21/04/2017

Creepypasta dos Fãs: Uma nota

[Quer ver sua creepypasta aqui? Envie-a para o e-mail creepypastabrasil@hotmail.com]

Sou um detetive, ou deveria ser, pois passo o dia arquivando e escrevendo relatórios, seja de assassinatos (raros), seja sobre o gato que fugiu de casa (isso é um tipo de caso mais frequente).

Onde vivo, raramente aparece algo de interessante. É um lugar pequeno e pacato, mas alguns casos são, no mínimo, estranhos. Sei que estou agindo contra a lei e por isso quero me manter no anonimato, só que sinto que preciso compartilhar esses casos com alguém e, talvez, quem sabe, me ajude a entender esses casos.

Este é o primeiro que irei apresentar: Uma nota de suicídio.

Relatório do caso

Nota de suicídio encontrada em um diário. O autor tem a idade aproximada de 16 e 17 anos.

“Para meu querido pai e minha amada mãe,

Eu sei que nunca fui o filho que vocês esperavam, nunca consegui fazer algo que vocês pudessem se orgulhar. Sou um perfeito fracasso, se é que sou perfeito em algo. Não sei ao certo se estou começando esta carta da forma certa, ou o real motivo para eu escrever isto.

Queria ter tido a oportunidade de posar para as fotos da colação de grau e ter a honra de dançar com minha mãe, ou melhor, ganhar o troféu de rei e rainha do baile, para ver meu nome e o da mãe gravados na taça, XX e XX, do baile de formatura, apesar de que você, meu pai, teria um pouco de ciúmes disso, eu acho.

Eu nunca consegui notas boas, nunca pratiquei bem um esporte, nem serei eleito como o presidente do grêmio estudantil. Sequer tive amigos. Peço desculpas por preocupar vocês, por fazer vocês chorarem.

Sinto que poderia ter me esforçado mais para me tornar alguém melhor e digno de poder chamá-los de "pai" e "mãe", entretanto não fui capaz. Queria tanto ser o orgulho de vocês, passar na melhor universidade do estado, ser um grande médio ou engenheiro, cuidar de vocês quando envelhecerem, mas nada disso pude fazer, nada disso passou de uma sonho louco e distante em meu coração.

Gostaria de ter passeado mais com vocês, ter feito mais piqueniques, ver o mar e brincar na areia da praia. Ser uma criança feliz e alegre, poder viver assim ao lado de vocês... Porém, fui incapaz disso.

Espero que vocês sejam felizes e que eu não seja o motivo para todas as suas tristezas.

Amo vocês,
de seu filho idiota"
Estas palavras foram retiradas de uma carta de suicídio de um adolescente encontrada em seu diário. Os pais do rapaz estavam limpando a garagem da casa quando encontraram o diário.

O garoto X (não revelarei seu nome para manter a privacidade de seus pais) teria escrito a carta algumas horas antes de cometer o suicídio e dedicou suas últimas palavras aos pais, que confirmaram que os nomes citados na carta são respectivamente do rapaz e sua mãe (nomes censurados para assegurar a privacidade da família), e ao longo do diário, os pais afirmaram reconhecer descrições da casa residencial e de veraneio da família, provando que
tanto a carta quanto o diário deveriam pertencer a, pelo menos, alguém da família.

Entretanto, alguns fatos tornaram toda a história um caso complexo e intrigante.

1.      Primeiro fato: o casal não possui qualquer parente na faixa etária aproximada do autor do diário, descartando a possibilidade de ser alguém além de seu filho;
2.       Segundo: a polícia recolheu pequenas amostras de sangue no diário e o teste de DNA comprova que o autor teria grandes de chances de ser filho do casal, uma vez que as amostras não foram suficientes para realizar um teste realmente conclusivo;
Terceiro e último fato (talvez o mais importante): o casal afirmou que a mulher havia engravidado anos atrás e que seu filho teria a idade próxima do autor da carta e do diário, porém ele era um natimorto, impossibilitando a execução do suicídio e existência de tais evidências.

Autor: Desconhecido                [Você é o autor? Nos avise!]
Revisão: Gabriela Prado


9 comentários:

  1. Faz sentido.
    Como ele nunca nasceu, o espirito dele estaria com os pais, que nunca se sentiam felizes ao lembrar dele.
    so quero saber: COMO DIABOS ELE SE MATOU SE ELE ESTAVA MORTO?????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez ele ainda achando que estava vivo, se "matou" (só seguiu a luzinha q tem no fim do túnel)

      Excluir
    2. em momento nenhum da carta o "filho" fala que vai cometer suicidio, o detetive chegou à conclusão de ser uma carta de suicidio por causa do jeito que a carta foi escrita, foi só um jeito do espirito se despedir e pedir desculpas por nao nascer.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Opinião minha:

      Numa outra dimensão, o garoto nasceu mais era uma pessoa depressiva.
      Na colisão de duas dimensões, o diario veio parar na dimensão onde ele é um natimorto, deixando os pais sem explicações na sua dimensão. Em uma terceira dimensão, ele nao sabe como é tão bem sucedido sem ter nenhum afeto pelos pais, visto que a partir dos 17, o tratavam como se ele nunca tivesse nascido. E assim, catástrofe atrás de catástrofe, vários desse "garoto" se vem prejudicados lela colisão de duas dimensões...

      Excluir
  3. Legal.
    Só corrige o texto é Medico ou engenheiro, está médio.

    ResponderExcluir