21/03/16

Acredito que o nosso universo acabou de colidir com outro (PARTE 1 de 2)

Essa creepypasta contém palavreados e expressões pesadas que podem não ser apropriadas para menores. 

-
Ok. Então, a coisa mais esquisita aconteceu comigo e meus amigos hoje. Estou tão confuso e não sei mais no que acreditar. Só preciso contar isso para alguém, e acho que a melhor maneira é postar anonimamente. Pelo menos por agora.

Você precisa saber só de três coisas:
  1. Meu nome é Erik.
  2. Nesta semana minha turma está estudando para as provas finais que ocorrem em Maio. Não temos aulas.
  3. Nellie é minha colega de estudos. Nós dois temos dificuldade em estudar em casa, então nos encontramos na escola para estudar juntos. Somos amigos (e nada mais que isso) e estamos estudando assim pelas últimas semanas que se passaram. Nossa professora foi gentil suficiente para nos emprestar a sala de conferencia que raramente é usada. 

Então hoje nos encontramos nos nossos armários. Mandei uma mensagem de texto para ela dizendo que chegaria as 09:20, então ela estava lá esperando por mim. Enquanto ia para a sala de conferência da escola, Nellie me diz que tem que imprimir algumas coisas (resumos do assunto provavelmente, ela sempre faz impressões destes). Ela manda eu ir direto para lá porque "tem muitas coisas para imprimir".

Então eu vou, e quando chego lá vejo algo que me choca. Veja bem, a porta da sala de conferências tem uma grande janela de vidro transparente, e eu conseguia ver Nellie lá dentro. Estava lá, sentada, com todos seus livros e materiais de estudo perfeitamente arrumados sobre a mesa.

A não ser que ela tenha corrido o mais rápido possível, passando pela lancheria dos professores, não havia um jeito de ter chegado ali mais rápido que eu sem passar por mim. De qualquer forma, abri a porta e dei um passo para dentro. Me lembro perfeitamente, porque aconteceu hoje mais cedo. Então aqui está a minha melhor tentativa de transcrição da nossa conversa que aconteceu lá.

Eu: Como você chegou aqui tão rápido?

Ela: Hm, oi para você também, Erik. E estou aqui desde as oito da manhã. Onde você estava?

Eu: Você só pode estar zoando. Não existe nenhuma possibilidade de você ter chegado aqui antes de mim e organizado todas suas coisas. Como você fez isso? 

Ela: Mas do que você está falando?!

Eu: Você jura que isso não é uma brincadeira?

Ela: Juro se você me explicar o que está acontecendo.

Eu: Acabei de chegar na escola com você a dez minutos atrás! Você disse que precisava imprimir umas coisas e me mandou vir pra cá antes, mas agora você já está aqui! Não é possível. 

Ela: Você tá drogado? Como você mesmo diz, isso não é possível. Então como você quer que eu acredite nisso? Não vou cair nessa, Erik. 

Eu: Eu... (Nesse momento eu já estava começando a surtar) Meu Deus! O que está acontecendo? Você tem uma irmã gêmea ou uma doppelganger ou algo do tipo?

Ela: Não, e eu juro por Deus, amor, que é melhor você parar de brincar com isso porque está começando a me assustar!

(Espera aí, que?)

Eu: Você me chamou de "amor"?

Ela: Sim? Eu não devia?

Eu: A gente nunca se chamou assim? O que tá rolando?

Ela: Erik. Agora fala sério. Se isso é uma piada, pode parar agora mesmo. Não tem graça.

Eu: Eu não estou brincando! Você está? Me chamando de "amor" e contratando uma doppelganger para me matar de tanto medo?

Ela: Nós estamos na porra de um relacionamento! Não posso mais te chamar de "amor"?! E ainda não faço ideia quem é essa gêmea que você está falando!

Eu: Que porra é essa? Nós não estamos em um relacionamento!

Ela: Puta merda, você está terminando comigo?

Eu: Que? Não... Eu...? Só que... O que está acontecendo?!

Nesse momento aconteceu uma pausa longa. Nellie está se levantando, tão ferrada emocionalmente quanto eu. Aparentemente eu estava terminando um relacionamento com a minha melhor amiga sendo que eu nem sabia que estávamos namorando.  

