20/02/2018

O monstro debaixo da sua cama nem sempre está lá para te assustar




Eu estava deitado sozinho em meu quarto quando ouvi a voz, profunda e crepitante, vindo debaixo da minha cama.

"Ei", chamou a voz.

Eu disse a mim mesmo que estava apenas imaginando aquilo.

"Ei, garoto", repetiu a voz.

Juntei meus joelhos ao meu peito e enfiei a cabeça por baixo do cobertor, tentando calar a voz. O vento gelado entrou pela janela, balançando as cortinas.

"Quem é você?"

"Eu sou o monstro debaixo da sua cama", respondeu a voz.

"Quer dizer que você é real?"

"Como assim?" O monstro disse. "É claro que eu sou real."

"Você tem um nome?"

"É claro que tenho um nome."

"Ah... bem, e qual é?"

"Frank."

"Frank?"

"Sim", o monstro disse. "Há algo errado com ele?"

"Não. Quer dizer, eu não sei", respondi. "É que não é um nome muito monstruoso."

"Bem, meus pais não queriam que eu fosse um monstro."

"Sério? O que eles queriam que você fosse?"

"Um dentista."

"Isso é engraçado", eu disse. Comecei a esboçar um sorriso.

"O que seu pais querem que você seja?", ele perguntou.

"Eu não sei... Ei, Frank?"

"Sim?"

"Você não vai... tipo... me assustar ou algo assim né?"

"O que? Por que eu faria isso?"

"Bem, você é um monstro, não é?"

"Ah, sim, de fato eu sou, mas isso não significa que eu assusto criancinhas."

"Mas eu pensei que esse era seu trabalho."

"Meu trabalho é assustar pessoas", ele respondeu. "Mas apenas pessoas ruins."

"Eu sou uma pessoa ruim?" perguntei.

"Não", ele disse, "mas não é você quem eu vim assustar."

"E quem você veio assustar?" perguntei.

"O homem dentro do seu armário."

Senti um arrepio na pele na mesma hora. Eu queria perguntá-lo o que ele queria dizer, mas eu fiquei em silêncio assim que ouvi um barulho vindo do armário. A porta se abriu, e pude ouvir passos suaves vindo em minha direção. Eu não ousei olhar pra fora do cobertor. Os passos pararam, e eu pude ouvir uma respiração pesada próximo a mim. Fechei os olhos com força.

O quente santuário do cobertor desapareceu quando ele o tirou de mim.

Abracei meus joelhos e me preparei para o pior. Um grito cortou o ar noturno, seguido de um som de vidro se quebrando. Abri meus olhos e vi uma faca caída no tapete ao lado da minha cama, a lâmina brilhando sob o luar.

Meu pais entraram no quarto e perguntaram o que havia acontecido, mas eu não sabia o que dizer, apenas que havia alguém escondido no meu armário e depois pulou pela janela.

Meus pais ligaram para a polícia, e eles chegaram imediatamente. Pegaram um homem chamado Gary Thompson correndo pelas ruas a poucas quadras de distância. Ele estava coberto de sangue e vidro quebrado. Eles também encontraram o carro de Gary abandonado em nossa propriedade, e dentro do carro acharam fita adesiva, facas, algumas pílulas e uma câmera.

Pelo que ouvi, o advogado de Gary alegou insanidade, e Gary está atualmente preso em uma instalação para criminosos com problemas mentais.

Nunca mais ouvi falar de Frank, o Monstro, mas o oficial que prendeu Gary me disse que ele dorme no chão.

Ele diz aos médicos que está aterrorizado com Frank, o monstro debaixo de sua cama.


Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigada! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião!


18 comentários:

  1. eu queria um desses, mas minha cama eh box :(

    ResponderExcluir
  2. Por acaso o sobrenome do monstro é Castle?

    ResponderExcluir
  3. Uma versão do Rei Beau que pega, mas não se apega

    ResponderExcluir
  4. Monstros moram em Jaulas e não debaixo de camas. O problema é quando tá saindo da Jaula o Monstro

    ResponderExcluir