Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Mau pressentimento

19 comentários


Trabalhar com enfermagem é trabalhar muito e receber pouco. Você nunca sentirá isso tão intensamente do que quando sai de um turno duplo no meio da noite. Todos os cheiros se agarram ao interior do seu nariz, até ficar convencido de que não esfregou as mãos bem o suficiente antes de sair, e sabe que você só tem algumas preciosas horas de sono antes de acordar e começar tudo de novo. 


Era meia-noite passada quando me arrastei para fora do hospital até meu carro. Joguei minha bolsa antes de mim, em vez de aterrissar no banco do passageiro, ela bateu de lado e caiu. Seu conteúdo caiu livremente pelo chão. Meu celular, meus chicletes, minha carteira, tudo espalhado e perdido no escuro.

Parecia um final adequado para o dia que eu tinha tido.

Eu procuraria tudo mais tarde. Só queria chegar em casa. Depois de colocar o cinto rapidamente, estava dirigindo pelas estradas quase desertas. Eu estava morando com meus pais enquanto economizava para ter meu próprio lar, o que certamente tinha vantagens, como o prato de janta de janta que minha mãe sempre deixava prontinho na geladeira para mim.


Nada como um banho quente e um pouco de lasanha caseira para melhorar as coisas.

Eu estava em um trecho calmo da Holland Street, cantarolando Phil Collins, quando meu carro foi invadido por luzes azuis e vermelhas. Uma olhada no espelho retrovisor revelou o contorno escuro de um carro sob luzes piscantes. Nenhuma sirene, no entanto. Provavelmente seria desnecessariamente barulhentas àquela hora da noite.

"Merda", murmurei.

Não achei que estava dirigindo rápido demais e, até onde eu sabia, todas as minhas luzes estavam funcionando. Por que mais estaria sendo parada?

Era só o que faltava..., pensei com um sorriso exaustivamente debochado e não característico enquanto parava o carro no acostamento.

A viatura parou atrás de mim. Desliguei a música e abri minha janela antes de colocar minhas mãos de volta no volante. A noite estava quieta e pacífica ao nosso redor.

Sorria, seja educada, e vamos acabar com isso logo, falei para mim mesma.

Vi a porta do motorista se abrir e um homem alto e corpulento saiu da viatura. Havia uma arrogância em seus passos quando se aproximou e cerrei meus dentes em meu melhor sorriso de enfermeira.


"Boa noite, senhor", falei. 

A primeira coisa que notei sobre ele quando parou ao lado do meu carro foi que usava óculos de sol. Era um detalhe pequeno, talvez um truque bobo ou ele achava (incorretamente) que parecia legal, mas isso me deixou desconfortável. Havia algo de errado em olhar para o meu próprio reflexo.

Isso me deixou com um mau pressentimento.

"Boa noite, senhora", respondeu. Ele se encostou no meu carro com um braço apoiado no teto acima da minha janela. "Você sabe por que eu te parei?"

"Honestamente, não,  não sei."

"Você estava ziguezagueando lá", apontou para a estrada.

"Ziguezagueando? Acho que não,” eu disse, mantendo a minha calma. Eu sabia que estava cansada, mas não tanto que não pudesse dirigir. Tomo muito cuidado com esse tipo de coisa.

"Por favor, saia do carro."

“Isso é necessário?”


"Eu não vou pedir de novo, senhora."

Argumentar com um policial nunca era uma boa ideia. Comecei a direcionar a mão para a trava do meu cinto de segurança quando avistei minha carteira no chão. Ele tinha caído e minha licença estava sorrindo por trás de sua capa de plástico. Isso me fez hesitar.

Ele não pediu pra ver minha carteira de motorista, pensei. Nem o registro do carro. Ele nem perguntou o meu nome.

O mau pressentimento se enraizou profundamente no meu estomago e começou a se espalhar.

Olhei de volta para ele, ainda de pé ao lado da minha porta, claramente ficando mais impaciente. Estava de uniforme e, à primeira vista, parecia normal. Distintivo, cinto. Mas não tinha um rádio. Quantas vezes eu tinha visto os policiais que trabalhavam com segurança no hospital falando em seus ombros ou ouvindo aquele barulho chiado antes que pudessem abaixar o volume?

Onde estava o rádio dele?


"Senhora", disse com firmeza, "saia do carro".

Antes que eu pudesse responder, ele colocou a mão pela minha janela e me agarrou pelos braços. Puxou, duro e rapidamente, tentando me arrancar para fora. Meu cinto de segurança me puxou de volta abruptamente, mantendo-me no lugar, e eu tentei afastá-lo, mas ele era maior e mais forte do que eu. Eu abri minha boca para gritar, mas na hora acertou um golpe desajeitado no meu queixo, me atordoando momentaneamente.

Ele estava metade para dentro do meu carro, me prendendo ao meu lugar enquanto se esforçava para alcançar a trava do cinto de segurança. Tudo estava acontecendo tão rapidamente, tão silenciosamente!

De repente, o silêncio foi quebrado pela voz feminina.


"You are my sunshine, my only sunshine", ela cantou docemente. "You make me happy when skies are gray…"

O homem, assustado com o barulho, parou por um momento. Apenas o suficiente para eu soltar um braço, engatar o carro e meter o pé no acelerador. Ele deslizou para fora da janela com um grito. Observei-o cair no chão pelo espelho retrovisor, rolando algumas vezes e, em seguida, erguendo-se novamente. Correu na direção de seu carro carro e pulou para dentro. As luzes vermelhas e azuis não estavam mais piscando quando ele começou a me perseguir novamente.

O toque da minha mãe, uma gravação dela cantando a mesma música que ela usava para me consolar desde que eu era um bebezinho, havia tinha parado. Ela provavelmente estava ligando para ter certeza de que eu estava a caminho de casa. Ela nunca dormia até saber que eu tinha chegado em segurança.


Engasguei com um soluço e me virei em uma curva selvagemente. Não podia correr o risco de me abaixar para pegar o celular. Estava indo rápido demais e o homem, o falso policial, estava bem atrás de mim. Estávamos correndo por uma estrada de floresta vazia. Se eu batesse, ninguém estaria por perto para me ajudar.

Meu carro balançou para frente quando ele bateu na traseira.

Gritei e agarrei meu volante. A cada poucos segundos, meus olhos voam em direção do espelho, e eu pude vê-lo vindo de novo, desta vez um pouco mais para o lado. Ele estava se alinhando para me acertar uma segunda vez. Imagino que ele estava tentando me tirar da estrada ou me fazer girar. Acelerei mais.

De algum lugar no chão, minha mãe começou a cantar novamente.

“You are my sunshine, my only sunshine. You make me happy, when skies are gray. You’ll never know dear, how much I love you. Please don’t take my sunshine away.”


Ele deu uma batidinha na minha traseira, como se ele estivesse hesitante, testando. Talvez estivesse até preocupado que fosse se machucar se fizesse aquilo. Dei um berrinho e  me balancei no banco como se isso fosse fazer meu Corolla de dez anos ir mais rápido.

Ao meu lado, a voz da mamãe continuava cantando. Estava fora de contexto, aquele tom suave e tão amoroso, mesmo enquanto o homem colidia comigo novamente. Meu carro estremeceu. O para-choque se deslocou um pouco.

Estávamos chegando mais perto do meu bairro, algumas casas separadas por enormes terrenos. Os postes que marcavam a entrada da minha rua pareciam brilhar intensamente. Minha respiração pesada e irregular e o som do meu sangue pulsando encheu meus ouvidos. Eu podia sentir meus batimentos cardíacos pulsando no meu peito.

"Mãe", sussurrei. A palavra soava tão estranha na minha garganta apertada. "Mãe!"


"You are my sunshine," sua voz continuou a se elevar suavemente da escuridão. "my only sunshine..."

Nossos pneus berraram juntos quando entravamos para o meu bairro. Minha casa ficava a apenas um quarteirão de distância. O pânico estava crescendo em mim. Bateu em mim de novo, desta vez com mais força, e meus pneus traseiros derraparam perigosamente. Segurei o volante com força para mantê-lo no curso.

Outra curva, outro batida. Ele estava ficando mais agressivo. O metal rangia e gemia. Eu gritava.

As luzes do lado de fora ainda estavam acesas, fazendo minha casa se destacar contra a noite. Eu estava tão perto.

A última batida contra a parte de trás do meu carro foi cruel e dura. Perdi a entrada da minha garagem, girei, subi na calçada e parei no gramado da frente. O policial falso tinha conseguido ficar na estrada e deixou seu carro em ponto morto enquanto abria a porta violentamente e corria na minha direção. Tentei tirar o cinto loucamente antes que ele chegasse até mim.

...don’t take my sunshine away, a voz da minha mãe cantou suavemente do chão do carona.


Seguido pelo grito mais agudo e furioso que já ouvi na minha vida.

O homem estava com uma mão na maçaneta da minha porta quando um celular voou direto na sua bochecha. O pegou de surpresa. Minha mãe se jogou para cima dele logo seguida, o jogou no chão. Ela estava fazendo sons que poderiam ter sido palavrões, mas soavam mais como rosnados, batendo com os punhos na cabeça e no rosto dele. Ela cravou as unhas por uma das bochechas.

Ele ficou atordoado por um momento, mas depois se recuperou e atirou-a para longe dele. Ela rolou duas vezes na grama e eu gritei por ela. Entretanto se estava ferida, não demonstrou. Estava de pé e atacando-o novamente quando ele ainda tentava se levantar.


A essa altura, papai ouvira o barulho e saía pela porta da frente com um taco de beisebol e nosso chihuahua aos seus pés, latindo loucamente.

O homem empurrou mamãe para o chão novamente e correu de volta para seu carro, papai e nosso chihuahua o perseguindo. Ele acelerou pela rua antes de chegarem até ele.

Ele conseguiu escapar naquela noite. Mamãe ficou com alguns roxos desagradáveis e um ombro deslocado, mas estava  bem. Eu também, graças em grande parte ao seu primeiro telefonema, que fez com que meu sequestrador hesitasse tempo suficiente para eu escapar.

Ela estava em pé na porta com o telefone, olhando para mim, quando subi no gramado.


Quando perguntei por que ela continuou ligando e ligando, segurou minha mão com força e balançou a cabeça.

"Eu só estava com um mau pressentimento", disse.

Descobrimos pela polícia que duas meninas tinham desaparecido antes de mim. Ambas tarde da noite, ambas dirigindo por estradas desertas. Seus carros foram encontrados posteriormente abandonados. Agora sabiam o porquê.

O cara, Marc Bishop, foi pego uma semana depois, quando foi forçado a ir a uma clínica de emergência por causa de uma série de arranhões infectados no rosto. Ele alegou que era de seu gato, mas a descrição que minha mãe fizera dele e de suas características tinha sido divulgados nos noticiários e foi o suficiente para o médico entrar em contato com as autoridades.

Como parte de um acordo para evitar a pena de morte, ele levou os policiais até um local no meio da floresta, onde eles recuperaram os corpos de Tricia Moore e Candice Alterman. Ele foi condenado por representar um policial, agressão com a intenção de cometer um crime, tentativa de sequestro e duas acusações de homicídio em primeiro grau.


Eu sei que teria sido três se mamãe não tivesse dado atenção ao seu mau pressentimento e feito tudo em seu poder para impedir um monstro de roubar seu sunshine.

FONTE

Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigado! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião

19 comentários :

  1. Uma ótima crepy. Me deixou vidrado e com medo de que o sequestrador tivesse sucesso.

    ResponderExcluir
  2. O que a música que a mãe dela cantava tem a ver?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que nada. Provavelmente a música so serviu como uma distração para o agressor, algo que ele não esperava e ele se assustou.

      Excluir
  3. Eu tava achando que a mãe era algum tipo de criatura pra atacar o cara e continuar atacando, que o policial seria um caçador em busca da família dessa garota e iria ter um Plot Twist bem clichê

    ResponderExcluir
  4. Foi muito boa, adorei, a minha unica critica foi a palavra ''sinto''

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela correção! Realmente não sei como fiz um erro tão grotesco como esse hahahah já arrumado.

      Excluir
    2. Não se preocupe Divina, as vezes vc traduziu cansada ou algo do tipo, nem pensei nas possibilidades,só comentei, vc praticamente carrega esse site nas costas e eu escrevendo besteiras por causa de um erro bobo.

      Excluir
  5. Lixoooo , VOCÊS VAGABUNDOS MERECEM SER ESTUPRADAS E MORTAS MESMO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Devia ter como rastrear esse sociopata que postou esse comentario, deve ser um zé buceta msm

      Excluir
  6. Quando começou a tocar a música por algum motivo eu pensei que era um vigilante tenebroso ouvindo músicas alegres
    Alo escritores de creppypasta
    Alo escritores
    Alo cineastas

    ResponderExcluir
  7. É a mesma música que o Carl canta pro Negan em The walking dead. (7 temp ep 7)
    Acabei lembrando XD
    Ótima creepy 10/10

    ResponderExcluir