Eu: Acho que estou enlouquecendo. Então, preciso que você seja honesta. Me prometa que não vai falar nada além da verdade.

Ela começa a se acalmar, parecendo trocar seus pensamentos de "ele está terminando comigo" para "ele não está bem da cabeça".

Ela: Prometo se você prometer.

Eu: Okay. Eu prometo.

Ela: Eu também, então.

Eu: Nós estamos namorando?

Ela: Estamos desde o Natal. Você não se lembra de verdade?

(Eu repito: que porra é essa? Eu estava muito certo na minha mente que isso não era verdade. Mas eu a conheço e sei que ela não levaria uma brincadeira tão longe, especialmente jurando só falar a verdade. Eu estava começando a acreditar.)

Eu: Não, não lembro de nada disso. Nas minha cabeça, nós só somos bons amigos. Nunca chamamos um ao outro de "amor" de uma forma não irônica, nunca nos beijamos, nunca "tocamos" um no outro"ou mostramos sinais sérios de afeição.

Ela: Nós fizemos tudo isso! Como você pode esquecer? 

(MAS QUE PORRA?!)

Eu: Hmm... Não sei. Será que partes da minha memória foram bloqueadas? Talvez eu esteja em estado de fuga e na minha cabeça eu seja outra pessoa...

Ela: Então você está falando 100% sério comigo?

Eu: Sim! Minha mente está uma bagunça nesse momento.

Ela: Então... Me desculpa por ter gritado com você, querido. Você tem que entender que fiquei chateada... Achei que você estava terminando comigo!

Eu: É, também sinto muito... querida. 

Eu fiquei bem incerto com esse "querida" mas decidi que Nellie merecia ouvir sendo que parecia bem perturbada com a situação. Talvez ela estivesse mesmo falando a verdade? Eu sabia que não era uma brincadeira. Ela realmente estava preocupada. Então, andou até mim e me abraçou, ainda falando.

Ela: Suas memórias não voltar logo, eu espero.

Eu: É. Talvez alguma prova pudesse despertar minha memória? Você tem alguma foto nossa aí que possa me mostrar?

Houve um silêncio, como se ela estivesse considerando e pensando em suas opções. A escolha que ela fez estará para sempre marcada em meus pensamentos.

Ela: Talvez isso ajude?

Ela me segurou e me olhou nos olhos. E então... Ela me beijou! Não foi um beijo rápido e charmoso, não. Foi um beijo longo e muito apaixonado. Eu queria empurrá-la, mas estava em choque. Além do mais, se estivesse falando a verdade (que eu estava quase acreditando) eu podia tentar "acender" minhas memórias de volta com aquele beijo.

Quando ela parou de me beijar, olhei em direção a janela da porta e vi o inacreditável. Lá estava ela: Nellie. Nas suas mãos, os papéis que tinha ido imprimir. Olhei de volta para Nellie na minha frente.

Ela: E aí? Lembrou de alguma coisa?

Eu: Meu Deus do céu.

Ela: O que?

Eu fica indo e voltando com os olhos da Nellie que estava na minha frente com a Nellie que estava na porta. Para referência, a Nellie original que estava na porta será chamada de N1 enquanto a Nellie que me ama será chamada de N2. N2 eventualmente percebeu que eu estava olhando para o outro lado e se virou e os olhares delas se encontraram.  N2 arfou, e N1 apenas observou em silêncio. Uma eternidade depois, N1 abriu a porta e entrou na sala. 

N1: Quem é você?!

N2: Nellie. Você é igualzinha a mim, que porra é essa?

N1: Eu sou a Nellie! Isso é uma brincadeira? 

N2: Eu que te pergunto!

Nesse momento eu já tinha certeza de que não era uma brincadeira. E se fosse, era uma brincadeira de Deus. 

N1: O que está acontecendo? Porque vocês se beijaram?!

N2:Porque nós namoramos?

N1: Mas que merda é essa? Erik?!

Eu: É que.. hmrrm...

Eu não queria ficar do lado de ninguém. Eu só estava muito, mas muito, MAS MUITO confuso (e na verdade o beijo não tinha sido ruim).

Eu: Ela disse que nós estamos juntos desde o Natal. Eu não sei no que acreditar!

N2: Nós estamos! Você ainda não se lembra?

Eu: Desculpa, eu não... não tenho certeza...

