24/01/2017

Sonho do Deserto


O cérebro humano é uma coisa estranha. Suas lembranças, principalmente da sua infância, são vagas e ambíguas. O que você lembra é mesmo real? Pode ser que você tenha fabricado suas memórias de infância a partir das histórias que seus pais lhe contam sobre si mesmo? Pense nisso por um segundo, você realmente se lembra? No meu caso, eu acho que não. Por quê? Bem, minha história, a história que estou contando vai explicar o porquê. Eu tive este sonho recorrente desde que eu era uma criança. Talvez lá pelos 8 anos. Eu não lembro exatamente quando começou.

Este sonho é, bem, simples. Estou parada no meio do deserto, sozinha. Isolada da humanidade. É sempre dia quando eu venho aqui. Eu digo "quando eu venho aqui" porque é aqui que eu sempre estou no meu sonho. É muito quente. Há gotas de suor escorrendo pela minha testa, o suor persiste por um minuto na ponta do meu nariz e cai na areia. É tão quieto que eu posso ouvir o chiado do meu suor quando ele bate na areia ardente. Eu olho para baixo e vejo que estou parada ali descalça... não só descalça... completamente nua, mas a área não está me queimando. Eu só fico lá, em um silêncio isolado o sonho todo. É assim até o fim. Uma onda gigante, sim, uma onda gigante, no meio do deserto vinda do nada. Eu tento correr dela, mas eu estou firmemente presa no chão e não posso me mover. A onde me atinge com tamanha força, eu juro, eu consigo sentir. Eu consigo sentir a água entrando no meu nariz, na minha boca, nos meus ouvidos. Então, subitamente, escuridão. Estou deitado ali, não sei se estou na minha cama, ou se estou em outro lugar. Há um pano de algum tipo cobrindo todo o meu corpo. Eu acho que estou morta, mas posso ouvir meu coração batendo, "tum, tum, tum", uma batida constante e saudável. Eu posso sentir o sangue percorrer minhas veias. Exceto... que eu não estou respirando. Eu tento tomar uma grande quantidade de ar e então eu acordo. É exatamente da mesma forma toda vez. Eu sei o que esperar, quando esperar, mas eu não posso controlar o sonho.

Eu sei o que você está pensando... vá ver um psiquiatra. Você não acha que eu não fui? Claro que eu fui. É por isso que recebei receitas médicas para medicamentos para dormir até mesmo para antidepressivos. Nenhum ajudou. E quer saber outra coisa que é estranha? Eu não sonho, exceto esse sonho. Às vezes eu não acho que esse "sonho" seja um sonho. Eu acho que é real, mas eu tenho que manter a compostura e dizer a mim mesma que sou apenas paranoica...certo?

Eu sou uma mulher solteira com seus 30 e poucos anos, sem marido, sem filhos, então sim, é possível que eu esteja um pouco deprimida, mas posso garantir que não estou louca. Aconteceu algo comigo há um ano, e desde então, eu nunca mais fui a mesma.

Eu estava dirigindo de volta para casa do supermercado quando eu adormeci ao volante. Eu não sei porque, eu não sei como, eu só sei que de repente fiquei extremamente cansada e não conseguia manter os olhos abertos. Eu apaguei.

Quando eu abri meus olhos, eu estava, onde mais, no deserto. O mesmo deserto que eu havia visto tantas vezes em meu sonho. Exceto, desta vez era diferente. Eu estava dentro de um tubo cheio de líquido, como um feto. Eu surtei e comecei a tocar meu corpo para ver se eu ainda era um humano adulto, felizmente eu era... não que isso tenha feito eu me sentir melhor. Eu estava em um estado tão profundo e puro choque quando eu abri os olhos que eu não notei o que havia ao meu redor. Eu, flutuando nessa jarra de vidro cheia de um líquido misterioso, mal conseguia ver o que havia no deserto, mas quando eu olhei sobre o ombro, eu não podia acreditar no que estava vendo. Eu vi milhões, se não bilhões de tubos... como aquele em que eu estava. Havia pessoas neles. Estranhos. Pessoas pequenas, médias, grandes, mulheres, homens, jovens, velhos, pessoas de todas as cores. Eu imediatamente tive náuseas. Eu coloquei meu rosto no vidro para conseguir ver melhor, olhar para esses estranhos, todos estavam de olhos fechados, pareciam mortos.

