Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Vocês humanos são aterrorizantes

28 comentários
Bom dia/ Boa tarde/ Boa noite! Meu nome é Heitor, e é uma honra estar postando isso aqui. Esse é o primeiro conto que traduzo aqui no CPBR, então por favor, não economizem nas sugestões do que posso melhorar! Aproveitem a creepy :)
***

Sei que as pessoas dirão que é mentira, então vou deixar claro desde já.

Eu sou um demônio.

Ao menos é isso que a maioria das pessoas diria que eu sou. A verdade sobre o que sou e de onde eu vim vai um pouco além da compreensão de seres corpóreos. Basta dizer que o corpo no qual resido atualmente não é meu. Essa frágil carcaça de carne pertence à uma garota de dezenove anos qualquer chamada Cindy. Ela gasta a maior parte de seus dias fazendo coisas que você imagina que uma adolescente sem graça faria.

Pelo menos ela costumava gastar a maior parte de seus dias fazendo vinte poses diferentes antes de finalmente decidir postar aquela selfie no Instagram. Ela costumava sair com os amigos dela e saltava da cadeira no menor dos sustos. Ela também costumava chamar seus amigos para seu dormitório brincar com um tabuleiro Ouija.

Pra ser justo com a Cindy, ela só fez esse último uma vez.

Sob circunstâncias normais, um tabuleiro Ouija é um pedaço de merda. Você não entra em contato com fantasmas, ou demônios, ou qualquer coisa absurda dessas. Mas dessa vez, Sarah, a melhor amiga de Cindy, decidiu trazer uma amiga dela pra pequena “noite de invocações” delas. E essa amiga, que de acordo com as memórias de Cindy se chamava Cheryl, ou Cynthia, decidiu trazer um livro muito especial consigo. Além de muitas outras coisas, esse livro tem uma lista de nomes que não deveriam mais existir.

Um desses nomes é o meu. E antes que você pense nisso, não, eu não vou te contar meu nome. Uma das poucas coisas que seu conhecimento humano entende sobre nós é o fato de que nossos nomes são quem realmente somos. Se você sabe nossos nomes, se você os invocar, então você terá poder sobre nós. E eu não sou burro o bastante pra dar a um monte de pessoas aleatórias na internet o meu nome.

Então de alguma forma, de algum jeito, essa Cheryl tem um livro com nossos verdadeiros nomes nele. E Cindy teve a brilhante ideia de ler meu nome eu voz alta e pedir para conversar comigo através do Ouija. Pra ser honesto, o tabuleiro nem era necessário. Assim que ela me chamou pela primeira vez eu estava ouvindo.

Estava curioso. Como, após quinhentos anos, os humanos ainda conheciam algum de nossos nomes? O último dos livros supostamente deveria ter sido queimado e nossos nomes apagados de todos os registros do conhecimento humano, para que nenhum dos meus irmãos e irmãs tenha que ser chamado novamente.

Então assisti as garotas e seu joguinho de tabuleiro, gritando com cada resposta que o Ouija dava. Mas aí Cindy tinha que ir e fazer a coisa mais estúpida que eu poderia imaginar alguém fazendo.

Ela chamou meu nome e me pediu para possuí-la.

Da minha perspectiva, agora entendo sua tolice. Ela não acreditava de verdade em qualquer coisa paranormal.

Ela só achava que era divertido se assustar.

Isso é algo que eu nunca vou entender sobre a humanidade. Vocês gastaram toda sua existência lutando contra as coisas que os assustavam. Antes mesmo de ter uma língua escrita vocês massacraram o último dos mamutes simplesmente porque a aparência deles os amedrontava. Vocês pegaram uma das criaturas mais parecidas com vocês, um bando capaz de caçar qualquer coisa até a exaustão, e os transformaram em brinquedos, poodles e pugs. Mesmo agora que vocês conquistam os maiores destruidores de humanos, assassinos pequenos demais para ver, os transformam em notas de rodapé de seus livros de história.

Há uma razão pela qual meus irmãos tentaram apagar nossos nomes do mundo.

Vocês nos amedrontam.

A humanidade é assustadora. Bastam palavras vindas de um órgão de carne e tendões para nos prender e controlar. Sim, pra vocês nós somos assustadores, seres etéreos de poder ilimitado. Portadores imortais de um conhecimento que vocês, seres carnais, nunca poderão alcançar.

Como você pode imaginar, a primeira coisa que fiz quando Cindy me ordenou que a possuísse foi tentar pegar aquele livro da Cheryl. De alguma forma aquilo tinha meu nome ali, e eu queria evitar que qualquer um de vocês, sacos de carne, me chamasse outra vez. Infelizmente, as capacidades limitadas de Cindy deram a Cheryl tempo o bastante para pegar o livro antes que eu o fizesse.

Ela sabia que eu viria. Ela sabia que a primeira coisa que eu faria seria tentar pegar aquele livro dela.

Cheryl sabia quem eu era. O que eu era. E ela sabia o que eu queria.

Essa garota não era uma adolescente qualquer buscando estupidamente por adrenalina. Essa garota sabia exatamente o que ela estava fazendo.

Isso só me motivou mais a pegar o livro. Porque a única coisa mais assustadora que um humano estúpido que não sabe o que está fazendo é um humano que sabe exatamente o que está fazendo. Então eu a puxei pelo seu estúpido cabelo tingido de preto, e tentei tomar o livro dela novamente.

Mas aquela vadia, aquela vadia da Sarah, segurou meus braços e me afastou da única coisa que eu queria. Ela e duas das outras me seguraram até que os seguranças do campus chegaram para me levar pra alguma cela feita de ferro e aço, de onde fui transferido para outra cela, essa com uma tinta branca e sapatos sem cadarço. Supostamente é para que os pacientes não se machuquem.

Hospital Psiquiátrico Campos Ensolarados.

Não se engane com o nome. Esse lugar é uma prisão. Eles ofuscam meus sentidos com medicamentos e me fazem questionar meu propósito com perguntas vazias sobre como estou me sentindo e me perguntando por que estou sempre tão irritado o tempo todo. Eles não escutam, claro, porque se escutassem saberiam exatamente o que eu quero e entenderiam minha ira.

Mas eles não escutam. Eles escrevem o que eu digo e me entopem de pílulas pra bagunçar meus pensamentos.

Só que o tempo passou, e quanto mais o tempo passa, mais as memórias da Cindy se tornam minhas memórias. E com essas memórias vêm o conhecimento sobre como funciona seu mundo. Então usei esse corpo, que não pertence mais à Cindy, e paguei uma das enfermeiras para usar seu telefone. Fiz isso por dois motivos.

Um motivo é para que toda a humanidade saiba quão aterrorizantes e repugnantes vocês são. Vocês conquistam esse mundo um passo por vez e inventam horrores para se assustarem, porque já destruíram tudo que os assustava. Vocês pegam tudo que usa a escuridão como arma e colocam em holofotes para que possam rir do quão ridículo isso fica na luz.

A segunda razão é porque eu quero que Cheryl saiba.

Cada dia lembro mais e mais da pessoa que Cindy é. Cada dia imito ela melhor. E cada dia os doutores acreditam mais e mais na minha imitação.

Eu sou eterno, Cheryl. É só questão de tempo.

Em algum momento vou sair dessa prisão lavada de branco. E quando eu sair...

Irei te encontrar.




Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigado! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião!

28 comentários :

  1. Ótima creepy, transmite bem a ideia de como é ser visto pelo outro lado.
    Bem vindo a Matrix, Heitor. :D

    ResponderExcluir
  2. por que não montamos um grupo no wpp ?? para compartilharmos Creepys entre nós ?

    ResponderExcluir
  3. Bem vindo, Heitor! Ótima creepy e excelente tradução, parabéns :)

    ResponderExcluir
  4. Em primeiro lugar, seja bem vindo Heitor. Em segundo, parabéns pela creepy, muito boa. Excelente estréia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado >w<
      Vou me esforçar pra só melhorar o nível

      Excluir
  5. caraca,muito bom......Esse final ficou bem top, PARABÉNS HEITOR!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O final é realmente muito show, pondo em perspectiva, é bem verdade
      E muito obrigado :3

      Excluir
  6. Seja bem vindo Heitor é um deleite poder terminar o dia lendo uma creepy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado! Compartilho desse sentimento, uma creepy ao fim do dia fecha com chave de ouro

      Excluir
  7. É uma ótima creepy e bem eu já acompanho a cpbr a muito mais muito tempo mesmo, mas essa é a primeira vez q estou comentando, gosto muito de todas as creepys e sou muito fã desses tipos de historias e eu pesquiso várias outras histórias também, mais nunca tive a chance de postar então era só isso q eu gostaria de dizer, era só pra dizer q eu existo e q acompanho vcs.

    ResponderExcluir
  8. Excelente tradução, Heitor.
    Não tava botando fé em você quando li o aviso no começo, kkkk.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkkkk, nem eu tava botando fé em mim, fico muito feliz que gostaram

      Excluir
  9. Primeiramente bem vindo.
    Muito boa a creepy!

    ResponderExcluir
  10. Eu ja tive um amigo chamado Heitor, ele tinha depressão e acabou saindo da escola em que estudava, é agonizante acordar de manha sem ter noticias dele e nenhum contato, as vezes tenho sonhos em que ele morre e isso me enche de culpa. Bom bem vindo Heitor historia muito boa!!!

    ResponderExcluir
  11. Excelente creepy de estreia,esse plot no final hmmm interessante hehe...

    ResponderExcluir
  12. Creepy maravilhosa. Parabéns pela tradução!

    ResponderExcluir
  13. não gostei muito da história mais a tradução ficou ótimo

    ResponderExcluir
  14. N da pra ler a historia, vc deixou as palavras muito separadas tanto que nem da pra ler as que estam mais a direita elas nem se vêm até a ultima letra. E tem paragrafos que n terminam completamente. Poderia por favor rever isso? Blessed be

    ResponderExcluir
  15. Adorei 😊 escolheu e traduziu bem... 10/10 🎃🎃

    ResponderExcluir
  16. Seja bem vindo Heitor!
    Ótima tradução, não é uma história pesada e nem aterrorizante, mas é gostosa de ler e prende até o final.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  17. Seja bem vindo Heitor!
    Ótima tradução, não é uma história pesada e nem aterrorizante, mas é gostosa de ler e prende até o final.
    Parabéns!

    ResponderExcluir