24/03/16

Para Clair e Lena

Depois do terremoto, ficamos presos. Achamos que as equipes de busca estavam a caminho, mas já fazem três semanas. Ninguém veio. Havia bastante para nós beber, graças a um cano quebrado no telhado que vertia água limpa. Mas isso só significava que morreríamos mais lentamente. Morrer de fome parecia iminente. 

Liz achou que todos os outros andares do hotel estavam em cima da gente. Todos os 60 andares. O jeito que não fomos esmagados parecia um milagre. Bem, parecia no começo. Enquanto os dias se arrastavam, e começamos a perceber que talvez não fossemos ser resgatados, o milagre começou  a parecer amargo em nossa boca. Depois de duas semanas, havia se tornado uma maldição. 

Mas não podíamos desistir. Eu constantemente tinha que acalmar os ataques histéricos de Liz que, nos piores momentos, faziam-na ameaçar que iria cortar sua garganta com uma pedaço quebrado de viga. Conversar sobre Lena e Clair ajudava. Se fossemos sair dessa, elas precisariam de sua mãe. Elas precisavam de nós dois. 

Entretanto, a conversa era pouca. Não importa o quando nos segurássemos, um acabava chorando, pedindo a deus que acabasse com nossa agonia, com nossos estomago que não parava de roncar. Depois da primeira semana, começamos a ficar tontos. Se eu já não estivesse sentado, teria desmaiado. Mas ambos continuávamos sentados, mantendo nossa lucidez de onde estávamos, o que tinha acontecido e como a probabilidade de sermos resgatados estava diminuindo. 

Algumas vezes, bloqueados por uma distancia absurda de concreto, escombros e detritos de metal, conseguíamos ouvir os equipamentos de resgate. Serras, escavadeiras, esses tipos de coisas. Mas nenhuma voz, na verdade. Pra vocês terem noção de quão longe estávamos da superfície. No dia que aconteceu, estávamos no elevador, que ficava no centro do hotel. Assim que o terremoto começou, começou a estremecer e cair. De alguma forma, com o prédio balançando, fez com que a queda fosse mais suave por causa do angulo que o elevador ficou. Mas ainda assim caímos bem, bem, bem violentamente. Se não fosse a leve angulação, não teríamos sobrevivido.

Depois de alguns dias do terremoto, o ar começou a ficar mais tenso com o cheiro de putrefação. Eu nem conseguia começar a imaginar quantas pessoas estavam mortas nos escombros a nossa volta. O hotel estava transbordando de gente naquele dia. Admito, tive inveja daqueles que morreram instantaneamente esmagados. Sei que Liz também teve.

No final da terceira semana, nossos desespero alcançou seu pico. Tudo que Liz conseguia falar era como ela havia abandonado suas filhas em casa. Se chamava de fracassada, mesmo sabendo que tudo aquilo que acontecera estava fora de seu alcance. Foi só aí que abordei o assunto sobre Kevin. 

Liguei minha lanterna, iluminando a carcaça de nosso filho mais velho, que estava como um espantalho contorcido e decadente no outro canto do elevador. Ele havia sido empalado e esmagado pelos pelos pedaços contorcidos de metal do elevador quando batemos no chão. Me arrastei até o corpo dele e falei para Liz fechar os olhos. Eu mordi, cuspi na minha palma da mão e voltei para o lado de minha esposa. 

"Não abra os olhos" mandei, "e pense sobre voltar para casa para Clair e Lena." No escuro do elevador, ela soluçava baixinho enquanto mastigava. Voltei e peguei mais para ela, e também um pouco para mim. Assim que ouvi ela engolir o último pedaço, os escombros acima da gente começaram a se mover. Eu estava pronto para ser esmagado por milhões de quilos de cimento. Eu quase fiquei feliz por isso. Mas segundos depois, uma lanterna iluminou nossos rostos. 



20 comentários:

  1. Respostas
    1. Pelo menos eles sobreviveram

      Excluir
  2. Pedro não me atrapalhe eu to tentando ser social ta ta

    ResponderExcluir
  3. Gostei do final baseado na atmosfera do Noveiro.

    ResponderExcluir
  4. Gostei do final baseado na atmosfera do Noveiro.

    ResponderExcluir
  5. Não entendi...Por que o título é "para clair e lena"? Não tem nada a ver com a história...
    E termina assim, sem continuação? wtf

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Clair e Lena são provavelmente as duas filhas que eles deixaram em casa. E eles comeram a carne do filho mais velho (que já estava morto) por elas, sabe? Pra sobreviver e poder voltar para casa e reencontrar essas duas filhas. ~pelo menos foi isso o que entendi

      Excluir
    2. Simé isso,mas mesmo assim não concordo com ele,essse título poderia ser melhor

      Excluir
    3. Tbm acho. Talvez o título ficaria melhor sendo "Por clair e Lena"

      Excluir
  6. Bem legal e quando a fome aperta né? Só lembrando que um ser humano pode viver 2 meses sem comida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 2 meses? Pois eu não consigo passar meia hora sem um Cheetos wtf

      Excluir
  7. Trabalho com contos de terror, deem uma olhada e me digam o que acharam: https://www.youtube.com/watch?v=3-gmTqHUqAc

    ResponderExcluir
  8. Trabalho com contos de terror, deem uma olhada e me digam o que acharam: https://www.youtube.com/watch?v=3-gmTqHUqAc

    ResponderExcluir
  9. Que isso gente, é uma falta de educação vocês incomodarem alguém enquanto está comendo!Mas que falta de respeito.

    ResponderExcluir
  10. Que isso gente, é uma falta de educação vocês incomodarem alguém enquanto está comendo!Mas que falta de respeito.

    ResponderExcluir
  11. Mano, muito boa sua história!!! merece ganhar um filme de terror baseado nessa história!!!
    :)

    ResponderExcluir
  12. Eu acho que, depois de quase quatro semanas, não havia muita carne para comer... Eles comeram carne estragada e cheia de vermes, certeza.

    Interessante.

    http://o-olho-magico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir