11/05/16

O pequeno jardim



Se foi difícil para mim ver minha prima Anneke definhar aos poucos, então devo imaginar que deve ter sido uma experiência lancinante para sua mãe, tia Pauline.

De uma criança efusivamente turbulenta, cheia de personalidade e encrenqueira, Anneke se tornou gradualmente uma adolescente ponderada, cuidadosa com cada palavra que falava, meticulosa com cada passo que dava e muito cautelosa ao experimentar qualquer coisa nova.

Todos pensamos que era apenas o seu amadurecimento, a puberdade atingindo-a com força. Na minha mente, ela havia passado estranhamente rápido pela transição de cordeiro para ovelha; um dia estava no campo, pulando para lá e para cá com suas pernas no ar - e no próximo estava apenas olhando secamente para a grama, sem vida dentro de si.

Entretanto, esse não era o caso. O rosto perfeito de Anneke, que mais parecia um retrato, tornou-se duro e imutável - a falta de controle sobre os seus músculos faciais foram os primeiros sintomas da doença. Depois sua respiração começou a ficar curta e seus membros longos e graciosos ficaram rígidos e fracos, quase não conseguindo mover seu pequeno corpo.

Minha melhor amiga de infância - com quem passei tanto tempo brincando e explorando as propriedades de Tia Pauline - se tornou nada mais que uma casca humana imóvel, ainda com uma mente alerta, consciente e com uma dor psicológica terrível por entender que sua vida estava escapando entre os dedos como água.

Eventualmente foi transferida para um hospital onde receberia melhor seu tratamento, e eu só a via em raras visitas. Depois de um certo tempo parei de visitá-la, pois podia sentir seu olhar invejoso em mim enquanto eu andava livremente pelo seu quarto para colocar flores em um vaso ao lado de sua cama.

-

Quando tia Pauline morreu, a família caiu em suas propriedades como uma horda de ratos selvagens, rosnando, se agarrando e jogando um cabo-de-guerra com a herança enquanto seus olhos se arregalavam pelo desejo de adquirir algo de valor. Eu me sentia como uma personagem de um livro de Tolkien, testemunhando-os dividir os tesouros encontrado no Condado dos Hobbits - mas sem poder impedir - com receio que alguém afundasse as presas afiadas em alguma parte macia do meu corpo; ou que destruiriam minha carne com golpes de garras por causa da ganancia fria que havia tomado conta deles.  

Legalmente, tudo pertencia a Anneke; mas com ela viva porém incapacitada, a família tratou a morte de Pauline como um passe livre à todos - com saques informais que não envolvessem advogados, contanto que todos recebessem um pouco do que queriam.

Minha mãe me encorajou a pegar algo "para lembrar de minha tia", mas eu sentia uma inquietação borbulhar dentro de mim enquanto assistia meus parentes enfiarem armários cheios de peças de cobre e prata em seus carros. 

Mas havia algo que eu queria, um objeto que havia me fascinado desde criança.

Intocado, o terrário estava em uma pequena mesa na sala de estudos de Anneke, ao lado de seu quarto. Poucos parentes tinham tido a audácia de saquear sua câmara privada, sendo que ela ainda estava viva. Era esse objeto que eu queria resgatar de todo aquele caos e levar comigo para casa - melhor do que algum primo de terceiro grau pegar para eventualmente virar um apoio de livros.

Com o tamanho e formato de um capacete de mergulhador, era um globo de vidro cor de âmbar cheio de vida verde dentro, com uma tampa de ouro e rosca de ébano. Jogando meu moletom em cima do terrário, levantei-o da mesa e carreguei tortuosamente aquele troço pesado escada abaixo.

"Conseguiu o que você queria?" minha mãe perguntou.

"Acho que sim," falei, colocando a coisa no banco de trás com o cinto de segurança em volta bem preso.

A culpa me atacava no caminho para casa, mas aceitei que era melhor do que outra pessoa pegar.

Afinal, eu era mais próxima de Anneke do que qualquer outra pessoa; exceto sua mãe. 

-

Quando era criança, sempre achava o terrário algo intrigante, e continuava com a mesma fascinação peculiar.

O vidro era muito grosso, distorcia tanto que mal conseguia tirar uma foto decente de tudo que estava dentro de uma vez só. Suas seções ampliadas, as quais você conseguia estudar por um tipo de microscópio rústico, antes de girar o globo amarelado para ver a próxima seção.  

Dentro havia um jardim pequeno e bem elaborado.

Árvores pequeninas em estilo bonsai ficavam em volta de uma pequena piscina de água, situada de um jeito que a condensação do terrário deixasse sempre cheio de água. Haviam caminhos feito de pedrinhas e gramados de musgo, cravejado de flores minúsculas que sempre floresciam em uma época do ano. Uma miniatura perfeita.

Entretanto, o mais importante era o castelo.

Ficava bem no centro junto das topiarias de musgo e um gazebo de palitos de fósforos, feito de pedras cinza-escuras e com minaretes com bandeirinhas de papel no topo. Os detalhes eram bastante requintados - mas você nunca conseguia absorver todos os detalhes do jardim de uma só vez por causa da grossura do vidro. Anneke que eu tínhamos inventado diversos contos fantasiosos sobre o castelo e quem o habitava.

Pensar em minha prima me acalmava, mas também fez com que eu me arrependesse novamente do meu roubo, assim deixei o terrário na mesa de café da nossa sala, que ficava de frente para o jardim coberto de matos e rosas - onde eu o veria com menos frequência.

Mas era algo muito difícil de se esquecer, presença estranhamente imponente - um curioso talismã que representava nossa infância, antes de Anneke sucumbir por causa da doença.

-

No começo eu não percebia que os jardins dentro do terrário estavam mudando. Haviam sempre novos ângulos para olhá-lo, novos cantos e recantos para explorar com os olhos. Anneke e eu sempre estivemos convencidas que metade do interior era falso; era perfeito demais, muito imutáveis para ser plantas orgânicas de verdade.

Quando olhei lá dentro, vi um nova treliça coberta de flores que pareciam ser rosas cor de laranja. Senti aquela emoção curiosa percorrer por toda minha espinha, arrepiando os pelos da minha nuca. 

Eu não podia negar agora, o pequeno jardim estava mudando.

Mas isso era impossível, é claro. Uma pegadinha. Uma piada. Minha mãe devia estar metida com isso, sendo que ela era a única que sabia da minha obsessão na infância com aquele objeto. Entretanto, a tampa dourada estava lacrada como sempre - e na verdade haviam dois cadeados bem presos entre as duas seções, mantendo-os firmemente fechados.

Minha mãe deve ter a chave, pensei.

Mas minha inquietação só crescia a cada dia que eu observava o terrário. Minha mãe não havia me visitado faziam duas semanas, e o interior do terrário continuava mudando - resumindo, parecia que ele estava se adaptando para a nova vista que tinha.

Frustrada, desacreditada e irritada que estava perdendo meu tempo por causa de um terrário idiota, estourei o cadeado com um alicate, e depois comecei a desenroscar a tampa de cima - a qual fez ruídos de guincho por causa do desuso e da ferrugem, fazendo-me descartar a ideia que minha mãe estava modificando-o para pregar uma peça em mim.

De baixo da tampa ficava a borda do vidro esférico soprado, que era a estrutura do terrário - e nessa borda havia uma espécie de selo feito de cera, só que estava quebrado. Inspecionando a cera, vi que de fato indicava que um dia o terrário havia sido intocado, mas que também já havia sido aberto.

Enquanto eu arrancava os pedaços restantes da cera, uma torrente de ar úmido tocou meu rosto, carregando consigo aquele cheiro alienígena que estava preso ali Deus sabe lá por quanto tempo.

