13/03/16

Butcherface - Parte IV

Me desculpem pela longa ausência. Tudo será explicado na história. Os primeiros parágrafos serão, reconhecidamente, entediantes. Mas espero que te prenda, pois como as últimas partes, essa também será longa.

Não muito após descobrirmos que o irmão do Chris, Evan, havia feito múltiplas cópias das fitas do Butcherface, as coisas meio que se estagnaram para nós, mas não pararam. O pai e o irmão do Chris afirmavam estranhos acontecimentos ocorrendo a eles. Eles diziam ver sombras no quintal e tinham sempre uma sensação de que estavam sendo observados. Evan afirmava receber ligações estranhas no trabalho. Algumas vezes ele atendia, mas ele só ouvia alguém respirando. Em outras, ele atendia e ouvia um barulho muito alto, como se a pessoa que estivesse do outro lado da linha estivesse batendo o telefone contra uma mesa. Isso fez o pai do Chris colocar o rifle de caça na perto da porta da frente, e comprar novas fechaduras para todas as portas e janelas. Não ajudou muito.

Eu não estava lá para testemunhar isso, mas pouco mais de um mês depois disso, a família tinha saído para enviar algumas cartas. Quando eles levantaram a porta de sua garagem, eles ficaram perturbados ao encontrar algo pendurado em uma corda em frente à porta dianteira, em um tronco que saia para fora da parede logo abaixo do telhado. Enquanto eles cautelosamente saiam do carro, eles perceberam do que se tratava. Pendurando à corda estava um cervo, morto por um tiro. A corda foi amarrada em torno dos chifres, com as suas pernas balançando e apenas com uma pata longe do chão. Eles passaram pelo cadáver e entraram pela porta da frente. O pai de Chris instantaneamente foi pegar o rifle que era suposto estar ao lado da porta, mas ela não estava lá. Eles caminharam para dentro da casa, através da cozinha e na sala de jantar, e é aí que eles viram o rifle, deixado na mesa da sala de jantar. Quando o pai de Chris pegou, ele podia sentir o cheiro de pólvora, indicando que foi recentemente disparado. Abriu-o e encontrou uma bala faltando. O cervo tinha sido morto com seu rifle de caça.

Eu os visitei logo depois, eu podia sentir a tensão na casa quando me mostraram algumas fotos que haviam sido tiradas do cervo. Me contaram a história e notei os membros da família constantemente olhando para Chris enquanto falavam. Depois que Chris admitiu ser secretamente obcecado com Butcherface para esses quatro anos, era óbvio que a família tinha crescido independente dele. Comecei a visitar mais vezes em torno deste tempo, porque eu poderia dizer que ele precisava de algum ânimo. Em certo ponto, perguntei a ele por que ele achava que Butcherface deixava suas provas de aparição, sempre. Sua resposta foi "talvez ele queira contar sua história". Eu perguntei "qual é a sua história? Que ele é um torrador de pau, oito dedos, psicopata? "

Eu também comecei a perceber que a namorada de Chris estava o visitando cada vez menos. Tudo veio à tona quando sua namorada finalmente terminou com ele. Nós estávamos sentados em seu quarto, no porão, quando ele disse que queria ficar longe de todo o drama e afirmou conhecer um cara que tinha recentemente herdado algumas casas de seu pai, recentemente falecido, e que estava tentando obter alguns inquilinos. Desde que ele era um amigo de longa data da família, Chris disse que esperava que ele pudesse obter uma por um preço mais baixo, e me perguntou se eu queria ser seu companheiro de quarto. Tendo 25 anos e ainda vivendo com a minha família, eu imediatamente aproveitei a chance.

Passamos rapidamente pelo processo de escolha, até que escolhemos um pequeno sobrado em um lugar menos povoado em uma cidade perto de sua família. Era muito pequeno, mas era o que precisávamos, e também era algo que realmente podíamos pagar. Nós, essencialmente, não tínhamos do que reclama. Bem, isso não é inteiramente verdade. Quando fomos para o porão, descobrimos que os últimos inquilinos tinham o deixado cheio de lixo. Caixas de vários tamanhos, latas velhas de tinta, baldes cheios de lixo e folhas de plástico intercaladas com garrafas de cerveja e latas. Nós basicamente só dissemos "Dane-se. Nós lidamos com isso mais tarde ", e subimos de volta para as escadas. Começamos a pechinchar o preço até decidir que seria reduzido se Chris concordasse em colocar no gramado de nossa casa e da maioria das outras casas, algo divulgando o dono da propriedade. Apesar de apenas Chris concordar com isso, eu assegurei-lhe que ia ajudar com isso também. Decidimos que não devia ser muito difícil e que eu seria capaz de fazer isso nos fins de semana.

