Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

O Fantoche na Árvore

16 comentários

Toda escola primária tem uma lenda urbana ridícula. Minha escola tinha o Homem Fantoche, e eu o odiava. 

Homem Fantoche era deformado. Cirurgias plásticas mal feitas tinham o deixado com proporções medonhas de um fantoche de marionete, então ele roubou a fantasia de um animal de arco-íris do teatro da escola e a vestia onde quer que fosse. Ele vivia em uma árvore de Carvalho anciã no pátio do recreio. Algumas crianças diziam que morava nos galhos, nos observando brincar, camuflado mas milhares de folhas e gravetos.

As crianças mais mórbidas diziam que ele vivia dentro do tronco, comendo larvas de lagartas e torturando o espírito de Jason Hughes. 

Jason Hughes, não era uma lenda, infelizmente. Tinha sido uma tragédia. Ansioso  e sentenciado a ser amaldiçoado com óculos ridiculamente enormes e uma obsessão com desenhar. Me lembro de sentir raiva em uma tarde chuvosa pois queria colorir com as novas canetinhas da professora, mas Jason já tinha usado todo o papel da sala. Ninguém gostava muito dele, eu incluso. Mas não sei o motivo. Era uma criança amável. Agitado, ansioso, e um tanto espertinho demais para meu gosto, mas amável.

Jason desapareceu na segunda série, em uma noite de Novembro. Alguns dias depois uma professora encontrou suas roupas empilhadas na base do Carvalho do pátio. O diretor chamou a assembléia escolar para fazer o anúncio. Ele fez soar que as roupas haviam sido encontradas lavadas e bem dobradinhas, mas meu pai - um policial na época, um policial que tinha mania de contar para seus filhos coisas que jamais ninguém deveria saber - me contou que as roupas de Jason estavam imundas. Pior que imundas, na verdade: cobertas de urina, fezes e sangue.

Me falou que eu não podia repetir aquilo para ninguém. E eu nunca repeti. Estava horrorizado demais para sequer pensar naquilo, quem dirá compartilhar. 

E é por isso que eu odiava o Homem Fantoche; ninguém conseguia pronunciar seu nome se um ranhento desgraçadinho puxar o assunto de Jason. Uma ladainha de colégio sem fim.

Havia mais um problema. As crianças do colégio sabiam que Jason era meu colega, também sabiam que meu pai era policial. Depois semanas de interesse histérico, fui abruptamente excluído. 

Me caía bem. Nos últimos anos, meu pai havia prendido pelo menos pais de pelo menos dois colegas de classe, e me infernizaram por isso. Mas tudo bem. Sempre preferi livros do que pessoas e passava o recreio lendo debaixo do carvalho. As vezes eu fingia estar lendo para o fantasma de Jason. Castigo, acho, por ter tratado-o tão mal em vida.

Um dia em fevereiro, cheguei na escola duas ou três horas atrasado. Não lembro o motivo. Só me recordo de chegar na escola, andando lentamente pelo patio vazio. 

Fevereiro é um mês particularmente ruim naquele canto do mundo. O céu muda de um metal polido pela manhã para um metal congelado no fim da tarde, e a noite escurece para uma escuridão aquosa e plana que fazia meu coração doer. As plantas estavam todas mortas, as árvores esqueléticas, exceto  pelas as florescentes colônias de viscos. Uma cena de desespero.

O patio do recreio vazio não era uma exceção. Tudo estava acinzentado e pálido e de certa forma quebradiço, como se fosse se despedaçar se você tocasse. A quietude quase sobrenatural daquele frágil inverno pálido tornava tudo em algo sinistro. Uma paranoia rastejou para dentro de mim repentinamente. E se, só se, fosse verdade? E se o universo estivesse quebrado? E se a cena diante de mim fosse uma casca frágil, apenas esperando por um passo mal colocado para quebrar-se em pedaços?