N1: Isso é loucura! Como você pode ser igual a mim? Você é eu de verdade?! 

N2: Não me pergunte! Diga algo que somente eu saberia. 

N1: Hm... Ah! Erik, você tem que jurar não falar isso para ninguém.

Eu: Juro.

Nesse momento, N1 falou algo realmente muito intimo que francamente prefiro não revelar aqui, mas N2 sabia exatamente do que se tratava e ainda complementou a informação. 

N1: Ai meu Deus. Você é eu.

N2: Que porra é essa?

Houve um momento de silêncio. Acho que nenhum de nós sabia muito bem o que dizer naquele momento. Não era uma pegadinha, e ninguém entendia o que estava acontecendo. Acho que todos nós tivemos uma crise existencial. Falo por mim aqui, mas achei que estava enlouquecendo ou em um tipo de sonho muito vívido. Eu sabia o que tinha que fazer, mas não parecia certo. 

Eu: Meninas? Eu sei que pode não parecer apropriado para o momento, mas preciso tirar uma foto. Para a minha sanidade, preciso documentar isso. 

Era verdade. Eu sabia que o que estava acontecendo ia me assombrar para o resto da vida se não tivesse uma prova em minhas mãos. Elas não falaram nada, mas pareceram aceitar. Então peguei meu celular, abri o aplicativo da câmera e tirei a foto. Mas quando fui ver, N2 não estava mais lá. Ela simplesmente desapareceu, diante de nossos olhos. Nós dois ficamos ali parados - N1 e eu - em choque. 

Eu: Isso acabou mesmo de acontecer?

N1: Você diz tipo que meu clone aparentemente acabou de desaparecer?! Sim. Acabou de acontecer.

Eu: Puta merda! A foto!

Abri o rolo da câmera e olhei a foto. N1 correu até mim e olhou também. N1 estava na foto, claramente, mas N2 era apenas um borrão transparente.  Tudo que dava pra vez era uma mancha difusa com cores que correspondiam as roupas de N1. Tirei a foto no mesmo milésimo que ela desapareceu. 

Eu: Não é possível que isso tenha sido apenas uma coincidência.

N1: O que você quer dizer?

Eu: Ela simplesmente desaparece no segundo em que a foto é tirada? Em todos os milésimos que podia ter desaparecido?

N1: Por que ela desapareceria por esse motivo? E sinceramente; como CARALHOS ela desapareceu?!

Eu: Eu não sei! Isso é tão fodido... Quer dizer, até agora tudo podia ser explicado logicamente. Quer dizer, usar uma pessoa muito parecida, roupas idênticas e uma boa cronometragem. É improvável, mas podia acontecer. Mas desaparecer na frente de nossos olhos... Isso não é fisicamente possível.

Nós dois nos sentamos e apenas ficamos nos acalmando, tentando absorver a situação e achar uma explicação. Havia muita tensão no ar e nós dois estávamos suando. Foi aí que percebi que as coisas de N2 também tinham desaparecido. 

Eu: Tenho uma teoria.

N1: Que?

Eu: Você acredita no conceito de multiverso?

N1: Nunca pensei muito nisso, mas conheço a teoria.

Eu: Se existe um universo para cara possibilidade, existe um em que estamos juntos.

N1: Acho que sim?

Eu: Não sei bem, mas ouvi em algum lugar que universos podem colidir e se "sobrepor". E se aquele universo se sobrepôs com o nosso, colocando a Nellie daquele universo no nosso? E aí aconteceu esse encontro? 

N1: Pra mim isso parece ficção cientifica, Erik. 

Eu: É a explicação lógica mais provável que consigo pensar.

N1: Repito: como e por que ela desapareceu?

Eu não tinha pensando tão adiante assim, então improvisei a explicação de uma teoria que já tinha.

Eu: Hm, claramente ela não devia estar no nosso universo... E se talvez eu fosse ferrar com tudo quando tentei documentar isso. 

N1: Então o universo apaga-a de sua existência só para prevenir isso?

Eu: Sim, talvez.

N1: Mesmo assim, continua sendo fisicamente impossível.

Eu: Então o que?! Eu adoraria ouvir a sua explicação para tudo isso!

N1: Eu não sei. E provavelmente nunca saberei. Mas o quanto antes superarmos isso, melhor, porra. Porque minha cabeça está doendo.

E a discussão meio que dissipou a partir daí. Estudei por mais ou menos uma hora, mas não estava conseguindo absorver nada. Era inútil, porque minha mente estava ocupada demais pensando em N2. E era estranho que eu meio que tinha curtido o beijo? Quer dizer, ela é minha amiga... mas fez com que eu a visse de um jeito totalmente novo. Afinal de contas, isso provava que em um universo nós estávamos juntos e felizes. Talvez a única diferença era que eu (ou ela) não tínhamos coragem de fazer a pergunta certa no tempo certo?

Nellie não queria falar sobre o que acontecera de jeito nenhum. Quando eu comentava sobre, ela respondia com monossílabas ou me mandava calar a boca. Acho que isso fodeu com a cabeça dela bem mais do que com a minha.

Então como eu não estava conseguindo estudar e sentia que Nellie provavelmente queria ficar sozinha, peguei o ônibus para casa depois de me certificar que ela ficaria bem. No segundo em que pus meus pés na sala de casa, caí no sofá, pensativo. Até consegui tirar um cochilo, mas sinto como se não fosse capaz de fazer nada até que fale com alguém sobre isso. Preciso de uma luz. 

Então, como Nellie provavelmente quer manter isso em sigilo, vou postar sobre isso anonimamente aqui. Estou enlouquecendo? 
________________________________

Atualização (15:22):

Sobre a foto, sei que vocês querem ver, e originalmente eu tinha intenção de postá-la, mas não posso. Pensei bastante sobre isso. A teoria principal é que N2 despareceu porque tentei provar sua existência. Então, e se... e isso está me assustando para caralho... Eu desaparecesse no segundo em que eu tentasse postar a foto na internet? Desculpa, gente, mas não posso. 

Atualização (16:23):

Tentei ligar para Nellie, mas caí direto na caixa de mensagens. Acho que ela está falando bem sério quando diz que não quer falar sobre isso. Mas nossa sessão de estudos geralmente acaba as 17h, então talvez eu ligue pra casa dela depois disso.

Ah, se os nomes não foram suficientes para você descobrir, digo que somos da Suécia. Vou atualizar aqui assim que conseguir falar com Nellie. Estou um pouco preocupado com ela. 

Atualização (17:17):

PUTAQUEPARIU!

Nellie acabou de ligar.

Preciso ir.

Tem mais uma.

Atualização (21:58):

Algo seríssimo acabou de acontecer, então acho que vou fazer uma mega atualização aqui em baixo. 
________________________________


Okay... Isso é louco pra caralho. Meu Deus, por onde começo?

Vou continuar de onde eu parei, vou tentar soar o mais calmo possível. Acho que postar os diálogos é o melhor jeito de fazê-lo. Sou sueco e meu vocabulário em inglês (texto original foi postado em inglês) não é o melhor, mas tenho uma excelente memoria para conversações. Peço perdão se ler as transcrições seja meio tedioso. 

De qualquer forma, Nellie me ligou pouco depois das 17h.

Eu: Oi, Nellie. Fala aí.

Ela: Erik. Acabei de voltar para casa e... Você tem que vir aqui. Estou falando sério. Tem outra.

Eu: Outra? Ai meu Deus, outra cópia?

Ela: ... de mim, sim. Ela quer ver você. E, estou com medo de ficar sozinha com ela. Pode vir? Você sabe onde eu moro, né?

Eu: Na rua [sigilo], não é?

Ela: Sim.

Eu: Beleza, daqui a pouco estou aí. Não faça nada sem pensar. Ambas.

Ela: Hm, sim. Vou falar para ela. Mas venha logo. Você sabe mais sobre como isso funciona do que eu. E se dessa vez eu for a.... que desaparece?

Ela sussurrou a última palavra perto do microfone do celular para que a outra Nellie não ouvisse. Também queria corrigi-la e dizer que eu não sabia de nada; eram apenas teorias. Mas ela estava tão amedrontada, então achei que naquele momento era melhor que ela pensasse que eu sabia de alguma coisa, mesmo. 

Eu: Você não vai desaparecer, confie em mim. Já já estou aí.

Ela: Obrigada.

Eu: Vejo você daqui a pouco.

Ela: Ok. 