Começamos a nos mudar nos dias seguintes. As próximas semanas foram muito entediantes. Nós escolhemos nossos quartos, que ficavam praticamente em polos opostos da casa. Tínhamos um quarto extra e eu coloquei minha coleção de espadas e outras coisas lá. Eu era admitidamente um nerd. Nós decidimos ficar longe da tecnologia por um tempo. Claro que ainda usávamos telefones e ocasionalmente a TV, mas nós raramente usávamos o computador durante esse tempo, especialmente qualquer coisa que pudesse ser usada para criar mídia. Durante esse tempo, Chris havia pego um saco de coisas que ele havia deixado na casa de sua ex-namorada. Pouco tempo após ele chegar em casa, ela ligou para ele perguntando se ele acidentalmente havia colocado a câmera dela no saco. Ele procurou, mas não achou. Tínhamos bastante tempo livre, pois estávamos procurando por novos empregos pelo local, então decidimos explorar a vizinhança, para ter melhor entendimento da planta da cidade. Uma coisa que percebemos (mas que não nos interessou muito naquela hora) era, que virando em uma esquina perto da rua da nossa nova casa, nós percebemos uma estrada de terra que dava direto para a nossa casa.

Nós acabamos indo à um restaurante no centro da cidade. Sentamos no bar e pedimos comida e alguns drinks. Enquanto esperávamos, percebi que a garota perto de mim estava desenhando uma carinha feliz fumando um cigarro em seu bloquinho de notas. Ela parou e começou a falar com a garota que estava perto dela. Eu ainda não sei por quê eu fiz isso, mas eu rapidamente peguei o bloquinho e adicionei uma coroa, orelhas de coelho, um nariz bulboso e alguns braços e pernas desajeitados à carinha feliz. Ela me pegou deslizando o bloquinho para onde ela havia deixado e riu das coisas que eu havia adicionado. Começamos a conversar e ela disse que iria me mostrar a cidade. 

Ela me lembrava da atriz Emma Stone, mas com cabelo preto. Então, vamos chama-la de Emma. Um pouco depois disso, Chris recebeu uma chamada do irmão dele, Evan. Aparentemente, Evan estava saindo do trabalho mais cedo do trabalho nesse dia, quando ele viu algo preso ao volante. Chegando ao carro, ele percebeu que o que estava no volante era uma caixa de DVD. Ele levou para casa, e demorou apenas alguns segundos para ele perceber o que era. Era uma das cópias de DVD das fitas do Butcherface que ele havia feito no colégio há quase cinco anos atrás.

Queríamos manter nossas mentes longe do Butcherface, então nós continuamos fazendo o que estávamos fazendo na semana seguinte. Procuramos por um emprego, visitei Emma mais algumas vezes, nós terminamos de desempacotar nossas coisas e exploramos mais um pouco. Dessa vez, queríamos olhar na floresta atrás da nossa casa. Brincávamos muito na floresta quando éramos mais novos. Começamos a andar em uma linha reta da nossa casa até a floresta. Eu não me lembro por quanto tempo estávamos andando, mas nós acabamos encontrando uma velha estrada de terra saindo da floresta.

Nós determinamos que era a velha estrada que vimos na semana passada. Se tivéssemos virado para a esquerda, voltaríamos para aquele ponto, então decidimos voltar para a direita e seguir direto para a floresta. Após outra meia hora de caminhada, chegamos numa construção velha, dilapidada. Parecia uma velha igreja, mas não tinha nenhuma parafernália religiosa. Parecia ser um velho lugar para encontros para a cidade. A porta já estava aberta. Eu queria entrar, mas Chris me parou e disse “você não se lembra das últimas vezes que entramos em velhas construções abandonadas? “ Eu certamente achei isso engraçado, então falei com ele para entrar comigo, só para dar uma olhada. Foi muito interessante. Olhamos em volta e percebemos que o teto do segundo andar havia caído, revelando uma grande visão do céu. Checamos o porão e achamos uma carroça para cavalos. Após mais alguns minutos, decidimos sair.

