31/07/2017

Olhos Aberrantes

Você já assistiu o filme "Uma Mente Brilhante"? Aquele que Russel Crowe imagina seu colega de quarto e a menininha? Eventualmente ele aprende a meio que... ignorá-los. 

É assustador o quanto isso é real. 

Ver aquele filme foi um momento de virada na minha vida. Percebi que eu poderia aprender a viver normalmente e, para uma criança de 11 anos que já visitara milhares de médicos, fora internado em hospitais psiquiátricos, e tentado todas as medicações possíveis que uma criança poderia tomar (e até umas que não poderia, valeu, pai), aquilo me trouxe mais esperanças do que qualquer outra coisa. 

Desde que nasci eu... via... coisas vagando por aí. Me lembro de vê-los antes mesmo de lembrar do rosto da minha mãe. Eles me ignoravam, e eu não podia tocá-los, mas, a maioria dos adultos são meio assim para as crianças, então porque eu acharia estranho? Essas memórias muito antigas são meio confusas. Ninguém se lembra de quando era um bebê. Mas eles meio que sempre estiveram lá. 

Quando eu tinha uns 3 anos foi que percebi que ninguém mais podia vê-los. Foi aí que meus pais me disseram que eu tinha amigos imaginários.

Eu falava sobre os bichos grandes que eu via, eles sorriam e achavam graça. 

Se esses animais tinham mais olhos e mais dentes do que o normal, bem, isso é coisa da imaginação infantil, certo? 

Não foi até eu ficar um pouco mais velho que começaram a se preocupar.  

Tinha passado a fase de "fofo", e começaram a se preocupar com o que eu desenhava. Eu estava obcecado em ilustrar todas as criaturas que via. E, para uma criança, acho que eram ótimos retratos. Esse era o problema. 

Eles realmente não gostavam do que estavam vendo nos desenhos. 

Me lembro vividamente, minha mãe pegando um desenho em particular que eu acabara de finalizar, e eu estava absurdamente feliz por ter feito igualzinho como era. 

Ela olhou para aquela bolha cinza-arroxeada, os apêndices que não combinavam com o corpo e um rosto que, para ela, parecia simplesmente errado. Eu entendo agora. 

Ela mostrou para mim, com raiva, com lágrimas escorrendo pelas bochechas, gritando que eu não podia desenhar algo como aquilo nunca mais, depois rasgou antes de me mandar para o quarto. 

Depois disso eu parei de mostrar meus desenhos à eles, embora eu tivesse uma grande coleção por volta dos 6.

Foi quando aí que me levaram na minha primeira psiquiatra. Conversamos por algumas horas, uma vez por semana durante um mês e meio.

Era tão emocionante, ter um adulto que me ouvia falar sobre as criaturas. Um que não se irritava com isso, ou que saia pela porta e fechava a mesma alguns minutos depois de eu abrir a boca. 

E então. fiquei arrasado no dia em que ela me perguntou se eu sabia que os animais não eram reais.

Parei de falar com ela depois disso.


Os próximos três médicos duraram ainda menos tempo.

Quando eu já tinha 7, encontramos a Dra. Thompson. Ela era incrível. Ela não parecia se importar se eram "reais" ou não, só queria que conseguisse viver uma vida sem me tornar instável por causa deles. Me consultei com ela por uns seis meses.

Meus pais estavam muito mais felizes, e achei que tudo ficaria bem.

Um dia, o Dra. Thompson perguntou se eu queria mostrar os meus desenhos.

Naquela noite eu fui para casa e tirei as caixas de desenhos de debaixo da minha cama e do meu armário. 

Na semana seguinte, passei minunciosamente por eles, escolhendo os melhores.

Eu estava tão animado de finalmente compartilhá-los com alguém que eu confiava e que não reagiria mal a eles.

Na terça-feira seguinte, tirei-os da minha mochila e entreguei para a doutora com um sorriso no rosto.

Ela ficou olhando-os por muito tempo, folheando lentamente a pilha.

Eventualmente, olhou para mim e sorriu, perguntando se poderia ficar com eles por um tempo.


Eu disse que sim, e conversamos sobre a escola pelo resto da sessão.

Enquanto eu ia embora, ela me pediu para esperar na sala de espera e  convidou meus pais para entrar em seu escritório. Eu tinha certeza de que estava dizendo que eu estava bem, e não havia nada de errado com meus desenhos.


Meus pais saíram alguns minutos depois, e eu sabia que algo estava errado. Meu pai parecia preocupado, e mamãe... Ela me pegou e me abraçou, dizendo que me amava.

Naquela noite, fizeram uma mala para mim, e meus pais me disseram que havia um lugar que a Dra. Thompson achou que seria bom eu visitar por um tempo.


Do jeito que descreveram, parecia um acampamento de verão, e eu sempre quis ir para um, então, quando entramos no carro, fiquei ansioso para chegar logo lá.

