19/09/2017

Como sobreviver no Inferno: Parte 3 (Final)

Olá, pessoas.

Aqui vai a terceira e última parte da série, espero que gostem!

Leia as outras partes aqui: Parte 1 - Parte 2



ATENÇÃO: ESTA SÉRIE/CREEPYPASTA É +18. CONTÉM CONTEÚDO ADULTO E/OU CHOCANTE .

NÃO É PARA MENORES DE IDADE E PESSOAS SENSÍVEIS A ESSE TIPO DE LEITURA. LEIA COM RESPONSABILIDADE. 


Devo deixá-lo em breve. Se eu quiser aproveitar ao máximo a vida na Terra, receio que terei que ignorar as cidades. Eu tive tempo de sobra para me manter entretido, esse corpo simplesmente não é adequado para ter problemas com a polícia. É apenas uma questão de tempo até que algum vizinho intrometido pense em ligar para a polícia. Com a umidade nos últimos dias, mamãe e papai já estão exalando um cheiro bem incômodo.

Há algo que você precisa entender: o Inferno é um lugar grande. Eu já lhe dei um aviso até que justo, sobre alguns dos locais em que eu já estive e o que deve ser feito. Mesmo se eu escreve um livro exclusivamente dedicado a mapear os locais distintos dentro de Dis, eu ainda não conseguiria contar tudo sobre a cidade.

O que eu posso fazer em vez disso é lhe dar um pouco de informação sobre alguns dos condenados.



O Estripador




Tire um tempo pensar sobre todas as celebridades que você conhece. Quantas delas você acha que se sairiam bem em Dis? Não muitas, aposto. Talvez nenhuma. A fama e a fortuna na Terra não valem de merda nenhuma quando você está morto. Pouquíssimas pessoas são fortes o suficiente, más o suficiente, e psicóticas o suficiente para ter uma reputação no Inferno. Os poucos que têm o que é preciso são pessoas que você nunca vai conhecer.

O Estripador é uma das lendas do inferno. Um homem enorme e barbudo com dentes lixados, olhos vermelhos e espuma nos lábios. Há rumores de que no dia emm que ele emergiu de sua placenta, teve a má sorte de pousar aos pés de uma tribo escravagista. Bem, esses membros das tribos riram e prepararam seus tacos de golfe e chicotes, muito felizes em levar uma nova carne cativa.

Em um número superior de doze contra um, nua, desarmada e nova no Inferno, a maioria das pessoas não teria chance. Se você acredita nas histórias, o Estripador entortou os tacos de golfe e as chicotadas que levou mais pareciam picadas de inseto. Ele pegou o primeiro escravagista, colocou a mão na boca do homem e puxou a mandíbula para a direita de seu crânio. Partiu para outro, e depois outro, os rasgando com as mãos vazias até que os sobreviventes fugissem.

Ninguém sabe ao certo quem ele era em vida. Eu já ouvi teorias, a mais popular é que ele era o berserker de Stamford Bridge. Supostamente, um único Viking sustentava o exército inglês sozinho. Não importava que ele nunca pudesse vencer, que ele era superado em número, ou que seus inimigos tinham melhores armas e armaduras. Ele estava naquela ponte e ele lutou. Quando foi derrubado, ele matou no mínimo quarenta homens.

Eu não sei o quanto isso é verdade. Eu nunca  vi o Estripador pessoalmente e nem quero. O que posso dizer com certeza é que as pessoas não se tornam lendárias no Inferno sem uma boa razão.

Eu diria que o único que sabe a verdade é o próprio Estripador e ele não dirá nada. Desde o dia em que chegou ao Inferno, ele só falou uma vez.  Os escravagistas fugitivos ouviram quando o Estripador rasgou sua tribo. Despido, sangrento e cercado por cadáveres, o Estripador olhou para o céu e gritou uma única palavra...

"Valhalla!"



Cães do Inferno



Que tal uma pequena história?

Eu não era novo no Inferno. Tinha feito algumas roupas e um taco de madeira, encontrei abrigo e fiz carne assada numa fogueira. A única coisa que eu não tinha era uma tribo. A área em que eu tinha nascido parecia miserável até mesmo para Dis; todos os casebres e cabanas de barro meio abatidas. O ferro era escasso, apenas o suficiente para eu fazer uma tigela de água. Em suma, não é um bom local para uma tribo.

Meu plano era bastante simples. Eu faria uma refeição decente, criaria uma faca ou duas no caso de eu perder meu taco, então encontraria um lugar mais ou menos seco para dormir. Depois disso, partiria para procurar uma tribo. Mesmo as iniciações tribais mais suaves resultaram em algumas cicatrizes e um nariz quebrado, então eu queria estar o mais descansado possível.