Engoli o surto de pânico e dei cada passo com um cuidado extra, pousando meus pés no chão com uma gentileza excruciante. Sentia a areia debaixo das solas dos sapatos. Tudo parecia sólido, mas a sensação da fragilidade cristalina permanecia. Lutei contra o impulso de fechar os olhos e andei o mais rápido que achei que podia.

Meu caminho me levou para perto do carvalho. A casca negra brilhava fracamente. Ramos lançavam teia de aranha padronizadas contra o céu sombrio. O galho estavam nus, exceto por ninhos de visco. A árvore estava cheia desses. De repente, com uma explosão desconcertante e dolorosamente adulta de clareza, me ocorreu:

A árvore estava morrendo.

Desacelerei até parar, observando-o com uma sensação de reverencia daquelas que você deve sentir dentro de uma igreja. A árvore era assustadora e bela ao mesmo tempo. Mais que isso, era um pilar de memória; era visível do jardim da minha casa, imponente pairando sobre a escola e sobre minha infância como se reafirmasse sua eterna sentinela. Só que não era eterno. Um dia desapareceria, talvez antes de eu me formar naquele colégio. Talvez mais cedo que isso.

Minha garganta estava quente e apertada. Observei os galhos nus e tentei mentalmente desver os ninhos de visco. Era difícil: eles irrompiam da árvore mais espessos do que as folhas do verão e continuavam se movendo pelo vento frio do inverno.

Exceto que - outra epifania brutal e sombria - não havia vento. O visco escuro sussurrava e se contorcia como uma serpente aprisionada.

O ar frio beliscou meus olhos quando se arregalaram.

Raios de cor brilhantes cintilavam inexplicavelmente entre os galhos, deslizando pelos viscos como uma boá de plumas multicolorida.

E brilhando naquelas cordas sinuosas de cores - olhos.


Olhos redondos vítreos da cor de limões.

Os entrelaço colorido se quebrou em tentáculos e cresceu, não muito diferente do fungo aonde se aninhava, ultrapassando a escuridão com tons vibrantes de neon. Então, se juntaram, zumbindo atrás de galhos e visco, antes de se transformar-se em uma caricatura ridiculamente fofa e proporcional a um animal. Um desenho animado encarnado. 


Um Fantoche.

"Olá," ele disse. Sua voz me fez dar um pulo: uma voz alta e calorosa e desagradavelmente amigável. Uma voz de personagem de desenho.

Meus lábios tremiam. Lágrimas cresceram de uma vez só em meus olhos, ardentes e frígidas. "Você não é real."

"Sim, sou sim." Me corrigiu com um olhar fixo e reptiliano que me fez querer gritar. "Talvez eu seja até mais real do que você."

O mundo parecia ainda mais ser feito de vidro do que antes, obscurecido e rachado, exceto pela criatura obscena acima de mim. Bati o pé no chão e segurei a respiração, rezando para que o mundo se quebrasse em mil pedacinhos, levando aquele monstro multicolorido junto. Se quebrasse um mundo quebrado, eu estaria realmente quebrando alguma coisa?

Mas o chão de concreto continuou sólido. O frio gelado adentrou as solas de meus sapatos e abraçou meus pés. 

A criatura se esticou e se esticou e se esticou, serpenteando lentamente pelo tronco da árvore. Simultaneamente parecendo um bicho-preguiça e uma serpente, irradiando com aquele ridículo pelo de caixa de giz de cera. Deveria parecer engraçado. Por que não era engraçado? Por que eu estava com medo? Por que eu não estava fugindo?

Deslizou pela casca até que seus olhos estivessem nivelados com os meus. “Apenas coisas realmente reais”, entoou, “podem se esconder dos olhos de todos. Coisas reais como eu e Jason Hughes. Seus amigos me chamam de Homem Fantoche. Você também pode me chamar assim."

Estendeu uma mão - longa e absurdamente fina, quase como pés de rã distorcidos, exceto pelos pelos cor de arco-íris.


Eu me virei e corri para a escola, gritando por todo o caminho.

A pobre enfermeira tentou extrair a história de mim. Nem me lembro o que eu disse. Só lembro de me esconder debaixo da mesa da enfermaria e soluçar. Quando finalmente balbuciei as palavras Homem Fantoche e Jason, a escola foi trancada. Os policiais foram chamados. Meu pai não estava com eles. Assisti pela janela, engasgando e chorando e tentando esquecer os brilhantes olhos verdes do Homem Fantoche. Mas como eu poderia esquecê-lo, quando tudo mais - o carvalho, a polícia, a enfermeira, o céu e minhas próprias mãos trêmulas - parecerem tão frágeis e desbotadas? O Homem Fantoche era a única coisa vibrante. A única coisa que brilhava. A única coisa integra. 

A única coisa real.

Algum tempo depois - talvez um minuto, talvez dez horas, pelo que me consta- um policial entrou na sala da enfermeira. Agarrou meu cotovelo sobre os protestos da enfermeira e me levou para fora. O mundo passava por mim em um borrão cintilante, morto e cinza. A árvore surgiu à frente, escura, vazia e terrivelmente próxima.


Me debati, mas ele me arrastou até o carvalho e me empurrou para frente. Eu parei a centímetros do tronco. Escuro, morto e rachado, exceto por absurdos tufos de pelo tecnicolor.

"Você fez isso?" O policial quis saber.

"Fiz o que?" Eu gritei. "Fiz o que?!"

"Você colocou aquilo," apontou para um nó obsceno de pelos cor de rosa neon, "nessa árvore?"

Falei que não. Falei que tinha sido o Homem Fantoche, que eu havia visto o Homem Fantoche, que o Homem Fantoche conhecia Jason e me conhecia também. 

A enfermeira me mandou para casa logo depois, e meus pais me mandaram para a casa de meus avós em San Diego naquela mesma noite.  Fiquei lá três semanas. Fiquei até parar de ter pesadelos sobre o Homem Fantoche comendo as roupas manchadas e sangrentas de Jason enquanto eu assistia, preso por seis olhos brilhantes como um cervo que se prende nos faróis de um carro prestes a atropelá-lo.

Cheguei em casa na noite de quarta-feira. Me lembro de ser quarta por ter olhado no calendário de minha mãe. Grande e lustroso cheio de filhotes de Beagles. Sempre me fazia sorrir.

Meus pais me alimentaram com Burger King e bolo de sorvete, então me mandaram para casa. 

Quando afastei minhas cobertas de cima do colchão, congelei. Tudo em minha volta esbranquiçou, ficando pálido e envidraçado.

Tudo exceto os tufos de pelo multicoloridos no meu travesseiro. 

Meus pais acharam que eu havia feito aquilo e gritaram comigo por cerca de uma hora, mas deixaram que eu dormisse na cama deles de qualquer forma. 

O colégio era um pesadelo. Passava a manhã inteira temendo a hora do recreio. Quando o sinal tocava, pensava em fazer birra só para ficar dentro da sala. Mas ficaria encrencado. Meus pais ficariam bravos. Iria parar na diretoria. 

Além do mais, haveriam outras crianças no pátio. Crianças vibrantes, vivas, coloridas e barulhentas. Todas aquelas cores e aquele barulho deviam ser coisa demais para o Homem Fantoche.

Eu falava essas coisas para mim mesmo, mas ainda assim corria para o banheiro quando o sinal tocava. Vomitava, e depois ficava sentado no vaso, até que um professor - invocado por um linguarudo qualquer - viesse e me mandasse ir para a rua.

Eu ficava em um canto da quadra de futebol, o mais longe possível que conseguia da árvore. Mas mesmo daquela distância, as vezes conseguia ter breves vislumbres de um pelo colorido nos galhos. 

Decidi que estava certamente vendo coisas.

