05/04/16

O problema com a Chris

Desculpa a demora, galera. Estava sem acesso a PC no final de semana para traduzir. 
-
A mãe de Christina costumava dizer que o problema era que ela parecia um moleque.  

Christina Abbey era minha vizinha e quando éramos pequenas sempre a achava a coisa mais linda que eu já havia visto na minha vida. As vezes olho nossas fotos antigas brincando juntas e ela parecia uma versão humana de uma boneca de porcelana chinesa. A mãe dela que fazia suas roupas. Eram ridiculamente fora de moda. Tinha um milhão de vestidos com babadinho. Seus cabelos loiros em cachos sempre brilhavam e sempre tinha um lacinho em uma das mechas.

"O problema com Christina é que ela nunca se encaixa com as outras crianças", ouvi um dia uma professora falando para outra quando achou que não estávamos ouvindo. Estávamos sentados fora da sala de aula e devíamos ter seis ou sete anos. Uma das outras crianças estava fazendo bullying sem misericórdia por causa das roupas esquisitas, e isso acabou em uma briga no parquinho. 

A mãe de Christina nunca pareceu perceber que, mesmo que pudesse vestir sua filhinha daquele jeito, aquilo só fazia com que as outras crianças a tratassem mal quando entramos na escola. 

"O problema com a Chris é a mãe dela" minha mãe me dizia. "Ela acha que a menina é uma boneca, e não a deixa se comportar como uma criança normal." Mesmo sendo novinha, entendia perfeitamente o que minha mãe queria dizer. Meus pais eram tão desencanados com isso que a minha criação foi bem desapegada. Eu era a mais nova de cinco filhos. Minhas roupas tinham sido todas passadas de meus irmãs para mim e, mesmo que me amassem profundamente, me deixavam correr por aí e me sujar livremente. Um furo em minhas calças não era nada para se apavorar e, contanto que eu não me envolvesse em algo sério, um arranhão ou roxo era sempre esperado.

Por outro lado, Chris não tinha permissão para brincar. Não tinha permissão para ficar suja, nem para se desarrumar. Me lembro de a ver muito triste na janela de seu quarto assistindo um monte de crianças da rua brincando e pulando em uma piscina inflável que meus pais colocaram no nosso jardim.

Só foi ficando mais óbvio enquanto crescíamos. Vestidos cheios de babados é algo meio incomum para uma criança de sete anos usar na escola, mas para uma de dez anos é ridículo. A mãe de Christina começou a ficar bastante religiosa na época que a menina nasceu. Não faço ideia qual religião em específico, mas fazia com que Chris tivesse que seguir muitas regras. Ela não podia fazer vários trabalhos que recebíamos na escola por causa das crenças religiosas de sua mãe. 

Mas mesmo assim eu sempre a amei. Éramos melhores amigas, e quando ficamos um pouquinho mais velhas, dávamos fugidinhas para brincar no bosque. Eu emprestava para ela um tênis velho meu para que os sapatinhos de boneca dela não nos entregasse, e nós vagávamos pelo bosque por horas, pulando nas pedras do pequeno riacho e fazendo guerrinhas com gravetos. Considerando que a mãe dela era tão controladora, Chris era bem normal e divertida.  

Sua mãe não permitia que ela fosse em minha casa, ou na casa de nenhuma outra criança pois, aparentemente, tinha medo de sermos más influências. Mas eu tinha permissão de ir na casa dela. Sempre imaculada e brilhante. Eu não ia muito lá, porque mesmo ficando mais velhas, a mãe dela achava que devíamos brincar de bonecas e hora do chá para sempre. Com Chris em seus vestidos de fru fru e com os conjuntos de xícaras infantis, eu me sentia em um desenho animado da Alice no País das Maravilhas. Chris também não gostava de ficar em casa, mas como sua mãe era solteira e trabalhava como enfermeira, ficávamos bastante tempo sozinhas para fazer o que queríamos. 

