20/10/16

Cinco... quatro...

Cinco, quatro, três, dois, um. Eu digo, minha voz um brando sussurro.

Sr. Baker repete depois de mim: “Cinto, quatro, três... nós podemos parar por hoje doutor? ”

- Eu temo que nós não possamos. Isso é realmente importante.

 “... dois, um. ”

- Agora você me fala novamente sobre isso. Desde o começo.

Ele estremece. “Ele tinha me colocado em uma cadeira. Preso, eu e os outros. Por dois dias nada aconteceu. ” Ele para, engole seco. Ele já estava chorando.

Eu digo a ele que eu sei que isso é difícil. Que eu odeio ter que fazê-lo viver tudo aquilo de novo, mas que ele tem que fazer. Digo para ele aguentar comigo.

De novo, eu digo. Respire fundo, vamos lá. Cinco, quatro, três, dois, um.

E ele me conta a história. História essa que eu ouço cinco vezes por dia. Eles estavam presos, eram estranhos uns aos outros. Todos acordaram na mesma casa de madeira. Mesmo cheiro de enxofre e amônia, eles todos me dizem. Cordas ao redor de seus corpos, cadeiras aparafusadas ao chão. Nenhuma janela.

Eles são todos meus pacientes, é por isso que ouço suas histórias.

 “Ele enfiava agulhas nas minhas orelhas, ” Sr. Baker suspira, em meio a soluços. “Eu não posso mais ouvir com o ouvido direito. Cinco... quatro...”

Três, dois, um. Eu o ajudo. Continue, eu digo, você tem o poder sobre isso, Sr. Baker.

Eu arrumei um quatro num hotel da cidade nem um mês depois de eles escaparem e a coisa toda atingiu os noticiários. Sr. Baker foi quem libertou todos eles, cinco dias depois de as seções de tortura começarem. Ele me disse, na sua primeira seção, que ele acordou nessa casa de madeira no meio do nada, com quatro estranhos junto dele, todos amarrados a uma cadeira. E por quatro dias esse cara vestindo uma máscara de gato torturou eles. Sem palavras. Sem razão. Nenhum pedido de resgate.

Simplesmente tortura.

Então no quinto dia, Sr. Baker arrumou uma brecha. O homem mascarado estava fora e a corda estava um pouco frouxa, ou ao menos foi isso que ele me disse. Coberto em sangue, fezes e urina, ele se soltou e teve a humanidade (a qual eu acho que eu não teria) de soltar todos os outros quatro antes de fugir.

Boas notícias, más notícias, boas notícias. Boas porque eles escaparam. Ruins porque todos eles estão fudidos da cabeça agora, todos os cinco. Boas porque eu tenho um bom negócio.

Eu quero dizer, essa é uma cidade pequena no Colorado. Sem psiquiatra. Eu recebi a chamada assim que meu artigo sobre como lidar com sobreviventes de tortura com estresse pós-traumático chamou a atenção do próprio prefeito. Recebi um convite e um grande salário para tratar daqueles cinco.

 “... quatro, três, dois, um. ” Sr. Baker diz, repetindo o mantra que eu ensinei a ele.

Vá em frente, eu digo. É essencial que eles revivam aquele momento comigo. Assim eles podem eixar para trás. Eles têm que falar sobre isso como você fala sobre o seu final de semana, sem barreiras, sem medo, sem ter calafrios. Eu digo isso para todos eles.

Ele treme.

 “As agulhas... não pararam nas orelhas. Ele as enfiava – as enfiava no meio dos nossos dentes e gengiva, até o osso. E então ele ficava enfiando. Por horas. ”

Ele sorri um sorriso feio, sua boca ainda carregando marcas, seus dentes muito grandes, a base da gengiva perfurada em pequenas cicatrizes.

Vamos lá, eu digo. Cinco, quatro...

 “... três, dois – Eu não consigo doutor. Eu não consigo. ”

Então o relógio bate duas horas, de qualquer forma. Eu agradeço a ele, eu digo que foi uma boa seção. Ele treme e treme. Ele parece mal enquanto vai embora.

Alguns segundos depois estou sozinho, digerindo o que ele me disse. De novo.

Tem sido assim por um mês. Todos os cinco, cinco dias por semana, eles vêm aqui, me contam suas histórias. Todo dia eles tentam lidar com isso um pouco melhor. Eles tentam reviver aquela semana como se fosse uma semana comum. Cada dia eles vão embora um pouco pior do que entraram.

 “Doutor? ” Mary passa a cabeça pela porta. “Sua cliente das duas... huh... ”

Eu pergunto se ela se referia a Sarah. Sarah era outra dos cinco. Ela tem sofrido bastante com o meu processo.

 “Sim... huh... ela não virá hoje. ”

Eu a pergunto porquê.

 “Ela cometeu suicídio esta manhã. ”

- Certo. - Eu digo que vou comer alguma coisa na minha mesa e que ela pode sair para o almoço. Mas peço que ela esteja de volta antes das três. Jonathan é meu cliente das três. Outro dos cinco. Bem, quatro agora.

Por Deus, quão fácil é falsificar um site de psiquiatra. Mais fácil ainda é traduzir algum artigo cheio de baboseiras sobre tortura e casualmente linkar ele a uma conta falsa no Facebook em nome do Prefeito idiota do Colorado.

Por Deus, se eu não disser que mataria todos eles, de um jeito ou de outro. Mesmo se eu tiver que esperar pela minha chance.

Eu não deixo trabalhos inacabados.

Eu pego um sanduiche da minha mesa e começo a comer.

Um por um. Se eu não consegui acabar com eles ao mesmo tempo, eu vou acabar com eles um por um. Se eu não consigo fazer isso com agulhas, eu terminarei com palavras.

Eles estão todos mortos por dentro, sério. Eu estou apenas fechando o envelope.

Já funcionou com a Sarah. Faltam apenas quatro.

Quando o relógio bateu três horas, Marry acompanha Jonathan sala a dentro. Ele já está tremendo.

 “Nós podemos não falar sobre isso hoje Doutor? ” Ele resmunga, “Só hoje... por favor. Vamos falar sobre outra coisa. ”

- Me desculpe, você tem que falar. Você tem que reviver aquele dia, todo dia. Até você melhorar.

- Eu vou te ajudar a passar por isso. - Digo para ele respirar fundo.


- Conte comigo: Quatro. Três. Dois. Um.


Oi gente, como sempre, comentem se gostaram ou não da Creepy. E me digam, quais os planos pro Halloween?  Ai vai uma dica, assistam o filme Lights Out! E se já assistiram me digam o que acharam. Até a próxima. 



28 comentários:

  1. Uau que tenso! Até que me enganou no começo... Bela creepy, congratz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também me enganou no começo kkkkkk
      obrigada ^^

      Excluir
  2. Caramba, que horror esse "doutor" kkkk
    Creepy show!

    ResponderExcluir
  3. Boa creepy, gostei, e gostei mais por ver outro colaborador que não a Divina postando!
    Pode continuar assim!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tento postar com mais frequência mas as vezes a faculdade ocupa muito mais tempo que o esperado, mas também a Divina faz milagres kkkkkk
      Obrigada ^^

      Excluir
  4. Um pouco previsível, mas gostei mesmo assim.
    6/10

    ResponderExcluir
  5. Previsível... Mas mesmo assim é boa!
    Nunca assisti a sugestão de filme, tem na Netflix?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na Netflix ainda não pois é um filme recente :c
      Mas uma sugestão de filme bom que assisti recentemente na Netflix é The Purge, tem os dois primeiros (é uma série de 3 filmes) e em breve eles vão lançar uma série. To pensando em fazer um post sobre filmes pro Halloween, mas acho que todo mundo já fez/faz não sei se vale muito a pena kkkkk

      Excluir
    2. Filme não, é tema batido zzzzzzzzzzz
      A gente quer conto que dê arrepio na espinha mesmo

      Excluir
    3. Acho legal a ideia de postar filmes, mas não podem ser esses muito conhecidos pq ai é realemnte batido. Um interessante é o "Holidays", são vários contos bizarros e tem no Netflix. Sobre Lights Out, fiquei com mais medo do trailer do que o filme e si (mesma coisa pra "As above, so below" - também tem na netflix) achei o curta metragem mil vevezes melhor que o filme.

      Excluir
  6. Um pouco previsível, mas ficou bem escrito e a história tbm foi boa. 8/10

    ResponderExcluir
  7. Sei lá... não curti muito :c, mas ta bem escrita e é envolvente 7/10

    ResponderExcluir
  8. Previsível,a estória é boa, gostei :V
    8/10

    ResponderExcluir
  9. Muito bom ler os comentários e saber que a maioria gostou ^^
    E pro pessoal que não curtiu muito, não se preocupem, a gente continua atrás de coisas legais pra todo mundo ler ^^

    ResponderExcluir
  10. Já disse na postagem do Tommy Taffy que o que mais me assusta são creppys onde o inimigo é tangível. E esse cara é muito FDP!!! Terror fisico, terror psicológico... Me deixou de cabelos em pé! De uns tempos pra cá, vcs me deixam varias horas sem dormir! Por isso, continuem, pq tambem estarei sempre aqui!

    Keep creeping!!

    ResponderExcluir
  11. Eu achei que o "doutor" iria morrer por ajudá-los, mas é o próprio que ta tentando matar os pacientes para ganhar dinheiro ou por pura loucura... Foi isso?

    ResponderExcluir
  12. Que maluco fdp e que bosta esse povo, geral enganado por uma falsificação dessas! Ninguém desconfiou, serião?
    Mesmo assim ficou bem foda!

    ResponderExcluir
  13. Oi se vcs gostam de creepypastas temos um grupo no Whatsap
    Falar com Fábio (88 81088120)

    ResponderExcluir
  14. A creepy tava boa não tava top mas tem um errinho pequinininho la no 2° sei la pagrafo mas fora isso tava boa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah sim o erro e que no lugar de cinco tava cinto.

      Excluir