Fechei os olhos e fiquei repetindo "isso não é real, isso não é real, isso não é real..." Eu provavelmente disse isso umas cem vezes, mas ainda sentir o líquido acariciando meu corpo. Eu comecei a chorar, não que alguém ou algo tenha notado. Eu comecei a socar freneticamente o vidro, mas o líquido torna a força do movimento muito mais lenta. EU não tive sucesso. Foi então que eu percebi que havia fios saindo da minha cabeça. Oh Deus, eles estavam dentro do meu crânio, presos ao meu cérebro. Eu os toquei gentilmente, e estremeci. Calafrios correram minha espinha. EU não sabia o que pensar. Posso arrancar isso? Isso vai me matar? Isso importa? Provavelmente já estou morta. Então eu disse foda-se, e arranquei os fios da minha cabeça. Caralho, doeu muito. O vermelho carmesim encheu meu tudo todo. Eu pensei... isso será sua morte, aceite isso. Então eu fiquei lá flutuando esperando a escuridão até que ouvi um barulho. Eu olhei ao redor, mas não vi nada. Eu olhei para cima e vi um brilho de luz. Foi quando percebi que a trava que fechava o tubo se abria no topo. Eu atirei minha cabeça sangrenta para fora e lá estava, sol batendo no meu rosto. Eu nunca tinha sido tão feliz ao respirar ar... até que eu comecei a sufocar nele. Eu estava ofegando e tossindo e ofegando e tossindo. Era como se meus pulmões nunca tivessem respirado ar antes. Depois de uns bons 2 minutos de dor, meus pulmões começaram a trabalhar novamente. Eu pulei para fora do tubo para a areia quente. Um som estridente preencheu meus ouvidos, exceto que desta vez eu podia sentir o calor. Eu podia sentir a areia quente contra minha pele. Parecia uma grelha recém aquecida contra meu corpo. Merda, merda, merda, isso não é real, isso é um sonho, estou morta, apenas vá. Levantei queimada, sangrando e nua. Comecei a correr em direção ao tubo mais próximo. Eu não sabia quem estava lá, mas não me importava. Eu só queria sair dali. Eu bati no vidro, gritando e chorando.

“POR FAVOR!!! ACORDA!!”

Nada

Me sentei na areia diante do tubo do estranho. Sem esperança. Coloquei o rosto nas palmas das mãos e comecei a berrar. É sobre isso que meus sonhos advertem. Eu vou morrer um dia. Eu vou acabar no meu próprio inferno, e é isso. Então, algo veio sobre mim. Eu não sei o que era, mas eu olhei para o estranho no tubo e senti que este não era meu fim. Eu senti que havia algo mais neste lugar... não que eu seja especial ou qualquer coisa assim, mas que eu estava destinada a vir aqui. Todas aquelas noites acordando, me perguntando o que diabos esse sonho significava, me levou a este ponto. Deve haver um significado mais profundo para isso. Levantei, enxuguei a mistura de sangue e lágrimas do meu resto e subi no topo do tubo. Eu comecei a puxar o trinco o mais forte que pude, mas ele não se moveu. Nem um pouco. Eu suspirei, e quando estava prestes a pular, eu vi essa impressão circular no topo do tubo. Eu toquei e nada aconteceu. Eu empurrei e ele abriu. Ele abriu apenas o suficiente para eu passar meu braço por ele. 

“O que diabos? ”

Eu coloquei meu braço dentro do tubo e balancei, tentando sentir os fios. O topo do tubo é preto, então eu não podia ver onde minha mão estava indo. Eu senti algo e simplesmente agarrei. Acho que foram os ombros do estranho. Quando minha pele tocou a dele, senti essa onda de energia eletromagnética. Meus músculos começaram a se contrair e senti meu corpo inteiro endurecer. Eu não conseguia controlar meu corpo, meus olhos começaram a rolar. Eu ouvi um som alto, como um alarme... começou um "BEEEEEEEEEEEEEEEEP" e não parou.

