite, fiquei realmente muito fã deles, a ponto de criar uma conta no Gmail chamada “Pôneis do Alex, Maurício e Gabriel”. Por culpa de VOCÊS, eu virei brony ^^

(Creeper de Semana - 05/01/2015 à 11/01/2015)

Quer se tornar o próximo Creeper da Semana? Clique aqui e saiba como!


01/01/2015

Minha namorada morta me manda mensagens no Facebook

Minha namorada Emily morreu no dia 7 de agosto de 2012.

Acabei de receber outra mensagem, e ela é pior do que as outras. Ela sofreu um acidente envolvendo 3 carros. Alguém atravessou um sinal vermelho enquanto ela dirigia pra casa do trabalho. Ela morreu em questão de minutos na cena do crime.

Nós estávamos namorando há cinco anos quando isso aconteceu. Ela não curtia muito toda aquela ideia de casamento (ela dizia que sentia como se fosse algo arcaico, que lhe dava uma sensação estranha), mas se curtisse, eu teria me casado com ela com cerca de 3 meses de namoro. Ela era corajosa; o tipo de garota que sempre fazia as escolhas mais ousadas. Sempre ficava feliz quando acampava, mas também era uma verdadeira viciada em tecnologia. E ela sempre cheirava a canela.
Dito isto, ela não era perfeita. Sempre dizia coisas do tipo "Se eu morrer primeiro, não adianta ficar dizendo coisas boas sobre mim. Nunca gostei disso.” ou “Se você não me pagar, está me fazendo um desserviço” e “Eu tenho muitas falhas, e isso é apenas outra parte de mim". Então, isto é pra Emily: a música que ela dizia que gostava e a musica que realmente gostava de verdade eram totalmente diferentes. Sua ideia de afeto era somente um abraço comum. Ela tinha dedos muito longos, como um chimpanzé.

Sei que isso é superficial, mas não me sinto bem se você não tiver uma ideia de como ela era. Emily havia morrido a certa de 13 meses quando me mandou a primeira mensagem.

04 de Setembro de 2013


Isto foi quando tudo começou. Eu havia deixado a conta do Facebook de Emily ativada pra que eu pudesse enviar-lhe mensagens ocasionalmente, postar em seu mural, rever suas fotos... Parecia muito conclusivo (e muito diferente do que Emily iria querer) fechar sua conta e deixar somente as lembranças. Eu compartilhava o acesso com sua mãe (Susan) - ou seja, ela tinha o login e senha, e passou somente 3 minutos naquela conta (ou num computador, afinal). Após uma pequena confusão, pensei que fosse ela.

06 de Novembro de 2013


Susan me confirmou que ela não tinha entrado no perfil de Emily desde a semana de sua morte. Emily conhecia muita gente, então imaginei que fosse somente algum amigo ou amiga dela mexendo comigo da pior maneira possível.


Por volta de Fevereiro de 2014, Emily começou a se marcar nas minhas fotos. Eu recebia notificações sobre as marcações, mas elas normalmente eram removidas assim que chegava a abrir a imagem. A primeira vez que eu realmente cheguei a ver uma, senti como se alguém tivesse me dado um soco no estômago. “Ela” me marcava em partes onde plausivelmente era poderia estar, ou gostava de ficar. 

Consegui tirar dois prints (um de Abril e um de Junho, que foram os únicos que eu consegui ver, por isso estão um pouco fora da linha do tempo desse texto).

Nesse período, comecei a perder meu sono. Estava puto demais pra dormir.

Ela se marcava em fotos aleatórias ao longo das semanas. Os amigos que notaram diziam que era somente um bug estranho do Facebook; Descobri recentemente que teve amigos que notaram, mas que não me disseram nada sobre isso. Alguns deles até mesmo me removeram de sua lista de amigos.

Neste ponto, você deve estar se perguntando: “Por que você não simplesmente desativou aquela conta do Facebook?”. Olha, bem que eu queria ter feito isso. Eu realmente queria. Só que nos dias em que eu não podia sair de casa, era bom ter alguém com quem pudesse conversar. Era bom visitar a página de Emily quando aquele pequeno ponto verde não estava ao lado de seu nome. Eu já era socialmente recluso quando ela estava viva; sua morte me transformou em algo muito próximo de um ermitão, e o Facebook e Jogos Online sempre foram (são) minhas únicas saídas do mundo real.