Dormir no inferno é vital e perigoso. Requer uma habilidade para encontrar um lugar que seja simultaneamente protegido, escondido e com acesso a uma rota de fuga. Mesmo assim, você nunca fica mais de algumas horas de cada vez. No inferno, o menor ruído suspeito deveria te assustar.

Um rosnado baixo definitivamente conta como um ruído suspeito.

Saí do meu ninho de peles e madeira improvisado, levantei meu taco e revidei o grunhido com um meu próprio. Uma mulher tinha entrado no meu prédio e estava olhando para mim com pupilas dilatadas. Ela parecia estar mal, magrinha, nua e coberta de feridas. Seus lábios se descascados revelaram dentes quebrados e cortados.

Levou-me um segundo para avaliá-la. Ela estava viva por dias ou semanas. A julgar por suas costelas proeminentes e pelo estômago inchado, estava no caminho para morrer de fome. Então, ela estava fraca, com fome e nem sequer tinha uma arma.

"Eu já comi", falei, relaxando um pouco e balançando meu taco no ar. "Seria um disperdício deixá-la ir".

Eu dei um passo em direção a ela e ela fugiu. Simplesmente se virou e correu como se fosse um animal. Eu me atirei atrás dela, certo de que eu poderia alcançá-la. Mesmo que não houvesse muita carne nela, os ossos ainda podiam ser úteis.

Eu a persegui por algumas ruas, lutando para manter meu pé no chão lamacento. Quando finalmente cheguei perto o suficiente para usar meu taco, ela simplesmente caiu. A caída súbita me surpreendeu e eu tropecei nela, perdendo meu taco quando caí.

Ela uivou em triunfo, um som que foi seguido por inúmeros uivos.

Naquele dia, eu aprendi duas coisas sobre os Cães do Inferno, as pessoas que perdem suas mentes e se tornam pouco mais do que animais depois de durar séculos no inferno. Em primeiro lugar, eles têm a astúcia animal necessária para caçar como uma matilha. Em segundo lugar, os dentes e as unhas humanas são perfeitamente capazes de rasgar a carne do osso.



Os Cirurgiões



Médicos modernos raramente se dão bem no inferno. A academia e a dependência da tecnologia não o deixam no melhor estado para suportar a violência e a brutalidade sem fim.

No entanto, há exceções. As pessoas que aprenderam a costurar seus amigos juntos em meio ao fogo de Somme. Xamãs, necromantes e gurus que suportaram a fome e a guerra. Sobreviventes que sabiam cauterizar suas próprias feridas no meio de uma floresta. Essas são algumas das pessoas que podem ser fortes o suficiente para vender seu peixe. Afinal, o conhecimento útil da medicina básica é apenas uma daquelas coisas que estão além de um monte de cabeças ocas em Dis.

A maioria dos cirurgiões do Inferno encontram uma tribo assim que são podem. Suas ferramentas podem ser básicas, mas logo aprendem a fazer melhores. Rochas, ardósia e fragmentos de vidro servem como seus bisturis. Eles fazem fios de cabelos humanos e agulhas de lascas de ferro. Sempre que um membro da tribo tem uma ferida infectada, um cirurgião será o único a drenar o pus. Um cirurgião tribal poderia muito bem salvar sua vida... mas eles vão fazer isso sem anestesia.

Então, há os cirurgiões autônomos, as pessoas que tentam ficar sozinhas. Eles fazem um uniforme, a teoria é que os condenados os reconhecerão se todos se parecem. Isso realmente não funciona, mas você não pode esperar muita lógica de pessoas que perderam a conta de quantas vezes morreram.

Por um lado, as modas mudam ao longo do tempo. Me disseram que os autônomos usavam cocares e colares de ossos. A tendência atual é imitar os médicos da praga veneziana, colocando uma máscara bizarra e vestindo uma longa camada de pele queimada.

Autônomos são raros. Muito raros, na verdade. Você verá milhares de condenados para cada cirurgião autônomo que você encontrar. Quando você se deparar com um, tenha extremo cuidado.

Em primeiro lugar, os cirurgiões não recebem um passe livre no inferno. Os condenados são mais propensos a atacar um freelancer do que trocarem suas ferramentas, roupas ou escravos por seus serviços. Você não consegue ter certeza se o homem da máscara de pássaro e casaco preto é realmente um cirurgião ou alguém que matou um cirurgião e tomou suas roupas. Talvez eles fizessem a roupa para atrair os fracos e os feridos. A propaganda nem sempre funciona conforme pretendido em Dis.

