20/01/2018

A Estrela que não se apaga.

   Boa noite queridos leitores, venho novamente com uma história de minha autoria, como em todas as outras postagens. Dividirei em duas postagens, na próxima semana vem a conclusão.
Sendo sincero, fui escrevendo a medida que a história surgia em minha mente, não planejei e procurei ser espontâneo, a mesma coisa acontecerá com a segunda parte da história, nem eu mesmo sei o caminho e o seu final, possuo teorias e estou curioso quanto ao desenrolar da mesma.
   Espero despertar o mínimo de curiosidade em vocês.



Por anos Esther tinha problemas para pegar no sono, quando pegava seu repousar não possuía a menor qualidade, por mais exausta e psicologicamente esgotada que se encontrasse lutava, se debatia constantemente em seu leito.

Usou colchões de espuma , colchões com “memória”, tecnologia da Nasa, mola bonnel, d’água, tatame, feno, concreto puro, bem como diversos e demais tipos de travesseiros com penas de aves raras e comuns.

Esther, enfrentou tratamentos psicológicos, hipnose, remédios, uma longa lista de fármacos controlados, do vermelho ao preto, com whisky, com narcóticos ou desacompanhado.

Conseguia raramente dormir enquanto havia luz, porém ao sol se por...

Esther é uma mulher que pouco dormia.

Esther é uma pessoa que não conseguia recuperar suas energias.

Esther não é uma mulher da noite.

- Eu sinto... como se algo estiveeeesse (bocejo) comigo... não sei explicar, eu... hmmm... é... não durmo, simplesmente. – Suas olheiras lembravam uma gótica rebelde adolescente.

- Eu entendo Esther, devido ao seu histórico, a maioria das possibilidades se esgotaram. A minha proposta é justamente uma Polissonografia. A questão é onde realizaríamos, se em sua casa ou na clínica. – Propôs o especialista.

- ... Pra mim é indiferente, em motéis, hotéis luxuosos ou não, hã... rede, sabe?De dormir... em qualquer local, os problemas são... “pfff” (bocejo) os mesmos. Em campo aberto... uma cachoeira ou que façamos aqui mesmo na clínica. – Optou ela, com o olhar distante e sonolento.

- Mesmo trocando o dia pela noite, os resultados são os mesmos? Levando o óculos da ponta do nariz, realocando-o devidamente no rosto.

- Não... Na parte do dia eu até durmo duas ou três horas seguidas no máximo... Mas a sensação de que algo ESTÁ presente, está COMIGO, NÃO muda, eu SINTO, eu SEI. – Nesse momento o Dr.David pôde ver as marcas da privação de sono em seu julgamento, conseguiu sentir o desespero de sua paciente, era evidente, preocupante e tocante.

Desde seus 6 anos de idade, até o presente com atuais 42 algo sugava as energias de Esther, algo se alimentava dela, noite após noite, ano após ano.

Incrivelmente, naquela última noite em casa conseguiu dormir, mas não de maneira revigorante, teve o pesadelo da qual estava habituada a todos esses anos, porém de maneira mais intensa e vívida. Uma figura negra trajada de um manto roto pairava sobre seu corpo, apontando seu longo dedo indicador em sua direção enquanto ela se arranhava, se debatia violentamente na cama sem conseguir despertar, sem conseguir se conter.

Ainda que uma mulher independente e extremamente forte, por aguentar tal situação ao longo dos anos sem solução, ela não era dona de si mesma, não possuía controle sob si.

Quando estava acordada, tudo o que Esther queria era dormir.

Quando estava dormindo, tudo o que Esther queria era acordar.

Não havia paz, não havia trégua, não havia saída. Nessa mesma condição diversas vítimas optaram pelo suicídio ou enlouqueceram de fato, a negação desse natural processo do corpo invocava o que há de mais primário e bestial no ser humano, porém apesar de tudo Esther tinha vontade de brilhar, queria sorrir e seguir em frente.



NOITE SEGUINTE, NA CLÍNICA DE SONO SANDMAN.



A angústia de não ter algo que todos possuíam, a frustração de não poder se render a um mecanismo simples de todos os mamíferos, e a solidão... Era tão vasta quanto o escuro que a rodeava todas as noites, sem que pudesse descansar.

Esther investiu uma enorme quantia na empreitada, por sorte vinha de uma família abastada, sempre pôde comprar tudo o que desejou, mas não a própria paz, sempre pôde visitar as mais remotas terras e nações, mas não a tranquilidade.

Em uma das cláusulas havia um ponto muito importante e determinante na carreira do jovem médico. Essa cláusula era: SIGILO.

Havia um aparato para monitorar sua atividade cardíaca, sensores de silicone que compreendiam suas pálpebras, indicavam (assim que acontecia) qual fase do sono ela se encontrava.

Sinais elétricos mapeavam seu perturbado, judiado, usurpado e cansado cérebro.

Suas finas e desnutridas pernas forneciam a atividade muscular de todo o seu corpo.

Uma cânula nasal e um oxímetro monitoravam sua respiração brutal e mensuração do poderoso esforço, também os níveis de oxigênio.

Uma semana de testes se completaram. Dr.David rodou os testes mais de uma vez, trocou equipamento, investiu na compra de um novo vindo da Grécia, não acreditava no que via, era impossível, uma descoberta importante em TODAS as áreas possíveis, não só na esfera da saúde e sim envolvendo tudo o que conhecemos e tomamos por verdade.

- Como se sentiu nessa semana que se passou? – perguntou ansioso.

- Me senti esgotada, como sempre e um pouco estressada por não estar em um ambiente familiar. – Foi sincera.

- Peço desculpas... Levei 7 dias para chegar a essa conclusão, embora os testes tenham terminado no terceiro dia.

Ela se espantou e exclamou: E então?..

- E então nada, preciso de ajuda para continuar a pesquisa, sem o menor custo, desde que você me deixe agir livremente...

- Dinheiro não é problema, pago o que for necessário... Eu só quero dormir Dr., E já nem sei mais porque eu quero tanto, nunca tive uma boa noite de sono(uma longa pausa nesse momento) não sei dizer se isso é realmente bom ou necessário, nunca soube a sensação, talvez devesse... hmmm... parar de tentar.

- Você deve abrir sua mente, eu mesmo como "homem da ciência" precisei para poder acreditar no que eu vi com meus próprios olhos, sei quem eu devo procurar para me auxiliar. - Disse ele analisando-a.

- Eu vou conseguir dormir depois disso? (Esfregava ambos olhos com as costas de suas mãos).

- Não tenho ideia, sinceramente não sei te dizer. - Desviou o olhar impotente por suas limitações.

- Tudo bem, me diga. Estou preparada.

- As notícias são péssimas e existe a possibilidade de eu te perturbar profundamente se te esclarecer. - Fez uma cara de "devemos continuar???"

- Doutor, não é como se eu fosse perder o sono por isso, hahah. - Ainda que fraco ela riu pela primeira vez desde que se encontraram. - Dando com a mão esquerda de maneira circular como quem dissesse: Vamos, desembucha!!!

- Não vou entrar em termos técnicos e complicar a situação porque é chato e não quero que você durma enquanto eu falo (foi uma tentativa de piada, da qual se arrependera depois).

- Existem alguns passos, n1 que seria a transição, n2 em que você estaria dormindo, entre n3 e n4 seria algo como um sono profundo mesmo e por fim o Sono REM que compreende a situação dos olhos se moverem intensamente , as contrações musculares deveriam estar em plena atividade, os batimentos cardíacos e pressão arterial se encontrariam elevados...

- E tudo isso foi monitorado, mas você não sabe interpretar, correto? Ou seja, mais um que não tem a menor consciência do que está acontecendo comigo. - Disse sem surpresas.

- Sim e não. Apenas para finalizar, a fase do sono REM é a parte essencial para restauração da sua energia, reparação da sua própria mente em si.

-Hmmm...

- No seu caso, nenhuma, digo NENHUMA atividade é registrada pelos aparelhos, do qual me certifiquei que estão funcionando completamente. Ao invés de entrar em sono profundo você apaga, desaparece por completo. - Tentando ser claro, não colocando de maneira absurda suas sentenças.

-Apago no sentido de não fornecer os dados que estão sendo monitorados? - Olhava fixamente.

- Perfeito! - Aproximando-se da resposta final.

- Isso significa o óbvio então, significa que eu não durmo, não precisaria de toda essa "ciência" para concluir isso.

- Realmente você não dorme, você falece! Você morre, sua vida se extingue, fisicamente seu corpo deixa de funcionar, todos os órgãos, tudo, você... Esther... Dr.David retirou seus óculos, se inclinou e continuou: -Esther, você morre!

Ele apresentou a ela um vídeo feito pela câmera de monitoramento posicionada na sala de controle. Vídeo que capturava o próprio cientista observando-a através de um vidro isolante, sentado em uma cadeira com diversos monitores apontando os sinais da paciente que justo quando iniciava o sono REM, debatia-se e todos os sinais sumiam. Ele chegou a adentrar o recinto com um estetoscópio para ouvir seus batimentos (inexistentes) e tirar sua pressão (inexistente).

- Então você está me dizendo que eu morro, morro de verdade por mais de hora e sem mais nem menos ressuscito? Sem danos no cérebro por falta de oxigenação, sem lesões, como se fosse uma falha técnica ou como se todos os aparelhos fossem retirados de mim e reconectados posteriormente, não há nada nesse meio termo?

- Você volta sempre um período confortável antes do rigor mortis, isso é certo, inclusive você fica gelada.

-..... (Não tinha uma única palavra).

- Esther, isso não existe, entendo que seja cética quanto a isso tudo, mesmo eu tendo checado seu pulso, sentido o frio em sua pele, ter me certificado que não havia respiração eu ainda não acredito, por isso quero a quebra de sigilo, ainda que fosse o maior perito mundial no assunto, não teria dados suficientes para resolver sozinho.- Calou-se ao ver seus olhos verterem lágrimas.

- O pior de tudo... O mais arrasador não é toda essa bizarrice sem sentido, o pior de tudo é compreender que NEM MESMO MORTA eu estarei livre, nem mesmo no "descanso eterno" eu terei paz... Nem... Nem quando a vida chegar ao fim eu poderia me livrar desse cansaço... É isso... - Enterrou o rosto nas palmas de suas mãos em soluços.

- Gostaria de te confortar Esther... Não imagino pelo que você vem passando por todos esses anos, mas pensei bastante em sua condição enquanto a estudava, refleti muito, fui perturbado, assombrado e passei a me sentir culpado por conseguir dormir tranquilamente. - Acendeu um cigarro sem pedir permissão.

- Cheguei ao entendimento de que todos os anos que levei estudando para me formar, perseguindo meus sonhos se resumem a esse momento.

Nesse instante ela levantou o rosto.

- Prometo sacrificar meu próprio descanso, abdicar do meu sono, do meu repouso para te ajudar. Enquanto você não puder se recompor eu não irei me quebrar, enquanto você não puder sonhar feliz eu me manterei acordado, enquanto você "estiver morta" eu manterei a chama da vida acesa. Você vai descansar, eu encontrarei a maneira.

Esther nunca se sentiu tão emocionada em sua vida.

Apostou ali sua vida e sua morte.

Ainda que não através de descanso teve suas energias revigoradas, sentiu uma luz resplandecer internamente.

O Jovem 16 anos mais novo que sua paciente foi deveras sincero, investiria integralmente todo seu tempo à Esther.

- Eu gostaria de conhecer seus pais, talvez eu descubra algo.

- Posso te levar até eles, mas não creio que seja de muita ajuda.

- Será sim, o histórico de doenças hereditariamente falando será fundamental na investigação.

- Eles não irão ajudar. - Firmou-se.

- Como não? - Perguntou o médico.

- Eles estão dormindo.(...).

Interrogou-a apenas com uma expressão.

- Estão em coma à 36 anos.

22 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Já to ligando os pontos aqui pela idade dela e os pais em coma, mas ainda nao sei o que esperar. Ótima creepy! No aguardo do resto!!

    ResponderExcluir
  4. Caraaaaa isso devia ser roteiro de um filme!

    ResponderExcluir
  5. enquanto a Esther não dorme nada, eu durmo quase metade do dia qq
    ótima creepy aaa só esperando a outra parte

    ResponderExcluir
  6. Cara, por mais que não pareça, os erros de português deixam a experiência um tanto mais frustrante. Tem muita vírgula onde não deveriam estar, erros de acentuação, de ortografia. Isso tira bastante a tensão do texto. Sinto também que falta uma descrição maior das coisas, um envolvimento maior. Tudo me parece um pouco corrido, contado de maneira apressada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siiim! A premissa até que é interessante, mas a execução dela tá meio zoada. Aí compromete a ideia como um todo.

      Excluir
  7. Só de imaginar o que a Esther enfrenta dá uma angústia.
    Ótima Creepypasta ansiosa pela continuação.

    ResponderExcluir
  8. Simplesmente agoniada pela Esther e seu problema. Eu durmo um bocado e adoro, então ler e imaginar uma parada assim dá muito nervoso!
    Quando sai a parte 2? :)

    ResponderExcluir
  9. Nunca comentei aqui, creepy muito firme, esperando ansioso a 2 parte *)

    ResponderExcluir
  10. Nem morta ela tem paz, nossa véi, que tenso..
    Gostei, esperando a 2° parte!

    ResponderExcluir
  11. Muito boa. Ansioso pela segunda parte. Parabéns.

    ResponderExcluir
  12. Não consegui ficar imersa, sinto muito. Deplorável. Demais erros de pontuação, a estrutura dos diálogos é muito amadora, as descrições são feitas de qualquer jeito. A história é interessante até, espero que corrija esses erros e continue.

    ResponderExcluir
  13. A premissa é bem legal mas não me prendeu pela escrita :/

    ResponderExcluir
  14. Por favor, todos os usuários são bem-vindos por grande medida e ajudam a recuperar a minha prometida. sempre foi o tipo intermitente depois de cada 3 meses que voltará com ex, como um círculo que deve completar e sempre retornar alguns dias ou semanas diciéndome que me ama y que ni siquiera sabe o que está fazendo. Este círculo continuou sempre me llorar y caer enfermo. em un dia fiel, meu amiga vino a verme y me vio llorar e preguntar por o problema, decidí abrir uma ella, eu falou do grande profeta ogidi y al final del día, eu convencion para que lo contactara. O que é que eu não é um homem amável e não cobra muito depois de falar com o profeta e dizerle que as capacidades são financeiramente aceitas. Obtuve o resultado que sempre quise, eu disse que estava com um limite por um hechizo e você me ajudou a desvincular e também é seguro de que nunca mais pudieran volver a estar juntos. Y por primeira vez desde o seu ano, meu ex nunca regresó a ella. Para receber ajuda do sacerdote, envie um correio eletrônico para PRIESTOGIDISHRINE@GMAIL.COM o llame al +2348182260982




    ResponderExcluir
  15. Como se não bastasse a premissa super interessante da Esther não dormir quase nada e ainda morrer, no finap ainda tem maos um mistério, os pais ao contráro dela dormem a 36 anos!!
    Simplesmente foda. Aguardo a parte 2.

    ResponderExcluir
  16. Escrita muito boa e fluida, história muito original, criativa. Muito boa.

    ResponderExcluir