09/04/2018

Sempre ouça os animais

Adotei meu gato, Ursinho Pooh, mais ou menos sete meses atrás de um abrigo. Ele tem 12 anos e foi abandonado com 6. Durante esses outros 6 anos, ele foi passando de abrigo em abrigo até que eu apareci. Instantaneamente me apaixonei por ele e o adotei no ato.

Quando eu estava completando os papéis da adoção, me falaram que se tivesse outro animal em casa, não deveria adotá-lo por conta de sua agressividade, e sobre seu péssimo tártaro nos dentes. Nada fora do normal.

Nós o trouxemos pra casa e demos a ele o espaço que precisava pra se adaptar à nova casa. Ele se acostumou bem rápido e já era meu xodó.

À noite, ele não ia pra cama antes de nós. Não dormiria até que estivéssemos dormindo também, mas até quando eu e meu namorado nos deitávamos, ele era muito barulhento. Ficava miando para o ar e miando pras paredes. Nos primeiros dias, achamos que era questão de adaptação, só que ele não parou. Miados infernais e grunhidos para o nada, todas as noites. Piorou tanto que o expulsamos do quarto e fechamos a porta pra conseguir dormir. Às vezes eu o seguia pra ver o que ele queria mostrar, mas nunca é nada. Ele tem água, comida e caixinha de areia limpa.

Algumas pessoas vieram me falar que provavelmente era algo paranormal na casa. Pensei que pudessem estar certos, e continuei sem uma resposta para o comportamento estranho do gato, então só o ignorava. Na última noite, porém, eu deveria ter levado a sério. Meu namorado estava trabalhando até tarde, então éramos só eu e o Pooh. Vivo em um conjunto de apartamentos, no primeiro andar, onde há um galpão, e todas as noites antes de deitar eu o tranco e verifico se tranquei a porta da frente da minha casa também.

Como sempre, Ursinho Pooh entrou no quarto e começou a miar. Mas era mais que um miado, ele estava chorando. Tipo, um choro miado? Ele ia miando até corredor e eu o ignorava porque era irritante, só que ele insistia. Ele não saiu do quarto depois de um tempo como costuma fazer. Ficou ali chorando e miando e grunhindo e não parou. Levantei da cama e fui pegá-lo pra levar até a sala pra poder fechar a porta, quando ouvi a porta do galpão se abrindo. Congelei, mortificada. Não falei nada, só ouvi. A porta foi fechada e alguns passos baixinhos preencheram o ar. Peguei Pooh e corri na ponta dos pés para a porta da frente, a trancando o mais rápido que pude pra ir até o vizinho. Toquei a campainha furiosamente. Eram 22:00hrs, então ou as pessoas estavam dormindo ou estavam estudando (o conjunto fica perto de uma universidade). Eles abriram a porta e eu me taquei lá dentro. Não lembrei de pegar o celular, então usei o deles pra ligar pra polícia. Levaram 10min pra chegar e andar por toda minha casa. Quando viram que não havia ninguém, me chamaram pra olhar. Mas não tinha sumido nada. Os eletrônicos, minhas joias, meu celular, computador. Estava tudo lá. Me deixou chocada, e fiz meu namorado vir pra casa mais cedo. Estava muito assustada pra ficar em casa sozinha.

A polícia verificou as câmeras de segurança exteriores do galpão essa manhã. A do meu apartamento e a do poste no outro lado da rua. Disseram que a pessoa tinha mais ou menos 1,80m. Cabelos pretos e pele branca, quase translúcida. Não conseguiram ver seu rosto na câmera (lógico) e parecia que ele havia saído das sombras atrás do complexo de prédios. Tentaram ver as câmeras que filmavam aquele ângulo, mas não encontraram nada. Ah, eles também disseram que ele carregava um faca em um mão e um machete na outra. Não conheço esse homem, mas estou horrorizada.

Estamos procurando apartamentos pra mudar, preferencialmente num andar mais alto, onde ninguém consiga entrar.

Então, desnecessário dizer, sempre que Ursinho Pooh mia sem parar, eu caminho pelo corredor, faca nas mãos, pra ter certeza que ninguém vai entrar. Sempre ouça os animais.

FONTE

Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigada! Se gostou, comente, só assim saberemos se vocês estão gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião!

6 comentários:

  1. Legalzinha, mas no fundo é meio clichê

    ResponderExcluir
  2. Jesus Cristo, Jeff ainda é uma *coisa*?
    Achava que tinha ficado esquecida no sinistro ano de 2012, sei lá.
    Não me parece ter sido a intenção do autor, mas essa foi sem dúvida alguma uma interpretação assustadora.

    ResponderExcluir