17/04/16

Butcherface - Parte VII

Me desculpem pela espera. Isso te colocará à par da situação. Eu só estou escrevendo isso pois eu estou esperando pelo que está para vir hoje à noite.

Após a constatação de que a mídia Butcherface é, na verdade, a publicidade, eu investiguei um pouco sobre o tema. Eu tive uma aula sobre o assunto na faculdade, e mesmo que eu não seja um especialista sobre o tema, eu sei o quão afetivo que pode ser. Essa pode ser a razão pela qual eu poderia finalmente lutar contra isso. Compreender como funciona poderia ter me dado uma vantagem na luta contra a obsessão. Publicidade é inspirada fortemente na psiquiatria, antropologia, neurologia e estudos comportamentais, que criam produtos mundanos ou causas com qualidades simbólicas que instilam, muitas vezes falsas, visões do individualismo. Um certo tipo de publicidade que parece se encaixar à mídia do Butcherface é chamada publicidade de choque. Publicidade de choque é geralmente considerada como aquela que "deliberadamente, em ao invés de inadvertidamente, assusta e ofende a sua audiência por violar normas para valores sociais e ideais pessoais." Podem ser usadas imagens gráficas para destacar uma determinada causa. Alguns estudos têm mostrado que os “consumidores” estão mais propensos a lembrar o conteúdo da propaganda chocante sobre a publicidade regular. Essencialmente, a publicidade afeta você todos os dias e você não consegue sequer perceber isso.

Poucos dias depois da minha reconciliação com Chris, eu recebi um telefonema do Dr. Fidem. Ele queria ter outra sessão, mesmo que a última tivesse sido dias atrás. Eu fui para o seu escritório no dia seguinte. Ele começou me perguntando se eu havia encontrado mais peças da mídia do Butcherface. Eu menti e disse "Não". Ele também perguntou se eu estava mantendo o que eu tinha em um lugar seguro, e eu lhe disse que estava guardando tudo numa gaveta da minha mesa no meu quarto. Em seguida, ele queria falar sobre a minha obsessão, e eu o interrompi e falei que eu estava indo muito bem e que fiz grandes avanços na luta contra Butcherface. Eu disse a ele sobre ser sequestrado e acordar no celeiro. Ele perguntou se eu tinha chamado a polícia e eu disse que seria inútil. Nós havíamos procurado por sua ajuda no passado e nada realmente havia acontecido. Eu também não queria ser atraído para uma investigação em potencial caso alguém começasse. Não seria bom para a minha vida ou para a psique. Ele disse que entendia, mas acrescentou que eu não deveria ter essa insegurança. Ele se levantou, caminhou até sua mesa e tirou a máscara do Butcherface que ele havia criado para a nossa sessão anterior, e apenas segurou ela na mão enquanto a olhava por um momento.
Ele, então, ergueu ela e perguntou por que Butcherface usava uma máscara, além de esconder sua identidade. Eu disse que não fazia ideia. Ele explicou que na Europa medieval, máscaras foram usadas em peças de retratar criaturas alegóricas, muitas vezes deuses e monstros. Eles também faziam isso frequentemente em muitos rituais pelo mundo todo por várias razões, incluindo pela proteção dos deuses e contra os maus espíritos. Variações dessas ações ainda acontecem hoje, como o Halloween e Carnaval. Ele então disse que o uso das folhas de figueira de Adão e Eva serviam para cobrir sua nudez depois de comer da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, que foi uma tentativa de enganar a si mesmos e Deus. Ele finalizou dizendo que rostos são essenciais para expressar emoção.

Eles também são o epítome da individualidade. Butcherface e seus seguidores usando máscaras são, essencialmente, removendo todas as suas emoções percebidas e sua individualidade, e, em essência, virando um rolo compressor em massa. Ele também disse que, na verdade, achou a ideia encorajadora, mas apenas será se eu não fizer da maneira errada. Ele olhou para a máscara novamente por um momento, em seguida, atravessou a sala e colocou a máscara em um armário, que ele trancou. Em seguida, ele disse que é tudo o que tinha a dizer e aguardava com expectativa a nossa próxima reunião.
Naquele fim de semana, visitei minha família. Eles sabiam que eu estava indo à um psiquiatra e que estava pisando em ovos, desde o início, pois qualquer ação aleatória deles criava uma fúria incontrolável em mim. Nesta noite, em especial, tive que jantar com eles e me sentei para ver alguns álbuns de fotos antigas. Eram todas as imagens familiares que eu já tinha visto antes. Viagens à Disney World, festas de Natal, trajes de Halloween, reuniões de família, festas de aniversário, etc. Uma delas me atraiu. Eu era uma criança pequena nela, talvez quatro ou cinco anos de idade. Isso provavelmente foi por volta de 1990 ou 1991. Eu estava correndo em o que parecia ser um quintal.

Chris estava na foto também. Havíamos ido brincar com outras crianças ao redor, todas da mesma idade.

Alguns adultos estavam na imagem, apenas conversando entre si. O que me chamou a atenção foi que no fundo estava, um palhaço de ombros largos e muito alto. Ele estava de perfil e seu rosto havia sido estranhamente pintado e sem emoção alguma. Ele usava calças largas, amarela e branca, e uma blusa vermelha, com um chapéu de coco, velho, surrado, com uma grande pena verde saindo dele. O que fez tudo parecer estranho para mim era que ele estava com ambas as mãos para cima e sua mão esquerda estava sem dois dedos. Eu imediatamente me virei para a frente e perguntou para eles onde a foto havia sido tirada. Minha mãe tirou a imagem para fora da aba de plástico e leu algo escrito na parte de trás dizendo que era uma festa de aniversário de um colega chamado Jeremy. Meu pai falou que se lembrava da festa e lembrou que Jeremy era uma criança muito doente, com problemas de desenvolvimento e que estava provavelmente morta agora. Perguntei se eles lembravam do nome do palhaço e ambos sacudiram a cabeça, dizendo: "Não". Desapontado, mais tarde, eu saí da casa dos meus pais, levando a foto comigo.

Chegando em casa, encontrei Chris na sala, assistindo TV. Eu puxei a imagem do meu bolso e mostrei para ele. Ele disse: "E daí?" No início, mas então eu mostrei o palhaço para ele. Ele teve a mesma reação que eu tinha, puxando a imagem da minha mão e virando para a frente, no sofá, com os olhos arregalados. Depois de ver o arquivo do Butcherface tantas vezes, tínhamos a certeza o palhaço era Butcherface. Faltavam os dois dedos, ele tinha o mesmo tom de pele e ele ainda tinha o mesmo tipo de corpo que havíamos visto no vídeo. Perguntei a ele se ele se lembrava do Jeremy, porque eu não me lembrava mesmo. Ele disse que sim, vagamente. Ele aparentemente era hospitalizado constantemente e acabou sendo retirado da escola. Eu disse que nós devíamos procurar por ele, mas Chris me cortou, dizendo que eu estava ficando obcecado novamente. Prometi a ele que não estava ficando obcecado. Eu só queria ver onde isso podia nos levar, mas ele disse "Não" e entrou em seu quarto, batendo a porta.
Fui para a cama naquela noite com um monte de coisas em minha mente, mas eu, fiz uma última análise antes de adormecer. Meu sono tinha começado a melhorar. Fui então acordado por um pequeno estrondo e um som de algo arrastando. Eu não podia dizer o que era, mas foi no meu quarto. Eu fiquei na cama, mas continuei olhando em volta por causa dos sons. Eu percebi que ele estava vindo do lado esquerdo da minha cama, perto do fundo, ao lado de minha mesa. Houve um pouco de luz entrando no meu quarto através da minha porta aberta à direita da minha cama, embora muito pouca. Eu, então, percebi o problema disso. Eu sempre fecho a porta do quarto quando eu vou para a cama. O arrastamento continuou da parte inferior esquerda da minha cama e fez o seu caminho para chegar mais perto. Eu rapidamente me inclinei em sua direção e o arrastamento parou. Eu lentamente olhei por cima da borda da cama, mas o pouco de luz vinda da porta estava bloqueada por minha cama e eu não podia sequer ver o chão na escuridão, embora eu tivesse a esmagadora sensação de que algo estava olhando para mim. Virei lentamente para direção oposta, agindo como se eu ainda estivesse dormindo e esperei. Eu estava de costas para onde os sons estavam vindo e eu tive a esmagadora sensação de alguém me encarando, bem perto de mim, na parte de trás do meu pescoço.