No verão que fiz onze anos, Chris e sua mãe viajaram por algumas semanas. Era a primeira vez que eu estava ansiosa para que as aulas voltarem. Eu sentia saudades da minha amiga. Mas quando voltamos, não havia sinais dela. Perguntei para minha professora sobre e ela disse que a partir de agora Chris seria educada em casa. Na volta para casa, fui direto para a dela. A mãe atendeu a porta e disse que ela não tinha mais permissão para brincar comigo. Fui para casa e chorei para minha mãe. Não ligava que as outras pessoas pensavam que Chris era estranha. Era minha melhor amiga e eu fiquei devastada.

Naquele final de semana, fiquei escondida esperando que a mãe dela saísse de casa e fui bater novamente na porta. Chris gritou lá de dentro que estava trancada e que era para ir para a lateral da casa. Ela abriu a janela da cozinha e eu escalei para dentro. Eu mal tinha aberto minha boca para começar a fazer as milhões de perguntas que tinha quando ela começou a chorar desesperadamente. Em todos meus onze anos de vida, nunca tinha visto alguém chorar tanto. Entre o choro descontrolado e eu tentando acalmá-la, isso foi o que eu consegui entender.

Aparentemente o pai dela, que Chris não tinha nem ideia que estava vivo, tinha saído da prisão. Ele estava lá por ter estuprado a mãe. Essa novidade fez com que a mulher ficasse no limite da sua sanidade. A reação inicial foi fugir com Chris para um Hotel no meio do nada. Enquanto estavam lá, Chris ficou doente e alguém foi até o Hotel para retirar seu apêndice. Depois de algumas semanas, a mãe tinha se acalmado o suficiente para voltar para casa, mas disse para a menina que, para sua própria segurança, a partir de agora seria educada em casa e não tinha mais permissão para sair a não ser com sua mãe.

Abracei forte minha amiga e disse que sempre estaria ali para ela. Foi bem aí que ouvimos o carro da mãe dela estacionando na garagem.

"Dorga!", falei. "Se ela sair de novo me avisa que eu virei correndo para cá". Coloquei meu celular novo na mão dela. Tinha sido me presente de aniversário, substituindo o velho Nokia de terceira mão que minha mãe me obrigava carregar para emergências. "Mas cuida bem dele, porquê se quebrar minha mãe vai me matar." e com isso pulei janela fora e pousei suavemente no chão, onde fiquei até que ouvi a mãe de Chris entrar pela porta da frente.

Passei aquela noite deitada na cama lendo revistas em quadrinhos velhas, vagamente arrependida de ter deixado meu novo brinquedinho com minha amiga. Eu já estava dormindo pesadamente quando Christina me ligou. Minha mãe atendeu, e tenho certeza que se fosse qualquer outra amiga ela teria dito para que ligasse outra hora, mas ela mesmo se preocupando com a criação de Christina, ela gentilmente me acordou.

"Hey, encrenca (o apelidinho carinhoso que minha mãe me deu), Chris está no telefone chorando, quer ir ver se ela está bem? Porque ela não quer falar comigo". Me arrastei para fora da cama.

"Hmmmph" murmuriei no telefone, piscando freneticamente meus olhos cheios de remela.

"Tina? Preciso de você. Fiz algo muito ruim e preciso de você."

"Que? O que você fez?" Meu cérebro ainda funcionando mal e mal. 

"Acho que matei minha mãe." e começou a chorar novamente.

"OK, chego aí em dois minutos." De repente eu já estava bem acordada. Desliguei o telefone.

"Então?" minha mãe perguntou. 

"Chris disse..." meu queixo começou a tremer "Chris disse matou a mãe dela." e com isso a adulta estava bem acordada também.

Aquela noite são apenas flashs de imagens na minha mente. Eu assisti pela janela do meu quarto quando a policia e a ambulância chegaram. 

A coisa que mais me lembro foi quando a retiraram de casa. Sua camisola longa coberta de sangue, e juro por Deus que ela olhou para mim, antes de colocarem-na no carro, e sorriu. Todos os dias eu rezo para que ela me perdoe, mas não pude ajudá-la de nenhuma outra forma que não envolvessem meus pais.

Naquela época, tudo que meus pais me disseram que a mãe de Chris tinha a machucado e a menina entrou em uma discussão com ela e sem querer a matou. 

Muitos anos depois, minha mãe finalmente me contou a verdade do que acontecera naquela noite. 

Chris e sua mãe tinham brigado feio, onde a mãe foi atacá-la e Chris agarrou a primeira coisa que viu e jogou na direção dela para se defender, mas acertou a cabeça da mulher, ferindo-a mortalmente. 

A verdade foi que, quando dei a Chris meu celular naquela tarde, ela teve a habilidade não só de me ligar mas de ter acesso a internet pela primeira vez. Ela acessou informações que sua mãe tinha escondido dela a vida toda. Chris descobriu que não foi o seu apêndice que fora retirado naquele noite no Hotel.

O problema com a Chris era que seu nome na certidão de nascimento era Chistopher e sua mãe que odiava homens queria ter uma filha, não um filho. 


39 comentários:

  1. Juro que esperava qualquer coisa pra esse final, menos isso.
    Curti.

    ResponderExcluir
  2. WOW, gente, que história!!!!! Só um toque: onde se lê "portanto que eu não me envolvesse em algo sério", o certo seria "contanto que". Parabéns pelo trabalho.

    ResponderExcluir
  3. Tiraram o piupiu o.o que loucura

    ResponderExcluir
  4. E foi dai que surgiu o filme insidius ahahahshasha

    ResponderExcluir
  5. Noooossa. Nunca ia esperar esse fim. Adoguei

    ResponderExcluir
  6. Nossa, é ridiculamente previsível. A primeira frase da creeppy já entrega totalmente o final. Bem xoxô mesmo. :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem sugestões de creepypastas que não sejam tão ridiculamente previsíveis? Que não sejam tão xoxô assim? Adoraria pegar uma listinha com você :)

      Excluir
    2. Kkkk não liga Divina, é gente xoxa querendo se passar por sabichona. Adoreeei a creepy,parabéns pela tradução! Um dia quero ser uma tradutora tão boa quanto *-*

      Excluir
    3. Qualquer estoria com as caracteristicas de sefundencia sao boas.....continue com o bom trabalho

      Excluir
    4. Por enquanto não Divina, mas quanto eu tiver uma listinha sem começos ridiculamente previsíveis, passarei à você. Enquanto isso, espero creepys que sejam boas o suficiente. Abraços.

      Excluir
    5. Essa creepypasta tem muitos problemas, mas esse com certeza não é um deles.

      Se você tiver bagos, devo supor que uma das bolas é de cristal, porque com "A mãe de Christina costumava dizer que o problema era que ela parecia um moleque" você já adivinhar esse final, é foda. A frase da muito pano pra manga; dá pra você pensar, por exemplo, que a garota não gostava de ser garota (uma hipótese que seria destruída no meio do texto, mas tem outras coisas também).

      Excluir
    6. Essa creepypasta tem muitos problemas, mas esse com certeza não é um deles.

      Se você tiver bagos, devo supor que uma das bolas é de cristal, porque com "A mãe de Christina costumava dizer que o problema era que ela parecia um moleque" você já adivinhar esse final, é foda. A frase da muito pano pra manga; dá pra você pensar, por exemplo, que a garota não gostava de ser garota (uma hipótese que seria destruída no meio do texto, mas tem outras coisas também).

      Excluir
  7. Era pra ela ter dado o celular Nokia pra Chris, ai ia partir o crânio da tia no meio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. huashasha
      Quando eu tava lendo pensei que ela ia dizer que atacou o celular mesmo na cabeça x_x

      Excluir
  8. Eu gostei mas concordo que a primeira frase entrega o final...

    ResponderExcluir
  9. A mãe era especialista em cortar o peru = V

    ResponderExcluir
  10. Não achei que o título entrega (afinal, quando estou na 3a linha já esqueci qual é o título),fui criada que nem ele(a), af -_-

    ResponderExcluir
  11. Já achava a mãe uma filha da puta, mas quando vi o último parágrafo... Muito bem Chris ù3u

    ResponderExcluir
  12. Minha nossa primeira vez que não adivinho o final muito boa!*-*

    ResponderExcluir
  13. Divina,cadê os outros tradutores? Se vc n posta, ninguém posta...

    ResponderExcluir
  14. Uma se chama "ChrisTINA" e a outra "Tina", significa alguma coisa que não entendi, tipo a Tina ser o imaginário da Chris? @_@ Ou é mera coincidência?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o autor só era pouco criativo para nomes mesmo, pelo menos eu não achei nenhum duplo sentido para na original para esses nomes parecidos.

      Excluir
  15. Uma das melhores creepy que li aqui, Parabéns!!

    ResponderExcluir
  16. Não achei previsível, na verdade o final me surpreendeu. Agora vou entrar na Internet aqui e descobrir se minha mãe não tem planos contra mim.

    ResponderExcluir
  17. adorei essa creepypasta, mas tb achei previsivel tipo se vc ler o começo "A mãe de Christina costumava dizer que o problema era que ela parecia um moleque." no meio da crepypasta ja entende

    ResponderExcluir
  18. Mesmo lendo de pingado em pingado as creepys daqui, devo dizer que vocês estão traduzindo uns textos com uns enredos um pouquinho mais ousados (pelo menos no desenvolvimento). Essa história tem uma proposta meio cliché, mas bem desenvolvida. Me agradei muito com essa repetição da expressão "fulano dizia que problema da Cris era", porque isso nunca deixava a gente esquecer qual era o mistério do texto.
    Ao contrário de muitos eu achei essa história longe de previsível; pra mim a cirurgia da garota teve um enfoque muito pequeno para eu pensar que de alguma forma isso iria ser relevante. Mas a história é legal, o plot twist foi maneiro. Curti
    Porém...
    Falta coesão. Vide na personalidade da Chris. Não consigo imaginar que ela seja uma garota divertida; a história dessa mina é tipo a da Carie. E a Carie era assim? Porra, isso não teve muito a ver não.
    Outro ponto é sobre como a mina descobriu com um simples acesso a internet que ela tinha perdido o pênis e não o apendice. Ela sabia o nome da cirurgia? Tinha informações dela na internet? Acho que isso não da pano pro leitor imaginar, é um buraco na história.
    Enfim, esses seriam comentários mais úteis pra quem criou a creepy. Pro CPBR...
    Galera, peço que vocês revisem melhor os textos. Tem umas creepys aqui que tem um começo merda pra caralho que não sei como não largo a leitura (às vezes largo), agora essa se manteve num ritmo, numa qualidade do início ao fim. O que poderia ter me feito largar, no entanto, são esses milhões de erros no decorrer da leitura que realmente incomodam o leitor.
    É isso, espero ter ajudado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. troca de sexo é um assunto bem controverso,principalmente em crianças,o autor fala q foi anos atrás e q ele tinha um nokia,entao provavelmente foi nos anos 90-2005,deve ter sido noticiado pra caralho,acho q isso explica como ela descobriu a cirurgia

      Excluir
    2. eu axo q a/o Crish aproveitou a net pra pesquisa uma coisa q a mãe puritana nunca lhe deu acesso, coisa q todo adolescente tem curiosidade, sexualidade...
      acesso um Xvideos da vida e viu q meninos tem pinto como ele/ela tinha e a sua novíssima ppk as meninas tem d nascença, ai a treta esta plantada...

      Excluir
  19. nooooossssaaaa, mt tempo q n venho aqui, vejo q está melhor q nunca u.u, mas a creppy foi bem xoxinha '-'

    ResponderExcluir
  20. Só eu achei que parece com Carrie, a estranha??

    ResponderExcluir
  21. Wooooow! Eu não esperava por esse final! Que louco! Isso é muito louco! Muito louco! Muuuuito loucoooooo! É isso ai, Christopher.

    ResponderExcluir
  22. K..ra..lhuvei. Q estroto, foda, sensacional,inesperado, surprendente. Creepy muito boa!!!

    ResponderExcluir
  23. Achei que tinham tirado o útero da menina mas me enganei feio kkkk. Amei!

    ResponderExcluir
  24. O começo me lembrou "Carrie, a estranha"...
    Mas o final me surpreendeu bastante '-'
    So não entendi pq ngm percebeu na escola que era um garoto... Ja que a certidão tava Christopher, sei la

    ResponderExcluir