15 de Março de 2014


Enviei uma mensagem ao que eu achava ser o hacker de Emily.

Em 25 de Março, recebi uma “resposta”.


Não demorou muito mais do que alguns meses repassando por todo o bate-papo que eu descobri que ela estava reutilizando minhas próprias palavras também.

Minha resposta parece meio sem graça aqui. Eu estava intencionalmente fornecendo a ela/ele uma “isca” emocional (“Isso é horrível”) pra mantê-lo interessado no seu joguinho de merda; Eu havia imaginado que o tipo de pessoa que faria isso seria o mesmo tipo de pessoa que sente prazer com o sofrimento dos outros. Estava navegando em fóruns de tecnologia, tentando encontrar uma maneira de achar essa pessoa, contactando o Facebook. Precisava mantê-los por perto se eu quisesse recolher “evidencias”.

Eu cheguei até a mudar minha senha e detalhes de segurança diversas vezes.

16 de Abril de 2014

Eu recebi isso:


29 de Abril de 2014


Não descobri nenhuma pista. O Facebook havia me dito os locais de onde a pagina de Emily foram acessadas, mas desde sua morte, todos são lugares onde pude ter acesso (minha casa, meu trabalho, a casa de sua mãe, etc).

Minha resposta não era isca. "Pergunte ao Nathan" era uma piada interna muito ruim para que eu explique pra vocês, mas vê-la dizendo novamente foi absolutamente incapacitante. Minha reação foi de choque total.

Suas ultimas mensagens começaram a me assustar, mas não quis admitir isso, até agora.

8 de Maio de 2014

Eu não tenho nem palavras pra descrever isso...


“CONGE LAN DO” foi a primeira palavra original que ela (?) havia dito. Isso me deu pesadelos que não vão acabar tão cedo. Eu ainda continuo sonhando que ela está presa dentro de um carro, congelado e acinzentado. Estou do lado de fora da porta do carro no calor, gritando para que ela saísse dali. Ela nem percebe que eu estou lá. Às vezes, as pernas dela estão do lado de fora comigo.

24 de Maio de 2014


Eu não estava bêbado de verdade. Emily não era uma garota carinhosa, e sempre se envergonhava quando trocávamos dengos do tipo “eu te amo”, quando falávamos o quanto nós significávamos um para o outro. Ela ficava mais confortável com isso quando eu estava bêbado. Já fingi estar bêbado MUITAS vezes.

Sua resposta foi o que finalmente me convenceu a desativar sua pagina, pensando que poderia colocar um fim nisso. Pode parecer algo inofensivo, sua mensagem anterior – foi tirada de uma conversa antiga, onde eu estava tentando convencê-la a me deixar levá-la para casa, quando ela estava vindo embora da casa de uma amiga dela.

Na colisão, o painel a esmagou. Ela fora cortada em uma linha diagonal de seu quadril direito até logo abaixo de sua coxa esquerda. Uma de suas pernas foi encontrada debaixo do banco traseiro.

07 de Agosto de 2012


Voltando no tempo...

Estas são as mensagens que eu enviei pra ela no dia em que ela morreu. Normalmente, ela chegava em casa lá pelas 16:30. Essa, juntamente com algumas mensagens de voz, foi a ultima vez que falei com ela sabendo que estava viva. Você entenderá logo menos porque estou lhe mostrando isso.

01 de Julho de 2014

Recebi essas mensagens ontem:


Desativei sua pagina alguns dias após a mensagem sobre "andar". Até hoje, ela ficou quieta; parou até mesmo de se marcar nas minha fotos.

Eu não sei mais o que fazer. Será que devo excluir seu perfil? E se for ela? Sinto como se fosse vomitar. Não sei o que está acontecendo.

Acabei de receber uma notificação, ouvi o som de mensagem. Estou com muito medo de trocar de aba e verificar.

Eu verifiquei o alerta. Essa foi a mensagem...


Essa é a minha porta...

Esse é o meu computador...

Esse sou eu...

Recebi essa mensagem três horas atrás, mas não quis verificá-la até agora...

Agora estou legitimamente assustado. Não faço ideia de quem tirou essa foto.