15/06/2018

Um Corvo Falante Me Ensinou a Voar

Eu costumava olhar por entre as barras enferrujadas da minha janela e sonhar e que era um pássaro. 

A corrente que me prendia a minha cama era longa o suficiente apenas para eu conseguir olhar pela janela. Então, todas as noites depois que meu pai visitava meu quarto, ficava deitada, acordada, esperando os primeiros raios de sol cortarem o horizonte, então andava até a janela para ouvir as primeiras notas das canções dos pássaros. 

As melodias eram tão lindas, e eu sabia que deviam estar cantando sobre lugares distantes maravilhosos, sobre viajar pelos ares no infinito azul, observando as copas minúsculas das árvores que pontilhavam a terra. 

Então, em uma manhã, enquanto estava deitada na cama, algo impossível aconteceu. Eu havia caído no sono na noite anterior, e teria perdido as canções da manhã se não posse por umas batidinhas no vidro. Esfreguei meus olhos sonolentos e vi um corvo sentado na soleira, batendo em minha janela com seu bico. 

Me rastejei até a janela e sorri para o pássaro.

"Olá, Sr. Corvo," falei. 

"Olá, menininha," o corvo falou.

Fiquei boquiaberta por um momento, sem saber o que dizer. Finalmente, depois do que pareceu ser uma eternidade, me forcei a falar. 

"Você sabe falar?" perguntei. 

"Todos pássaros sabem falar," respondeu. "Só que não são todos os humanos que sabem ouvir."

Abri uma fresta na janela até bater contra as grades. O pássaro inclinou a cabeça para o lado, curioso.

"Por que você está em uma gaiola?" perguntou.

"Acho que é meu destino," falei. "Sempre foi assim." 

"Você parece um tanto magra," respondeu o corvo. "Você quer comer algo?" 

Meu estômago roncou fracamente. 

"Sim," falei. "Isso seria maravilhoso." 

Sem falar mais nenhuma palavra, o corvo saiu voando. Alguns minutos depois, voltou com um pequeno galho de figueira. O corvo me assistiu enquanto eu devorava gananciosamente a fruta. Depois que terminei, me encarou por alguns minutos antes de falar de novo. 

"Eu não sabia que se colocava pessoas em gaiolas," falou. "Você acha que te confundiram com um passarinho?" 

"Acho que não, Sr. Corvo."

Passamos o resto daquele dia conversando. O corvo me contou como era voar, como não existia nenhuma sensação mais gostosa que isso no mundo todo. Falou de todas as terras que visitou quando era um pássaro jovem e que ainda viajava para o norte quando a estação mudava. Finalmente, quando a noite chegou, o corvo disse que precisava partir. Mas na manhã seguinte ele estava de volta, com mais dois galhos com figos. 

Agradeci sua generosidade e conversamos por mais um dia todo. Naquele dia até cantou uma canção para mim. Ele não tinha uma voz feita para cantar, mas achei que era uma linda música mesmo assim. 

Passamos todo o outono daquele jeito, e as visitas do pássaro viraram a única coisa boa a minha vida. Me trazia não somente figos, mas também cerejas e nozes - qualquer coisa pequena que conseguia carregar.

Entretanto, logo chegou o inverno, e a geada destruiu as frutas e nozes que o corvo costumava me trazer. Seus presentes se tornaram cada vez mais escassos, e pude notar por sua voz cansada que estava voando cada vez mais longe para encontrá-los. 

Em uma manhã, a primeira neve do inverno havia caído, e o corvo me fez uma pergunta. 

"O que você faria para sair desse lugar?" perguntou, inclinando a cabeça para o lado. 

Pensei por um momento, mas não sabia como responder. Finalmente, falei a verdade. 

"Eu faria qualquer coisa para sair daqui, qualquer coisa mesmo."

O corvo assentiu solenemente e disse, "A geada não é a única coisa que o inverno traz."

Batei suas asas uma vez e pulou da soleira, e não o vi por três dias. Comecei a entrar em uma depressão profunda. Todas as manhãs eu ainda ouvia o cantar dos pássaros, mas soavam vazias e desemparadas sem o meu amigo estar ali para ouvi-las comigo. 

Na manhã depois do terceiro dia, meu amigo corvo voltou. Aquele foi um belo dia; o sol havia saído por de trás das nuvens para derreter a neve - um último dia esverdeado antes do inverno vir para ficar. Quando a sombra passou por cima do vale onde morávamos, primeiro confundi-a com uma nuvem de tempestade, mas então ouvi o barulho. Era alto o suficiente para partir os céus, mas não era uma tempestade - eram pássaros.

Milhares e milhares deles desceram até nossa casa. Uma tormenta de bater de asas e grasnidos estridentes, batiam contra as paredes e janelas, bicando com ferozmente. A casa sacudia com a violência, e o som que os corvos produziam eram tão altos que eu mal ouvia o barulho das janelas quebrando. 

Entretanto, não eram tão altos para me impedir de ouvir os gritos de meu pai. Em questões de minutos, as chaves de meus cadeados passaram por de baixo da porta. Corri e peguei com as mãos tremulas, colocando-as nos buracos das algemas e da tornozeleira. 

Se desprenderam com um click alto, e pela primeira vez, eu estava livre. 

A chave da porta também me foi passada, e a abri, vendo o resto da casa. O lugar havia sido todo destruído. Haviam pedaços de madeira e vidro quebrado por todos os lados, e no meio da sala estava o que sobrara de meu pai - uma grande mancha de sangue misturada com penas. 

Os pássaros haviam ido embora voando, mas o Sr. Corvo estava sentado em cima da moldura da lareira, me encarando com um olhar de curiosidade. 

"Agora você pode voar livre, menininha," disse. "Sem mais gaiolas para você." 

"Obrigada, Sr. Corvo," falei. "Você vai vir comigo?"

Sr. Corvo sacudiu a cabeça negativamente. 

"Sou um velho pássaro," disse. "E minha jornada está chegando ao fim. Mas a sua está apenas começando." 

Sr. Corvo bateu suas asas e voou, eu nunca mais o vi. Enquanto eu saia pela porta da frente e meus pés descalços sentiam a grama pela primeira vez na vida, pude sentir o cheiro das flores e a brisa tocando meu corpo. 

Naquele momento, embora meus pés estivessem cravados firmemente no chão, meu coração flutuava pelo céu azul infinito, muito além do mundo que eu estava deixando para trás. 

Ainda acordo todos os dias para ouvir os pássaros cantando, e quando as primeiras notas quebram o silêncio do amanhecer, me lembro do Sr. Corvo e me encontro a sorrir. 





16 comentários: