15/03/16

O guincho de Oregon.

Desculpa o atraso, não consegui postar ontem. Mas aqui está uma creepy nova da mesma autora da série "Os 1%"!
-

Começou na cidade de Forest Grove, em Oregon.

As pessoas começaram a reclamar de um ruído alto e inumano que acontecia durante a noite. O som é indescritível. Você pode ouvir clicando aqui. Mas fique ciente - é bastante perturbador. O barulho entra em seu cérebro como uma furadeira e não sai da sua cabeça por muito tempo.

O barulho incomoda tanto que já foram feitas investigações para se descobrir a fonte dele. Eles descartaram a possibilidade de ser o som de algum animal selvagem ou interferência eletrônica. Continua um mistério.

Mas não por muito tempo.

Falo isso porque quando ouvi o som pela televisão, soube exatamente do que se tratava. Reconheci imediatamente. Foi esse guincho que matou minha família. E logo, matará muitas mais em Oregon.

Eu venho de um lugar chamado Sequim, em Washington. Uma cidade linda. Sequim fica bem perto do oceano e também das Montanhas Olympic. Não é uma cidade grande em nenhum sentido, mas a beleza do litoral é inegável. Meus pais nasceram nas vilas nos arredores e compraram nossa casa aqui antes de eu nascer. Criaram minhas irmãs e eu nos mesmos dois andares desorganizados. Que eu chamava de casa até meus dezesseis.

Estávamos felizes em Sequim. Minhas irmãs e eu éramos típicas litorâneas, passando a maior parte do nosso tempo na praia ou nas ondas. Nós três éramos tão próximos que as vezes parecíamos trigêmeas. Rona, Veronica e eu. Eu era a mais nova.   

O guincho começou em uma sexta-feira. Estávamos em casa, sentados em volta da lareira. Era Dezembro. O frio tinha dado um jeito de entrar na casa. Como todas as noites, falávamos sobre nada em especial. Rona estava fazendo chocolate quente. Veronica balbuciava sobre garotos (como sempre). Meu pai estava pegando o banco imobiliário.

Me lembro desses pequenos detalhes porquê agora é tudo que eu tenho para suportar.

O guincho durou uns vinte segundos. Fez com que o sangue em minhas veias congelasse. Minha carne parecia estar querendo fugir do meu esqueleto. Vi nos jornais que algumas pessoas estão descrevendo o som como o do freio de carro guinchando, só que mais alto e mais dolorido nos ouvidos. Acho que é bem mais frio que isso. É como se fosse o grito de um animal morrendo misturado com o de outro dando a luz. Você pode sentir o sangue naquele som. Quase da pra ouvir uma raiva metálica.

Minha família não moveu um músculo enquanto o guincho soava. Depois que terminou, levamos um minuto para nos recompor. Foi minha mãe que proferiu as primeiras palavras, "Mas o que diabos foi isso?"

Todos rimos, um pouco abalados com a intensidade do barulho, mas felizes que tinha acabado. Continuamos normalmente com nossa noite e não tocamos mais neste assunto.

Mas na noite seguinte aconteceu de novo. Veronica tinha saído com aquele garoto que sempre falava. Meu pai e Rona estavam pesquisando sobre admissões de algumas faculdades. Suponho que eu deveria ter alguns planos, tendo dezesseis anos e tudo mais. Mas nossa família era tão unida que passávamos nosso tempo livre quase sempre juntos. Pra mim era normal passar o sábado a noite em casa. Minha mãe e eu estávamos na sala, assistindo Um Duende Em Nova York na televisão. 

O guincho aconteceu do nada.
 Minha respiração parou. Eu queria virar e olhar para minha mãe, mas meu pescoço parecia congelado. O filme parou de rodar. Na televisão, apenas estática. O ar parecia pesado. No segundo que o som parava, o ar parecia normalizar, como se tivéssemos pousado em terra firme com um avião. Todos nós suspiramos aliviados. Meu pai e Rona vieram correndo para a sala. Todos ficamos atentos de tanto medo.