Se o freelancer vir a ser genuíno, isso não te dá uma desculpa para abaixar a guarda. Os cirurgiões autônomos geralmente não são as pessoas mais estáveis. Em outras palavras, os autônomos são geralmente psicopatas sádicos.

Claro, eles podem apenas te dar pontos e deixá-lo livre para ir. Eles também podem decidir que seria mais interessante se eles te mandassem a outra pessoa. Eles podem pensar que pagar um braço e uma perna por seu serviço deve ser levado a sério. Eles podem vir a ser um assassino em série em seu caminho até a Rua da Pele.

Para cada autônomo tentando fazer um trabalho duro em um lugar mais difícil ainda, há uma dúzia ou mais de Mengeles que querem experimentar seus brinquedos em alguém muito ferido para lutar.

Fique com o cirurgião da sua tribo se tiver a sorte de ter um. Na falta de um, aprenda a cuidar de suas próprias feridas. Acredite em mim, se você consegue ler, você já tem uma vantagem intelectual sobre muitos moradores do Inferno. A educação universal é bastante recente.

Autônomos não valem o risco.



Cambions



Serei honesto com você aqui, não sei se os Cambions realmente existem. O que eu vou dizer é algo que alguém me disse. Depende de você decidir se é verdade ou não. Particularmente, eu espero que não.

As pessoas estupram umas as outras no Inferno. Isso é corriqueiro. Se você não for forte o suficiente, isso acontecerá muito com você. A boa notícia para as damas lá fora é o maldito "fogo" dos homens. Você quase nunca engravidará. Eu digo "quase nunca" porque, se você acredita nas histórias, há uma chance mínima de que alguns desses pequenos nadadores ainda estejam acordados procurando um óvulo.

Apenas para colocar isso em perspectiva, estamos falando de níveis de improbabilidade de gêmeos siamêses, e isso é apenas uma concepção. As chances de uma mulher grávida sobreviver aos nove meses no Inferno são completamente improváveis, embora possível. Estamos falando do pior cenário possível, vencer completamente as chances de improbabilidade... mas isso é eternidade. Até um macaco que esmaga aleatoriamente as chaves de uma máquina de escrever vai acabar  produzindo as obras completas de Shakespeare se ele passar um tempo na eternidade.

O resultado dessa improbabilidade, daqueles macados com suas máquinas de escrever, é um Cambion. Uma criança concebida e nascida no Inferno.

Não estou dizendo que eles existem, ok? Estou dizendo que conheci alguém que jura que é verdade e que viu um Cambion pessoalmente.

Você vê bebês em seus suas placentas de vez em quando. Normalmente é apenas um corpo, ocasionalmente você vê um afogamento. A maioria dos condenados os ignora. Eles não sobreviveriam um dia nas ruas, mesmo que você pudesse dedicar toda sua atenção a eles. É melhor deixá-los.

São apenas as pessoas realmente fodidas da cabeça que cortam as bolsas e... Sim, não vou terminar esse pensamento.

Estou perdendo o foco.

Então, esse Cambion que pode ou não ter existido, parecia uma criança normal. Ele chorava, cagava e sugava o leite de sua mãe como um bebê normal. A mãe fazia parte de uma tribo e eles conseguiam protegê-la durante toda a gravidez. Não saberia te dizer o porquê. Curiosidade, talvez?

Quando nasceu, toda a tribo se reuniu para dar uma olhada. Entre eles estava o homem que me contou essa história, alguém que eu conheci anos mais tarde e eventualmente mataria. Este homem cortou o cordão do bebê e ergueu-o até o rosto. Todos os homens da tribo haviam estuprado a mãe em um ponto ou outro e queria ver se a criança tinha alguma semelhança com algum deles.

O cambion parecia uma criança normal em todos os sentidos, exceto um. Seus olhos eram mortos. Sem vida, como uma boneca. Claro, o garoto estava vivo. Ele se contorcia e chorava como um bebê normal. Contudo, seus olhos estavam bem abertos, não pequenos como os olhos de um recém-nascido. Amplamente abertos, vazios, olhos de boneca.

Se essa história é verdadeira, não culpo a tribo por ter matado a criança. Algo assim não deveria existir.



Certo, acabei. Tenho que ir.

Este é o ponto onde as pessoas gostam de ler um final feliz. Alguns dragões morreram, algumas donzelas foram salvas. Pelo menos, você poderia esperar algum tipo de lição de moral para pensar.

Eu acho que, neste caso, esse tipo de coisa não faz diferença. Não há dragões para matar, sem moral da história. Nós não vivemos felizes para sempre. Não há uma grande revelação, nenhuma reviravolta inteligente, nenhum propósito, nenhuma redenção, nenhuma esperança.



Só há a eternidade de nossa própria espécie.



Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigado! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião! 




7 comentários: