Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Me ajudem, estou presa no meu banheiro!

Oi Creepers lindos do meu coração! Eu gostaria de saber de vocês porque o fluxo de comentários e acessos tem diminuído tanto. O que vocês não estão gostando no blog? Tem alguma sugestão de melhora? Alguma crítica ou elogio? Gosto de ouvir de vocês tudo que tem a dizer para fazermos o que tiver ao nosso acesso para melhorar o blog! 


***

Não posso sair do banheiro. 

Cerca de 30 minutos atrás, eu sai do chuveiro e me sequei, coloquei minhas roupas de ficar em casa
, abri a porta e sai, e então me encontrei dentro do banheiro olhando para a porta fechada. 

Parei e tentei racionalizar o que tinha acabado de acontecer comigo. Me convenci que tinha apenas imaginado que tinha aberto a porta e ido para fora, então tentei de novo. Puxei a maçaneta da porta, abri, pisei para fora do banheiro, e ainda assim continuava lá, de pé na frente da porta fechada. 

Isso acontece todas as vezes que tento sair. Eu fico com meu celular no banheiro quando estou tomando banho - aqui em casa sou só eu que moro, então fica perto de mim, por medida de segurança. A primeira coisa que fiz foi ligar para meus pais - Meu pai não atendeu, mas minha mãe sim. Tentei explicar a situação, mas ela não parecia entender como eu não podia sair do banheiro se a porta abria. Parecia convencida de que significava que a tranca da porta estava quebrada. De qualquer forma, disse que estava vindo para cá. Ela mora a 15 minutos de carro, então deve chegar a qualquer minuto. 

Estou encostada na banheira, olhando para a porta berta. Eu abri mas não tentei sair dessa vez. Tudo parece normal. A porta do meu quarto está fechada como deixei, a porta do armário também fechada, as escadas que levam até o corredor e a porta da frente, tudo normal.

A porta fechou. Não lembro como fechou, ou quando fechou - só deve ter acontecido quando eu estava escrevendo a última frase do parágrafo anterior. Eu reli e reli o parágrafo anterior, só para provar que não estou ficando louca e imaginando tudo isso. 

Minha mãe acabou de mandar uma mensagem perguntando se estou em casa. Falei que sim, é claro que estou, estou presa no banheiro, esse é o motivo que chamei você até aqui. Isso foi o que ela me mandou:

Mãe: Porque você não está falando nada?

Eu: Como assim?

Mãe: Você realmente está aí dentro? 

Eu: Sim, eu estou! Você está aqui? 

Mãe: Estou do outro lado da porta. Tava chamando pelo seu nome até agora.

Não entendo. Não consigo ouvir nada através da porta. Vou abri-la. 

Posso ver meu mezanino, minha escada, a porta do quarto, mas não minha mãe. Tentei sair, mas sem resultado. De novo olhando para a porta fechada. 

Minha mãe tentou abrir a porta do lado de fora, mas não abre. Trouxe ferramentas para desaparafusar a fechadura. Falou que está fazendo isso agora, mas não estou ouvindo nada, e a maçaneta não se mexe. 

Tá, minha mãe mandou outra mensagem dizendo que tirou a maçaneta, mas a porta ainda não abre. Disse que olhou pelo buraco onde estava a maçaneta, mas só viu o banheiro. Vazio. 

Não tem um buraco do meu lado. A maçaneta e a fechadura estão intactos.

Não faço ideia do que está acontecendo, ou como vou sair daqui. Depois de conseguir convencer minha mãe de que realmente estou aqui, ela falou que iria procurar alguém para arrancar a porta. Estou com medo de que, se conseguirem fazer isso, vão encontrar um banheiro vazio, e mesmo assim ainda estarei aqui, presa no meu banheiro. Não tem tomada aqui dentro, e nem se quer trouxe meu carregador. Meu celular vai morrer logo, e já tô com 24% de bateria. Quando acabar, vou perder meu provável único contato com o mundo exterior.

Eu não sei o que fazer. 

Minha mãe saiu para procurar ajuda. Estou aqui sentada, pensando no que fazer. Tentei arrombar a porta, mesmo sabendo que não funcionaria, mas tinha que tentar. Lembro de ter lido uma matéria uma vez que não se deve usar os ombro pra fazer isso, então chutei a porta na altura da maçaneta, onde fica a parte instável. Não funcionou. Creio que essa porta não tem mais nenhum ponto fraco. 

A janela é pequena, acho que não conseguiria passar por ela. 

Esquece isso, a janela também não abre. As janelas da minha casa tem trancas, você pode trancá-las com uma chavezinha, mas não recebi essa chave quando me mudei pra cá, então nunca nem cheguei a trancá-las. Mas agora está trancada. 

Tem uma dessas cortinas baratas de plástico branco cobrindo-a. Acabei arrancando fora. Caiu um pouco de gesso do teto quando fiz isso, mas agora posso acessar a janela mais facilmente. É bem em cima do vaso sanitário, então estou ajoelhada em cima da tampa do vaso, puxando na alça da janela. Não estou conseguindo

Pera aí, abriu. Não tinha notado como está escuro lá fora. Não devia estar escuro, é meio dia. 

Olhei em volta, tentando desesperadamente ver alguém. Ninguém. Tudo parece estar meio... mudo. Não consigo descrever. Nem consigo explicar o sentimento de obscuridade e desespero que sinto enquanto vejo minha vizinhança. Meus instintos dizem para e não fazer isso, mas vou enfiar minha cabeça para fora da janela e ver se consigo sair por aqui. 

Minha janela está fechada. Eu nunca senti meu corpo se mexer, mas a janela está fechada. Até a porra da cortina está de volta em seu lugar. 

Estou sentada no chão agora, o mais longe da porta e da janela que consigo estar. Me sinto enjoada. 

Minha mãe voltou, junto com um colega de trabalho dela. Ele a ajudou a desaparafusar a porta e a tiraram do vão. Não estou lá. Não conseguem me ver. Minha mãe me mandou uma foto de dentro do banheiro, sem eu. Ela acha que isso tudo não passa de uma pegadinha, e se recusa responder minhas mensagens ou atender minhas ligações. Estou com 14% de bateria, não sei se vou conseguir sair. Esse talvez seja meu único jeito de me despedir da minha mãe, mas ela não me atende. 

Arranquei as cortinas que ficam em volta da banheira, mas ainda assim estou olhando para elas, penduradas, no mesmo lugar de sempre. 

Olhei pela janela de novo. Acho que ouvi um barulho. Um barulho baixo e grave. Não abri mais a janela. 

Meu celular está em 1%. Se eu sair, atualizarei aqui. Se não atualizar, deve ainda estar dentro do meu banheiro.