Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Disseram que eu era nada mais que uma cadela

23 comentários
ATENÇÃO : ESSA SÉRIE/CREEPYPASTA É +18. CONTÉM CONTEÚDO ADULTO E/OU CHOCANTE. GATILHOS DE VIOLÊNCIA EXTREMA, VIOLÊNCIA INFANTIL. NÃO É RECOMENDADO PARA MENORES DE IDADE E PESSOAS SENSÍVEIS A ESSE TIPO DE LEITURA. LEIA COM RESPONSABILIDADE.

Meu pai me deu o nome de Laika porque quando nasci, meu avô disse para ele me tratar como um cadela malcriada. Para meu pai, Laika era sinônimo de cadela. Usou o nome para que eu sempre me lembrasse do meu lugar na hierarquia: Insignificante. Abaixo. Inferior.

Nada mais que uma cadela. 

Meu pai tinha intenção de meu humilhar e degradar com tal nome, mas ao invés disso, me honrou.

Veja bem, Laika era uma cadela de rua de Moscou. No dia 3 de Novembro de 1957, a União Soviética colocaram-na no Sputnik 2 e a lançaram para o espaço. Foi o primeiro animal a orbitar a Terra.

Os Soviéticos sabiam como colocar um foguete no espaço, mas não sabiam como fazê-lo retornar. Isso tornou a missão de Laika uma sentença de morte. Pouco depois de chegar na órbita, o interior do Sputnik 2 ficou absurdamente quente - muito mais quente do que mamíferos conseguem aguentar. Poucas horas depois do lançamento, Laika morreu uma morte agonizante. Pereceu do mesmo jeito que viveu: Insignificante, baixo, inferior. Abandonada. Não amada.



Nada mais que uma cadela.

Passei muitas horas imaginando o terror, dor e solidão que ela passou. Como seria, passar minhas últimas horas de vida sofrendo, atravessando a divina escuridão, dentro de um balde de metal?

Como deve ter sido não entender o que estava vendo, ou o motivo para que tudo tenha ficado tão quente e tão barulhento de repente?

Como deve ter sido não entender o porquê - depois de ter sido arrancada das ruas cruéis e apresentada a um mundo de bondade - de agora estar sozinha? Provavelmente pensaria que tinha sido uma cadela malcriada. Provavelmente pensaria que aquela era minha punição. 

Punição era minha língua materna. Eu sabia muito bem o que era ser punida por transgressões que não lembrava ou entendia, ser tão machucada que meus batimentos cardíacos triplicavam e minha mente voava pela janela até as estrelas, retraçando o voo amaldiçoado de Laika enquanto minha casca exterior se contorcia e gemia no chão sujo da casa, cem quilômetros abaixo. 

Mesmo assim, me adaptei a receber punições. Como já disse, eventualmente se tornou minha língua. Com um certo tempo, qualquer um pode aprender uma linguagem.

A única coisa que eu não conseguia me adaptar era ao medo. 

Quando criança, eu temia tudo. Veja bem, nas partes mais profundas e esquecidas do mundo, existem coisas que a maioria das pessoas não acreditam e muito menos entenderiam. Maneiras antigas, coisas antigas, verdades antigas. 

E monstros antigos.

Monstros como meu pai e meu avô. 

Como posso descrever de um jeito que você acreditaria? Talvez não consiga. Talvez nem devesse tentar. Então, ao invés disso, irei descrever meu avô.

Seu nome era Paval. Quando fiz nove anos, ele já havia passado por seis corpos. Por isso, quero dizer habitado seis corpos. Usando uma variante de magia de sangue aperfeiçoada pelos ancestrais durante muitos séculos, saltava de um corpo para outro corpo.

Não era um espírito; tinha um corpo físico próprio, uma coisa monstruosa e contorcida, coberta de cicatrizes e de uma pele dura e cintilante, um corpo que podia se encolher ao tamanho de uma cobra pequena ou se expandir e ficar do tamanho de uma casa.

Embora toda suas maravilhas, aquele corpo era fraco; a luz do sol queimava seus olhos e fazia bolhas em sua pele. Então entrava em outros corpos, como uma mão dentro de um fantoche, e os usava até apodrecer. Jamais esquecerei a visão dele - de tantos eles - em corpos diferentes enquanto sua pele se degenerava e caia em pedaços molhados e descoloridos pelo chão. Ou o jeito que seus olhos - olhos duros, redondos e amarelos - brilhavam profundamente dentro de suas órbitas oculares roubadas.

Vovô preferia o corpo de homens, mas as vezes escolhia mulheres ou crianças. Uma vez, até usou o corpo de minha mãe. Eu era muito nova na época - talvez três anos - e a visão de sua forma familiar em pé diante do fogo me transmitiu tanta alegria que eu berrei de puro êxtase.

Então ela se virou, e em suas órbitas arroxeadas vi os olhos de meu avô: Um amarelo monótono e cintilante. Como ouro apodrecido. 

Recuei, gritando. 

Meu pai, que estava acariciando um par de sapatinhos antigos de bebê, olhou para mim com um desprezo tão profundo que queimou meu coração. "Calada, cadela!"

Me encolhi. Aquilo fora um erro; seu desdém explodiu em desgosto. Saltou de sua cadeira e marchou na minha direção. Uma dor pesada e desconfortável irradiou no meu abdômen. Me afastei, choramingando e me escondi debaixo das escadas.

Fiquei lá deitada sozinha por muitas horas. Eventualmente minha mente fugiu de meu corpo e subiu aos céus, um mergulho reverso até o mar de estrelas. Vaguei para longe, sonhando de constelações de diamantes e com uma nébula azul e vermelha. Ao meu lado estava uma cachorrinha com o rosto listado. Minha xará. 

Laika.

Quando acordei, a senti: peluda e quente, o seu peito subindo e descendo abaixo da minha mão. Abri meus olhos. Por apenas um momento eu a vi nas sombras. Então foi sumindo, encolhendo-se em direção do chão. Tentei agarrá-la, mas o chão a engoliu. Meus dedos se fecharam nas tábuas frias e duras de madeira. 

Cobri meus olhos e chorei.

Muitos meses depois, Vovô-dentro-de-Mamãe deu a luz a um bebê. Um menino com olhos amarelos e com os cabelos cacheados e negros de meu pai. Poucos minutos após o parto, Papai pegou o bebê e o levou para fora. Retornou uma hora depois, de mãos vazias.

Induzida pelo horror, imediatamente saí correndo pela noite. O frio era brutal, revigorante e exaustante ao mesmo tempo. Procurei até encontrar o bebê, chorando fracamente ao lado de um monte de neve. Ele ainda estava coberto com o sangue de seu nascimento. 

Dei-lhe o nome de Alexander e o levei para casa. 

Quando entrei, Papai imediatamente me estapeou. Cambaleei para trás enquanto estrelas surgiam na minha visão. "Nunca," sibilou, desprezo pingando de cada sílaba, "nuca me desobedeça de novo. Me dê ele agora." Esticou os braços para pegar Alexander, mas Vovô o parou.

Olhei para cima, engolindo o choro. Vovô olhava de volta para mim com o rosto apodrecido de minha mãe. A boca - inchada e descolorida, com uma aparência deslocada - torceu-se em um sorriso. "Não. Deixe a cadela ficar com o filhote. Temos preocupações maiores."

Com certeza tinham; trabalhavam juntos, e trabalhavam constantemente. Papai abduzia vítimas, e Vovô as usava. Quando Papai trazia uma pessoa nova para a cabana, Vovô usava suas mãos - enormes e longas, marcadas de cicatrizes e cobertas daquela pele estranhamente cintilante - para arrancar a língua das vítimas e esmagar seus pés. 

Então aguardava até o cair da noite - porque, lembre-se, a luz do sol queimava seus olhos e fazia bolhas em sua pele - e os carregava até sua Capela.

Sua Capela era uma estrutura antiga de pedra na base de uma colina arborizada. Na capela haviam três janelas vermelhas e seis bancos apertados. Na ponta de cada banco estava um cadáver dissecado, encarando o altar como sentinelas.

Eu odiava a capela de meu avô; o próprio ar pesava em mim quando eu a adentrava, apertando meu coração e envenenado meus pulmões. A pior parte era o medo; elétrico e paralisante, inevitável. 

Por sorte, eu era apenas uma cadela, e cadelas não passam muito tempo dentro de capelas. Mas cadelas ouvem gritos de longe, ecoando pela floresta da montanha e adentro da noite escura. 

Vovô não saía com frequência de sua Capela, mas quando saia, era nas primeiras horas da manhã. Sei disso porque meu pai e eu éramos obrigados a fazer vigílias até que ele entrasse pela porta de casa. Quando meu avô voltava de sua Capela, parecia humano de novo: pele lisa, sorriso largo, boas proporções. As vezes se parecia um pouco com Papai. As vezes com suas vítimas.

Era tão incompreensível para mim quanto o espaço sideral deve ter sido para Laika.

O fluxo de vítimas de meu avô nunca terminava. Vagabundos, idosos, viajantes, órfãos fugindo da violência. Houveram tantos.


Muitos, muitos mesmo. 

Se não fosse por Alexander, eu teria definhado a nada. Era mais que um irmão para mim; para todos os efeitos, era meu filho. Nem Vovô nem Papai ligavam para ele. Nem sequer o alimentavam ou davam-lhe roupas; Eu mesma tinha que o vestir e o alimentar com o pouco que tinha.

Apesar de todos meus esforços, nunca aprendeu a falar. Mas isso não queria dizer que não conseguia se comunicar - conseguia, com gestos e expressões faciais e silabas aleatórias - porém a linguagem lhe escapou. Mas tudo bem. Cresceu para ser um menino doce e curioso com sardas, com mãos compridas e delicadas. Com o tempo, seus terríveis olhos amarelados clarearam para um verde brilhante. Ele era minha vida. Ele era meu coração.

Mas não era o suficiente.  

Uma noite, quando um grito de uma menininha vibrou para fora da Capela de Vovô por entre as árvores, finalmente fui até meu pai. 

Deitei-me humilhantemente a frente de seus pés, que foi como me ensinou a aproximar-me dele. O chão de madeira era duramente frio debaixo dos meus dedos. "Por que, Pai? Por que vocês fazem isso?"

Ele estava sentado em sua cadeira, observando o fogo. Em suas mãos segurava um par de sapatinhos brancos de bebê. "Porque seu Avô e eu precisamos viver, cadelinha." 

"Eu terei que fazer isso para viver?"

"Sim."

"Então não quero viver."

"Entendo," disse. Suas mãos se apertaram nos sapatinhos. "Mas você não tem escolha."

Engoli um choro próximo e esperei ser dispensada; eu não podia chegar até ele sem ser engatinhando, e não podia sair se não fosse mandada. 

Ao invés disso, disse, "Levante-se, Laika." 

Ouvir meu nome era como receber um balde de água fria na cabeça. Nunca usava-o; naquele ponto, na verdade, já tinha quase esquecido que tinha um nome. 

"Eu disse, levante-se, Laika."

Era difícil obedecer; o medo fazia meus ossos parecerem de borracha e meus músculos ficarem fracos. 

Papai segurava os sapatinhos de bebê. "O que você vê?"

"Sapatos." Minha voz tremia. "Sapatinhos velhos de bebê."

"Esses sapatos," Papai disse, "eram de minha irmã, Alexandra. Eu a amava mais do que qualquer outra coisa. Mais que a própria vida. Mais que a meus pais. Mais que a sua mãe. Mais que a você. Ela era o meu coração."

Eu o observava. A luz do fogo iluminava seu rosto, criando fendas nas rugas. Seus cabelos negros encaracolados se moviam como fumaça, e seu nariz comprido e afiado parecia estranho e monstruoso. A eletricidade paralítica invadiu minha pele, tão parecido com o que eu sentia na Capela que eu poderia ter chorado.

"No meu décimo segundo aniversário," disse, "seu Avô ferveu uma panela de óleo e chamou Alexandra. Nós dois iriamos colher flores silvestres mais tarde, então estava vestida em suas melhores roupas: um vestido azul e sapatos brancos. Esses sapatos." 

Papai não falou por um longo tempo.

"Ela era o meu coração," repetiu finalmente. "Quando meu coração quebrou, eu quebrei. Me tornei como seu Avô. Algum dia, serei exatamente como ele. Viverei para sempre. Você também viverá." 

Naquela noite, tive pesadelos de uma garotinha de olhos amarelos derretendo-se em bolhas enquanto o corpo apodrecido de minha mãe jogava óleo quente nela.

Acordei gritando.

A luz da lua raiava pela janela, banhando meu quarto com um prata celestial. Meu coração batia tão pesadamente que eu podia ver minha camisola se movendo no peito. Eu queria fugir. Queria fugir, também, porque se não o fizesse morreria, e quando morresse eu poderia viajar pelas estrelas junto com a outra Laika.

Mãos pequenas e quentes tocaram meu rosto. Me virei esperando Alexander. Ao invés disso, encontrei meu pesadelo. 

Bolhas enormes e inflamadas borbulhavam e explodiam, fazendo com que correntezas de pus escorressem por seu rosto pequeno e cru. A pele envolta de sua boca havia se queimado e deteriorado, deixando totalmente expostas duas fileiras certinhas de dentes de leite. Couro cabeludo queimado e um pedaço de osso do crânio brilhavam por entre seus cabelos negros encaracolados. O vestido azul estava grudado em seu corpo. Óleo pingava da bainha, encharcando minhas cobertas.

"Não chore," sussurrou. 

Alexander se mexeu entre nós duas. 

"Vá embora," sussurrei.

O queixo cheio de bolhas da menina tremeu. "Mas você me fez vir para lá. Por favor, me deixe dormir."

