Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Vox e Rei Beau: Por Que As Estrelas Brilham (PARTE 17)

4 comentários
Essa vai ser rápida. Desculpem-me. 

Acho que é importante eu especificar que nem todos os seres que populavam as histórias de Beau eram monstros terríveis. Alguns eram engraçados, alguns eram encantadores, e me deixa triste saber que não terei tempo para falar sobre todos. O pior é saber que a maioria eu já esqueci sobre.

Em algum momento da minha infância, peguei uma virose horrorosa que estava se espalhando por aí. Fiquei miserável e presa à minha cama. Por ficar dormindo o dia todo, ficava acordada durante toda noite. Beau sentou ao meu lado e sussurrou suavemente para mim, ouvindo meus gemidos e tosses com uma paciência que não era de seu feitio. 

"Você sabe por que as estrelas brilham?" Me perguntou. 

Falei que não sabia.

Rei Beau não estava sempre feliz no Lugar Quieto. Seus caçadores lhe traziam muitos tesouros, mas nunca ficavam por muito tempo. Ele esperava que, quando o Rei Mau fosse embora, o Lugar Quieto não seria mais um lugar triste, mas agora parecia ser dez vezes ainda mais melancólico. Em seu coração, o pedaço da Lua que carregava em si doía por outro pedaço de terra. Ele não conseguia vê-la na escuridão de seu Reino. Isso fazia com que Beau perambulasse sem destino por aí, muito mais do que sua sede por vozes.

Finalmente, o doer ficou insuportável. Beau então se aventurou a vagar, muito mais longe do que qualquer um de seus caçadores já fora. Seguiu o pedaço da Lua até as encostas do Muito Além. Esse era um local com um vasto vazio. Era mais quieto e silencioso do que o Lugar Quieto, mais escuro que a Escuridão, e ninguém nunca havia visto o que havia além de lá. Nenhum Rei ou Rainha conquistara o lugar. Pertencia a ninguém e nada o chamava de lar. Ele mergulhou nas profundezas do Além, esperando afogar a dor que sentia.

Beau flutuou pelo Muito Além. Passou por seres gigantes que cantavam baixo, músicas tristes para a não-existência. Era como se também estivessem chorando pelos perdidos que jamais seriam encontrados novamente. Tinham longas caudas e braços compridos que agitavam para o nada. Passou por flores que floresciam na escuridão e capturavam toda a luz em sua volta. Não tinham caule nem raízes, mas as vezes se enrolavam umas nas outras desesperadamente, provavelmente para não passar a eternidade sozinhas. Não há como saber por quanto tempo Beau flutuou, mas logo não havia mais nada em sua volta. 

Quando viu o primeiro resquício de luz, Beau pensou que seus olhos finalmente começavam a pregar peças nele. Então mais pontos brilhantes foram aparecendo. As machas cintilantes clamaram a dor em seu coração. Beau direcionou-se até lá, e os seres ficaram cada vez mais brilhantes e mais claras quanto mais se aproximava, até que cada um queimava tanto que Beau não conseguia olhar diretamente para eles. 

"Por que você está aqui?" Perguntaram. "Você não pertence a esse lugar." 

"Eu perdi a Lua," Beau respondeu. "O pedaço que tenho comigo dói por ela. Se não posso vê-la nunca mais, não quero ver mais nada."

"Você encontrou o lugar errando, Rei," disseram. "Nós vemos tudo. Olhe agora. Lá está sua Lua." 

Beau olhou além delas e viu a Lua na distância. Ela estava freneticamente procurando-o, brilhando sua luz em cada sombra. O pedaço dele que ficava consigo era escuro e chamava por ele pela noite adentro. 

"Ela brilha por você," as Estrelas disseram. "Vai deixá-la em paz?" 

Beau sabia, assim como as estrelas também sabiam, que não importava o quão triste e solitário era, nunca poderia deixar a Lua daquela forma. Agradeceu as Estrelas e caiu de novo para a terra, cercado de fogo e luz. A Lua viu isso e brilhou duas vezes mais, para que ele soubesse que ela estava lá. 

"Então, por que as Estrelas brilhar?" Perguntei para ele. 

"Para que você saiba que elas também te amam, Pequena Jeep," Beau falou. E a última coisa que lembro é de adormecer e sonhar com mais aventuras. 

Boa noite, pessoal. Aprecio tudo que fizeram por mim, e espero que tenham bom sons. 

NO PRÓXIMO CAPÍTULO: PARTE FINAL

4 comentários :

  1. Ah não, agora não... A creepypasta está tão boa :(

    ResponderExcluir
  2. Não estou entendendo como a creepy vai terminar na próxima,a não ser que seja aquelas creepy quase do tamanho de uma bíblia,porque existem várias coisas que não foram respondidas,como aquele monstro do armário e a vox (a adulta) nã tem uma relação sólida com o beau ainda,então,ansioso para a parte 18 e como ela irá se desenvolver!

    ResponderExcluir