Desliguei o telefone e subi no próximo ônibus que passou que ia para a casa dela. Eu já havia ido lá duas ou três vezes, na maioria foi para ir em festas com os amigos, então sabia onde era. 

No caminho, tive um tempo para pensar. Quero dizer, como assim havia outra? Três Nellies diferentes? No mesmo universo? Como isso poderia estar acontecendo? Se minha primeira teoria estivesse certa (sobre a colisão), as chances de haver uma colisão com três universos... É quase inexistente! E se for, não deveria ter uma cópia minha também? Mas para ser honesto... Quem sou eu para dizer o que deveria acontecer? 

De qualquer forma, fiz meu caminho para a casa dela, nervoso e sem saber o que aconteceria a seguir. Acho que não consigo descrever as coisas que toda essa situação estava fazendo com meu cérebro.  É simplesmente... e, porra, fica pior.

Dei uma batida na porta e esta foi imediatamente aberta. Era Nellie... bem, uma delas.

Ela: Fico muito feliz por você ter vindo, Erik.

Eu: Sem problemas.

Ela: Hmm... Ela está na sala. Tenho que admitir... Tem algo estranho nela. Que me deixa meio perturbada.

Eu: O que?

Ela: Não sei. O jeito que ela fala seu nome... É como se...

???: Erik? É você?

A voz veio da sala, era a voz da Nellie. Para seguir o mesmo raciocínio de antes, chamarei essa de N3, e a outra, "a original", continuarei a chamar de N1.

Entramos na sala e troquei olhares com ela. Definitivamente era perturbador. Ela tinha um olhar de ressentimento, um olhar que poderia derreter ferro, se quisesse. Eu nem sabia como reagir. Ela fez com que eu esquecesse tudo que tinha planejado ara fazer e dizer. 

Eu: Oi... hm... Nellie.

N3: Erik.

Eu: Sim?

N3: Faz um tempo que a gente não se vê, não é mesmo?

Eu: Que?

N3: Não venha com joguinhos para cima de mim.

Eu: Joguinhos? Do que você está falando?

N3: Você sabe a porra que você fez.

Eu: O que?

N1: O que ele fez? O que foi que ele fez?

N1 tentou entrar na conversa, mas isso não fez diferença para N3. Ela se recusava quebrar nosso contato visual e dava um passo a frente a cada frase que dizia. Era comigo e com ela, e eu estava começando a ficar muito nervoso. Se a outra cópia da Nellie me amava, essa...

N3: Permita-me jogar um jogo com você, Erik.

Eu: Eu... hmn...

N3: Do mesmo jeito que você acabou com a minha vida...

Ela estava vindo mais rápido.

N3: ... Deixe eu acabar com a sua.

N1: ELA TEM UMA FACA!

Putaquepariu.

De suas costas, N3 tirou uma faca grande de cozinha e veio em minha direção. Eu corri de volta para o corredor, mas não tive tempo de abrir a porta. Me virei, antecipando o ataque. Quando cegou perto de mim, ela me golpeou com a faca. Dei um pulo para trás em direção a porta e a lamina mal raspou na minha camiseta. Vendo uma oportunidade, eu segurei o pulso com qual ela segurava a faca. Ela segurou com as duas mãos, negando soltar, enquanto lutávamos ali no corredor.   N1 veio correndo, batendo nas costas de N3.

N1: PARA! DEIXA ELE EM PAZ!

N3: NÃO! ELE TEM QUE MORRER! SE VOCÊ É EU, DEVIA SABER DISSO!

Eu: Seja lá o que você pensa que eu fiz, NÃO FUI EU!

N3: MENTIRA!

No calor do momento, percebi que não tinha outra opção se não socá-la no estomago. Ela perdeu o ar e deixou a faca de cozinha cair no chão. Começou a arfar e eu abri a porta, indo para fora.

Eu: Vem, Nellie, não podemos ficar aqui!

N1 correu para fora depois de mim. Mas eu não queria sair dali de imediato. Tinha acabado de socar uma mulher no estomago, e mesmo que fosse para me defender, quera ter certeza que ela estava bem antes de ir. Então fiquei segurando o trinco da porta pelo lado de fora. Pude ouvir N3 se levantando e puxando o trinco furiosamente, mas eu era mais forte. Eu podia ouvi-la gritando de dentro.  

N3: Para com isso! Você é um merda! Morra!

Eu: Calma! Você precisa se acalmar!

N3: Eu vou te matar!

Ela deve ter perdido das forças, então parou de puxar a maçaneta com força. Agora ela começou a soluçar e me xingar baixinho. Era óbvio que, seja lá de qual universo ela tinha vindo, eu tinha feito algo terrível para ela.

Eu: Olha... Eu sinto muito por seja lá o que você acha que eu fiz para você. Mas não fui eu!

N3: Pare de mentir!

N1: A gente devia chamar a polícia?

N3: Se você chamar a polícia, eu vou contar que você ME ESTUPROU! Do lado de quem você acha que eles ficariam, hein?

Eu: Meu Deus, ela está certa.

N1: Ela tentou te matar, porra!

Eu: E eu dei um soco nela. Ela tem evidencia que eu a machuquei! Eu não tenho. Não vamos chamar a polícia ainda. Além do mais, algum vizinho já deve ter feito isso. E deus sabe que investigações eles começariam a fazer se descobrissem clones humanos?! Nós precisamos sair daqui.
N3: Não ouse sair daqui!

Eu: Hm, Nellie? Sério, se acalme! Nós vamos r embora. Não nos siga, por favor! Mesmo que você queira me matar... Não, você está machucada, vá dormir, melhorar, sei lá! 

Talvez fosse uma má ideia dar conselho, mas realmente não queria que ela ficasse nos seguindo pelo bairro. Eu sussurrei para N1 ir para o ponto de ônibus antes de mim. Eu conseguiria fugir da N3 mais fácil se estivesse sozinho. 

N1 foi e eu fiquei sozinho com N3.

N3: Seu covarde!

Ela começou a balançar violentamente a porta, quase me pegando de surpresa.Mas continuei segurando firme enquanto ela gastava suas energias. Alguns minutos depois, pude ouvi-la desistindo e caindo no chão. Começou a chorar alto.

Eu: Tchau, Nellie.

N3: Eu vou matar você...

Eu: Me perdoe.

Me sentindo um tanto mal por ela, soltei lentamente a maçaneta e comecei a andar, preparado para correr se ouvisse a porta abrindo. Encontrei N1 na parada, ela me abraçou quando cheguei. Nós dois estávamos tremendo por causa da adrenalina que corria em nossas veias.

Eu: Não acho que ela vai vir atrás da gente, pelo menos não hoje a noite.

N1: O que a gente faz? Não quer voltar.

Eu: Você pode dormir lá em casa. E... Eu realmente acho que não é uma boa chamar a polícia...

N1: Por que não?

Eu: Bem... Eu tenho esse medo...

N1: Medo?

Eu: Lembra porque a outra Nellie desapareceu?

N1: Por causa da foto?

Eu: Bem, sim... Porque nós tentamos provar a existência dela... O, hm... O universo não gosto disso, então ela desapareceu. E se isso não se aplicar somente para eles... as cópias? E se nós desaparecermos também?

N1: Você disse que eu não ia desaparecer! Disse pelo telefone!

Eu: Eu não sei, okay?! Quero dizer, não mostrei a foto para ninguém pois tive medo que eu fosse desaparecer! Imagina o que aconteceria se chamássemos as autoridades!

N1: Você tem certeza disso?

Eu: Não, mas não tô disposto a arriscar. Não podemos mudar tanto o destino ao ponto disso virar noticia mundial! 

N1: Então o que vamos fazer?! Tem um clone meu que não parece estar disposto a desistir até ver você morto!

Eu: Obrigada por me lembrar disso! Mas você está certa. Isso é muito complicado. Vamos ter que continuar evitando-a até descobrirmos o que fazer. Agora, precisamos descansar. 

Então pegamos o ônibus para minha casa e estamos aqui desde então. Nenhum de nós quer estudar, nem conseguimos dormir. Então aqui estou eu, no meu notebook, digitando isso... gritando minhas frustrações com o universo... de novo. Eu quase morri! Meu Deus. 

Nellie está jogando FIFA aqui do meu lado. Ela não joga muito, normalmente, mas pediu algo para se distrair a mente do que aconteceu.

Acho que vamos tentar dormir daqui a pouco, e depois veremos o que o amanhã trás. Estou com medo, gente. 
________________________________

Atualização (23:06):

Nellie quer ir dormir agora, mas provavelmente eu vou continuar no meu telefone, respondendo suas perguntas (no post original, o autor respondia perguntas feitas pelo leitor).

Alguns de vocês me falaram que eu devia ter tirado uma foto de N3 para fazê-la desaparecer, mas não pensei nisso na hora. Mas tenho que ser honesto, meio que tenho pena da N3. Eu devo ter sido um pau no cu no outro universo. Ela não nada mais que uma garota que procura por vingança. Espero conseguir convencê-la que sou inocente antes dela tentar me matar de novo.

Não quero que mais ninguém desapareça, mas talvez esse seja o destino dela? Como duas Nellies poderiam coexistir no mesmo universo? Talvez deixá-la aqui seja um perigo para a nossa existência? Ugh. Porque esse fardo caiu sobre meus ombros?! Já tenho provas para me preocupar! Puta merda!

Porra, não quero mais pensar nisso. Acho que na verdade vou ir dormir, sim. Acho que amanhã eu atualizarei vocês. Até.

(EM BREVE SEGUNDA E ÚLTIMA PARTE)



22 comentários:

  1. Falha na matrix, más cara o universo é grande pra pohha, seria inacreditavel se n desse uns bugs e problemas de renderizacao de vez enquando

    ResponderExcluir
  2. A segunda parte sai ainda essa semana?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tipo e com esse post vc naao esta tentando provar a existencia dela ?

      Excluir
    2. Tipo e com esse post vc naao esta tentando provar a existencia dela ?

      Excluir
  3. Não acho q desaparecem, talvez só voltem de volta pro universo certo. Tomara q venha logo a parte 2 \o

    ResponderExcluir
  4. Amo creepys assim, postem mais desse tipo ♡♡

    ResponderExcluir
  5. Interessante creepy. Quem gostar dessa vibe de universos paralelos, recomendo lerem O Homem Quântico. Já foi postado aqui no blog.

    ResponderExcluir
  6. Adoro creppys que tenham esse negócio de duas pessoas iguais, doppelganger, etc... ^^

    ResponderExcluir
  7. Não curto esse tipo de creepy sl mas bom trabalho pessoaal

    ResponderExcluir
  8. Mano,amo esse tipo de Creepy,de universos paralelos e tals.Sou meio Nerd kkkk.
    Creepy mto foda ! Me lembra de alguma série...só ñ sei qual ! Kkkk
    Vcs traduzem mto bem ! Parabéns pelo trabalho ^^

    ResponderExcluir
  9. Nossa, essa creepy me fez ficar com a cabeça fudida só de imaginar a cabeça fudida deles. Eu realmente acredito nisso, euem.

    ResponderExcluir
  10. A muleke agora sim! Essa creepy é show! Meu coração tá batendo forte até agora! Parte 2 rápido! ! !

    ResponderExcluir
  11. Ameiiiii! Postem sempre creepys assim =D

    ResponderExcluir
  12. Er... o mais estranho é que supostamente ele esta postando isso em um fórum, ou seja, ele ta confirmando que realmente possui um clone de sua colega e esta expondo ela para um fórum. Digamos que 40% das pessoas acreditem, 10% estão em meio termo e 50% não acreditam, ela pode existir e pq n sumiu depois do post? Ela foi exposta do mesmo jeito da suposta " foto ", seilá... Mas muito foda essa creepy :3

    ResponderExcluir
  13. Er... o mais estranho é que supostamente ele esta postando isso em um fórum, ou seja, ele ta confirmando que realmente possui um clone de sua colega e esta expondo ela para um fórum. Digamos que 40% das pessoas acreditem, 10% estão em meio termo e 50% não acreditam, ela pode existir e pq n sumiu depois do post? Ela foi exposta do mesmo jeito da suposta " foto ", seilá... Mas muito foda essa creepy :3

    ResponderExcluir
  14. Há duas noites tenho acompanhado as creeps!e de longe essa é a mais perfeita de TODAS!!AMEI!!é a primeira vez que comento!isso daria pra um episódio de uma série,seria demais ver ela transformada em enredo,aí me faz pensar....já pensou se eu topo com outra eu de outro universo?ia pedir pra me contar como é a minha vida em outra realidade!!

    ResponderExcluir