27/10/16

Histórias de um entregador de pizza (PARTE 3)




Oi gente, é o T aqui de novo. Desculpa a demora para trazer uma nova história! Estou escrevendo isso aqui logo após sair do bar, então pegue leve com meus erros de digitação porque ainda estou meio bêbado. Estava lá conversando com alguns colegas de trabalho, mais especificamente com o que fez uma gambiarra com a lamparina no carro para jamais ficar no escuro.  Vamos chamar esse cavalheiro de K. K tem por volta dos 35 anos, é casado e tem dois filhos, um cara bem comum pra falar bema verdade. No verão passado, algo bem fodido aconteceu com ele enquanto fazia uma entrega de pizza no norte da cidade. Algo bem ruim mesmo. Seja lá o que tenha acontecido, a única pessoa que sabe é o nosso chefe. O que ele contou para o chefe o rendeu duas semanas de folgas remuneradas. Só recentemente, e por recentemente quero dizer há uma hora atrás, K se abriu para mim depois de algumas cervejas e deixou escapar o que aconteceu naquela noite que o deixou com medo de escuro. Me deu permissão de escrever aqui o que aconteceu porque, de certa forma, K quer que todos saibam o que está lá fora. Os próximos parágrafos são o que eu entendi da história que me contou, a história que o fez ficar aterrorizado de estradas longas e solitárias.

Pelo que entendi da história, foi em Junho do ano passado e K estava levando uma entrega no limite de nossa área de entrega. Parece que as coisas mais fodidas sempre acontecem quando distanciadas do centro da cidade. De qualquer forma, era uma entrega de rotina no meio do nada. Só que não teve nada de rotina nesse dia. Pelo que K me disse e pelos boatos também, foi isso que aconteceu.

Em um dos trecho mais retos da rodovia. K conseguiu capotar sete vezes com seu carro até chegar a vala do outro lado da estrada. Conhecendo-o faz um certo tempo, sei que esse cara é um ótimo motorista. Sempre no limite da velocidade, e nunca fuma unzinho enquanto dirige, coisa que maioria dos entregadores fazem (sou culpado nessa aí). K era um empregado bem decente. Quando K capotou com seu carro, as pessoas dizem que foi apenas como se tivesse ele houvesse esquecido como se dirigia. Aparentemente, ele só tirou as mãos do volante e apenas foi direto para vala. De qualquer forma, chega de boatos. Vamos falar sobre o que K me contou pessoalmente.

"Enquanto eu dirigia, parecia que as luzes tinha sido simplesmente apagadas; até a lua. Eu nem conseguia enxergar minhas mãos no volante ou os números em meu painél. Era 100% escuridão, tipo, você não tem noção, T. Imagine o lugar mais escuro que você já esteve, depois multiplique por 100. Era como se eu tivesse parado de enxergar instantaneamente. Mas eu sabia que ainda podia ver, porque quando eu colocava a mão quase encostada no rosto, eu podia ver a breve silhueta dos meus dedos."

Depois disso, ele disse que bateu no valão. O que ele me contou depois disso me deixou muito assustado.

"Depois de capotar com o carro, eu estava bem ferrado mas ainda precisava ligar para pedir ajuda. Me sentei direito com muita dificuldade, e procurei pelo carro no breu total. Foi aí que percebi que estava todo fodido, T. Quando estava tateando pelo meu carro, eu senti algo no banco do passageiro. Tinha forma humana, mas estava coberto em uma especie de gosma. Obviamente, eu estava totalmente fodido emocionalmente, e puxei minha mão. Mesmo obviamente tendo alguém ao meu lado, eu não ouvia nenhuma respiração a não ser a minha. A pior coisa disso tudo, T? Ele me tocou de volta, cara. Eu senti ele me agarrar."

Nesse ponto, K começou a chorar. Eu não queria pressioná-lo mais, mas estava morto de curiosidade para saber do resto. Depois de mais uns drinks e alguns abraços calorosos, ele falou.

"O que aconteceu depois que a coisa te tocou, K?" perguntei o mais despreocupadamente o possível.

"Na verdade, cara, não faço ideia. Depois que a coisa me agarrou, eu desmaiei. Quando acordei, eu estava dentro da ambulância e podia enxergar normalmente. A única razão que me faz acreditar que não foi uma falha no meu cérebro, é que eu ainda tenho a marca onde ele me agarrou. ”

Depois de falar isso, ele levantou sua camisa e me mostrou sua marca. Seja lá o que aquele troço era, deixou em K uma marca permanente totalmente preta, na forma de uma mão humana, só que os dedos são duas vezes mais longos. Não consigo enfatizar o suficiente a parte de ser totalmente preta. Olhar para a marca parecia que alguém havia editado no photoshop o torso dele, a cor não é natural. Nada natural ou normal poderia ter feito uma marca tão negra. Não era somente preta, era totalmente desprovida de cor. Ver aquela marca me deixou com um ataque de pânico. Essa merda está solta pela estrada, e se eu ver isso algum dia, certo que vou surtar.

Eu acho que o motivo do meu chefe ter dado duas semanas de folga para ele, foi para mantê-lo de boca fechada. Depois de ouvir mais alguns rumores, este não foi o primeiro caso de algo inexplicável e estranho que acontece com nós motoristas. Eu acho que nosso chefe sabe do que se trata e não quer nos assustar. 

Depois de ouvir o que K tinha para me contar, e da prova em sua pele, estou com sérias dúvidas se quero voltar a entregar coisas lá nos limites da cidade. Entre as merdas que aconteceram com K e minhas próprias experiências, tenho certeza que algo bizarro está acontecendo aqui no Norte do Canadá. Se está ou não acontecendo em outros lugares do mundo, eu preciso saber. Se sim, me contem, preciso saber que não estou sozinho. 

-- T


Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você o ver em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigada! Se gostou, comente, só assim saberemos se vocês estão gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião! 

KEEP CREEPYING!

TRADUÇÃO POR: FRANCIS DIVINA


10 comentários:

  1. Tem uma parte do texto que se repete e alguns pequenos erros. Anyway interessantezinha 6/10

    ResponderExcluir
  2. Tinha até esquecido dessa série muito boa

    ResponderExcluir
  3. Cara, eu ia dormir a 5 minutos atrás. Ai vcs postam uma série que me deixa vidrado (quanto mais proximo do real, para mim, mais assustador). Me Contem mais! Me arrepien mais! Vcs são o nirvana das creepypastas!

    KEEP CREEPYNG!!

    ResponderExcluir
  4. Já tinha me esquecido dessa série de creepy (tragam mais, por favor 8D).

    ResponderExcluir
  5. Poxa... E eu aqui planejando me imigrar ao Canada junto com minha noiva... Pelo menos sei que o norte nao e o caminho certo kkkkkkk... boa vreepy

    ResponderExcluir
  6. Cara..primeira vez que comento aqui...muito foda essa creepy...amo essa série s2

    ResponderExcluir
  7. Acho que Silent Hill fica no Canadá kkkkkkkk

    ResponderExcluir
  8. Caraa, assim que terminei de ler alguém quebrou um copo na cozinha......Mano to cagaço

    ResponderExcluir