Um frio silencioso encheu a sala por uns bons dez minutos. Eu comecei a me perguntar se eu estava imaginando coisas, quando, de repente, comecei a ouvir o arrastar novamente. Ele fez o seu caminho para longe de mim, em direção ao pé da minha cama. Eu, então, senti um puxão no meu cobertor. Seja o que for, acidentalmente pisou no canto do cobertor que estava pendurado na beira da cama. Eu sabia que minha mente não estava pregando peças em mim. O barulho de arrastamento continuou a ir em volta da minha cama e agora estava rastejando, passando por tudo, até a porta, mas parou novamente. Seja lá o que era, precisava da luz da porta agora, mas minha cama bloqueava meu ponto de vista desse ângulo. Lembrei-me então de um espelho que ficava contra a parede mais distante, perto da minha cômoda. Sem usar o meu corpo, eu virei meus olhos para o espelho. O quarto estava muito escuro, mas eu não vi nada. Então, olhei para baixo e o que vi me fez saltar da cama com um grito. Perto da escuridão, no chão, mal iluminado pela porta aberta, estava alguém deitado, usando uma máscara de pano, olhando de volta para mim. Dei um pulo e gritei, fazendo com que a pessoa mascarada saltasse e corresse para fora da porta. Peguei uma katana da minha coleção de espadas, que eu tinha deixado entre a cama e mesa de cabeceira e comecei a perseguição. Eu corri para fora do quarto e fui pelo corredor, tirando a bainha da lâmina enquanto eu ia. Chegando à sala de estar, ele fez o seu caminho até a janela já aberta perto da mesa do computador. Ele passou uma perna pela janela e começou a ir para o outro lado da janela, com as duas mãos apoiadas contra a parede, dando tempo para alcançá-lo. Dei uma facada selvagem, bem quando a outra perna deslizava pelo parapeito, pegando a manga da camisa perto do cotovelo, prendendo à parede. Com ele preso, comecei dando socos em seu rosto, mas ele estava se movendo muito e eu principalmente feito contato em seu pescoço e parte superior do tórax. Ele continuou se puxando pela manga, enquanto eu continuava a perfuração. A manga finalmente se soltou e ele caiu fora para o chão, levantou-se e fugiu. Chris tinha vazado para fora de seu quarto, bem quando Butcherface tinha caído para fora da janela e correu até mim bem a tempo de vê-lo desaparecer na floresta. Eu então disse a ele “É por isso que eu queria procurar pelo palhaço da festa de Jeremy. Butcherface não vai nos deixar em paz. Eu queria saber o porquê. “ Em seguida, ele concordou em me ajudar a procurar pela casa de Jeremy.

A busca por Jeremy foi realmente muito fácil. Era uma simples busca na Internet. Nós não realmente encontramos muito sobre Jeremy, em si. Parecia que meu pai estava certo. Jeremy devia ter morrido em algum momento no passado. Nós basicamente só encontramos um endereço e que era dele. Alguns dias depois, após Chris chegar em casa do trabalho, fizemos o nosso caminho para o endereço que encontramos, que acabou por ser realmente uma unidade de quinze minutos de casa dos meus pais. A namorada de Chris não queria ir. Ao chegar, no local, não tínhamos certeza se alguém realmente ainda vivia lá. A casa estava caindo aos pedaços. Uma das janelas havia sido destruída, com uma folha de plástico cobrindo-a, pintura descascando, e toda a casa foi ligeiramente inclinando-se para a esquerda. O quintal parecia com a imagem, embora cheio de mato. Nós caminhamos até a porta e batemos, não esperando alguém responder. Ficamos surpresos ao ouvir movimentos dentro da casa e caminhamos até a porta, pois uma voz feminina havia dito "Um minuto". A porta foi então aberta e fomos recebidos por uma pequena mulher de cerca de 50 anos, com queda capilar. Ela então congelou e piscou os olhos, como se ela estivesse tentando se lembrar de alguma coisa. Seus olhos, em seguida, foram para o lado, e um grande sorriso se formou em seu rosto, e ela disse "Chris! Meu Deus! Eu não vejo você há muito tempo! Entre. Eu estava prestes a alimentar o Jeremy ". Ficamos surpresos que Jeremy ainda estava vivo e ela explicou que ele teve algumas recaídas, mas que ele ainda estava vivo, embora sua saúde nunca realmente houvesse melhorado e ela ainda tivesse que cuidar dele. Chris então disse: "Espere. Você não nos vê há cerca de vinte anos. Como você se lembra de nós? "Ela bateu na cabeça e disse:" Eu tenho boa memória "com um sorriso, em seguida, nos trouxe para a sala mal iluminada, onde Jeremy estava assistindo TV. Eu não estava surpreso que Jeremy estivesse com os pés na cova. Ele parecia morto. Ele estava sentado em uma cadeira reclinável, de cueca. A melhor maneira que posso descrevê-lo é que ele se parecia com um esqueleto com pele esticada sobre ele. Ele era, pelo menos, uns vinte centímetros menor do que eu ou Chris, embora ele tinha a mesma idade que nós. Sua cabeça era grande e disforme com cabelo fino. Ela nos apresentou a ele, dizendo: "Adivinha quem está aqui, Jeremy! Os seus dois amiguinhos da escola ". Ele examinou a sala com os olhos, mas ele não pareceu nos notar.

Ela nos conduziu para a sala e nos sentamos no sofá ao lado da cadeira de Jeremy, enquanto ele jantava. Nós desajeitadamente dissemos oi para ele e acenamos. Ficamos em silêncio enquanto Jeremy cantarolava uma melodia que parecia apenas para fazer sentido para ele, até que sua mãe voltou com uma taça do que parecia ser aveia. Ela começou a colocar a farinha de aveia em sua boca e, finalmente, perguntou o porquê de estar lá. Perguntamos se ela se lembrava do quinto aniversário de Jeremy, aquele que ele havia convidado toda a turma. Ela disse que sim e acrescentou que foi a melhor festa de aniversário Jeremy já teve. Eu, então, puxei a imagem do meu bolso e perguntei se ela se lembrava do palhaço e se ela poderia lembrar o seu nome. Ela disse: "Oh, sim. Ele chamou a si mesmo de Felix, o palhaço. Ele era um homem muito bom. Oh! Você ganhou um dos seus presentes também?! "Perguntamos o que ela queria dizer e ela respondeu" Cerca de oito anos atrás. Eram dias muito escuros para nós. Eu estava alimentando Jeremy e ouvi uma batida na porta. Quando eu respondi, não havia ninguém lá, mas um pacote estava na varanda, embrulhado em papel pardo. Eu trouxe-o para dentro e rasguei o papel, encontrando uma caixa bonita. Era um presente muito bom, mas o que estava dentro era ainda melhor. "Ela olhou para o filho e disse:" Certo, Jeremy? "Ele deu um aceno fraco. Ela, então, acrescentou: "Bem, diga aos seus amigos o que ele nos deu". Ele embalava a cabeça em nossa direção e parecia que ele havia nos notado pela primeira vez, pois ele tinha um olhar de choque no rosto e, com a força que nós não achávamos que ele tinha, ele começou a se empurrar para longe de nós, como se ele achasse que nós estivéssemos indo atacá-lo. Ele começou a gritar e puxar a roupa de sua mãe, tentando ficar longe de nós. Ela começou a gritar "O que vocês fizeram com ele?! Vocês disseram algo a ele! "Nós dois começamos a gaguejar que nós não havíamos dito nada. Ela estava olhando diretamente para nós, nem sequer abrindo a boca quando ele olhou para nós. Ela continuou gritando "O que você disse a ele?! O que você disse a ele?! "Nós nos levantamos em uma tentativa de ajudar a acalmá-lo e ela gritou " Saia de perto dele! ", E ela o puxou para mais perto de si mesma. Dissemos que estávamos saindo, mas quando estávamos prestes a sair, em um movimento rápido, Jeremy puxou-se dos braços de sua mãe e voou até nós. Eu instintivamente saí do caminho, mas Chris não teve tanta sorte. Ele foi jogado no chão e Jeremy começou a bater em seu rosto com os punhos. Chris lutou para agarrar seus braços, para impedi-lo, mas Jeremy continuou com as mãos livres e continuou a bater. Olhei para sua mãe, para ver se ela estava se levantando para ajudar, mas ela estava realmente dizendo "Leve-o Jeremy! Pegue-o! "Agarrei ele em volta do peito e o desprendi de Chris, o colocando no sofá. Chris deu um pulo e nós corremos para fora da porta. Chegando no carro, Chris disse: "Isso foi uma má ideia", e eu disse:

"Sim, nós não deveríamos ter feito isso" e nós aceleramos, saindo de lá. Enquanto estávamos na estrada, nós recebemos um telefonema do irmão de Chris, Evan, que disse que estava no caminho para a nossa casa, e tinha algo que ele queria nos mostrar. Quando chegamos em casa, encontramos a namorada de Chris na garagem. Quando saímos do carro, ela nos disse que havia um incêndio em nossa casa, mas ela havia o apagado. Ela nos levou para dentro e encontramos "Mergulhe na colmeia em 5" chamuscado no tapete em letra cursiva, com uma garrafa de fluido de isqueiro no corredor, como se tivesse sido jogada lá. Devia ter sido acesa pouco antes dela ter chegado, porque o fogo não parecia ter se espalhado para muito longe e as palavras eram legíveis.
Depois de abrir algumas janelas para deixar a fumaça restante sair, a namorada de Chris (já que vocês pediram, vamos chamá-la de "Regina") explicou que ela estava aqui, porque ela tinha recebido uma mensagem estranha durante a condução. O telefone dela tocou e quando ela atendeu, uma voz mecânica, robotizada disse: "A câmera olha em sua alma" e o transmissor desligou. Assim como estávamos prestes a analisar esta mensagem, a porta se abriu e Evan entrou. Depois de perguntar o que havia acontecido com o nosso piso, ele entrou como se ele também tivesse recebido uma mensagem do Butcherface. Enquanto se mudava da casa de seus pais, ele estava carregando uma caixa para o seu carro. Então, ele descobriu que uma das caixas em seu carro, cheia de livros, tinha sido puxada para fora do carro, rasgada, e o livros estavam rasgados em pedaços, com as páginas rasgadas, sopradas no vento.

Preso ao lado do carro com chiclete mastigado, estava uma das páginas rasgadas. "Um livro contém uma casa de ouro" estava escrito nela com o que parecia ser batom, que nos fez supor que esta era na verdade uma mensagem de False Face. Quando ele terminou de contar a história, eu fiz uma piada que Butcherface finalmente era multiação, com a mensagem em nossa casa, a ligação de Regina, e agora o bilhete de Evan também. Ele perguntou o que dizia a chamada dela, e nós explicamos. Todos nós começamos a debater sobre o que as mensagens quiseram dizer, quando eu, pensando na nota de Evan, de repente, lembrei do livro que encontrei na "caverna" sob o celeiro de Butcherface. Isso me levou a ter que voltar atrás e dizer Evan sobre as mensagens que eu estava recebendo. Ele perguntou se podia vê-los e eu fui para pegá-los na mesa do meu quarto. Mas, quando eu abri a gaveta, a mídia tinha ido embora. Lembrei-me então da noite em que eu achei Butcherface rastejando no chão do meu quarto, e percebi que é por isso que ele estava lá naquela noite. Para roubar de volta os seus meios de comunicação. Contei então para Evan, como eu me lembrava.

"10 - Então é hora de contar um conto"

"A linha foi cruzada, às 9"

"Contar até 8 no último portão"

"7 Portões já foram abertos, e não são para o céu"

"A 6ª irá corrigir"

"Mergulhe na colmeia em 5"

Esta foi a primeira vez que eu percebi que essas mensagens eram uma contagem regressiva. Em minha defesa, eu tinha visto-as ao longo de um número de semanas e ainda não tinha pensado sobre o seu significado. Mas, "Um livro contém uma casa de ouro" poderia estar falando sobre esse livro que eu encontrei na caverna. Isso poderia significar que ler esse livro significa boa sorte. Evan concordou que era uma boa possibilidade, então perguntou o que "A câmera olha em sua alma" poderia significar. Eu peguei a câmera de Regina que eu usei para iluminar meu caminho para fora da caverna, e lembrei do fato de que ela tinha encontrado imagens nela, nas quais ela se recusava a dizer o que havia encontrado. Chris se virou para Regina e perguntou o que estava na série de imagens.

Assim como quando eu perguntei, ela se recusou a responder. Acrescentando que não ajudaria
ninguém com o que ela nos disse. Evan deu um salto e disse a ela para parar de ser hipócrita e dizer para nós. Ela perguntou o que estava na caixa que eu tinha colocado sob a mesa de café que ele viu, e ele se recusou a dizer também. Ela então disse que ele era o único que foi hipócrita. Eu e Chris entramos em cena e falamos para se acalmarem. Evan então apareceu pular de excitação, dizendo "Oh! 'Câmera' também pode significar 'Câmara' em latim. Assim, 'A Câmera olha em sua alma "pode realmente significar “A Câmera olha em sua alma'. E, essas mensagens que ele enviou para você mencionam uma "linha", uma "porta", "portões", e uma "colmeia". Esses são todos os locais que podem ser muito específicos. Eles poderiam ser todos do mesmo lugar. Agora que temos essas outras mensagens que citam uma "Câmara" e um livro, e você encontrou um livro no porão do celeiro de Butcherface. A 'Câmara' pode ser subterrânea, e Butcherface menciona 'Poço' nos vídeos que originalmente foram encontrados. A 'Câmara' poderia ser apenas um outro termo para estes "Poços".

 Poderiam estes "Poços 'estarem nos túneis debaixo do celeiro?" Parecia interessante, mas isso significaria que os "poços" teriam que ser um lugar físico, e as referências de Butcherface a ele sempre pareceram ser metafóricas. Quando eu disse isso, Evan disse que a única maneira de descobrir é ir lá e olhar por nós mesmos. Eu lhe disse que não queria voltar a esse celeiro. Além disso, nas fitas, ele descreveu-os como "Os poços de dor e tortura". Chris concordou comigo e disse que não iria de volta para a Casa de Butcherface.
Na semana seguinte era Natal. Minha família dá uma grande festa de Natal na casa da minha tia. Esta foi também a primeira vez que a maior parte da minha família enorme vê Emma. Temos um grande jantar, em seguida, abrimos os presentes. Não é muito rigoroso e qualquer um pode dar um presente para quem quiser. Então, alguém pode obter uma montanha de presentes, enquanto outros podem ter dois cartões de presente e é isso. Basicamente, cada um recebe um presente de qualquer um que possa pensar. Assim, se algo está acontecendo com você que toda a família está interessada, você provavelmente irá obter mais presentes. Isso é provavelmente uma das únicas coisas boas sobre este problema Butcherface. Todos queriam saber o que estava acontecendo comigo. Eu acho que eles estavam pensando em mim este ano porque eu estava enterrado em presentes de Natal. Um dos presentes foi embora. O papel de embrulho era uma cor marrom-avermelhada e estava grosseiramente embrulhado. A etiqueta dizia que era de "Papai Noel". Eu a rasguei e descobriu que era uma edição especial do King Kong, um dos meus filmes favoritos, que foi um alívio. Mas, quando eu o assisti, dois dias depois, o disco não queria tocar. Tirei-o da capa e descobri que ele estava profundamente arranhado. Notei que os riscos eram palavras. Olhando mais de perto, notei que eles disseram "A chave vai abrir a porta 4pós o passeio".
Cerca de uma semana e meia mais tarde, eu tive a minha próxima sessão com o Dr. Fidem. No caminho até lá, eu liguei para Emma para ver se poderíamos fazer algo depois. Ela me disse que estava na cidade, visitando Jesse. Antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, ela disse: "Oh! Tenho que ir "e desligou. Quando eu cheguei, ele perguntou se eu tinha conseguido qualquer nova mídia do Butcherface. Eu menti novamente e disse que não. Nós continuamos nossa conversa da nossa sessão anterior. Ele então foi até o armário em que o vi colocar a máscara do Butcherface durante a sessão anterior. Abriu e tirou a máscara. Ele então contou como a mídia do Butcherface provavelmente funcionava. A coisa foi, ele não estava me dizendo como um médico a um paciente. Era mais como se ele quisesse falar sobre isso com alguém. Ele falou sobre como Butcherface e seus discípulos têm as características de um culto, e trouxe até crimes realizados por alguns deles, incluindo os suicídios em massa cometidos por membros do Templo do Povo em Jonestown, Guiana e os assassinatos da família Manson. Ele passou a contar a ideia de que se unirem em grupos pequenos, o uso de máscaras remove a própria individualidade, que é interessante e se perguntou por que alguém iria aderir a esse grupo. Sua secretária entrou na sala e sussurrou algo em seu ouvido. Ele, então, colocar a máscara de volta no armário e se desculpou, dizendo que ele vai estar de volta em um momento. Eu vi ele ir e como eu estava voltando para a minha posição sentado, notei o armário destrancado e com a porta ligeiramente aberta. Fui até lá e o abri para encontrar sua máscara de Butcherface pendurada em um gancho, rodeada por uma variedade de outras máscaras, um par de luvas, uma prateleira cheia de entalhes demoníacos ao lado de uma pilha de VHS, fitas cassete e CDs. Um certo número de facas grosseiramente feitas também foi pendurado contra a parede. Então, aconteceu de eu olhar para o canto direito e ver em um saco Ziploc que eram as mensagens de Butcherface que haviam sido roubados da minha mesa por alguém com uma máscara de pano, incluindo o envelope com "A linha foi cruzada, às 9" escrito nele e o pedaço de papel dobrado com "7 Portões já foram abertos, e não são para o céu". A porta abriu e Fidem entrou segurando um envelope pardo. Em um segundo ele me viu em pé ao lado do armário aberto, sua boca caiu e ele deu um passo para trás, como se ele quisesse correr. Peguei a bolsa e disse: "Isso foi furtado da minha mesa por alguém usando uma máscara como esta" e eu puxei a máscara fora do gancho e joguei para ele. Ele a deixou cair no chão, sem sequer tentar pegá-la. Ele respirou fundo e me disse que eu realmente não era o único paciente dele que veio lidar com Butcherface. A maioria deles não teve êxito.
Quando ele ia pedir para eles qualquer uma das pistas, a maioria se recusava em entregar. Ele queria vê-lo por si mesmo e só conseguia pensar em uma maneira de obter os meios de comunicação. A maioria dos pacientes estavam com muito medo de lutar com Butcherface se ele invadisse suas casas. Fui até ele e puxei o colarinho para baixo, revelando hematomas no pescoço e no peito, o mesmo lugar que eu tinha perfurado a pessoa que roubou a mídia da minha mesa. Ele tentou explicar melhor a si mesmo, mas eu o interrompi e disse que foi feito com as nossas sessões e que eu não iria mais tomar Zoloft, se é que aquilo realmente era Zoloft. Nervoso, ele disse: "Eu entendo tudo isso. Mas, alguém mandou isso sob a porta para a sala de espera. É para você. "E levantou o envelope pardo. Agarrei para fora de sua mão. Escrito em grandes letras no lado era o meu nome no que eu só posso descrever como um tipo de letra criada por Tim Burton. Eu derrubei o envelope de cabeça para baixo e deixe o seu conteúdo cair para fora, o que era uma página solitária de um calendário para o mês de janeiro. Uma série de linhas vermelhas irradiadas fora da caixa para 1/17 e apontou para grande escrita vermelha que arqueava ao redor da página que dizia: "Você será livre com o 3 quando você usar a chave".

Alguns dias depois, recebi um telefonema do irmão de Chris, Evan, que perguntou se eu queria sair. Quando cheguei, ele estava me esperando na porta da frente. Ele me acolheu em casa e perguntou como eu estava indo. Eu disse a ele sobre o que aconteceu com o Dr. Fidem e ele apenas balançou a cabeça e logo em seguida mudou de assunto para o fato de que ele estava se perguntando por que Butcherface estava se concentrando seus esforços em mim. Eu disse que não queria pensar sobre isso, e eu estava desistindo de Butcherface após os eventos com o Dr. Fidem. Chris estava certo quando disse que eu deveria tê-lo deixado sozinho há muito tempo. Em um ponto, ele conseguiu um texto e eu notei que quando ele olhou para a mensagem, ele tem um olhar estranho em seu rosto. Ele então colocou o telefone na mesa, de cabeça para baixo. Ele continuou falando e eu o interrompi, dizendo que eu tinha estado muito ocupado naquele dia e estava com muita sede. Ele congelou por um segundo e parecia olhar como se ele estivesse segurando a raiva, como se eu me atrevesse a interromper o que ele estava dizendo. Em seguida, ele sorriu e disse: "Tudo bem. Vou pegar alguma coisa. "Ele se levantou e fez o seu caminho para a cozinha. O segundo em que ele estava fora de vista, eu peguei o telefone e olhei para a mensagem que acabara de receber. Ele disse: "Magnus frater spectat te", de alguém chamado Felix. Ouvi-o terminar despejando a bebida e abrir a geladeira. Ele estava colocando a bebida de volta na geladeira e estava voltando. Meu Latim estava um pouco enferrujado, então eu rapidamente mandei uma mensagem, a mensagem para o meu celular, então eu poderia traduzi-lo mais tarde. Eu coloquei o telefone de volta onde ele estava, como ele deixou. Quando ele voltou a se sentar, eu tentei mudar o assunto para quando ele saísse. Ele rapidamente ficou aborrecido com a conversa e disse que tinha algo para fazer e teve que sair. Fui para casa traduzi o texto de Evan. Eu sabia que eu havia dito que iria ficar longe das mensagens de Butcherface, mas este texto pode significar perigo para nós. Depois de uma rápida visita à internet, eu traduzi a mensagem como "O irmão mais velho está vigiando você". Apesar de "Big Brother" ter óbvias ligações com o governo, meu primeiro pensamento foi em Chris, irmão mais velho de Evan. Mesmo que ele ainda estivesse trabalhando no momento, eu decidi chama-lo por SMS e perguntar sobre isso. Esta é conversa entre nós.

Eu
"Ei. Eu vi o seu irmão hoje e ele estava agindo de forma estranha. Sabe alguma coisa sobre isso? "

Chris
"Uma consciência limpa nunca teme à uma noite iminente."

Eu
"O que? Ele tem um texto de alguém, no qual menciona "Irmão mais velho". Você está o controlando? "

Chris
"Você não existe."

Eu
"Evan pode se machucar."

Chris
"Mate um para advertir a cem."

Eu parei de enviar as mensagens de texto, neste ponto, mas ele manteve o envio de mensagens, como ...

"Abata o burro depois que ele terminar o seu trabalho na fábrica."

"Só quando todos contribuem com sua lenha eles podem fazer um fogo forte."

E…

"Spectio. Signum. "

Neste ponto, eu estava doente dos textos e enviados ...

"Me deixe em paz!"

E ele respondeu de volta ...

"Você também vai saber o que fa2er".

Neste ponto, eu só mandei uma mensagem do tipo "Foda-se!" E os textos estranhos pararam.
Cerca de 20 minutos depois, recebi outra mensagem de telefone de Chris, dizendo ...
"Cara, WTF? Eu perdi o meu telefone esta manhã e só encontrei na minha mesa. Por que você está me dizendo para me foder? "(Esta mensagem foi enviada às 5 horas da tarde)
Para manter o resto do conto, verifique que ele tinha perdido seu telefone pouco depois de chegar no trabalho naquela manhã. Ele procurou por um bom tempo e, eventualmente, desistiu e continuou com o seu dia. Depois de ser incomodado durante a maior parte do dia, chegou em seu escritório para encontrar seu telefone deixado bem no meio da mesa. A única mensagem sobre ele era o meu 'Foda-se! " com o resto da conversa que pareceu ter sido excluída. Depois de esclarecer isso, perguntei-lhe se ele estava observando seu irmão. Ele disse que estava desde o que eu disse a ele sobre a última vez que tinha visto seu irmão. Contei sobre o texto que seu irmão tinha recebido e o avisei para prestar atenção ao seu redor.

Ele ficou em silêncio por cerca de uma semana, sendo sexta-feira passada. Eu tinha finalmente falado com Emma para vir em minha casa, depois d’ela não ir lá desde a nossa experiência com Butcherface, quando eu recebi um telefonema de Chris, que estava visitando sua família naquela noite com Regina. Descobriu então que seu irmão tinha desaparecido. Eu não podia deixar de sentir que eu nunca pode começar uma pausa, mas nós dirigimos até a casa de sua família para ver o que está acontecendo. Evan ainda estava em processo de mudança. Sua sala estava vazia e seus pais acreditavam que ele tinha ido ficar em seu novo apartamento nos últimos dois dias, mas eles tinham tentado chamá-lo e ele nunca respondia. Seu pai foi para o apartamento mais cedo naquele dia, quando ele deveria estar em casa do trabalho, e ver se ele estava ok. Ele encontrou a porta trancada e o correio se acumulando em sua caixa de mensagens. Seus pais tinham uma cópia da chave do apartamento e foram pensando se eles devem entrar e investigar. Decidimos que era uma boa e fomos até lá. Quando chegamos lá, já estava escuro e as persianas estavam abaixadas. O pai de Chris subiu os degraus da varanda e abriu a porta. Ele abriu a porta e passou a mão por dentro para acionar as luzes, mas a energia parecia não estar ligada. Peguei minha lanterna da minha caixa de ferramentas e entramos.

Achamos o lugar vazio. Ninguém parecia se importar. Eu não sei por quê.

Eu tenho que ir.

                                                                                 <Parte VI | O Mistério sobre Butcherface>
(Des)continua...



18 comentários:

  1. Essa é a última que ce tem, ne Thiago? :c

    ResponderExcluir
  2. Todo mundo no e-mail do Dash32 flodando pra ele continuar a creepy.(Obs:sou novo no site e, Thiago, sua tradução é mt boa.)acho que tou abssecado pelo butcherface, poruqe n consigo parar de ler!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. TODO MUNDO NA CONTA DO REDDIT DELE, GALERAAAA \O/

      Excluir
  3. Muito legal essa creepy, mas a cada 10 palavras se passam uma semana kkkk

    ResponderExcluir
  4. Aaah a magia tava até boa mas tudo acontece com ele. Mtu conveniente q o butcher tenho aparecido na foto da infância, q o psiquiatra tenha ficado mais obcecado q ele, q o irmão do Chris tenha recebido a mensagem. Ainda dava pra ter um gostinho da ideia disso acontecer... Mas ainda assim ansiosa pela próxima parte, ótimo conto :3 hauahau

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. eu amo dms essa série, obrigada de novo por traduzir Thiago!
    parece q todo mundo q descobre sobre butcherface fica obcecado por ele, mesmo pensando: "n posso ficar obcecado N POSSO FICAR OBCECADO" eles ficam.
    doideira
    QUERO MAIS PFVR ESCREVE MAIS VMS FLOODAR

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkk Dash32 deve me odiar. Domingo eu fiquei mandando mensagens por todos os contatos dele por 5 horas.

      Excluir
    2. Manda mesmo :v

      Excluir
  7. socorr, eu amo essa série <3 parabéns ao tradutor <3

    ResponderExcluir
  8. me segura não to bem, isso não é creepypasta neh? é real mano comassim AMEI <3
    parabéns pelo seu trabalho Thiago, bela tradução e principalmente obrigada porque eu nunca fui de ler tanto assim (só mangás que vergonha kapskapska), essa série me prendeu cara <3 fiquei com dó do Evan ter sumido imaginando o pior mas aí lembrei que foi esse fdp que fez cópias da mídia ;-;

    ResponderExcluir
  9. Thiagoooooo já tem a parte VIII? sua tradução é 10/10

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não existe parte VIII. Dash parou de escrever aí. Maaaas, procure por "O mistério de Butcherface"

      Excluir
  10. Pô, sacanagem o autor ter descontinuado o conto. Tá muito boa!
    Bora floodar na conta do reddit dele hahaha

    (Meu nome é Ivan, to no pc da faculdade postando esse comentário. ^^)

    ResponderExcluir