Mas eu acho que você sabe que não era um acampamento.

O hospital não era como nos filmes. As paredes não eram brancas iluminadas por lâmpadas florescentes. 

Havia cores primárias radiantes em todos os lugares, e pinturas de elefantes e cachorros de desenho animado, e a equipe usava uniformes com flores e palhaços estampados.

Fui deixado na sala de jogos sob os cuidados de uma enfermeira gentil, que conversou comigo enquanto desenhava.


Um gato roxo, naquele momento. Eu sabia muito bem o que devia ou não desenhar na frente de outras pessoas já naquela pouca idade. 

Depois de um tempo, talvez uma hora, acho, meus pais voltaram com um homem que vestia um casaco branco sobre uma camisa verdes e também usava óculos. Me lembro de pensar como o marrom de seu cabelo combinava com o marrom de sua gravata. 

Meus pais o apresentaram e disseram que ficaria ali com ele e outras crianças.

Fiquei silencioso e só perguntei  que, só se desse, por favor, irmos todos para casa ao invés disso.

Minha mãe começou a chorar um pouco e se virou. Papai se ajoelhou e disse bruscamente que isso era o melhor a se fazer, e que iriam me visitar o tempo todo.

Tentei não chorar enquanto me abraçavam e me beijavam, falando o tempo todo o quanto me amavam.


Então eles foram embora e eu não pude mais segurar.

A enfermeira, cujo nome descobri ser Tina, me segurou e me balançou de um lado para o outro até eu parar, depois me levou para um quarto com uma cama pequena e um armário igualmente pequeno para a minha mala.

Ela me deitou na cama e me perguntou se eu estava com fome.


Eu balancei a cabeça, dizendo que estava apenas cansado, e então sentou-se numa cadeira ao meu lado, enquanto eu continua deitado, ainda chorando um pouco, até que adormeci. 

Acordei com o som da porta sendo aberta, e Tina entrava com uma bandeja de comida nas mãos.

Ela disse que era hora de jantar e eu precisava comer.


Antes que eu começasse, ela me deu um copinho de café com algumas pequenas pílulas coloridas e me disse que eu tinha que tomá-las. 

Eu ainda estava cansado emocionalmente e fisicamente, e as tomei sem argumentar. Com calma, comi o jantar e voltei a dormir.

Em algum momento no meio da madrugada, acordei novamente e vi Tina cochilando na cadeira, um livro caído no colo.


Observei-a por um longo tempo, depois fui até a minha mala e comecei a desenhar a criatura que estava dormindo ao lado dela.

Depois de terminar eu deixei a folha sobre a cama e voltei para os meus sonhos.

No dia seguinte, me encontrei com o homem com do casaco e óculos.

Conversamos por um tempo em seu escritório, e agora já estava acostumado com as perguntas que os novos médicos faziam e sabia as respostas que queriam ouvir.

Uma semana depois meus pais foram me visitar.

Não falei com eles, eu estava muito bravo.

E então eles estavam indo embora e eu comecei a soluçar, implorando para me levarem para casa.

Tina teve que me afastar e me abraçar forte enquanto eu lutava contra ela, antes de partirem.

Eu odiava aquele lugar.


Foi um ano antes de eu sair do hospital.

Eles tentaram todos os remédios que podiam, mas nada impedia de eu ver as coisas e, eventualmente, aprendi a fingir que eu estava bem, bem quando tentaram uma combinação de pílulas que não me deixaram enjoado ou com sono.

Continuei com isso por muito tempo e finalmente me disseram que eu podia ir para casa.


Mamãe e papai ficaram felizes por me ter de volta, e que finalmente eu era "normal". Fiquei feliz por estar fora de lá.

Entretanto, os próximos anos foram turbulentos. Eventualmente, eles perceberam que estava fingindo. E começamos com os médicos novamente. Os remédios. Então eles encontraram os desenhos, e quando eu fiz 10 anos, fui para outro hospital. Esse não durou muito. O médico lá era bastante arrogante, e se convenceu que eu estava "curado" dentro de algumas semanas.

Meus pais eram mais céticos, e menos de um ano depois eu estava internado de novo, e dessa vez não era um hospital infantil. 

Foi lá que conheci Paul.

Paul era um funcionário que ficava cuidando de nós, mas provavelmente é a pessoa mais sensacional que já conheci, e a única razão pela qual eu ainda não estou em algum quartinho pequeno, jogado e drogado em um canto. 

Foi ele que trouxe o filme escondido e me explicou que, às vezes, você só precisa ignorar as coisas que ninguém mais pode ver.


Até hoje, não sei por que ele correu esse risco e me deu aquele conselho pouco profissional, mas sempre vou agradecê-lo por isso.

Foi aí que finalmente aprendi o que eu tinha que fazer para ficar longe para sempre de lugares como aquele.

Consegui ir a uma escola normal, e meu professor de arte me amava. Eu havia praticado muito, afinal de tudo. Nunca mostrei os desenhos que eu fazia nas horas livres. 


Passei por minha adolescência na escola desenhando, eventualmente pintando, fazendo amigos, namorando.

Quando Lauren entrou na minha vida, foi o mais perto que cheguei da tão falada 'felicidade'.  Ela adorava minha arte, e passávamos horas juntos, conversando sobre teoria das cores e formas. 

Minha primeira namorada. Meus pais ficaram obviamente emocionados. Consideraram isso um sinal de que eu ia ficar bem de verdade.

Nós terminamos o namoro alguns meses depois, quando ela descobriu uma ilustração minha, na qual eu trabalhava. Uma daquelas que eu não devia mostrar para ninguém.


Ela não gosta das coisas que se escondiam na minha cabeça, me falou.

Isso resume muito bem a minha vida na faculdade. Eu consegui uma bolsa de estudos em Artes, e encontrou um espaço onde podia eventualmente compartilhar algumas das ilustrações que antes eu escondia a sete chaves. 

A maioria das pessoas achavam perturbadoras, mas ainda assim, outras achavam que eram 'sensacionais'. Até consegui vender uma delas para uma banda de heavy metal; usaram como capa de seu primeiro álbum. 


Eu ainda pinto, faço algumas exibições em galerias. Mas a maioria do dinheiro que ganho é por encomendas (Obrigada, Reddit.) 

Eu ia deixar tudo isso para trás, até algo que aconteceu algumas semanas atrás. 

Eu não havia mencionado sobre Eles para ninguém faziam anos. Nunca mais tinha mostrado uma ilustração deles para ninguém desde a faculdade. 

Eu estava em um parque, pintando, curtindo um sol, fazendo alguns retratos rápidos para conseguir uma grana extra. 


Era legal.

Na hora do almoço eu peguei um sanduíche em uma máquina de lanches e uma garrafa d'água, e me sentei na sombra de uma árvore. 


Eu vi uma das criaturas bebendo água da fonte, e fiquei assistindo-o por um tempo. Se levantando, alongando-se, mas logo vi algo que me fez congelar por dentro e por fora. 

Havia um homem, apenas um cara velho vestindo um terno, olhando para ele.

Pelo menos parecia que estava olhando para a coisa.


Ele estava com um caderno sobre o colo e um lápis na mão.

Com um calor crescendo no meu peito, coração acelerado, andei até ele. Sentei em um banco perto dele e tentei ver o que ele rabiscava naquele caderno.

E era isso. Isso mesmo. Ele estava desenhando a coisa.  

Uma serenidade entorpecente tomou conta de mim, e trocamos um olhar. 

Ele levantou uma sobrancelha, com aquela expressão universal de "Que?"

Fiquei gaguejando por alguns segundos, tentando formar uma pergunta que nem tinha certeza qual seria. 

Finalmente, saiu algo como "Você sabe o que são essas criaturas?" 

Ele me encarou por um momento, me estudando com a testa franzida. 

Eventualmente, me deu um sorriso triste e deu de ombros. 

"Pelo que sei, eles estão só na minha cabeça..."

Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigada! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião! 


32 comentários:

  1. Respostas
    1. Não entendi o final Ele é uma das criaturas? na cabeça desse velho?

      Excluir
    2. Não entendi o final Ele é uma das criaturas? na cabeça desse velho?

      Excluir
    3. N,as criaturas existiam e ele e o velho viam mas as pessoas falavam q era TD da cabeça deles

      Excluir
  2. Olá a todos. Temos um grupo no whatsapp relacionado a creepys e contos de terror em geral. Interessados podem entrar pelo link abaixo, ou deixar seus números nas respostas! Valeu ^^

    > https://chat.whatsapp.com/EF2UpEMcc7TLef2B424v1f









    ResponderExcluir
  3. Pra quem n entendeu o final, as criaturas existiam,mas num além dele via, então ele encontrou o velho q tbm enxergava as criaturas q provava q ele n estava doido,mas assim como ele as pessoas achavam que o velho era doido e falavam com ele q era TD imaginação.

    ResponderExcluir
  4. Aaah gente... não é tão dificil
    Vou resumir a creepy:
    El

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. (Pressionei em publicar sem querer)
      Ele via criaturas que ninguem mais via, então encontrou alguém que também via essas mesmas criaturas.

      Excluir
  5. Que creepy incrível. Principalmente pra mim que desenho ♡ amei muito.

    ResponderExcluir
  6. Divinaaaa, show de bola, que ótima creepy 10/10!!!

    ResponderExcluir
  7. me add no grupo ae do whats 62981873358

    ResponderExcluir