11/09/2017

Sua sombra já agiu assim?


Era um dia normal e ensolarado na minha pequena cidade, localizada no meio de lugar nenhum, quando reparei pela primeira vez que minha sombra não estava repetindo meus movimentos, como as sombras sempre fazem. No começo era pequena coisas — enquanto eu caminhava, moveria minha mão para a direita, mas a sombra da minha mão esquerda faria o mesmo. Eu inclinaria minha cabeça para a esquerda e minha sombra, para direita. Eu acenaria para alguém com a mão, e minha sombra permaneceria parada.

Uma vez, eu estava almoçando na escola com meus amigos, e minha sombra fez algo que nunca tinha feito antes — se levantou e saiu, me deixando sem sombra. Não estava colada ao chão mais, havia se levantado e andava entre as pessoas no refeitório como uma figura fantasmagórica de outro mundo. Depois de alguns segundos, se virou e acenou para mim. A encarei incrédula.
"Você está bem, Mia?", Carrie perguntou, já que obviamente me percebeu encarando pálida alguma coisa. 

Eu acho que a sombra estava me chamando. Eu precisava ir.

"Sim, tudo bem. Preciso ir, tchau", respondi hostil e corri atrás da sombra, que havia voltado a se mover. Ouvi meus amigos murmurando confusos sobre mim, imaginando o porquê de eu ter saído tão subitamente, sem sequer terminar meu almoço.                      
 
Minha sombra me levou para o jardim dos fundos da escola, deserto no horário de almoço. Eu me sentei e abri um livro. A sombra se colou ao chão novamente. Senti que ela estava feliz por estarmos sozinhas. Tive a sensação de que deveria ficar ali o resto do dia, faltar ao resto das aulas e então ir para casa — e assim o fiz.

O dia seguinte foi quando a ouvi sussurrar pela primeira vez. Eu estava caminhando para a entrada da escola quando vi meus amigos tentando chamar minha atenção animadamente. "Mia! Aqui! Onde você esteve?", eles estavam gritando e pulando de um lado para o outro.

Eu tive a real sensação física de que minha sombra estava me empurrando para longe deles. Então eu ouvi: eles não gostam de você. Eles acham que você é um fracasso. Não são seus amigos de verdade.
Eu acreditei. Precisava acreditar. Apesar de tudo, era minha sombra. Eu não queria deixá-la irritada. Acreditava mais nela do que em meus amigos.

Rapidamente me virei e mudei de direção, deixando eles encarando minhas costas levemente espantados.

Fez certo, eles estão melhores sem você. Se você desaparecesse da vida deles e os deixasse livres da obrigação de suportar e ficar perto de você, eles seriam muito mais felizes...

Faz sentido, eu pensei. Me lembrei de todas as vezes em que eu simplesmente choraminguei sobre minha vida, reclamei dos meus pais, falei sobre o quão infeliz eu era na escola, como queria fazer algo totalmente diferente com a minha vida do que estavam me obrigando a fazer... Fez todo sentido. Como eu devo ser insuportável; cuzona. Ninguém merecia ouvir toda aquela merda patética.

Carrie estava me ligando. Eu ignorei. Eles estão se sentindo obrigados... Sentem pena de você... Estão se culpando de forma egoísta.

Coloquei música para tocar e continuei a leitura do livro, jogada na minha cama.
Boa garota.

Faltei à escola no dia seguinte. Tive que sair de casa para meus pais não desconfiarem, então fui até o parque com meu livro.

Carrie tentou me ligar algumas vezes e mandou "o q ta acontecendo com vc? estamos preocupados e um pouco ofendidos p falar a vdd" mas ignorei tudo. 

Me sentei em um banco e abri meu livro, minha sombra calmamente descansava no chão à minha frente. Depois de uns cinco minutos, um cara mais ou menos da minha idade se aproximou e perguntou se eu tinha algum cigarro sobrando.

Minha sombra despertou de sua soneca e se levantou, olhando para o estranho de maneira hostil. Era fácil perceber pelos seus movimentos rígidos.             
          
"N-não, desculpe", falei e sugestivamente voltei meus olhos para o livro, espiando minha sombra rapidamente apenas para vê-la assentir em aprovação.

"Lindo dia, né?", o cara disse, sorrindo para mim quando ergui os olhos até ele. "Uma garota amável como você está se sentindo bem, lendo sozinha em um banco triste?", perguntou com o sorriso amigável.