Veronica não voltou para casa naquele dia.

De manhã, quando percebemos que ela não havia voltado, ligamos para a polícia. Xerife Hendrickson veio até nossa residência. Falou que, provavelmente,  Veronica ainda estava com o garoto. Apenas adolescentes sendo adolescentes. Nenhum de nós acreditamos nisso. Nossa família era unida demais para aceitar aquilo. Se Veronica quisesse passar a noite com um cara, teria mandando uma mensagem para Rona. Nós teríamos dado cobertura para ela. Não era possível que ela tivesse escondido isso de nós duas. 

O Xerife estava indo embora, mas minha mãe o impediu. Hesitantemente, contou sobre o som que tínhamos ouvido. Não sei o que fez com que ela contasse aquilo para o Xerife. Talvez fosse a mesma coisa que fez com que os moradores de Forest Grove chamassem a polícia também. Mas, com as voz tremula, minha mãe descreveu o ruído tenebroso. 

Xerife Hendrickson empalideceu. Falou "Já recebemos duzias de ligações sobre isso. Não sabemos o que é. Provavelmente algum engraçadinho querendo fazer uma pegadinha. Mas se descobrirmos algo sobre, ligo para vocês." Foi embora sem cerimônias.

Ficamos em casa o dia todo esperando que Veronica voltasse. Horas se passaram. Tentamos nos distrair com jogos de tabuleiros e filmes. Minha mãe nos assegurava o tempo todo que, a qualquer minuto, Veronica voltaria para casa. Mas os minutos vinham e iam sem a chegada de minha irmã.

Foi por volta das cinco da tarde que Rona começou a surtar. Ela levantou e começou a andar em circulos. Não perguntamos o que era. Ela agarrou uma almofada e abraçou contra o peito. "Não podemos ficar sentados aqui e não fazer nada!" 

"O que devemos fazer, então?" Meu pai perguntou enquanto torcia as mãos impacientemente.

"Vamos procurar por ela! Ela falou que eles iam para o Porto Williams. Vamos lá procurar." Rona sempre foi a impulsiva da família. Deve ser porquê é a mais velha. Normalmente eu conseguia acalmar essa sua natureza espontânea, mas desta vez concordei com ela.

"Acho que temos que ir mesmo." Me levantei. "É melhor do que esperar."

"E se ela voltar?", meu pai perguntou.

"Você fica aqui, eu levo as meninas." Minha mãe deu um beijo no rosto do meu pai. "Me ligue imediatamente se ela aparecer." 

Então fomos no Kia azul de minha mãe. A praia em questão ficava apenas a dez minutos dali. Podíamos ter ido andando, mas o sol estava se pondo. Estávamos em silêncio no carro. Tudo que eu ouvia era o respirar pesado da minha mãe. Era estranho ir para a praia sem Veronica no quarto. Ela era a mais alegre das irmãs. Estava sempre sorrindo e dando gargalhadas. Os garotos eram facilmente seduzidos por seu rosto lindo e personalidade brilhante. 

Pareceu uma viagem de horas, mas eventualmente estacionamos perto da areia. Essa era a praia do Porto Williams. Era pequena e linda. Era como se fosse uma segunda casa para mim. Mas com a luz do sol indo embora, estava um tanto sinistra.

Fomos para a areia, procurando por qualquer sinal de vida. Minha mãe gritou por Veronica algumas vezes, mas parecia inútil. A água estava parada. Nós três rastreamos a praia, mas não encontramos nada. No final, nós nos juntamos e assistimos o sol desaparecendo por trás das ondas. Minha mãe envolveu os braços na gente. Foi a última vez que senti o afeto dela.

Assim que o último raio de sol se dissolveu no oceano, um som esquisito tomou conta da praia. Não era o guincho, mas bem parecido. O som era similar com o de unhas batendo contra uma pedra. Rona pegou uma lanterna em sua bolsa e apontou em direção do barulho.

Deviam ter milhares deles. Pareciam uma mistura de aranhas com caranguejos. Os corpos alongados eram protegidos por uma pesada casca vermelha escura. Oito pernas finas saiam do lado do corpo. A pernas se moviam para qualquer direção. Cada um parecia com um bebê esfrangalhado se arrastando pela areia. Seus olhos se esgueiravam quase trinta centímetros para cima, se equilibrando em finas hastes de um vermelho pútrido. E então haviam as pinças. Como se fossem pinças de escorpião. Eles balançavam-as para cima e para baixo. A ponta delas brilhavam como um fatiador de carne recém polido.

Gritei. Talvez se eu tivesse ficado calada, nada disso teria acontecido. Por que, no momento em que minha voz preencheu o ar, as criaturas começaram a correr em nossa direção com aquelas pernas nojentas. Apesar de serem compridos e desengonçados, corriam muito rápido. Rona deixou a lanterna cair e disparou para o carro. Minha mãe me agarrou e tentou me puxar. Eu me sentia como uma montanha. Parada. Ela continuou puxando até eu conseguir me mexer de novo. Comecei a correr e gritar ao mesmo tempo. Minha voz falhou quando olhei para trás. Minha mãe tinha caído. Ela estava se levantando quando a criatura mais veloz a alcançou. A coisa levantou a pinça e apertou no tendão de aquiles de minha mãe. Ela arfou e caiu de rosto na areia. O sangue jorrava de seu tornozelo como um chafariz.

Quase me virei para ajudá-la, mas senti a mão de Rona envolvendo meu pulso e ouvi sua voz "Temos que correr!" Minha mãe estava soluçando enquanto as criaturas se amontoavam sobre ela. Usavam as pinças para despedaçá-la. Carne e cabelos voavam pelo ar como se um chefe estivesse picotando vegetais. Vi um globo ocular rolar pela areia entre as pernas finas das criaturas. Reduziram minha mãe para um ensopado de sangue.

Antes que eu notasse, eu e Rona já estávamos correndo. Rona gritou, "Não olhe para trás!", mas eu já tinha visto o suficiente. Tive que parar para vomitar. Minha maldita fraqueza nos desacelerando. Mas Rona se recusava a me deixar ali. Literalmente foi para trás de mim e me empurrou para fora da areia. Eu até tentei correr, mas parecia que tudo em volta de mim estava desmoronando. Foi aí que Rona escorregou. 

Ela caiu de costas e bateu a cabeça em uma pedra solta. Seus olhos continuavam abertos, mas pareciam distantes. Eu fiquei do lado dela, tentando arrastá-la. As criaturas já tinham finalizado minha mãe e estavam se aproximando rapidamente da gente. Um, particularmente rápido, escalou pelos cabelos de Rona e cravou as pinças no peito dela. Ela até tentou espantá-lo, mas tudo que conseguiu foi perder todos os dedos de uma mão pois o bicho cortou fora com sua garra.

Juro pela minha própria vida, a criatura olhou para mim com seu olhar sangrento. Olhou diretamente em meus olhos enquanto cortava a garganta de minha irmã. Continuou com seu olhar cravado em mim enquanto outras criaturas criaturas cercavam Rona. Fui cambaleando para trás.

Percebi que aquelas coisas não estavam comendo minha irmã. Só estavam cortando-a por puro prazer.

Me virei e voltei a correr. Meus passos eram esquisitos e desajeitados, mas as criaturas estavam preocupadas com Rona naquele momento. No escuro, achei meu caminho até o carro e tentei abrir a porta. Estava trancada. Um enjoo absurdo tomou conta de mim quando me lembrei que minha mãe tinha ficado com as chaves. Olhei para trás e tive um vislumbre de uma pinça. Estavam chegando perto.

