14/11/2017

A parte da Deep Web que não deveríamos ver - Parte 2 - Pelo buraco do coelho

Olá, pessoas.

Esta é a segunda parte de uma creepy já postada aqui há duas semanas, eu não sabia que viriam mais partes hahahaha, por enquanto são 4 e conforme ele for postando eu vou trazendo pra vocês aqui toda terça. Espero que gostem!

PARTE 1



Eles dizem que a curiosidade matou o gato. É engraçado. Isso quase parece um ataque pessoal à essa altura.

Não me esqueci daquela noite. Quero dizer, não é algo que você simplesmente pode parar de pensar. O que diabos foi a última coisa que eu vi? O mais estranho é que nunca nem aparece em meus pesadelos. Sempre são as outras coisas. Eu juro que posso ver aquele cara sem boca toda vez em que fecho os olhos. Mas... talvez isso não seja tão estranho. Meu cérebro não pôde compreender aquilo de primeira, então como meu subconsciente poderia produzir uma recreação? Merda. Eu não quero pensar mais nisso. Mas não consigo.

Sabe, meus problemas não estão mais na minha cabeça. Pensei que tinha acabado com essa merda depois que os homens de preto me visitaram. Eu realmente achei que tinha acabado. Em retrospectiva, foi apenas uma ilusão. Não, foi delirante. Depois do que vi? Acho que não funciona assim. Eu acho que o mundo não é tão simples. Eis o que aconteceu:


QUARTA-FEIRA



Faz três dias desde que voltei ao trabalho e acho que estou sendo seguido. Não. Tenho certeza disso. O fato é que, da primeira vez eu nem percebi. Quem quer que eles sejam, eles usaram veículos diferentes. Sempre a mesma rotina. Depois do trabalho eu entro no carro e começo a dirigir para casa. Outro veículo sempre me persegue até eu entrar na minha garagem, então eles continuam dirigindo. Tipo, se isso acontecesse uma vez, beleza. Mas três vezes? Em circunstâncias normais eu poderia chamar isso de coincidência. Mas por razões óbvias, eu não posso dizer isso agora. Eu não tenho muita certeza do que diabos eles querem. Talvez estejam tentando me monitorar. Deus, eu torço para que seja isso. Se esse for o caso, eu vou simplesmente seguir com minha rotina. Apenas dá-los o que eles querem.


QUINTA-FEIRA



Desta vez eu tentei dar uma olhada pelo retrovisor. Os vidros eram fumê. Ótimo. Mais uma vez entrei na minha garagem e ele continuaram o caminho. Eu sei que eu disse que ia apenas continuar com minha rotina, mas esse tipo de merda realmente afeta você. Eu não quero mais lidar com o que quer que isso seja. Juro que eles estão chegando cada vez mais perto.


SEXTA-FEIRA



Fiz algo diferente hoje. Peguei transporte público em vez de dirigir. Nunca precisei tanto de uma bebida na minha vida, então eu fui para o bar depois do trabalho. Acho que isso foi mais um experimento. Para ver o quão perto eles chegariam. Se eles estão incomodados em ter que esperar, que se fodam então. Ainda estou vivendo minha vida. Embora eu não conseguisse manter os olhos longe das janelas por todo o tempo em que estava lá. Depois de estar bêbado o suficiente, resolvi pegar um táxi. E surpresa, lá estavam eles, bem atrás da gente. Mas eis o que eu não estava esperando: era o mesmo carro de ontem. Parece que eles desistiram do disfarce. Não tenho certeza do que sentir sobre isso.

Droga. Outra coisa mudou. Eles não ficaram apenas dirigindo dessa vez. Depois que o táxi me deixou, me virei para ver aquele maldito carro estacionado, a meio quarteirão da minha casa. Apenas entrei em casa. O que diabos eu deveria fazer? Ligar para a polícia nem passou pela minha cabeça. Mas, pra ser sincero, não acho que isso teria ajudado.

Já faz três horas e eles ainda estão lá. Eu não fiquei os observando o tempo todo, então eu não sei se eles estão ou não no carro. Não é divertido pensar nisso. Sem chance de eu dormir esta noite.

São cerca de 2:00 da manhã agora. Acabei de receber uma mensagem de texto. Número privado. Eis o que dizia:

"Saia de sua casa. Não use a pporta da frente, eles ainda estão lá. Venha para o restaurante 24 horas a cerca de cinco quarteirões de distância. Nem pense em dirigir, eles vão saber. Seja rápido, eles entrarão em breve. Não seja seguido. Deixe as luzes acesas."

Congelei após ler aquilo. Eles vão entrar? Para quê? Quem diabos está me mandando essa mensagem? Eu não sei o que você faria numa situação dessas, mas eu segui o conselho. Estava extremamente paranóico neste ponto.

Um pouco tonto e cansado, coloquei uma jaqueta e saí pela porta dos fundos. Também peguei uma mochila com meu outro notebook. Não tenho certeza do porquê. Mas eu senti como se precisasse. Esperei alguns segundos antes de pular minha própria cerca. Quando eu tive certeza de que ninguém havia notado, segui pela rua até o restaurante. Após cerca de 40 minutos, eu finalmente cheguei. Teria sido mais rápido, mas eu basicamente me escondia nos arbustos sempre que um carro passava.

Examinei os clientes, uma mesa de jovens universitários bêbados, alguns caminhoneiros e um cara de moletom digitando em um computador mais ao fundo. Ele não parecia ameaçador. Na verdade ele era bem anoréxico. Imaginei que fosse ele. Fui até sua mesa e me sentei.

Ele olhou para mim. "Oi. O que você quer?"

"Você me mandou uma mensagem." Então teve uma pausa breve. Fiquei preocupado por um segundo. E se não for ele? Então ele quebrou o silêncio.

"Certo. Eles te seguiram?"

"Não, acho que não." Ele acenou com a cabeça. "Ótimo." E então ele riu. Como se isso fosse pra ser engraçado. "Cara, você estragou tudo, né?" Díficil discordar daquilo. "O que você estava fazendo, afinal? O que estava tentando encontrar?"

"Nada, eu juro. Estava apenas passando o tempo, eu acho." Ele apenas me encarou, descrente. "Ah, bem, que merda. Seria legal se você fosse um espião ou algo do tipo." Ele riu novamente.

"olha, quem é você? Como você sabia que eles estavam atrás de mim? Quem são eles, afinal? O enchi de perguntas.

"Tudo bem, se acomode. Eu não vou dizer quem eles são, eu também não sei. Mas eu vou re dizer que eles não têm boas intenções." Fantástico, pensei. "Certo, como você sabe sobre eles?"

Ele deu uma pausa. "Eles vieram atrás de mim. Em um segundo eu estava lendo sobre demônios na Lua, no outro, minha porta estava sendo derrubada. Isso já tem uns meses, saí da cidade.

Fiquei confuso. "Espera, como assim?"

"Eles tentaram me matar, cara." Eu não pude acreditar naquilo. "E você estava apenas olhando os links? Foi isso? Você ensina outras pessoas como entrar lá ou algo assim?" Perguntei. Ele levantou a sobrancelha. "Não. Por que a pergunta?"

Fiquei surpreso. "Eles não fizeram isso comigo." Eu disse. "Eles apenas vieram, pegaram meu notebook e me deram um aviso". Dessa vez ele ficou chocado. "Realmente..." Ele pareceu pensar em algo por um tempo.

Então ele prosseguiu me perguntando como eles eram. "Apenas homens de terno" Respondi. "O que eles te perguntaram?" foi sua próxima pergunta. E de novo, eu disse a ele. Mas então eu me lembrei da última coisa que eles me disseram. "Eles também me perguntaram quais são minhas prioridades aqui. Pergunta esquisita." A cara dele ficou branca por um segundo.

"Sim... sim, estranho, não é?" O que se seguiu foi um silêncio desconfortável. Eu finalmente perguntei a ele o que estava na minha mente desde aquela noite: "Aquela página com apenas quatro links, o que diabos aquilo deveria ser?"

Ele levantou a sobrancelha e disse que não sabia do que eu estava falando. É aí que as coisas ficaram estranhas. Depois de eu lhe dar uma explicação rápida sobre o que tinha visto, sua expressão mudou completamente. Pude perceber uma mudança brusca em sua postura.

"O que você escreveu no prompt?" Ele me perguntou. "O que também me procura." Respondi. A essa hora eu já estava completamente confuso. "Não foi isso que você também fez?"

Ele simplesmente balançou a cabeça. "Não..." Então ele fechou seu notebook e se levantou. "Ei, onde você está indo?" Perguntei. "Já estamos aqui por muito tempo. Olha, sei que você tem perguntas, mas eu não posso respondê-las para você. Vá para um motel esta noite ou algo assim." E assim ele se foi. O que eu iria fazer, pará-lo? AInda não tenho ideia de quem é aquele cara. A única coisa que consegui dele foi seu nome - Jackson. E até isso provavelmente era falso.

Cansado pra caralho e um pouco bêbado, saí do restaurante e tentei ficar escondido enquanto procurava por um motel por perto. Obviamente, isso não foi divertido.

Agora aqui estou eu, sentado em um motel básico às 4:30 da manhã. Eu mal posso manter os olhos abertos, mas também não consigo deixar de olhar por trás do ombro a cada segundo em que estou acordado. Esse é o auge de uma situação de merda. Acho que vou tentar dormir um pouco. Não posso fazer nada mais. Descobrirei pela manhã.


SÁBADO



Bem, eu acho que foi sábado por um tempo, na verdade. São 8:00 da manhã agora. Não dormi quase nada. Eu tenho essa sensação macabra de que algo não está certo. Liguei a TV. Qualquer coisa para limpar minha mente por um tempo. O que eu vi em seguida fez o oposto.

Era um noticiário. Um homem estrangulado até a morte no banheiro de um KFC. Mas a pessoa assassinada... era um dos caras que vieram até minha casa e pegaram meu computador naquela noite. Sem suspeitos. Apenas fiquei encarando a tela pelo maior tempo possível. Que porra estava acontecendo?

Meu celular de repente vibrou. Uma mensagem diferente de um número privado. Eis o que dizia:

"Vá para a piscina na Fifth Street. No vestiário masculino, vá ao armário 128. A combinação é 12-27-33. Mais instruções estarão lá. Faça isso antes que essa mensagem seja interceptada. Não traga seu celular."

Claro. Quão estúpido eu era? Meu celular ainda estava comigo. Certamente quem quer que estivesse atrás de mim teria conseguido me seguir. Isso nunca passou pela minha mente.

Por curiosidade, olhei pela janela. Como esperado, o carro que me seguiu agora estava estacionado. Felizmente para mim, pude ter um vislumbre do motorista e do passageiro saindo. Ambos estavam usando luvas e um estava segurando uma pasta. Eles estão andando em direção à entrada agora.

Depois de ter enviado isso por e-mail para mim e para um amigo, eu vou precisar pensar rápido. Já joguei meu celular na privada e vou precisar me livrar deste notebook depois. Mas as pessoas precisam saber que isso aconteceu. Se vocês ouvirem falar de mim novamente, significa que eu consegui sair dessa.

Isso daria um ótimo filme.








Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigado! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião!


17 comentários:

  1. Estou gostando, clima bem bacana, lembra Matrix :)

    ResponderExcluir
  2. Talisson, posta o link da creepy original. Sou ansioso demais kkkkkkkkkkk. Essa Creepy ta 10/10

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. NOSLEEP no Reddit, se não me engano já ta parte 4 já

      Excluir
    2. Aquie https://www.google.com.br/amp/s/amp.reddit.com/r/nosleep/comments/7cdp0u/the_part_of_the_deep_web_we_arent_supposed_to_see/

      Esta é a parte 4 ok no inicio do post tem os links p/ as outras partes ;)

      Excluir
    3. Kkkkk obrigada se vc entende ingles vale muito a pena o nosleep... tem muitas creepys ;)

      Excluir
  3. Foda pacaraio haha me deixou querendo ler mais

    ResponderExcluir
  4. Da hora!! 10/10, na verdade eu daria nota 1000 nossa esses americanos sabem escrever creepy boa... ameii quero mais ;) ♡

    ResponderExcluir
  5. Imagina que sacanagem acabar igual "A história dela segurando uma laranja"

    ResponderExcluir