Alguns dias depois, recebemos uma chamada da ex-namorada do Chris e ela queria nos visitar. Naquela noite, ela veio e podíamos ver que ela estava agitada. Ela nos mostrou o porquê da câmera dela estar desaparecida. Ela mantinha a câmera dela na mesa, mas ela não estava lá quando ela foi pegá-la naquela noite, em que Chris foi pegar as coisas dele. Ele então encontrou ela em sua gaveta na noite anterior. Ela então tirou a câmera de sua bolsa e disse “e isso é o que eu encontrei”. Ligando a câmera, ela nos mostrou a primeira foto, que era ela dormindo em sua cama. Ela estava dormindo na foto, em seu quarto, no escuro. Haviam mais duas fotos dela na cama, cada uma em um ângulo diferente. O flash não estava ligado, mas havia luz suficiente para ela aparecer. Então, as fotos mudaram. A seguinte era do carro dela ficando no caminho para a garagem, tirada na mesma noite. 

Outra era pela janela de uma casa. Tinha uma mulher sentada na bancada da cozinha, assistindo a TV. A próxima foto era de uma construção pequena na beira de uma estrada vazia. Uma placa estava na beira da estrada com uma grande maçã vermelha em cima dela. Chris apontou para a placa e disse conhecer aquele lugar. Era conhecido por vender maçãs divinas, tortas e cidra. Ela continuou passando as fotos. A próxima era uma casa, em um ângulo extremo. As fotos todas foram tiradas em lugares próximos à nossa casa e nos mostraram algo que nos chocou.

O próximo monte de fotos mostrava pessoas que conheciam Butcherface. A primeira foto mostrava uma pequena pessoa. Ele era muito pequeno, careca, e vestia um terno cinza e gravata. Ele parecia ser albino, com pele branca e íris em seus olhos. O foco era um close e ele estava sentado no que parecia ser uma prateleira numa parede próxima ao chão, olhando para a câmera, sorrindo histericamente. Ele tinha alguma semelhança a um Vern Troyer magro. Nós demos o nome de “O Creeper” a ele. A próxima pessoa era uma menina usando um vestido rosa. Não podíamos dizer sua idade pois ela vestia uma máscara de papel-machê, daquelas que têm um elástico que passa por trás da cabeça. Eu poderia dizer que ela estava por volta dos 20. A máscara era muito simples, com dois buracos no lugar dos olhos e um relevo no nariz. Ela estava simplesmente sentada numa cadeira, com as mãos no colo, olhando para a câmera. A ex do Chris deu o nome de “Cara Falsa” para ela. Na mesma foto da “Cara falsa”, a silhueta de outra pessoa podia ser vista nas sombras atrás dela. Estava muito escuro para ver essa pessoa, mas ela parecia vestir terno e gravata. Uma foto mostrava um homem muito magro usando uma veste. Sua cabeça careca estava voltada para a câmera. Seus braços e mãos estavam completamente, e caoticamente, cobertas com tatuagens. Haviam tantas delas que não podíamos escolher só um estilo. O corpo inteiro estava coberto com tatuagens, pois mais tatuagens podiam ser vistas saindo da veste e subindo até seu pescoço. Pareciam vinhas ou relâmpagos.
As fotos então pareciam voltar para o “clássico” estilo do Butcherface, uma foto de um braço, com uma mão faltando o anelar e o mindinho, com um corte profundo nas costas do antebraço.