Quando os dias finalmente começaram a ficar mais quentes - os céus de metal se amenizaram para um azul rico durante o dia e cores quentes durante a noite, galhos antes pelados começando a brotar, florescer crescendo nos arbustos de toda escola - voltei ao meu ritual de ler meus livros embaixo da árvore. 

Fui cauteloso no começo, porém determinado. Todos os adultos da minha vida tinham me convencido que eu estava alucinando. Todas as crianças do colégio sabiam que eu havia surtado por causa do Homem Fantoche. As provocações eram suficiente para dar força a minha determinação.

Antes que eu soubesse, já estava lendo debaixo da árvore como sempre, o horror do inverno envidraçado não era nada mais que uma memória. 

Em uma tarde de Abril, algo tirou minha atenção do livro. Não identifiquei o que era a princípio. Talvez fossem as crianças gritando no trepa-trepa. Talvez fossem as meninas do quinto ano fofocando ali perto. Talvez fosse a brisa assoprando levemente as folhas. 

Olhei para baixo e arfei.

Larvas rastejavam em meus braços. As larvas amarelas esbranquiçadas que viviam no tronco da árvore, do tipo que as crianças diziam que o Homem Fantoche comia. 

Corri para a quadra e me escondi até o sinal tocar novamente.

Quando voltei para casa naquele dia, encontrei tufos de pelo néon por todo meu quarto. Corri para minha mãe. Ela perdeu a cabeça, marchou comigo até o quintal, e me disse para ficar lá até que terminasse de limpar meu quarto. 

Quando parei de chorar, me acomodei debaixo de um pessegueiro e me perdi dentro do meu livro.

Enquanto a luz da tarde escurecia, aquela luz rica dando lugar ao entardecer de cobre, algo me tirou do meu transe. Olhei para baixo e vi vermes brancos. Macios, pequenos e de certa forma úmidos, escalando meus braços.

"Olá," uma voz enjoativamente amigável ressou. "Desculpa a demora. Acho que sou um péssimo amigo." 

"Sou louco," sussurrei. Fechei o livro bruscamente e fechei os olhos. "Louco, louco, louco, louco-"

Uma pelagem de poliéster roçou contra minha pele. "Louco não," o Homem Fantoche disse. "Somente muito real, como eu e Jason Hughes. O que está lendo?" Esticou o braço para baixo, a pelagem multicolorida era cegante, e virou meu livro. "Beleza Negra. É bom?"

"É ótimo," chiei baixinho. Eu queria me levantar, queria correr gritando pela casa, mas meus ossos pareciam feitos de água. Eu não ia conseguir levantar, muito menos correr. 

O Homem Fantoche espanou os vermes dos meus braços e se acomodou ao meu lado. Seu pelo me deixava com coceira. Não olhei. Já sabia o que veria: aquela cara de bicho-preguiça pré-histórica dominada pelos olhos envidraçados que pareciam encandecidos com a luz poente do sol. Eu não queria ver aquilo. Tinha medo do que aconteceria se fizesse. 

"Minha mãe vai te ver," sussurrei.

Bateu em meu braço, o pelo roçando novamente. "Você devia ler para mim." 

Lágrimas encheram meus olhos. "Não." 

Dedos fortes e peludos envolveram meu pulso. "Eu quero que você leia para mim." 

"Não."

"Se você ler para mim, te levarei até Jason Hughes." 

Quase ri em deboche. Jason Hughes com óculos gigantes e voz chorosa, o ansioso Jason Hughes que roubou todo o papel de desenho da sala só para desenhar seus peixes e besouros idiotas, Jason Hughes que tinha sido reduzido a um par de roupas sujas e manchadas de sangue jogadas na base da árvore do pátio da escola. 

"Por quê?" Perguntei.

"Porque estamos muito sozinhos," O Homem Fantoche disse. 

Olhei para a casa, rezando que minha mãe espiasse pela janela e nos visse, "Se ele se sente sozinho, devia voltar para casa." 

