01/10/2017

Um e-mail do assassino da minha filha

ATENÇÃO: ESSA CREEPYPASTA  É +18. CONTÉM CONTEÚDO ADULTO E/OU CHOCANTE (ABUSO INFANTIL) NÃO É RECOMENDA PARA MENORES DE IDADE E/OU PESSOAS SENSÍVEIS A ESSES TIPOS DE LEITURA. LEIA COM RESPONSABILIDADE

Você acredita em coincidências? Parece uma pergunta engraçada, não é mesmo? Eu nunca acreditei muito, até agora. Vou explicar; ontem o desaparecimento da minha filha completou um ano. Nunca houve um pedido de resgate, nem restos mortais e nem evidências para comprovar as teorias de sequestro. Além de sua ausência, tudo parecia assustadoramente normal e limpo. Ela tinha apenas quatorze anos de idade, e desapareceu sem deixar nenhum rastro. Seu nome era Emily. Posso dizer "era" com confiança agora. É uma bênção amarga, difícil de aceitar. Quando Emily desapareceu deixou o pai, eu e seu irmão mais velho, Joseph, em um estado de ansiedade perpétua. Um limbo de monstruosa incerteza. Cada ligação parecia com agulhas perfurando nossa pele, e todos os noticiários dizendo sobre a pobre menininha "desaparecida e provavelmente morta" eram como água fervente sendo derramada pela nossa garganta. Era uma verdadeira tortura. 


Ontem recebi um e-mail de origem desconhecida. Um e-mail contando a verdade sobre o que aconteceu com Emily naquele dia terrível. Segue o conteúdo:

______________________________

De: imsosorry1234@gmail.com Assunto: Desculpa pelo que eu fiz


Olá, Sra. Stanfield.

Não vou dizer o meu nome. Isso não é importante neste momento. O importante é o que eu fiz, e o quanto sinto muito por isso.

Eu serei rápido e honesto. Emily está morta, e eu a matei. Gostaria de lhe dizer que fui rápido e misericordioso, mas não fui. Foi uma morte lenta e dolorosa. Não consigo imaginar que meu gozo inicial desse fato servirá como qualquer tipo de consolo.

Amei Emily por muito tempo, um amor que você pode chamar de impróprio. A parte mais difícil era saber que ela nunca poderia corresponder o meu amor, pelo menos não da mesma forma que eu, embora eu tivesse tentado fazê-la me amar. Eu tentei dar a ela demonstrações do meu amor, mas ela nunca foi receptiva ao meu carinho. Ela tinha nojo de mim, e isso fez eu me sentir minúsculo e zangado. Embora eu possa agradecer o fato de ela nunca ter dito isso diretamente.


Você sabe o quão difícil é lidar com as nossas próprias fantasias, Sra. Stanfield? Eu tive sonhos tão feios com Emily, e eu sei que eles são feios, mas não posso deixar de achá-los muito excitantes. Perguntei-me muitas vezes durante o ano passado se foi a feiúra de tudo isso que me deixou tão apaixonado.

Quando tudo que você tem é uma fantasia, uma fantasia que você acha que é inatingível, você gasta muito tempo refinando, como um escultor esculpindo uma estátua, esperando encontrar a perfeição escondida no granito. Não importa quantas vezes você secretamente afrouxa as válvulas com suas mãos, isso apenas mantém a fantasia mais controlada, mas não a destrói, você não pode destruí-la. Apenas ganha outro componente. Talvez sejam mais quinze minutos de tortura, outro grito. Talvez seja uma ferramenta diferente...

Quando a fantasia chega a ferver é muito difícil se satisfazer sozinho. Você deve transformá-la em carne. Quente, satisfatória, carne. E eu fiz, Sra. Stanfield, eu realmente fiz.

Eu tenho que ser honesto com você, o objetivo principal não era viver minha fantasia, mas sim saber se eu conseguiria realizá-la. Não havia dignidade em me divertir com pensamentos de violência, eu tinha de saber se eu tinha coragem de fazer a única coisa que estava dando a minha vida qualquer tipo de significado.

Há um ano provei que tinha coragem.

Minhas pequenas indiscrições foram no passado. Fui paciente, como um crocodilo, e iniciei um longo jogo. Fiz Emily confiar em mim novamente com o tempo, a deixei confortável em minha presença até ela baixar a guarda.

Ela estava a caminho da escola quando eu finalmente aproveitei a chance e fiz minha jogada. Eu tinha escolhido com antecedência uma antiga cabana na floresta. Até acendi algumas velas para um efeito romântico. Mais para mim do que ela, admito.

Emily ficou apreensiva no início, mas consegui convencer ela visitar a pequena cabana comigo. A porta estava trancada atrás de nós antes mesmo dela ver a arma que eu estava segurando, mas quando ela viu foi uma boa menina e não gritou. Devo admitir, fiquei um pouco desapontado com esse fato.


Estou ciente de que tudo que fiz foi perverso, mas o vento lá fora dificilmente importa quando você é um furacão. Toda a minha vida era a mais pura perversidade escondida e trancada, e Emily era a minha saída. Parte de mim pensa que a amei porque era conveniente, porque ela era acessível.

Usei um martelo, uma faca, alicates e uma furadeira. Tudo isso fez mais bagunça do que eu esperava, tanto sangue, tantas... outras coisas. Em suma, demorou algumas horas antes dela finalmente morrer, o que era admirável, mas ela nunca deixou eu me divertir. Emily era uma garota tão forte, você deveria se orgulhar dela, Sra. Stanfield.

Para meu próprio orgulho, gostaria de esclarecer que não a fodi antes de matá-la. Eu não conseguiria atravessar aquela barreira, sabendo que seus olhos estariam em mim enquanto acontecia; pensar nisso me enojou. Ela morreu, até onde eu saiba, virgem.

Quando eu finalmente terminei com ela e a euforia passou, percebi a coisa terrível que fiz. Meu prazer se tornou desgosto, e toda a doçura que estava dentro de mim enquanto eu a matava azedou. Percebi que eu não era um assassino, que tudo isso não era adequado para mim, que, além do prazer temporário do ato, o pensamento de tirar a vida de alguém me causava repulsa.

Eu era um fantasista que cometeu um erro terrível que acabou com a vida de uma jovem promissora. Se existe um grande plano que todos nós fazemos parte, eu poderia sentir que o que eu fiz era um desvio da lei natural. Eu estava com nojo de mim mesmo e do que eu fiz. Este pequeno experimento tinha acabado completamente comigo.


Uma vez que consegui superar a onda inicial de medo e pânico, cortei o corpo de Emily em pedaços menores que eram mais fáceis de transportar. Peguei todas as partes, embrulhei-as e  as queimei com fluido de isqueiro na floresta. Depois disso, enterrei o resto dos ossos carbonizados e das cinzas, desejando poder esquecer de tudo isso.

Matar Emily e fazer as coisas que fiz no corpo dela não foram atos de coragem, percebi isso com o tempo. Eram atos de obsessão e covardia, de uma pessoa que não era forte o suficiente para superar seus impulsos mais obscuros. Estive envolto pela culpa, cercado por lembretes da vida que tomei e nunca poderei devolver.

É por isso que eu decidi fazer um ato cortês e deixar você saber que eu decidi pegar outra vida: a minha. Tudo o que sou e posso ser é um perigo para as pessoas que me rodeiam, uma bomba relógio destinada a explodir e ferir outro inocente. A única coisa altruísta para uma pessoa na minha posição de fazer é sair do jogo.

Desculpe pelo que fiz com Emily. Eu não espero que você me perdoe, nem acho que eu mereço isso. Apenas espero que isso lhe dê a sensação de ‘capítulo terminado’ e permita que você continue.

Minhas mais sinceras desculpas.
______________________________

Depois de ler esse e-mail terrível, chorei por horas. Eu não tive essa reação violenta porque acreditei ter sido contactada pelo assassino da minha filha, mas sim porque pensava que alguém estava fazendo uma terrível piada com minha família depois de termos passado por isso. E bem no aniversário de desaparecimento da nossa Emily.

Não mostrei o e-mail ao meu marido, nem ao meu filho. Eu não poderia suportar. Eu apenas levantei a cruz e mostrei um rosto corajoso a eles, sabendo que a data era difícil para todos nós. Eu não deixaria o monstro do outro lado do e-mail destroçar minha família.

Mas, nesta manhã, eu ouvi dois tiros vindos do quarto de Joseph. Quando meu marido e eu abrimos a porta, era tarde demais. De alguma maneira desconhecida ele conseguiu uma arma  e disparou dois tiros: um em seu laptop e outro em sua testa.

Então, com esse fato em mente, irei perguntar novamente: você acredita em coincidências?


FONTE

17 comentários:

  1. Não entendi o final. O irmão da menina era o assassino?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amor, tudo isso foi uma coincidência... O Assassino falou que ia se matar, logo, o irmão da menina se matou. Ai perguntou novamente, 'voce acredita em coincidências?'

      Excluir
  2. Woaaaaw!! Essa foi incrível e imprevisível. 10/10

    ResponderExcluir
  3. Mano, vai tomar no cu... chorei aqui, pq o monstro tá na própria casa :(

    ResponderExcluir
  4. Melhor creepy que eu já li aqui. Pqp

    ResponderExcluir
  5. Mano! Eu tô besta! Coroih burracha era o irmão dela o tempo inteiro! E ainda terminaram com o nome fonte bem grandao no final! Mano Fonte você é a Sarah Vieira são os melhores daqui e fim de papo! Eu Sarah se você for escrever livros um dia ou mesmo a fanficzinha já pode me avisar que eu vou ler!

    ResponderExcluir
  6. Mano! Eu tô besta! Coroih burracha era o irmão dela o tempo inteiro! E ainda terminaram com o nome fonte bem grandao no final! Mano Fonte você é a Sarah Vieira são os melhores daqui e fim de papo! Eu Sarah se você for escrever livros um dia ou mesmo a fanficzinha já pode me avisar que eu vou ler!

    ResponderExcluir
  7. O problema de manjar de creepypastas é que você aprende a prever alguns finais... Mas muito boa, 10/10

    ResponderExcluir
  8. Eu não previ. Fiquei besta com o final, por isso ela tinha nojo do amor dele. Ótima creppy, vocês estão arrasando.

    ResponderExcluir