29/06/2018

Eu trabalho em um hotel. Na última noite, todos do 4º andar desapareceram. [Parte 3] Final

--

Ele deu um passo ao canto iluminado do quarto.

Fora de monitor de computador ele parecia pior. Olhos cansados, com olheiras; cabelo oleoso caindo em sua testa. E ele tinha um sorriso que me dava arrepios.

Jingwen sacou sua arma. "Mãos ao alto", disse ela, tentando parecer calma.

Ele não respondeu, e deu um passo à frente.

"Mãos ao alto! Ou eu atiro!"

"Vá em frente."

As mãos dela tremiam.

E então ela puxou o gatilho

Bang!

Por um segundo, o tempo parou. A luz acima de nossa cabeça tremeluziu e todos ficaram congelados nas sombras cinzentas do amanhecer. O rosto da garota loira se contorceu tristemente. A boca de Jingwen se abriu em um suspiro. E ele continuava com seu sorriso casual, como se estivesse rindo de uma piada.

Ping.

A bala acertou sua jaqueta e caiu no chão-

Agora não maior que um grão de arroz.

Os olhos de Jingwen se arregalaram. "Como - isso não é possível -"

"Vocês ficam céticos no começo", disse ele, pegando um boneco na mesinha de cabeceira. "Mas, mais cedo ou mais tarde, você passa a acreditar."

Acreditar no quê? Que ele... transformou pessoas naquilo? Eu olhei para o boneco em sua mão, e para o que estava na mão da garota. Ambos eram claramente de plástico... apenas brinquedos...

Mas se isso não é verdade... como explicaria a bala?

Ou o fato de que todos do 4º andar desapareceram?

Eu balancei a cabeça. Não importa o que ele acha que está fazendo. Apenas o distraia o máximo que puder. Dei alguns passos para trás, em direção à janela. "Ok, digamos que eu acredite em tudo. Mas por que, então? Por que você está fazendo isso?"

"Você não ouviu?" disse ele, seu sorriso se transformando em uma expressão de determinação. "O momento está próximo." Com o dedo indicador, ele apontou para o céu.


"O que isso significa?" eu perguntei. Meus dedos pressionando a trava da janela, pressionei pra cima e a senti subir um pouco.

"Há uma maneira melhor." Agora ele abriu um sorriso afetuoso para os bonecos espalhados no chão. "O Dia do Reconhecimento está quase chegando e eu fiz muito mais do que meu dever. Eles ficarão tão satisfeitos."

Okay. Ele é louco. Eu não faço ideia do que dizer sobre isso... não faço ideia... "Ei, ela manteve a sua parte do acordo", eu disse, apontando para a garota loira com uma mão, enquanto a outra ficou na janela. Apenas um pouco mais de força e eu poderia abri-la...

Ele zombou. "Com o que você se importa?"

"Você não deveria manter sua palavra?"

"Heh, claro. Parece justo para mim." Ele caminhou até ela, os olhos brilhando com diversão. A garota desenrolou os dedos, revelando um boneco na palma da mão, seus olhos brilhando de esperança. Ele o puxou dela e o segurou em frente a seus olhos.

"Ela é bonita."

Então ele jogou no chão, levantou o pé-

E pisou.

Snap.

A garota gritou. Um horrível grito de dor que se transformou em soluços convulsivos.

"Você deveria saber melhor do que ninguém como negociar com um de nós", ele gritou para ela. "Nós nunca nos comprometemos. O Melhor Caminho é o caminho certo; não há meio termo."

Ela fez uma pausa.

E então, com um grito selvagem, ela saltou em sua direção. Seus braços se fecharam em volta de seu pescoço e os dois caíram no chão em um emaranhado.

Click.

Eu puxei a janela para cima.

"Vamos!" Eu gritei, mergulhando pela janela. Siga-me, Jingwen, por favor...

Eu bati no solo úmido com um baque. Dor atravessou o lado esquerdo do meu corpo; mas eu me levantei. Então me virei, com o coração acelerado -

Não. Ela não estava me seguindo.

A pequena luz amarela na janela piscou.

Não não não -

Thump!

Jingwen pulou pela janela. "Corra!" ela gritou. Entramos no carro, sem fôlego e com dores. Ela enfiou a chave na ignição - um flash de couro preto - caiu pela janela.

O carro guinchou para longe. Nós voamos pela estrada, o cascalho esmagando debaixo das rodas.

--

Ninguém acreditou em nossa história, é claro. Pelo menos não na nossa versão da história. Eles acreditavam que um esquisitão com bonecos estava tentando atrair pessoas para sua casa - apenas isso. Jingwen foi prontamente demitida da força policial, tanto por inventar histórias quanto por levar um civil junto com ela para uma situação perigosa.

Eles mandaram mais policiais para a casa. Quando chegaram lá, já estava completamente vazio - até os bonecos se foram. Eu me demiti do meu emprego no hotel e me mudei para o outro lado do país, onde me tornei barista. Não era um trabalho tão bom, mas pelo menos eu tinha desconto no café, em vez de esquisitos noturnos.

Foi em torno do horário de fechar, depois de uma semana no trabalho que o casal chegou. Uma mulher de óculos e um coque, seguida por um cara loiro. Servi dois cafés e limpei algumas mesas.

Na cafeteria vazia, não pode deixar de ouvir a conversa deles, enquanto ecoava pelo local.

"Como eu disse no e-mail - Eu tenho um problema", disse ele. "Sabe, eu - eu moro com meus pais. Mas eles me importunam o tempo todo - pare de jogar video-game, é muito tarde para sair com seus amigos, esse tipo de coisa. Mas eu não tenho dinheiro para sair. Eu não tenho para onde ir."

Ela assentiu e o olhou com um pequeno sorriso. "Existe um Caminho Melhor", ela disse.

Eu deixei o pano cair.

"Nós iremos cuidar de seus pais", disse ela. "E então iremos cuidar de você."

"Espere - cuidar deles? O que você quer dizer?" Ele começou a parecer nervoso; seus olhos percorreram a loja. "Tudo que eu preciso é de um pouco de dinheiro para sair. Uh, pensei - pensei que você tinha vindo aqui para me dar isso."

A mulher sacudiu a cabeça e apontou para cima. "O tempo está próximo", disse ela. "E você veio a mim em um bom momento."

Nós dois olhamos para ela.

"O Dia do Reconhecimento está quase chegando."




Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigada! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião!


4 comentários:

  1. Queria saber aquele brinquedo estranho que ela pegou no Hotel e ver o que era, 7/10

    ResponderExcluir
  2. Alguem me informa se já acabou aquela série, Runners? Ou parou na metade mesmo?: p

    ResponderExcluir