Usando uma agulha de crochê, eu enfiei minha mão dentro do terrário e derrubei a pequena treliça de rosas, e rapidamente rosqueei novamente a tampa.

Saberíamos em breve que estava mexendo nos pequenos jardins.

-

De manhã, a treliça estava de pé e orgulhosa, as rosas perfeitas penduradas - nenhuma florzinha fora do lugar.

O que senti naquele momento foi parecido de quando somos crianças e descobrimos algo novo, desconhecido e maravilho, antes de um adulto explicar o que estava acontecendo e a mágica se dissipar e aquilo se tornar comum.

O sentimento se intensificou quando fui até minha cozinha, que normalmente está uma bagunça, para fazer uma xícara de chá.

Tudo estava limpo!

Todas as panelas estavam nos seus devidos ganchos, escovadas, polidas e brilhando. Todas as louças estavam lavadas e guardadas, a pia dupla sem nenhuma mancha de sujeira ou ralos entupidos.

Acho que até dei uma risada na hora, estúpida e desentendida; eu não conseguia compreender o que estava vendo.

De uma forma extramente incessável, continuou assim - dia após dia minha casa ficava metodicamente limpa, quarto por quarto, até que eu me encontrei em um lar tão limpo que a própria Rainha da Inglaterra poderia ter vindo me visitar que não me sentiria constrangida. 

E quando digo que tudo estava limpo, era tudo mesmo; desde os fios e cabos atrás da televisão até o cemitério oficial das moscas que ficava na janela da lavanderia. Minha casa estava imaculada. 

Como aquela velha lenda do sapateiro que era visitado toda noite por pequenos elfos que terminavam seu trabalho exaustivo, seja lá o que estivesse morando no terrário, estava tornando minha vida em casa a mais fácil possível. 

-

Foi uma amiga com quem me encontrei para tomar um café que comentou sobre minhas unhas e meu cabelo, como estavam bem cuidados e aparados. Sendo uma roedora de unhas, ri de seu comentário, mas quando olhei para baixo vi que ela estava certa; as cutículas estavam perfeitas, unhas polidas e lixadas.

Claro que devia ter sido meus ajudantes visionários de casa; com a casa constantemente arrumada, tinham pouco o que fazer. Habituando-me com a estranha compulsão de estar tudo sempre arrumadinho, revolvi deixar com que eles continuassem com o trabalho - o Senhor sabe que, sendo uma jornalista solteira, uma ajudinha sempre caía bem. 

Quando minha pele melhorou, nenhum cravo ou espinha avista, eu soube que tinham estado em meu rosto durante a noite. Quando não precisei mais raspar minhas axilas ou pernas, souber que as criaturas deviam ter arrancado meus pelos pela raiz.

A última gota foi quando comecei a acordar com tranças elaboradíssimas. Peguei um fio de cobre que tinha na garagem e enrolei nos buracos onde antes estavam os cadeados que seguravam a tampa do terrário.

Mas na manhã seguinte acordei com o rosto completamente maquiado - como uma modelo luxuosa de revista de cosméticos - e o fio de cobre torcido estava em nenhum lugar para ser encontrado.

Eu tinha um problema em minhas mãos.

Uma série de cadeados pregressivamente mais caros foram sendo comprados por mim para tentar mantê-los lá dentro, mas de manhã sempre estavam destruídos e fora do lugar, nenhum deles parecendo desafiadores para os cidadães do terrário. 

Comecei a sonhar sobre eles, sobre o castelo lá dentro. Eram pequenos e sombrios, apenas seus oblíquos olhos brancos visíveis nos corredores e torres escuras do castelos. Sonhei que deslizavam pela minha pele, parecendo mil formigas, cada um parecendo tão pequeno quanto a ponta de uma agulha, minúsculos o suficiente para entrarem por meus poros e adentrar de baixo da minha carne. 

Quando comecei a perder a mobilidade do meu rosto e de meus membros, também sentindo minha respiração cada vez mais pesada e curta, soube que tinham passado suas pequenas mãos não só por fora, mas estavam podando, cortando e aparando meus delicados nervos, tecidos pulmonares e fibras musculares também.

-

O novo cadeado estava agressivamente jogado em cima da minha mesinha de centro, o metal tão retorcido que nem parecia ter sido um cadeado antes. Agora eu entendia como minha tia conseguia sozinha manter sua enorme mansão totalmente imaculada com uma filha. Com a ajuda dos pequenos ajudantes do terrário, até uma casa enorme como a dela tinha condição de ficar perfeitamente arrumada. 

Mas não foi o suficiente para pará-los de entrar no corpo de Anneke e podar seu interior de uma forma que minha prima não conseguia mais se mover. 

O globo parecia muito pesado enquanto eu o levava até o carro. Eu podia sentir o aperto dos meus tendões e músculos aonde os jardineiros tinham trabalhado. O mar ficava a apenas 30 minutos de viagem e fiz o trajeto em muito menos tempo, o terrário muito bem preso e com cinto de segurança ao meu lado.

Não senti remorso enquanto eu o rolava-o até o penhasco a beira-mar, nem quando o derrubei dentro do mar turbulento. Se batesse em alguma rocha, se quebraria em mil pedaços e seus moradores morreriam afogados. Se simplesmente caísse no fundo do oceano, ou fosse levado por uma corrente marítima para longe, nunca mais seria visto por olhos humanos. 

De manhã, o terrário me deu bom dia com seu belo brilho âmbar, parado no meio da minha mesa de jantar, sem nenhum arranhão no vidro e os jardins lá dentro continuavam perfeitos como nunca - até com algumas novas pedrinhas na beira do lago, como se os habitantes estivessem debochando minha tentativa frustrada de destruí-los.

Lágrimas frustadas escorriam pelas minhas bochechas, e senti a pressão inatural dos meus músculos quando gritei de raiva.

-

Meus dedos ficavam cada vez menos capazes de realizar tarefas simples, e ficava difícil manter uma linha de pensamento continua; era como se eles estivesse agora dentro da minha cabeça, podando os dendritos e sinapses, moldando meus impulsos e desejos.

Os sonhos se intensificaram; Eu sabia que estavam dentro de mim todas as noites, podando e aparando, fazendo minhas memórias morrerem. A faísca vital que me fazia ser quem eu era estava desaparecendo; logo eu estaria junto de minha prima em seu estupor abatido - mas sem minha tia para enclausurar as criaturas novamente com as trancas originais, eu passaria o estado atual de Anneke rapidamente e viveria uma meia-existência torturante moldada por aqueles pequenos tormentadores. 

Agora eu entendia, eles queria vingança; estavam ressentidos por terem ficados trancados por causa da minha tia e queriam espedaçar minha existência em um limbo tedioso para espelhar as eras que ficaram presos.

O fundo do terrário ia arranhado a calçada da minha casa enquanto eu o arrastava até o carro, o cimento estragando seus ornamentes belamente desenhados. Colocá-lo no carro com meus membros fracos me tomou muito mais tempo que desejava, e me deixou sem ar e tremendo por causa do esforço.    

Quando cheguei no hospital, pedi para um funcionário me ajudar. Ele colocou o enorme globo em uma cadeira de rodas, a qual eu empurrei dolorosamente e com cuidado pelos corredores até chegar ao quarto de minha prima.                                  

Estava deitada, parada como sempre, apenas seus olhos verdes brilhantes me rastreando. 

Com meu último grande esforço, levantei o terrário e coloquei em cima de uma mesinha que ficava ao lado de sua cama e retirei a tampa. 

O medo ficou estampado naqueles lindos olhos verdes, reconhecendo-o. 

"Desculpa." Sussurrei.

Sem olhar para trás, saí dali empurrando a cadeira de rodas vazia.

-

Digo à mim mesma que foras as criaturas que colocaram aquele pensamento na minha mente, que me fizeram levá-los até Anneke, para terminarem o que tinham começado.

Mas acho que você e eu sabemos que isso não é verdade.

E isso me atormentará até a morte.
-

Se gostou desse conto,  comente, só assim saberemos se vocês estão gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da opinião de vocês! Obrigada!

FONTE


36 comentários:

  1. Cara que creepy incrível, posta mais algumas assim Divina.

    ResponderExcluir
  2. 15 13.15.20.4.22.15 5 15 22.3

    Ass:MD

    ResponderExcluir
  3. Tive que vir aqui comentar. Que creepy exótica. A ideia foi fenomenal, é aquele tipo de história que surpreende devido a criatividade do autor.

    ResponderExcluir
  4. Já tinha previsto td, menos a parte de ela levar o globo pra prima

    ResponderExcluir
  5. Muito foda, essa realmente é digna de filme, imagina os bichinhos dentro da mente da mana cara, que sensacional!!!

    ResponderExcluir
  6. Simplesmente uma obra de arte . Sem palavras para definir está creepy !

    ResponderExcluir
  7. Meu Deus que Creepy maravilhosa. Traz mais creepys assim Divina !! As criaturas eram oq ? Elfos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu chuto que eram fadas... mas vai saber, né?

      Excluir
    2. Acho que eram elfos. Fadas não combinariam muito com tal feito.

      Excluir
  8. Creepy ótima! Fazia tempo que eu não lia uma creepy assim e com certeza daria um filme muito legal.

    ResponderExcluir
  9. Sinceramente não é meu tipo de creepy, mas, caramba, totalmente incrível e não é clichê, eu achei muito boa msm parabéns pessoal, obrigada por disponibilizar <3

    ResponderExcluir
  10. Além da criatividade, ela consegue prender a gente até o final. E que final! Muito Boa, Divina!

    ResponderExcluir
  11. Imaginei aquelas criaturinhas do Gulliver ;-;

    ResponderExcluir
  12. alguém explica o final.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No final, ela sabia que as criaturas precisavam de alguma "atração", ou seja, continuar oque eles estavam fazendo com Anneke, então, antes que ela ficasse como sua prima, largou os monstrinhos proximo a Anneke para deixar ela em paz, já que eles não largariam até encontrar um novo "recipiente" biológico.

      Ela se livrou do tormento, cedendo o corpo da prima para eles a podarem até a morte.

      Excluir
  13. Que ótimaaa mas fiquei com tanta pena da prima ;(

    ResponderExcluir
  14. o tipo de beleza que tem um mal por trás :3
    deveriam fazer um short film dessa creepy, simplesmente fantástica, diferente e imprevisível, acho que é a melhor que eu leio essa semana <3

    ResponderExcluir
  15. Nunca havia comentado por aqui (por pura timidez mesmo XD). Realmente gostei muito dessa creepypasta; a narrativa se desenrola de uma forma bem fluida e a leitura me remete ao livro "O Jardim Secreto". Sem sombra de dúvidas, foi uma das melhores que li.

    ResponderExcluir
  16. E se ela levasse o "jardim" pra um desconhecido? -q Sei lá, tipo um paciente aleatório do hospital.

    ResponderExcluir
  17. https://youtu.be/vjUL9x1coZc

    ResponderExcluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. Tô sem palavras... Sensacional. Alguém tem o contato do autor? Estudo cinema independente, se tiver interessado em conversar sobre um curta metragem...

    ResponderExcluir
  20. Como faz pra ter esse globo?


    Quero

    ResponderExcluir
  21. Creepy fantástica.

    ResponderExcluir
  22. Gente que daora,quem disse que tudo de bom não têm seu preço

    ResponderExcluir
  23. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  24. Espetacular! Seria um filme maravilhoso, com certeza! Amei!

    ResponderExcluir
  25. Espetacular! Seria um filme maravilhoso, com certeza! Amei!

    ResponderExcluir