Eu não tinha opção. Comecei a correr para casa. Eu não era uma pessoa atlética e toda aquela movimentação repentina estava me matando. Todo meu corpo queimava. Eu estava começando a realizar que eu acabara de assistir minha mãe e minha irmã morrendo enquanto ia aos tropeços para casa. Eu soluçava baixinho enquanto fazia meu caminho. Pensando agora, passei por várias casas na quais eu poderia ter pedido ajuda. Talvez se eu tivesse batido o suficiente em um porta, alguém teria me deixado entrar. Mas naquele momento eu só pensava em ir para casa.

Olhei várias vezes para trás para ver se ainda estava sendo perseguida, mas as criaturas tinham parado de me seguir fazia um tempinho. Mas mesmo assim eu ainda estava em disparada até chegar na fachada de casa. A porta estava aberta, então me joguei para dentro e tranquei. Com uma mistura de alívio e horror intenso, cai no chão soluçando incontrolavelmente.

Meu pai correu até a entrada. "Marie! O que aconteceu?" Ele estava prestes a dar um passo pra frente quando quando foi partido ao meio. Vi atrás dele uma das criaturas, só que essa tinha mais de dois metros de altura. Tinha enfiado a pinça no meio do tórax do meu pai, cortando-o ao meio. Ele gritou de um jeito que nem sabia que era possível. Seu grito se misturou ao som metálico da pinça colidindo. 

Era o guincho. O mesmo guincho que tínhamos ouvido nas duas noites anteriores.

O som ecoou pelo corredor por quase vinte segundos. Mas o som era tão alto que se espalhava por toda cidade. Então a coisa finalmente deu um jeito de terminar de cortar meu pai ao meio. As duas partes do corpo morto dele caíram no piso de madeira. O sangue esparramou até encostar nos meus pés.

A criatura olhou para mim, faminta. Então levantou as duas pinças no ar. Ficou assim por quase um minuto. Fiquei boquiaberta de tanto medo. Então abaixou as pinças e virou de costas para mim. Andou até a janela da sala e atravessou o como se nem estivesse ali. O vidro se estilhaçou por toda parte, misturando-se com os fluidos corporais de meu pai. 

Eu estava sozinha. O cadáver de meu pai estava jogado perto de mim. Minha irmã estava morta. Minha mãe estava morta. Foi difícil me levantar. Mas então uma calma absoluta tomou conta do meu corpo. Acho que era o sentimento de crescer. Não acho que cresci até que o guincho começou. Mas quando aconteceu, tive que crescer rapidamente. Me tornei adulta por medo.

Xerife Hendrickson chegou vinte minutos depois. Ele não tinha palavras suficientes para me confortar. Quando ele chegou, eu estava sentada no espaço que separava as duas partes do corpo de meu pai. Eu estava coberta de areia e sangue. Não lembro disso, mas falou que quando ele abriu a porta, eu levantei meus braços como quando um caranguejo se sente ameaçado.

Isso foi quatro anos atrás. Sequim ouviu o guincho mais duas vezes até parar de vez. No final das contas, onze pessoas foram mortas. Minha mãe, meu pai, Rona, Veronica, o garoto com quem Veronica estava junto, uma família de três incluindo um bebê de dois aninhos, um sem teto, e um casal recém casado. Não havia corpos para identificação. Todas as pessoas foram reduzidas a vísceras espalhadas pelo chão. Só sabemos de quem eram os restos pois sabíamos quem havia desaparecido naqueles cinco dias de horror.

 Ninguém acredita na minha história. Não posso culpá-los por isso. Contei várias vezes, detalhe por detalhe, mas todos diziam que eu estava louca por causa do trauma. Mais tarde, o FBI marcou os casos como ataque animal, provavelmente uma alcateia de lobos. Falaram que o guincho não tinha relação com os ataques. Que era apenar um fenômeno natural. Me falaram que eu tinha inventado tudo aquilo para superar o que havia acontecido. 

