25/10/2017

Posso ver a aura das pessoas... e é uma maldição.



Sim, eu consigo ver a aura das pessoas.

E odeio dizer isso tão vagamente. Me faz soar como um médium charlatão que finge que tem uma habilidade só para explorar pessoas desavisadas. Nunca fiz um centavo em cima da minha habilidade. Nunca levei vantagem sobre isso. E, até agora, nunca nem havia falado para ninguém.

Mas realmente as vejo, e estou começando a achar que é um tipo de maldição. Tenho um motivo para estar digitando isso e te garanto, não tem um final feliz.

Para mim, é bem simples. Vejo uma luz suave em volta das pessoas. Em todo mundo. E nessa luz posso ver a moral deles. Quanto mais clara e mais translucida a luz, melhor a pessoa é. Quanto mais escura e mais opaca, pior é a pessoa. Turvas e mais ou menos translucidas são ambíguas. Para simplificar as coisas, esse é os três jeitos que eu os descrevo. Escuro significa ruim. Claro significa bom. Turvo é algo entre os dois. É estranho, mas sempre vi as pessoas de aura cinza/turva como... árbitros. Mediadores. As pessoas no meio, que não são nem um nem outro, e que sempre terão decisões difficiles a tomar.

Eu era uma criança quando fiquei ciente de meu dom. Não demorei para perceber que o quanto mais iluminada a aura, mais carinhosas e altruístas as pessoas eram comigo. Enquanto ambos meus pais eram boas pessoas, a aura de meu pai era um pouco mais clara do que a de minha mãe. Como resultado, ele sempre era mais paciente e compreensivo comigo. Era óbvio que meus professores e colegas com auras mais claras eram mais amigáveis e compassivos. As auras escuras eram os típicos brigões, ladrões de dinheiro do lanche e valentões. Posso dizem que tinha uns 8 anos quando percebi que eu tinha um dom que os outros não tinha. Que, provavelmente, ninguém mais tinha.

Já li alguns sites da 'nova era' e artigos da medicina alternativa que dão seu ponto de vista na leitura de auras. Enquanto acredito que a maioria deles é só papo furado, espero que exista pelo menos mais UMA pessoa no mundo que compartilhe da minha habilidade. Então não quero descartar completamente essas pessoas como charlatões. Só que, para mim, não funciona de nenhum jeito que esses sites descrevem. Visitei diversos médiuns e leitores de aura. A maioria deles tem auras cinzas ou escuras, e tenho quase certeza que não obtêm de tal poder. Não estou querendo dizer que todos os 'médiuns' são pessoas terríveis. Visitei alguns que tinham auras bem claras. Não conseguiram me convencer de que realmente tinham poderes psíquicos, mas pelo menos a intenção no coração deles era de realmente ajudar outras pessoas.

Você tem que entender... vou terminar esse texto compartilhando algo horrível que aconteceu comigo. Mas antes de contar tudo, acho que existem mais algumas coisinhas que preciso explicar. Imagino que muitos de vocês estejam curiosos sobre quais aspectos de auras são mais comuns. Fico feliz em contar que a maioria das pessoas está em um tom entre o claro e o escuro. Vejo pouquíssimas auras bem escuras. Isso não é nada científico, e não viajei o mundo fazendo gráficos e tabelas, mas estimo que 60% das pessoas são mais claras. 25% são acinzentadas. 15% são escurecidas. De novo, lembre-se que isso é só uma estimativa. Qual a precisão de diferença entre clara e acinzentada? Não faço ideia. Mas posso assegurar que existem muito mais auras claras do que escuras no mundo.

A próxima coisa que gostaria de comentar aqui são sobre as crianças. Consigo ver a aura das pessoas já desde o nascimento, e nunca encontrei uma aura que mudou enquanto a pessoa envelhecia. Não sei o que isso significa para todo o debate de nature vs nurture. E também não estou dizendo que pessoas com auras escuras sempre se comportam terrivelmente, ou vice e versa. Uma pessoa com uma aura mais clara pode nascer em condições ruins, adquirir problemas com drogas e recorrer ao crime para sustentar seu vício. Acho que a diferença é... alguém com aura clara pode até roubar alguém, mas nunca usará a violência para fazer isso. Uma pessoa com aura escura mataria outros se pudesse sem nem pensar duas vezes.