"Não pode voltar. A mãe dele não gosta dele."

Ponderei sobre isso brevemente. Pensei em meu pai. Meu pobre pai que trabalhava até a morte em turnos estendidos. Meu pobre pai que não conseguia uma folguinha do trabalho. 

Mas e se eu pudesse ajudá-lo? E se eu encontrasse Jason Hughes e desse o crédito ao meu pai?

"Quando eu veria Jason?" 

"Depende," o Homem Fantoche falou. "de quão bem você ler."

Abri meu livro na primeira página e comecei a ler em voz alta. 

Pouco depois, o rangido da porta de vidro tirou minha atenção da leitura. Olhei para a frente e vi minha mãe. Meu coração pulou para a garganta. Me virei esperançoso, mas o Homem Fantoche havia sumido. 

Na manhã seguinte, encontrei tufos de pelo colorido nas gavetas do meu armário. Se prendiam nas minhas roupas como fiapos de algodão.

No final de Maio, encontrei um bilhete no peitoral da minha janela. Um papel de cartão colorido dobrado meticulosamente escrito com letras coloridíssimas: 

Venha até a árvore da escola hoje à noite as onze. De seu amigo, HF.

Fios de pelo amarelo, rosa e azul salpicavam o bilhete. Limpei e guardei o papel no meu bolso. 

Eu não era burro. Sabia que não podia ir sozinho. Eu tinha muito medo do Homem Fantoche e quase tanto medo do que meus pais fariam se me vissem fugindo de casa durante à noite.

Então fui até meu pai. Mostrei o bilhete e implorei até começar a chorar. Ele me acusou de inventar tudo aquilo por um tempo, mas no final concordou em me levar até a escola na hora marcada. 

Nós morávamos apenas algumas quadra do colégio, então fomos andando. A noite estava estranhamente fria, tão fria quanto o dia que eu conhecera o Homem Fantoche. Lutei contra as lágrimas durante todo o caminho, apertando a mão do meu pai com toda minha força.

Os portões da escola estavam trancados, claro, mas havia um portãozinho escondido atrás da cafeteria. Não era nem sequer trancado com cadeado. Todas as crianças sabiam disso, mas os adultos nunca fizeram nada sobre aquilo.

Conduzi meu pai pelos perímetros do pátio escolar, ficando perto dos prédios para nos manter nas sombras. "Espere aqui," sussurrei. Ele concordou, parecendo cansado até com seu rosto obscurecido pela escuridão. 

Olhei para a árvore. Não parecia mais doente. Folhas escondiam a infestação de visgos. Parecia cheia e saudável, a eterna sentinela de sempre. 

Me aproximei do tronco e sussurrei, "Olá." 

Algo rastejou por entre as folhas lá em cima. "Olá," a voz calorosa e pesada do o Homem Fantoche ressoou.

"Cadê o Jason?"

Os galhos se remexiam na escuridão, a figura peluda deslizou para baixo da árvore. Olhos vidrados captaram a luz da lua e brilharam. "Ele está dentro de mim."

O Homem Fantoche se esticou e se retorceu para baixo até que estivesse com os olhos nivelados nos meus. Ele não era mais vibrante ou colorido. Seu pelo era sujo, endurecido por lama e areia, e uma tela vazia suja substituía o que um dia tinha sido pelagens coloridas cor de néon. É claro que sua pelagem havia sumido. Estava deixando tufos e mais tufos pelo meu quarto faziam meses. Era um mistério como é que tinha um pouco de pelo ainda. 

"Como assim?" Minha voz se reduziu a um assobio fino e ridículo. 

O Homem Fantoche se aproximou, eu preso em naqueles olhos vidrantes. Seus dedos longos e finos tocaram seu queixo e puxando, deslizando em seu rosto como uma criança  que remove uma máscara de Halloween.

Meu coração batia tão forte quanto um tambor de guerra.