Moro no Kansas agora. Não tem praias ou rios por aqui. Sei que as criaturas podem migrar, mas não sei quão longe podem ir. Acho que estou segura aqui. Sou obrigada a ver um terapeuta duas vezes por semana, o juiz que mandou. Não consigo emprego. Tudo me assusta. Se ouço alguém batendo as unhas contra a mesa, ou vejo a foto de um crustáceo, eu surto.

Mas desde que ouvi o guincho de Oregon, me sinto mais confortável. Sei que é real. E está se espalhando. 

Mando boas energias para todos em Forest Grove. Mas mais que isso - mando um aviso. Vocês tem que sair daí. Vocês tem que se afastar da água. O mais longe que ficarem, melhor. O guincho já está acontecendo faz semanas em Oregon. Isso significa que muitos mais morrerão.

Espero que você não percam tudo, como eu perdi. 



21 comentários:

  1. Divina fazendo divinices , como sempre *-*

    ResponderExcluir
  2. O que mais me deixou assustado não foi a creepy em si, mas o fato que esse barulho realmente está acontecendo em Forest Grove...

    ResponderExcluir
  3. A parte em que ela diz que amadureceu por medo foi impressionante ! Amei ♡♡ quando sai parte nova dos 1% ??

    ResponderExcluir
  4. Até que tava boa até a parte da praia. ali desmoronou tudo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vitoria, a autora não vai mais liberar de graça capitulos dessa série em especifico. Somente em inglês pela amazon, agora.

      Excluir
    2. Ah sim.. Que bad, vlw MSM assim

      Excluir
  5. WOW!WOW!WOW!! Creepy PERFEITA!! *u*

    ResponderExcluir
  6. Ótima creepy, gostei muito desse final, foi bem realístico.

    ResponderExcluir
  7. Essa é a primeira vez que vejo todos elogiando uma creepy,sem nenhum comentário negativo '-'

    Parabéns !!! Creepy mto boa,Ferrou tudo na hora da Praia kkk :D

    ResponderExcluir
  8. Gente, creepy perfeita! Na minha humilde opiniao, fica no Top 10 das creepys fodas!

    ResponderExcluir
  9. ;-; nunca gostei de caraguejos
    mas agora, particularmente, vou começar a ter medo ushssuhsuhsusus
    Que creepy hein! ♥

    ResponderExcluir
  10. Acho q n consigo opinar sobre essa creepy... Sei lá , poderiam usar uma invasão alienígena para explicar o barulho. Mas caranguejos? E gigantes? E assassinos???

    ResponderExcluir
  11. pqp que que foi içu José?? Chega deu medo de ficar sozinha em casa. Eu moro numa ilha t.t

    ResponderExcluir
  12. Ainda com a boca aberta, o coração desparado batendo mais forte do q vcs imaginam, cada pelo do corpo arrepiado. Esse é o meu estado agora depois de ler essa creepy. Definitivamente a melhor creepy pasta q o blog ja postou, sensacional, PERFEITA!

    ResponderExcluir
  13. To me sentindo mais alienígena do que esses caranguejos aí, pq aparentemente todo mundo gostou dessa creepy e eu n vi nd de mais, fazer creepy com crustáceos foi bem sem graça kkkk gente n tive o mínimo medo, to mals kkkk

    ResponderExcluir
  14. Eu senti mais medo da descrição do barulho que ouvindo -s
    Mas no fim das contas achei bem legal porque né... Caranguejos assassinos mutantes é bem diferente do que já vi por aqui q

    ResponderExcluir
  15. o som realmente existe e isso do som e mesmo verdade tem ate varias noticias disso eu procurei mas a parte dos caranguejos nao da pra saber se e verdade mas queria ver alguem indo la aonde eles foram e comprovar que essa historia e real se eu tivesse dinheiro e coragem eu ia la so pra ver kk shdjzj

    ResponderExcluir