Outra observação importante... A proporção entre claro/escuro/cinza sempre é parecido em qualquer ambiente. Mesmo se estou em uma igreja ou em um show de death metal, sempre parece estar naquela tabela de 60%-25%-15%. Uma vez, visitei uma prisão federal e me surpreendi quando vi que pelo menos metade dos prisioneiros tinha auras claras. Tive que ir até à prisão para ver isso pessoalmente porque não consigo ver auras por fotos, televisão, filmes ou até mesmo em espelhos. Só posso ver auras no mundo real. Outra coisa estranha... não posso ver minha própria aura. Imagino e espero que seja no espectro claro, mas não consigo vê-la.

A pessoa com a aura mais clara que já vi na vida era de uma assistente social. Ela brilhava com tanta intensidade que era até difícil para mim olhar diretamente para ela. Baseado no jeito em que as pessoas agiam em sua presença, creio que quase todos podiam sentir seu brilho em um jeito inconsciente. Todos amavam-na. Ela havia doado um rim para uma pessoa que mal conhecia. Sua filha adotiva tinha necessidades especiais. A maior parte do dinheiro que ganhava, doava para várias caridades. E isso é só pelo pouco que eu conhecia dela. Essa mulher brilhava tão intensamente que chegava a me assustar. Era assustador que alguém podia ser tão bom.

Mas não foi nem de perto tão assustador como quando me encontrei com a pessoa mais escura que conheci. Eu tinha 20 anos na época, saindo de uma festa por volta das duas da manhã. Um homem andava silenciosamente pela rua. Não o vi de começo, mas notei o brilho escuro em volta dele. Esse homem tinha a aura tão negra que basicamente sugava a luz em sua volta. Olhei para ele intensamente e por bastante tempo. Parecia desesperado, cruel e insensível. Quando olhou para cima e cruzou o olhar comigo, quase me fez cair para trás. Deu um sorriso bizarro, como se soubesse o que eu podia ver. Vi seu rosto de perto. Nunca vou esquecê-lo. E o reconheci quando vi sua foto em um jornal algumas semanas depois, informando que havia sido preso. Havia assassinado sua ex-esposa e duas filhas a sangue-frio.

Acho que tenho que ir ao ponto final agora. A razão pela qual escrevo isso.

Me apaixonei um ano atrás. Ela não brilhava tanto quanto aquela mulher que já havia visto, mas posso assegurar que sua aura não era escura nem acinzentada. Era linda. Seu humor, sua inteligencia, seu... tudo. Era a mulher dos meus sonhos. E nunca contei para ela sobre meu dom. Poderia ficar falando sobre ela por horas e horas aqui, mas isso não é uma história de amor. O importante é: nos apaixonamos. Ela engravidou. Estávamos felizes. Estávamos muito, mas muito felizes.

Lembro de ouvir meu celular vibrando dois dias atrás, pela manhã. Lembro da minha empolgação quando li a mensagem que dizia "Está acontecendo. Venha para o hospital". Lembro da minha frustração quando fiquei preso no trânsito. Lembro da demora que foi até encontrar uma vaga no estacionamento. Lembro de gritar para enfermeira "EM QUAL QUARTO MINHA ESPOSA ESTÁ?". Lembro de abrir a porta com tudo e ver o sorriso no rosto da minha mulher. Lembro de ver o médico, sua luz brilhando tão branca, enquanto dizia "Parabéns, é um menino."

O médico segurou o bebê na minha direção.

Toda a luz do quarto se dissipou.

"Não, não pode ser." Lembro de dizer. O médico colocou-o em meus braços.

A escuridão em volta de meu filho era tão intensa que eu mal conseguia ver suas feições. Era um vazio. Era tão escuro que o mundo quase nem existia em sua volta. Não era como nada que eu já havia experienciado antes. Comecei a chorar. Acho que minha esposa e o médico acharam que eram lágrimas de felicidade. Deus sabe que não eram.

Pensando de volta na aura do homem que assassinou sua família. A dele era a mais escura que eu já havia visto. Mas a escuridão em volta do meu filho era cem vezes pior. Mil vezes pior. E o que poderia ser mil vezes pior do que assassinar a própria família?

Já faz dois dias. Estamos em casa agora. A escuridão do meu filho é tão intensa que obscurece o corredor que vai até seu quarto. Minha esposa sabe que tem algo de errado. Acho que a suspeita dela é que eu me arrependo de ter tido um filho. Se ela soubesse...

O que eu faço? É meu filho. Vinte minutos atrás eu fui até seu berço e segurei um travesseiro logo acima de sua cabeça. Mas não consegui fazer. Não ainda. Um homem que assassina sufocado seu próprio filho de dois dias de vida: que cor seria a aura desse homem?

E aqui está o pensamento que fica percorrendo pela minha mente enquanto estou sentado aqui, sozinho. Os pais dos abomináveis. Os de Adolf Hitler. Joseph Stalin. Timothy McVeigh. Se soubessem o que sua prole viraria, teriam assassinado-os em seus berços. Eles teriam a coragem de segurar o travesseiro por quanto tempo precisasse?

Posso ver o quarto do meu filho aqui do meu escritório. O corredor parece escurecer cada vez mais. Estou olhando para minhas mãos enquanto digito isso. Talvez eu esteja enlouquecendo, mas parece que posso ver a aura em volta das minhas mãos e braços agora. É cinza. Turva. Talvez sempre tenha sido assim.

Estou olhando a almofada que tem aqui perto de mim. O brilho acinzentando em minhas mãos parece ser cada vez mais aparente. Talvez seja hora. Talvez seja para isso que tenho esse dom. Tudo se resume a isso.

Talvez seja hora.

Acho que é hora.

FONTE

Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigada! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião! 


28 comentários:

  1. Obrigado Divina por essa Creepy. Realmente muito boa!

    ResponderExcluir
  2. Caraleo que creepy foda! Parabéns Divina!

    ResponderExcluir
  3. Uma das melhores creepys que ja li mt boa 1000/10

    ResponderExcluir
  4. Matava o filho, e ainda tentava matar novamente, só pra garantir mesmo

    9/10, previ no meio da historia mas deixa uma ótima reflexão.

    ResponderExcluir
  5. Fico pensando porque ainda venho aqui, e quando a Divina publica me lembro o porquê

    ResponderExcluir
  6. Parabens, Divina!!! Olha, o mais legal é a ambiguidade disso: E se ele não acerta todas as vezes, ou mesmo se a preocupação de ter um filho o induziu a ver a aura dessa forma, e ele está alucinando?

    Maaaaanoo... Da pra ficar doido, excelente creepy! Mais uma vez, parabéns!

    ResponderExcluir
  7. N mataria meu filho por mais escuro q a aura fosse kk tentaria mudar isso. Q pai chulezinho.

    ResponderExcluir
  8. Isso me lembrou muito um jogo de terror no qual você é uma pessoa (aparentemente um homem) numa casa, o filho não para de chorar e vc tem q cuidar dele ao mesmo tempo q faz as tarefas de casa, se você deixa o bebê no quarto a casa começa a escurecer desde o quarto até escurecer toda a casa

    ResponderExcluir
  9. Isso me lembrou muito um jogo de terror no qual você é uma pessoa (aparentemente um homem) numa casa, o filho não para de chorar e vc tem q cuidar dele ao mesmo tempo q faz as tarefas de casa, se você deixa o bebê no quarto a casa começa a escurecer desde o quarto até escurecer toda a casa

    ResponderExcluir
  10. Muito boa e envolvente, foge do clichê, certas partes achei q teria previsto o rumo mas me surpreendeu. Tambem explora bem o tema da aura que quem realmente acredita não foge muito do que é

    ResponderExcluir