Eu não era capaz de tirar minhas mãos do estranha, eu estava presa ali. Eu comecei a surtar, e então eu vi. Eu sabia o nome dele. Ele morava em Moscou, na Rússia. Eu vi sua vida através de seus olhos. Eu conhecia cada um de seus pensamentos, cada um de seus movimentos. Coisas que eu não queria ver, eu vi. Eu comecei a gritar, mas nenhuma palavra saiu, apenas gritos de desespero. Quando a visão de sua vida finalmente parou, eu voei cerca de 100 pés e cai na areia. O som alto continuava - era ensurdecedor. A vida tinha acabado de ser drenada de mim. Eu deitei lá ofegante, minha mente correndo uma milha por minuto. Meus músculos ainda estavam contraídos e eu podia sentir o ar escapando dos meus pulmões. Eu comecei a perder a consciência e voltar. Eu estava grogue, mas eu ouvi sons humanos. Senti alívio por um breve momento, como se eu fosse ficar bem. Eu os senti...havia definitivamente mias de um... eles me agarram. Eles estavam me carregando. Graças a deus, eles estão me levando para buscar ajuda. Então... eu senti meu corpo ser mergulhado de volta no liquido misterioso. Foi quando eu percebi. Não. Eu não vou ficar bem. Antes que eu tivesse apagado completamente, ouvi o fecho acima de mim fechar e trancar.

Escuridão total.

A próxima coisa que eu lembro é de acordar, eu vi uma das minhas amigas, um homem estranho e duas mulheres estranhas em pé olhando para mim. Eu estava tão confusa. Minha amiga começou a chorar, mas eu não tinha tempo para emoções, eu estava confusa para caralho.

Ela começou a choramingar, "Eu não posso acreditar... você estava...".

Eu a interrompi imediatamente, "do que... do que... do que você está falando? Preciso falar com a polícia, preciso falar com alguém. ” 

"Calma, você está em boas mãos. Você sabe onde está?" O homem estranho se aproximou de mim.
Foi então que eu vi a etiqueta de nome. MÉDICO. Eu percebi... eu estava em um hospital. "No hospital?" Eu disse relutantemente. Eu estava tanto confusa quanto aliviada.

Ele sorriu, "Sim. Você esteve em coma por 2 meses. Você teve um grave acidente, mas você vai ficar bem. Estamos felizes por tê-la de volta conosco. Nós quase perdemos você algumas vezes. Seus pulmões entraram em colapso, você tinha queimaduras em todo o corpo, e inchaço grave no cérebro. Nós pensamos que havia uma grande possibilidade que você fosse virar um vegetal para o resto da vida, mas parece que você ficará bem."

"Eu... uh... obrigada." Eu não sabia o que dizer. Só queria voltar para casa. 

 “Vamos preencher a papelada e tirar você daqui! ” O doutor disse enquanto acenava para as duas enfermeiras seguirem ele para fora do quarto.

Minha amiga segurou minha mão e perguntou, “Você me promete que vai se cuidar? ”

 “Claro. ” Eu olhei para ela. “Hey... uh... obrigada por estar aqui. “

 “O meu deus, não foi nada! Os outros lhe visitaram também, mas você não estava acordada. Eu vim em um dia bom. “ Ela sorriu.

Eu olhei o quarto. Havia flores, cartões, chocolates e balões por toda parte. Eu não vou mentir, foi bom saber que as pessoas ainda se importavam comigo. Fiquei aliviada que eu estava bem, mas mais porque eu não estava mais naquele tubo... no deserto.

Agora, sim, isso pode ser apenas mais um daqueles "eu estava em coma e eu vi um monte de coisas loucas porque minha mente estava viajando por 2 meses" tipos de história. Eu honestamente ri quando cheguei em casa do hospital.

Havia apenas uma coisa, uma coisa que eu tentei explicar, mas não consegui. Sempre me incomodou, então recentemente, cerca de uma semana atrás, eu fui para o Facebook e procurei o nome do estranho que eu tinha visto no deserto (manterei ele em anonimato pela privacidade da pessoa). Eu estava bastante confiante de que eu não encontraria nada, mas havia uma sombra de dúvida, então eu queria ter 100% de certeza. Com o navegador carregando, eu fiquei ansiosamente encarando a tela. Os resultados surgiram. Eu não reconheci nenhum dos rostos. Graças a deus. Quando eu estava prestes a fechar o navegador eu vi que havia mais 2 perfis que eu precisava rolar para baixo para ver. Minhas mãos tremendo... eu comecei a percorrer... o primeiro rosto... não... eu me senti um pouco melhor... agora no ultimo perfil... não... TANTO ALÍVIO. Mas espere... o rosto no último perfil. Parecia familiar. Não era ele..., mas... eu olhei para ele por um minuto.

Eu senti meu estômago afundar. Eu vi esse rosto... é o filho dele. Eu cliquei no perfil rapidamente clicando através das imagens que ele tinha disponível para o público e lá estavam eles. Fotos do rosto do estranho, embora ele já não fosse um estranho para mim, no entanto, eu era uma estranha para ele. Eu continuei clicando, sim, essa é a esposa dele, essa é a casa dele, esse é o restaurante que ele sempre come às sextas-feiras... caralho. Eu fechei meu laptop numa batida. Negação. Estive em negação por um ano.

É por isso que estou escrevendo isso. Não posso explicar porque aconteceu comigo e não com você, mas aconteceu. Acredite em mim, não acredite em mim, eu não me importo.

Tudo que eu posso dizer é que eu cheguei à conclusão de que todo o tempo que eu passei no deserto foi real. Não era uma invenção da minha imaginação, mas uma experiência genuína. Eu não sei o que eu descobri, mas o que eu acredito é que as vidas que estamos vivendo agora, são mentiras fabricadas... as experiências que percebemos como nossas, não são nossas. Nós somos apenas um dos bilhões de estranhos presos em um tubo... parte de um experimento maior - algo mais misterioso do que qualquer um de nós poderia entender.


Oi gente, então, o que acharam? 
Vocês tem reclamado bastante da nossa ausência , sei que às vezes falta material para leitura, mas é bem difícil (pelo menos para mim) achar material de qualidade para trazer para vocês lerem. Eu não me sinto bem trazendo a primeira creepypasta que eu vejo nos sites que visito só pra "encher-linguiça", então eu queria pedir um pouco mais de compreensão, afinal, somos humanos ainda. Sempre que quiserem alguma história traduzida, ou então algum tema em específico é só pedir nos comentários. Sobre o novo ep da série Runners que alguém pediu, bem, vou falar com a Divina, pois ela era quem estava traduzindo :D, no mais, acho que era isso. Estamos nos esforçando para trazer coisas legais para todo mundo. Até a próxima!


19 comentários:

  1. Creepy foda, finalmente uma creepy de qualidade depois de tanta creepy fraca( com todo respeito aos tradutores que postaram as creepys passadas, mas foram muito fracas, admitam)

    ResponderExcluir
  2. Otima creepy, adoro creepys desse estilo :D

    ResponderExcluir
  3. Bem vindos a matrix!
    Tooop creepy! Continuem o bom trabalho!

    ResponderExcluir
  4. Ótima creepy! Valeu pelo trabalho de vcs e por continuar mesmo ocupados com coisas da vida.

    ResponderExcluir
  5. Finalmente algo da qualidade do cpbr , além daquela história péssima dos dois caras da banheira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Era um tradutor novo no blog, ele não estava acostumado a escrever creepypastas longas.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  6. Creepy incrível como sempre, continuem assim x3

    ResponderExcluir
  7. É por esse tipo de creepy que eu amo tanto esse blog. <3

    ResponderExcluir
  8. Chorei que li essa creepy esses dias em inglês, espero que não estejam traduzindo as creepies do mesmo blog que to acompanhando kk

    ResponderExcluir
  9. Otima creepy. Eu gostaria de pedir alguma creepy de diario de exploração, no tipo daquela creepy da 'cidade de carne'

    ResponderExcluir
  10. Finalmente uma creppy boa
    Não é q nem aquelas creepys fracas anteriores

    ResponderExcluir
  11. Parei de ler quabdo percebi que era uma cópia de matrix.
    Creppy merda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por um momento achei que so eu havia percebido m

      Excluir
  12. Ótima creepy parabéns Aline, eu sei que é trabalhoso pra vocês encontrarem creepys de qualidade, gostaria de falar que a única vez que eu reclamei da demora foi quando o site ficou quase duas semanas sem ser atualizado, se todos postassem creepys regularmente como você, a Divina, o Alexandre e agora também o Andrey, daria tranquilamente para o site ter uma creepy por dia, vocês poderiam se organizar e estipular um dia da semana pra cada um postar, acho que seria legal. No mais muito boa a creepy é muito obrigado por traduzir Aline

    ResponderExcluir