Minha sombra estava agora perigosamente perto do estranho. Segurava a sombra de uma faca, apontada para ele, enquanto olhava para mim.

Eu entendi a mensagem. Queria que ele se fosse ou então o faria sofrer.

"Estou bem, obrigada", falei fria. "Você sempre se aproxima das pessoas sem ser convidado?"
O sorriso dele se revirou. "Eu só estava sendo legal. Mas parece que você não está pronta ainda.", falou e saiu.

Uma raiva inesperada se apoderou de mim e pela primeira vez desejei poder conversa com minha sombra. Dá pra acreditar nesse cara? "Não está pronta ainda." Pronta pra quê?
Tudo o que eu queria era ficar sozinha e onde quer que você vá, têm pessoas demandando sua atenção para benefício próprio... Me dá isso, conte me aquilo, seja meu amigo, seja meu amor. Tão egoísta. Você não precisa de ninguém. Minha sombra assentiu tão violentamente em aprovação que sua cabeça de sombra quase caiu.

Fechei meu livrou com um barulho alto e fui caminhar na direção oposta, minha sombra dançado em torno da minha solidão.

Eventualmente meus amigos pararam de falar comigo e nos tornamos estranhos por completo. Minha sombra faria o trabalho para me deixar o mais longe possível, silenciosa, no meu próprio canto, sempre que eu aparecia na escola. Minhas notas começaram a cair e meus pais estavam me enchendo como sempre. Eles não sabiam o que dizer, nunca perguntaram se estava tudo bem ou se eu estava sofrendo. Mas é tudo sua culpa, claro, a sombra sussurraria. Eles estão completamente certos. Você é um desperdício de espaço. Não deveria ter nascido.

Além disso, a sombra começou a sussurrar que eu me sentiria melhor e mais no controle do meu inútil ser se eu perdesse quanto peso fosse possível, sua bolha gorda, ela soprava. Comecei a contar calorias e medir porções. Minha cintura diminui, minhas bochechas afundaram e eu podia sentir minhas próprias costelas apontando dolorosamente. Muito bem, fofucha. Mas você tem mais trabalho a fazer. Mostre os ossos, seu esqueleto é a única parte de você que vale alguma coisa.

Prosseguiu assim por um tempo, até que eventualmente acordei uma manhã e minha sombra não estava deixando que me levantasse. Eu tentei, mas era fisicamente impossível de me colocar pra fora da cama. Então repousei ali até me atrasar para a escola e minha mãe invadir. Eu a convenci de que não estava me sentindo bem.

"Isso é tudo. Nós vamos ao médico, agora", ela anunciou. Olhei para ela, meus olhos vazios e meu corpo tremendo de fraqueza.

"É só um resfriado, mãe, nada pra se preocupar. Só preciso ficar de cama", eu murmurei e fingi uma tosse dolorida.                        

"Resfriado? Besteira! Tenho assistido você perdendo peso já tem um tempo, e por mais que eu esperasse que fosse uma fase de adolescente, uma coisa temporária, eu não posso ficar parada te vendo assim mais. Vamos procurar ajuda, você obviamente está passando por algo", ela desabafou de uma vez, sua voz trêmula de preocupação.              
         
A sombra repentinamente parou de exercer força sobre mim. Eu podia me mover. Mas ela tinha a sombra de faca novamente, e dessa vez estava a apontando para mim.

Estava me ameaçando.

Eu pulei da cama de uma vez e comecei a implorar que minha mãe reconsiderasse.

"Não, não, mãe, eu prometo, vou comer, vou pra escola... Só não me faça ir ao médico, não precisa, estou bem. É só uma fase, como você disse...", eu chorei.

Minha mãe olhou pra mim com um pingo de empatia e concordou em me deixar de cama para descansar.

"Mas você vai voltar para a escola amanhã. Sem desculpas. E vai ter boas refeições hoje que vou olhar você comendo."

Minha mãe ficou e casa aquele dia, assistindo todos os meus passos. Comer era estranho — não vinha comendo mais que um ocasional pedaço de queijo ou metade de uma maçã por um bom tempo.
Minha sombra estava casualmente segurando a faca para mim o tempo todo agora. Quando terminei o café da manhã, ela a apontou para mim com a ameaça de novo.

