Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Meu incomum hobby

13 comentários
Bom dia/ Boa tarde/ Boa noite, eu aqui mais uma vez :3
Primeiramente queria me desculpar por não ter postado semana passada, ocorreu um problema familiar e acabei não postando. Maaaas, agora já está tudo bem e vou retomar as postagens. Estou pensando em traduzir alguma série e alternar as postagens entre série e histórias individuais, mas pra isso quero a sugestão de vocês! O que acham da ideia? Qual série você quer ver traduzida aqui? Coloquem suas sugestões nos comentários e, finalmente, apreciem a creepy!
••
ATENÇÃO : ESSA SÉRIE/CREEPYPASTA É +18. CONTÉM CONTEÚDO ADULTO E/OU CHOCANTE. NÃO É RECOMENDADO PARA MENORES DE IDADE E PESSOAS SENSÍVEIS A ESSE TIPO DE LEITURA. LEIA COM RESPONSABILIDADE.
•••
Meu hobby não é como os da maioria. Se você gosta de futebol, você provavelmente costuma assisti-lo ou jogá-lo, geralmente com alguma frequência. O mesmo vale pra jogos online, ou cozinhar, ou praticamente qualquer coisa que você goste de fazer.

Pra mim é um pouquinho mais complicado. Preciso de planejamento meticuloso e muito tempo até que possa tirar algum prazer do meu hobby.

Pra sua sorte, vou pular toda essa merda chata e ir direto ao ponto.

Estou no meu carro, olhando pela janela consigo ver um complexo de casas, uma vizinhança quieta, que é perfeita pra ocasião. Uma das casas é mais importante que todas as outras.

Há duas pessoas lá dentro: um homem de meia-idade, e uma garotinha que eu diria ter uns 6 anos.

Observo a vizinhança por umas boas duas horas, até que a última luz desligue, deixando apenas as luzes da rua disponíveis. Significa que estou prestes a começar.

Pego minha mochila e ando através da vizinhança, sempre tendo certeza de estar atrás das luzes e não sob elas.

Finalmente alcanço uma cerca alta que pertence à casa importante (vamos chamá-la assim, casa importante).

Pulo a cerca e logo as coisas começam a ficar interessantes. Tem uma casinha de cachorro a 50 metros de mim, uma grande. Lentamente busco na minha mochila e pego 2 itens muito cruciais que uso toda vez que estou fazendo o que estou fazendo: uma arma de dardos e alguns dardos carregados com tranquilizante pra cavalos.

Jogo uma pedra na casinha e espero. Pelos primeiros segundos nada aconteceu, e está escuro o bastante para que eu não consiga ver o interior da estrutura.

De repente um pastor alemão sai farejando e olhando em todas as direções. Eu atiro.

Ele está dormindo.

Imediatamente depois, eu rapidamente (mas silenciosamente) vou pra porta dos fundos que leva à cozinha e começo a arrombar a fechadura, o que me toma mais ou menos um minuto.

Estou dentro.

A casa importante tem dois andares e meu objetivo está no primeiro quarto do segundo andar. Eu lentamente ando pelo chão de madeira, tentando evitar suas rachaduras o máximo possível.

Subi um andar, e o primeiro quarto estava com a porta aberta.

Sento no chão por um instante e retiro um pequeno estojo da mochila.

Dentro dele tenho todo tipo de lâminas, tesouras e outros instrumentos cirúrgicos.

Espio o primeiro quarto e me surpreendo um pouco. Sem homem de meia idade na cama. Deveria estar ali. Mantenho a calma, normalmente prefiro fazer as coisas furtivamente, mas não ligo pra um desafio.

Eu fico parado e olho em volta, ele provavelmente sabe da minha presença e está esperando em algum lugar pra pular em mim como um gato selvagem.

Depois de quase um minuto ouço um espirro baixinho vindo do outro quarto, e decidi ir espiar.

Porra.

Acabou que o homem estava dormindo com sua própria filha.

Odeio colocar crianças nisso, mas eu rapidamente corro pra dentro do quarto, pego a arma de dardos e não dou chances de reação ao homem. Ele perde a consciência e eu rapidamente pego a garota, que até agora não reagiu. Ela está pelada, o que me deixa extremamente desconfortável.

Eu a carrego pro primeiro quarto, a tranco lá dentro, e começo os preparativos.

O homem acorda algumas horas depois. Ele está amarrado à uma cadeira na primeira sala, pelado.

“mhmm..” - Eu interrompi

“Senhor Miles, eu me pouparia de tentar falar agora. Não importa quem sou eu, o fim dessa noite será um, um só.

“Qui voxê fex cumig?” - ele não conseguia falar direito.

A face do Sr. Miles tornou-se completamente branca e ele começou a gritar.

Eu o soco e enfio uma camiseta inteira em sua boca.

Eu havia cortado metade da língua do Sr. Miles previamente. Os efeitos do tranquilizante estavam passando e ele está sofrendo.

“Por favor, não grite novamente Sr. Miles.” - Assim que digo isso pego uma garrafa.

“É água, abra a boca. É fresca e vai amenizar sua dor.” - Digo enquanto tiro a blusa de sua boca.

Felizmente mal consigo ouvir qualquer coisa porque coloquei a camiseta de volta em sua boca. A garrafa tinha vinagre, não água. Sr. Miles tremia de dor.

É uma vergonha, eu gosto de ouvi-los gritar, mas essa não era a vizinhança pra isso.

Então pego um saco que contém a metade remanescente da língua do Sr. Miles, que ficou roxa por não ter sangue fluindo nela.

“Está com fome, Sr. Miles?”

“Nwoh!!”

“Vou te dar duas opções. Você vai comer essa metade, ou eu vou cortar o resto e fazer você comer ambas. Opção A parece uma vitória fácil…”

Tiro a camiseta da boca do Sr. Miles e imediatamente cubro seu nariz. Implacável, porque sei que ele implorará e eu não tenho nenhuma paciência pra isso.

“Por favor, mastigue Sr. Miles.” - Seguro a garrafa de vinagre e a mostro pra ele.

O rosto do Sr. Miles ficou totalmente suado e avermelhado agora. O terror em seus olhos me enche de alegria.

Eu assisto Sr. Miles mastigando aquilo por cerca de 35 minutos. Ele vomitou algumas vezes nesse meio tempo, e eventualmente desmaiou.

Fiz um pequeno passeio pela casa enquanto ele estava desacordado.

Encontrei tudo que procurava e deixei tudo da forma como queria que a polícia encontrasse.

Voltei pro primeiro andar pra checar a garota. Ela ainda estava deitada na cama.

Peguei algumas roupas pra ela e a vesti. Sr. Miles era o próximo na minha lista de afazeres.

Ele ainda estava inconsciente, e eu infelizmente estava ficando sem tempo. Fui até ele e cortei sua garganta.

Liguei para a polícia e esperei um pouco antes de sair.

Na manhã seguinte, acordei e tomei meu café da manhã com minha esposa.

Perguntei a ela se queria ver as notícias, torcendo pra ouvir sobre o senhor Miles.

Após 10 minutos de notícias irrelevantes, finalmente apareceu.

“Homem de 38 anos, Donald Miles foi encontrado morto em sua casa. Sua filha, de 7 anos, foi encontrada em choque em um quarto diferente. A polícia encontrou evidências que conectam Miles à diversas redes de pornografia infantil. A criança está sendo examinada atualmente para averiguar se ela foi vítima de algum dos vídeos ilegais. Este é o 10° caso da caça à pedófilos que começou à um ano.”

Minha esposa abriu bem os olhos me olhou:

“Queria que nosso bebê houvesse tido a mesma justiça” - Ela disse.

Assim que ela diz isso, eu a abraço, e sinto a mesma euforia que sinto toda vez que estou prestes a matar um desses monstros. Minha excitação pela caçada.

“Não se preocupe, querida. Mais cedo ou mais tarde ele vai chegar à ele.”

Então sim, para quem quer que esteja lendo, eu mato pedófilos. Não me traz nenhuma emoção negativa, durmo muito bem a noite e não tenho planos de parar agora.

Ah… e se VOCÊ estiver lendo isso.

Eu vou te achar, e te causar uma dor inimaginável.
••
FONTE
••
Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigado! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião!

13 comentários :

  1. Em se tratando de pedófilos...esqueço tudo o que é relativo a amor e perdão. Que Deus tenha misericórdia de mim...Mas pedófilo tem que morrer mesmo. Ou no mínimo​, tem as mãos e o ponto cortados fora, e a língua também.

    ResponderExcluir
  2. *o pinto. Pena não ter como editar os comentários...

    ResponderExcluir
  3. AMO AS CREPPYS DI HEITOR S2

    ResponderExcluir
  4. Essa história me lembrou dessa crepy, que é excelente aliás

    http://www.creepypastabrasil.com.br/2018/06/minha-entrevista-com-um-assassino-de_20.html?m=1

    ResponderExcluir
  5. Não curti muito a história, traduza algo em alta do nosleep

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que pena que você não gostou..
      Quanto a sua sugestão, meio que já é o que eu faço, pego as creepys do em alta do nosleep. Mas nem sempre o em alta acaba agradando tanto assim, por isso, se você tiver alguma creepy específica em mente, pode mandar :3

      Excluir
  6. Adoro gente má se ferrando! Gostei muito.

    ResponderExcluir
  7. Grande homem
    Boa sorte em sua caça aos pedófilos e lhe desejo boa sorte

    ResponderExcluir
  8. PUTA MERDA. TENHO QUE FUGIR ANTES QU...

    ResponderExcluir