Um enorme óculos brilhava com a luz do luar, tragicamente desproporcionais para o rostinho decadente atrás desses. A cabeça apodrecida de Jason Hughes era cinza e muito frágil, brilhando de um jeito que parecia um pedaço de vidro embaçado sob a lua. Se eu  o tocasse, se despedaçaria.

Aquele traje absurdo caiu no chão com um som não mais alto que sussurro. Sem brilho e desbotado. Até os olhos, antes tão verdes e brilhosos, estavam mortos agora. O traje estava morto. Nunca esteve vivo.

As órbitas vazias de Jason se arregalaram, depois romperam e se separaram com uma série de estouros leves. Algo se agitou dentro dele, grosso e escuro e brilhando com mil luzes fracas em cores que eu não sabia nomear.

O mundo pareceu virar de ponta cabeça e a areia fria do parquinho encontrou meu rosto. O grito do meu pai quebrou o silêncio vítreo. Talvez tenha quebrado a pobre cabeça morta de Jason também.


Eu me encolho e fiquei quieto enquanto meu pai gritava e as sirenes soavam à distância.

O traje arruinado foi parar em uma caixa de evidências. O próprio Jason pode finalmente descansar somente várias semanas depois. Seguraram o corpo tanto quanto conseguiram, a fim de descobrir o que havia acontecido com ele. Perguntei ao meu pai sobre isso, mas ele se recusou a me contar qualquer coisa.

Fiquei desapontado e aliviado, e nunca tentei descobrir sozinho.

Dei o meu melhor para esquecer tudo aquilo e quase cheguei perto disso. Poderia ter conseguido se meu pai tivesse mantido a boca fechada.


Ele tinha o hábito de me dizer coisas que eu não deveria saber. Coisas que ninguém deveria saber. Eu acho que é um exorcismo pessoal, libertando demônios que o assombravam. É só que o problema é que com a libertação de seus demônios, acabavam se tornando demônios de outras pessoas.

Meu pai se aposentou há alguns anos, mas ele ainda tem amigos na polica. Eles se reúnem e conversam de vez em quando. Fizeram um encontro na noite passada, e um de seus amigos comentou sobre Jason Hughes.

"Encontraram o cara que fez aquilo?" Meu pai perguntou.

"Não", seu amigo falou. “Mas a fantasia. Aquela estranha fantasia de marionete? Não está mais na sala de evidência. Sumiu."

“Alguém pegou? Jogaram fora sem querer?"

"Nós não sabemos."

Só isso já foi o suficiente para me assombrar para sempre. Mas não parou por aí. Os demônios nunca param. 


Eu sei disso porque quando me levantei esta manhã, encontrei tufos de pelo cor de néon espalhados pelo chão do meu quarto.

FONTE

16 comentários :

  1. A espera é angustiante, mas vale a pena diante de um texto desse. Parabéns, muito bom.

    ResponderExcluir
  2. Sou tipo um "otaku creep"
    Kkk

    ResponderExcluir
  3. Cara. Foi uma daquelas em que arrepia o couro cabeludo

    ResponderExcluir
  4. História longa e confusa mas a intenção é que conta. Valeu Divina.

    ResponderExcluir
  5. Não entendi? Ele estava morto dentro da fantasia? Então como falava?

    ResponderExcluir
  6. Achei legal, deu pra lembrar bem os tempos de criança na escola e talz.. kkkkk ele descreve bem essa fase da vida
    Mas tb n entendi o final? Era um espirito no corpo do menino q morreu? 😕

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O corpo do garoto e a fantasia estavam presas por fios de marionete. Era alguém escondido na árvore, que controlava o boneco e o corpo do garoto.

      Excluir
    2. Agora fez sentido 😊obg anonimo.. q sinistro 😨 adoro essas historias com final misterioso 🎃😍

      Excluir
  7. CARALHO ESSA É MUITO BOA, Mas comassim? o homem fantoche era uma entidade ou era o fantasma do garoto?

    ResponderExcluir