"Só vou no banheiro", falei à minha mãe.

Fui até lá e me certifiquei de que toda a comida estava fora do meu corpo. Eu não deixaria as calorias tomarem conta de mim.

No dia seguinte minha mãe me levou até a escola e me assistiu entrando lá. Ela havia marcado uma reunião com o conselheiro da escola, a qual eu deveria comparecer de tarde. Eu, lógico, não pretendia ir. Não se isso me fizesse correr o risco de ser machucada pela minha sombra. Ela podia ler meus pensamentos também, então eu precisava tomar cuidado com o que estava pensando o tempo todo.
Assim que o carro da minha mãe sumiu, eu fui até o jardim dos fundos — meu usual canto solitário.
Exceto de que havia mais alguém lá. O cara chato que eu havia visto no parque meses atrás.
Ele sorriu calorosamente para mim. "Hey", ele disse.

Eu me apressei em dar meia volta e encontrar outro lugar, ignorando totalmente o cumprimento dele.
Até que ele falou novamente.

"Posso ver sua sombra."

Eu simultaneamente paralisei e tentei voltar a respirar. Minha sombra começou a me sufocar, me fazendo sentir a garganta fechar e meu coração bater descompassado, quase explodindo pelo meu peito.

"Posso vê-la. Eu tinha uma também", ele falou novamente.

Eu estava perto de desmaiar. Porém, consegui me virar lentamente. Eu não via nada. Só olhei para ele como um rato assustado, meus ossos frágeis chacoalhando em espanto.

"Eu sei que acredita no que ela te conta. Sei que faz o que ela manda", ele continuou. "Mas não precisa fazer. É tudo mentira. Não vai fazer nada com você".

Eu estava me sentindo doente, um monstruoso bolo de emoções borbulhando pelo meu corpo, tentando escapar.

"Mas você vai. Se continuar a escutando. Posso ver que ela tem uma faca, também. A minha tinha. Então a trocou por uma arma. Que se tornou uma arma real."
O encarei como se ele fosse a única pessoa no planeta que existia naquele momento em particular.
"Ela te alimenta com mentiras. Te dá ideias erradas. Te fala para machucar a si mesma. Como fez comigo. Ela nunca me machucou. Eu, sim."

Então ele levantou sua camiseta e eu vi uma grande cicatriz vermelha do lado esquerdo do seu peito.
Ficamos lá em silêncio pelo que pareceu uma eternidade. Minha respiração se acalmou e meu coração batia normal. Tudo estava se tornando claro agora. Senti como se houvesse luz no fim do túnel.

"Posso te comprar um café? Ou talvez um pedaço de bolo?", ele perguntou do nada. "Parece que você precisa de bolo."

Comemos o bolo. Conversamos. Contei tudo a ele.

E a cada palavra, minha sombra se grudava ao chão, centímetro por centímetro, até desaparecer. Não havia sol na cafeteria, claro.


Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigada! Se gostou, comente, só assim saberemos se vocês estão gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião!


20 comentários:

  1. A sombra soou como uma depressão durante toda a história, e eu esperava algo macabro e sombrio

    Só que a história apresentou a saída de uma situação horrível para um final feliz. 15/10

    ResponderExcluir
  2. Cara... Perfeita essa creepy, que já aconteceu comigo e com mts q conheço. Eu poderia copiar e compartilhar, pfv? Sei que ajudaria mt gnt

    ResponderExcluir
  3. Creepy sensacional. A sombra serviu para representar a depressão... se afastar dos amigos, se julgar de forma negativa e etc..., são sinais de quem tem depressão. Quando o carinha citou que a sombra da arma se tornou uma arma real, seria uma referência ao suicidio? (Caso for, a sombra da arma seria uma referência a pensamentos suicidas). Essa creepy e criativa, além de ser sensacional ainda serve pra explicar a depressao...incrível. 10/10

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A metáfora usada foi bem interessante, gostei, lembra até o filme(sério) do Porchat.

      Excluir
  4. Nossa... tem uma grande mensagem por trás de tida essa estória.

    ResponderExcluir
  5. #SetembroAmarelo Creepy muito boa, 9/10 pra mim. Meus parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Senti falta de um aviso de conteúdo, por tratar da anorexia e depressão com tanta naturalidade.
    Fora isso, bom conto.

    ResponderExcluir