Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Olhos Incompatíveis

24 comentários
Tenho heterocromia.

Minha mãe também tem, mas a dela é heterocromia setorial. Uma parte de seu olho esquerdo é marrom, enquanto a maior parte é azul. Meu olho direito é marrom, o esquerdo é azul. Quando criança, eu recebia elogios animados dos adultos:

"Os olhos dele são tão lindos!"

"Uau, são de cores diferentes!

"Que esplêndido!" 

Gostaria de dizer que meus olhos são apenas uma parte de quem sou, é apenas uma fatia do bolo que me compõem. Mas, na verdade, a única coisa fascinante em mim é a heterocromia. Sou na média na escola. Na altura. Na força. No QI. Não sou também muito carismático - costumo a ficar no meu canto.

Mas no final das contas, foram meus olhos que salvaram a minha vida. E talvez a vida de alguns outros.

Os assassinatos começaram quando eu estava no segundo ano do Ensino Médio. Um casal de adolescentes que tinham ido namorar em um carro haviam sido encontrados mortos, destroçados por uma fera selvagem. Seus rostos tinham sido devorados, as línguas arrancadas, e seus olhos tinham sumido.

Eu não os conhecia, estudavam em uma escola particular. Entretanto, começaram a ser espalhadas as histórias sobre a Besta do Monte Gosbecks.

Minha mãe riu quando contei para ela. Aparentemente, a "Besta" também estava a solta na  sua época de colégio também, duas pessoas apareceram mortas antes de parar. Convenientemente, um urso havia sido avistado na área na época. Ela me disse para simplesmente não ir naquele lugar dar uns amassos com nenhuma menina que tudo ficaria bem.

É claro que foi aí que corrigi ela dizendo 'menino', mas isso não a deixou surpresa. Minha mãe é maravilhosa.

Entretanto, dessa vez, a Besta não se contentou em arrancar o rosto de dois pombinhos adolescentes.

Quando cheguei no colégio cerca de uma semana depois do primeiro incidente eu soube que havia algo de errado. Todos estavam quietos, e muitos choravam. Encontrei meu amigo Trent e perguntei o que tinha acontecido. Me criticou por não checar meu Facebook e depois me contou.

Douglas Stafford. Mais conhecido como Doug. Terceirão. Todos amavam ele. Era um cara legal. Porra, até comigo, um deslocado. Eu havia me perdido no meu primeiro dia no colégio e ele me mostrou a direção. Até se ofereceu para ir comigo. Eu nunca mais falei com ele, mas, caraca. Sentia como se tivesse levado um soco no estomago.

Tinha aparecido morto na garagem da casa dos pais. Seu rosto devorado assim como o casal de antes.

No dia seguinte houve uma assembléia na escola onde até o diretor deixou algumas lágrimas escorrer, dizendo que se precisássemos, podíamos nos ausentar de algumas aulas para conversar com o conselheiro do colégio. A namorada de Doug, Cathy, estava na primeira fila chorando muito. Namoravam desde o primeiro ano do Ensino Médio,  e era bem óbvio que planejavam um dia ter uma casinha juntos com cerca branca e um cachorro.

Cathy foi a última casualidade do ano escolar, alguns meses depois encontrada morta na floresta. Mas não tinha sido a Besta quem havia a matado - ela se enforcou e aparentemente a Bestinha tinha ajudado, conforme os boatos.

Durante o verão tudo se aquietou, e logo as conversas sobre adolescentes mortos ficaram de lado. Acho que os pais de Doug começaram uma vaquinha para ajudar uma entidade que cuidava de adolescentes depressivos. Passei 90% do meu verão enfiado em meu quarto jogando vídeo games até demais.

Também saí do armário no Facebook. Recebi bastante apoio. Muitos 'você é perfeito do jeito que é' e outros diversos 'cara, isso era ÓBVIO'.

Porém, Trent não levou na boa como a maioria. Desfez amizade comigo quase que imediatamente e quando as aulas voltaram, aparentemente tinha falado mal de mim pra nossos amigos em comum, e nenhum deles queria ter mais nada a ver comigo. 

Doeu. Não vou mentir, doeu muito. Mas escolhi ignorar isso na maior parte. Eu tinha perdido todos meus amigos próximos. Grande coisa. Eu faria novos amigos. 

É, só que não. 

Como eu já disse, minhas habilidades sociais são uma bosta. O único motivo de que Trent e eu éramos amigos, foi que na quarta série tínhamos sido colocados juntos para fazer um trabalho. Tiramos um B. Agora, toda vez que falava comigo, sempre haviam as palavras 'bixa' ou 'viado' jogadas em suas frases. Mostra como eu conhecias pouco do meu melhor amigo, né?

Mas foi aí que os assassinatos REALMENTE começaram ficar frequentes.

A primeira vítima do primeiro ano foi Camille Dunn. Ela havia perdido o ônibus para escola e resolveu ir a pé. Na manhã seguinte um cara que estava passeando com seu cachorro a encontrou estirada em um acostamento. Olhos sumidos e rosto devorado. A Besta estava de volta.

Claramente havia um lunático ou um animal selvagem à solta e todo mundo levantou a guarda. Mas acho que foi aí que a Besta ficu convencida. Percebeu que conseguia se safar de qualquer coisa. 

As próximas vítimas foram atacadas em suas próprias casas. Um casal de idosos, John e Beatrice. Moravam na casa do outro lado da rua, de frente para a minha. Quando acordei no dia seguinte com o som das sirenes, meu coração despencou. Achei que o coração de Beatrice finalmente não tinha aguentado mais.

Nãããooo, a Besta decidira deixar o jogo mais interessante, arrancando o tal coração. Era a mesma coisa de antes - rostos devorados e os olhos. Tinha entrado na casa pela janela dos fundos, julgando pelas marcas sangrentas. Crianças sussurravam por aí como as marcas pareciam de mãos humanas mas com garras. Avistamentos da Besta cresceram absurdamente. Uma aberração que tinha presas e olhos brilhantes, seu único desejo era caçar e matar.  

Claro que minha mãe me deu um toque de recolher imediatamente e manteve a casa segura. A noite eu a ouvia acordar e andar pela casa, para ter certeza que estávamos todos bem.

Eu acreditei na Besta quando ela a viu. 

Acordei com o grito dela e corri até a fonte. Minha mãe estava branca como um fantasma, suas mãos no peito e olhava para a janela vazia. 

"Estava... estava ali. Não sei o que era, mas - porra, ligue para a polícia. Ligue para a polícia agora!"

Minha mãe não é de falar palavrões. Ela é uma mulher com classe. Busquei o taco de basebol que usava quando criança e liguei para a polícia. Eles vieram surpreendentemente rápido e minha mãe contou o que tinha acontecido enquanto ainda encarava a janela.

Ela havia descido porque não conseguia dormiu e a coisa estava na janela. Sua forma era vagamente humanoide mas seus olhos brilhavam de fato. Foi aí que gritou. A Besta não estava esperando ser vista, e por isso saiu correndo. E com certeza, quando fui no quintal na manhã seguinte, haviam pegadas bizarras no gramado. Não me preocupei em coletar evidências, pois tenho certeza que todos achariam que eram forjadas, mas eu sabia que a Besta era real.

Dois dias depois fui sequestrado por meu então chamado 'amigo'. 

Eu estava andando da escola para casa quando Trent correu atrás de mim, parecendo todo amigável, até que chegou perto. Então senti o canivete ser pressionado contra mim. Trent ainda estava sorrindo, mas de um jeito frio, sombrio. 

"Continue andando, seu viadinho de merda."

Foi o momento mais 'puta merda' da minha vida. 

Não tentei bancar o herói e pegar a faca, Trent era maior e eu não tinha a menor chance contra ele. Andamos até chegar no carro dele, onde me empurrou para o banco de trás e passou fita isolante prendendo minhas mãos juntas e os pés também.

Ele dirigiu para fora da cidade até sua cabana abandonada. Dois caras que eu não conhecia esperavam lá, e vi mais facas. Estava próximo a me mijar enquanto ainda estava sentado afundando em um estado de negação. Isso só podia ser uma brincadeira. Só uma pegadinha para me assustar.

Trent me arrastou para dentro  do galpão e bateu a porta. 

Estava escuro e eu não via nada. Levei uma pancada forte no estomago e o ar fugiu de meus pulmões.

"Seu bixa de merda. Quantas vezes você colocou a mão em mim enquanto eu dormia na sua casa, hein?" Eu podia ouvir a escarnio na voz dele. 

Grunhi enquanto me punha de joelhos. "Nunca, Trent. Você não faz bem o meu tipo," Falei, tentando me soltar das fitas. 

Levei um chute na casa e cai no chão. Senti um dente se soltar e o sangue começar a jorrar da minha gengiva.

Trent se abaixou perto de mim. Eu mal conseguia distinguir sua silhueta na escuridão do barraco. 

"Mentiroso do caralho. Você é uma aberração. E agora você vai ser só mais uma vítima da Besta do Monte Gosbecks, velho amigo."

Senti a lâmina pressionada em baixo do meu olho azul. 

"Espero que sua mamãe não sinta falta desses seus olhos bizarros, mariquinha!"

Eu queria fechar os olhos. Esperava que ele enfiasse a faca direto no me cérebro e me matasse para que eu não sentisse muita coisa. Mas ao invés disso eu mantive os olhos bem aberto, e de repende consegui ver o contorno de Trent e seus três comparsas... 

Sim. Três. Mas haviam só dois quando chegamos no barraco. 

Acho que a Besta realmente não gosta de imitadores. 

Eu ouvi o grito antes que a figura mais alta batesse a cabeça dos dois uma contra a outra. Quando totalmente de pé, quase encostava no teto. Trent girou o braço e cortou em baixo do meu olho. 

"Mas que porra é-"

Mais uma pancada e Trent estava no chão. Ouvi ele engasgando e percebi que sentia cheiro de sangue. 

A figura se moveu na minha direção e me ergueu até sua altura. Senti suas garras rasgarem minha camiseta. Eu estava certo que morreria ali mesmo. 

Então o monstro pausou. 

"... Olhos?" 

Desmaiei. 

Quando voltei a mim, já estava escuro na rua e não estávamos mais no barracão. Estávamos na cabana, iluminados por uma lanterna. 

E eu vi a Besta por inteiro.

Parecia ser vagamente humano, usando algo que parecia uma tanga. Sua pele era clara com pelos longos e pretos saindo de suas costas. Sua pele tinha em alguns lugares pedaços de escamas, e seus dedos pareciam que tinhas pequenas lâminas nas pontas. Sua espinha estava coberta de cerdas finas que subiam e desciam a cada respiração.

Trent estava pendurado em um canto por um gancho, acordado e apavorado. Eu podia sentir o cheiro mais forte do sangue. A Besta examinou o rosto de Trent, pensativo, antes de enfiar o dedo indicador na bochecha dele.

Fechei os olhos com força quando ouvi Trent gritar.

A Besta quase não emitia nenhum som, a não ser um zumbido suave enquanto trabalhava em esculpir o rosto de Trent. Quando dei uma olhada, vi o branco reluzente das maçãs do rosto de Trent.

Meus olhos se fecharam novamente.


Finalmente, quando os gritos cessaram, ouvi passos se aproximando. Senti sua enorme presença ajoelhando-se na minha frente. Seus pelos cheiravam a ervas daninhas da lagoa.

"… Abra. Abra seus olhos."

Eu abri, embora não tenha certeza do porquê.

Seu rosto era meio humano. Tinha um nariz forte e feições magras. Mas foram seus olhos que me puxavam.

Brilhavam bastante. Mas o esquerdo era amarelo e o olho direito era violeta.

A Besta inalou bruscamente antes de sua mão alcançar meu rosto. Vacilei e inclinei a cabeça para longe, mas ele só acariciou levemente minha bochecha. Suas garras nem chegaram a cortar minha pele.

“… Olhos. Eles não… combinam. ”

Engoli a seco. "Os.. os seus também não", explanei. 


A Besta sorriu, seus dentes tortos salpicados de sangue. "Não. Não, eles não combinam", disse, quase como se estivesse contendo o riso.

Eu não sei o que me fez fazer aqui, mas estendi a mão e também toquei seu rosto. Sua pele era oleosa, quase me lembrava a textura de um peixe. "Mas, hm, são bem bonitos?" Ofereci o elogio. Seja legal com o monstro, talvez você volte pra casa, então.

Este comentário o atingiu, pareceu chocado. Então ele me puxou para o abraço mais desconfortável da minha vida.

"… Único. Pensei que eu era o único" - soluçou, senti suas lágrimas gordurosas atingirem o topo da minha cabeça.

Sem saber como lidar com aquela situação, dei tapinhas nas costas dele, com cuidado para evitar os espinhos. Deus sabia que eram provavelmente venenosos. Felizmente a Besta pareceu apreciar meu gesto de consolação.


Realmente não tenho certeza de como adormeci com um monstro gigante e fedorento praticamente de conchinha comigo, mas quando acordei, a polícia estava lá. Segundo eles, alguém ligou para o 911 do meu telefone e disse onde me encontrar.

O corpo de Trent foi encontrado no outro cômodo com os outros dois caras. Tinham sido massacrados. Era um milagre que eu estivesse vivo, de acordo com a polícia.

Fui ao funeral de Trent. Não sei porque, mas fui. Sua irmã pediu desculpas por todas as besteiras que tinha feito para mim. Eu a deixei a salvo da informação de que muito provavelmente ele iria me matar fazendo parecer que tinha sido a Besta. 

Quando cheguei em casa tarde daquela noite, encontrei conchas de mexilhão no peitoril da janela. Eu levei para dentro e deixei na minha prateleira.


Essa prateleira agora está coberta de pequenos "presentes", peles de cobra a pedras redondas e contas de vidro. Eu não o vejo desde aquela noite, mas às vezes vislumbro aqueles olhos incompatíveis, brilhando do meu quintal.



FONTE

Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigado! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião

24 comentários :

  1. Muito bom . tava esperando algo previsivel como a Mãe dele ser a besta ou ate ele mesmo ser a besta,mas isso de fato foi muito bom

    ResponderExcluir
  2. Por mais -quase- Yaoi's eu voto sim! kkk muito bom <3

    ResponderExcluir
  3. Estou chorando ;----; - meu nome é Terry

    ResponderExcluir
  4. Mano, em toda creepy boa eu me lembro de "O Inicio do FIM"que pacto é necessário pra que essa creepy continue!?

    ResponderExcluir
  5. interessante, essa história é uma daquelas qui você tem qui narrar com uma voz calma para ficar relaxante, e como eu gosto de narrar para eu mesmo agorei.

    ResponderExcluir
  6. Interessante, ameiiii, me surpreendeu bastante

    ResponderExcluir
  7. quem shippou o monstro com o mlk da laike no video

    ResponderExcluir
  8. VIADOS DE MERDA TEM QUE MORRER MESMO

    ResponderExcluir