Um machado, caindo de uma velha cadeira verde, reclinável, numa sala com um canto do teto colapsado ao fundo. Um gato ficando numa prateleira de livros alta, gritando. Algumas fotos eram de peles de animais penduradas numa adega, com pedras na parede e um chão sujo. Havia mais uma foto do quintal, contendo uma bancada feita de árvore, que parecia ter sido revirada, com fibras da árvore saindo pelos cantos. Percebemos também uma fazenda muito grande no fundo dessa foto. As próximas fotos eram de pessoas sentadas numa mesa de jantar. Cara Falsa estava agora usando uma máscara diferente que parecia um personagem de anime, com um grande sorriso e uma peruca branca. O homem com as tatuagens não podia ser visto, mas o carinha albino estava sentado no fim da mesa. A mesa estava cheia de pratos de comida, como num jantar de Ação de Graças. Qualquer espaço da mesa que não estava ocupado por pratos estava cheio de velinhas pequenas acesas. A pessoa sentada na ponta da mesa nunca aparecia em nenhuma das fotos, mas acreditamos que era a mesma pessoa no fundo da foto da Cara Falsa. A única coisa que vimos dele era uma mão com um relógio de ouro no fundo de uma das fotos do jantar. Uma das últimas fotos era a de um espelho. O flash estava muito forte e obscureceu o reflexo do fotógrafo. As últimas fotos eram da ex do Chris dormindo em sua cama.

Após acalmá-la, pois ela estar assustada por alguém tirar fotos dela dormindo com sua própria câmera, chamamos Jesse, quem estava conosco na cabine no final da parte 3, e pedimos a ele para vir, pois ele era a única pessoa que sabíamos que tinha visto os arquivos do Butcherface.

Apenas vimos ele uma vez ou duas após aquela noite na cabine e haviam passado meses desde a última vez que saímos. Ele estava vivendo na cidade central, mais próxima. Ele era um artista, escultor e tatuador. Enquanto esperávamos por ele para dirigir por uma hora e meia até nossa casa, analisamos as fotos na câmera dela. Gastamos um tempo olhando para cada foto. Não tínhamos ideia de quem eram as pessoas nas fotos. Falamos disso por mais alguns momentos, até que ouvimos um alto “SCREEEEEEECH... BANG” do lado de fora da nossa casa. Corremos até lá e vimos o carro do Jesse parado em uma árvore em forma de Y, à alguns metros de nossa casa. Ele havia perdido controle do carro e bateu numa pedra que estava no meio da rua. O carro dele foi arremessado ao ar e acabou em uma árvore. A pedra havia sido empurrada quase um metro e a árvore agora estava meia inclinada.

Fomos até o carro, e antes de chegar até lá, a porta do motorista se abriu rapidamente e Jesse pulou de lá. Caindo no chão, ele rastejou para longe do carro. Podíamos dizer que algo havia o assustado, então pegamos ele pelos braços e o arrastamos para longe do carro. Quando pegamos ele, ele começou a gritar “ele estava no meu banco traseiro! Butcherface estava no meu banco traseiro! “

Jesse finalmente pegou suas coisas e todos corremos para a casa. Quando entramos, a ex do Chris chamou o 911 enquanto quando Jesse trancou a porta. Nós então corremos até a janela e observamos o carro. Não parecia ter movimento algum ali em volta, e Chris disse que ele queria ir olhar. A ex do Chris e Jesse disseram que não, mas eu concordei, pois, esse cara nos espionou no passado. 

Concordamos em sair apenas se tivéssemos armas. A ex do Chris e Jesse pegaram as maiores facas que eles encontraram em nossa cozinha, enquanto Chris escolhia uma espada da minha coleção. Eu decidi não escolher arma alguma, apenas queria pegar alguma evidência dele, então liguei a câmera do meu celular e fui gravar tudo. Passamos pela porta um por um. Eu fiquei por trás, pois eu não tinha uma arma. Eu podia dizer que nenhum de nós queria fazer isso pelo quão devagar estávamos nos movendo. Devíamos estar ridículos, com nós quatro agarrados, um segurando uma espada, outro segurando um telefone, na frente dele, indo sorrateiros até um carro numa árvore. Chegando ao carro, levantei meu celular e apontei a câmera pela janela do motorista. Chris então pegou a maçaneta e abriu a porta... para ver tudo vazio. Mas, ao lado dos passageiros estava aberto.

Os policiais apareceram minutos depois. Eles vasculharam o carro e as áreas próximas, mas não encontraram nada. Nós os contamos que Jesse viu ALGUÉM no banco traseiro, mas não dissemos quem, pois sabíamos que seria muito inacreditável. E seria muito difícil explicar para os policiais, mesmo que já tínhamos contado tudo. Quando as coisas se acalmaram, olhei para o braço do Jesse e percebi uma nova tattoo. Olhando mais de perto, fiquei chocado ao perceber que era o CV do Butcherface. Eu furiosamente perguntei a ele sobre isso e ele disse que era a sua própria insígnia de “Sobrevivi ao Butcherface”. Ele mesmo fez isso semanas depois do incidente na cabana.

Após o carro do Jesse ser tirado da árvore e os policiais saírem, colocamos Jesse por cima do que estava acontecendo. Quando a ex do Chris foi mostrar para ele o que ela encontrou na câmera, ela não conseguiu achar a câmera. Saímos para fora e procuramos por ela, esperando que ela havia deixado cair em meio à confusão. Perguntamos a ele se ele havia percebido alguma coisa estranha e ele disse que nada havia ocorrido, mas que ele havia investigado um pouco. Ele tirou uma pasta da mochila e nos mostrou que Butcherface usava sua mídia para atrair pessoas e fazê-las obcecadas com suas mensagens, tornando-as seus discípulos. Isso, meio que o lembrou de uma operação conduzida pelo governo, chamada MK Ultra. MK Ultra era um programa designado para técnicas de interrogação e para criar assassinos pelas pessoas comuns, através de tortura física e psicológica, drogas e hipnose. Ele achou as ações de Butcherface muito similares, com ele deixando arquivos dele entrando em casas, matando animais e pets (tortura psicológica) e com seus arquivos em si sendo uma forma de hipnose, pois era tão obscura e sombria que afetava as pessoas que experienciavam isso. Isso podia ser o modo de recrutar seus discípulos. Isso levantou a dúvida: Quantas pessoas ficaram obcecadas com essa média no total?

Isso levou Chris a estudar lavagem cerebral e hipnose. Lavagem cerebral me interessou, pois haviam evidências disso ocorrendo em nosso passado, como a guerra coreana e outros cultos. Lavagem cerebral era impor um grupo de falácias em alguém por meio de métodos coercivos de doutrinas, incluindo a destruição das prioridades das vítimas para induzi-las a fazer o que   outras pessoas queriam. Realmente parecia o que Butcherface estava fazendo. Também entramos no assunto de pessoas sendo influenciadas por filmes, shows de TV e vídeo games. Eu não acredito nessas coisas, mas há muitas pessoas que acreditam que algumas pessoas assistindo conteúdo violento, as tornará violentas. Há alguns estudos controversos que dão créditos a isso. Minha opinião é que se você vê coisas violentas e faz coisas violentas, você não está sendo influenciado pela mídia violenta. Você pode até ser inspirado, mas não dirigido a fazer isso.

No fim da noite, se é que podíamos chamar aquilo de noite, estávamos todos cansados. Desde que o carro do Jesse estava esmagado, eu deixei ele em casa, enquanto a ex do Chris o deixava em casa, pois ela não queria dirigir para casa sozinha. Eu não cheguei em casa antes das duas e meia da manhã. É desnecessário dizer que nenhum de nós dormimos muito naquela noite.

Naquele ponto, percebemos que nunca nos livramos de Butcherface. Ele apenas havia mudado suas prioridades e finalmente voltou a se focar em nós.

                                                                                      <Parte IIIParte V>

Continua...




20 comentários:

  1. Cada parte deixa uma expectativa maior *-*

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. I would like to give a hug to him. He is so kind.

      Excluir
  3. Omg meu coração acelerou qnd vi esse post. Amo vcs!!

    Ansiosa pela continuação!!

    ResponderExcluir
  4. Torrador de pau KKKKKJKKKJLJKKJK
    Achei que fossem poucas partes, tomara que não sejam mais de dez que nem Os 1%

    ResponderExcluir
  5. eu amo creepys em serie, se q netflix pegasse creepys tipo penpal, a mulher da laranja e pa eles ganhariam mt dinheiro cmg kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. NES Godzilla e Acho que meu marido fez algo com um dos gêmeos também <3

      Excluir
    2. Cara tu iluminou minha mente falando do acho que meu marido fez algo com um dos gemeos

      Excluir
    3. Vei, seria muito perfeito. Eu vivo pensando nisso.

      Excluir
  6. afff quero mais, creepy foda pra caralho.

    ResponderExcluir
  7. q delícia encontrar mais um posto dessa série aqui ♡

    ResponderExcluir
  8. Só nao pode terminar com: E eu peguei o Butcherface.

    ResponderExcluir