"Tudo bem," sussurrei, pois não sabia mais o que dizer. 

A menina se enfiou debaixo das cobertas. Assisti, apavorada, enquanto ela jogava um braço queimado e ossudo por cima de Alexander e caia no sono. 

Naquela noite, não vaguei pelas estrelas junto de Laika. Ao invés disso, permaneci acordada, assistindo a aparição com tanto entusiasmo quanto medo. 

Perto do raiar do dia, minha porta rangiu. Tentei cobrir a menina com meu corpo enquanto meu pai entrava no quarto. 

"O que é isso?" Perguntou rispidamente. 

"Por favor," choraminguei. "Por favor, não."

A menina se virou e - incrivelmente - começou a encolher. Seu corpo se afinou até virar nada, deixando seu vestido no chão. E o vestido também afundou, deixando o chão frio e vazio sozinho. 

"O que foi isso?" Papai gritou. 

"Eu vi aquilo no meu sonho -"

"Ela!" Papai rugiu, "Ela, não aquilo!"

"Eu a vi em meu sonho," gaguejei instintivamente. "Quando acordei, estava aqui."

Suor brilhava na pele de meu pai, parecendo estrelas. "Vista-se. Você precisa ir ver seu avô imediatamente."

Cai sobre minhas mãos e joelhos, engatinhando até ele. 

"Não," falou. "Levante-se. Traga o menino."

Alexander chorava agressivamente quando o peguei no colo. Eu o ignorei e segui Papai até a floresta escura. Toda a glória do início primaveril banhava a paisagem: pálidos feixes de luz atravessavam os dosséis, cortando as grossas sombras com o brilho de ouro. Vermes rastejavam pela vegetação rasteira e veados observaram à distância. A floresta estava sempre cheia de animais; Vovô não era um perigo para os pássaros ou  para os animais, afinal de contas.

Logo a Capela apareceu em minha visão: uma igreja antiga com um pináculo negro, janelas vermelhas e paredes de pedra encrustadas de gelo.

Papai nos apressou para dentro. No momento em que atravessei a porta, minha pele começou a se arrepiar. Pavor e medo varriam-me. Alexander explodiu em lágrimas. 

Papai me empurrou em direção do altar. Pelo canto do olho, vi os cadáveres sentinelas se remexendo. Peitos que subiam e desciam em um ritmo sem sentido. Um corpo em especial, alto e com cabelos cor de cobre, se virou quando passei. 

Cobri os olhos de Alexander e parei no altar. 

Sombras se espessaram e se contorceram contra a parede dos fundos. Nos bancos, ossos rangiam e juntas secas estalavam.

Algo piscou da escuridão atrás do altar: um enorme par de olhos que pareciam luas douradas, brilhando no breu congelante. 

Vovô.

"A cadela," Vovô entonou, "e seu filhote." Rosnou: um estrondo grave e de tremer os ossos, como de um tigre. Dentes reluzindo nas sombras, um arco de marfim brilhante mais largo que a cabeça inteira de Papai. 

"Paval," Papai disse urgentemente. "Ela teve um pesadelo. Quando acordou, o pesadelo a seguiu para fora de seu sonho. Vivo. Eu vi."

"Ah." Vovô murmurou. "Ah." 

"Nossa cadelinha tem algum talento, afinal," disse Papai. 

"Muito bem, muito bem mesmo," Vovô proferiu, "se ela amar seu filhotinho. Você ama seu filhote, cadela?" Reapareceu das sombras, contorcido e energético e totalmente inumano. "Você o ama? Ou você se sente obrigada a criá-lo?" 

Abri minha boca para responder. Mas ao invés de fazer isso, explodi em lágrimas.

Vovô riu, um rugido baixo que chacoalhou a poeira das vigas acima. "Uma cachorra fraca, com certeza. Nossa esperança está no menino, Mikhail. Sempre esteve no menino. Foi por isso que eu o fiz. Agora vá." Aqueles enormes olhos amarelos fitaram os bancos. "Não gosto de instigar os sentinelas. Não quando estão tão famintos como agora."

Medo e descrença apareceram no rosto rugoso de Papai. "Você entende o que acabei de lhe contar? Ela criou vida de seus pensamentos." 

"Uma substituição fraca para o que precisamos. Vá embora, Mikhail."

"Mas -" 

Vovô disparou das sombras, uma massa ondulante de pele brilhante e membros malformados, derrubando Papai nas pedras.


Os cadáveres sentinelas soltaram suspiros profundos e continuaram a se contorcer.

"Nunca," Vovô rugiu. A luz do sol banhava por entre as janelas de carmesim, impregnando-o seu estranho ser um um brilho vermelho. Ele olhou para o céu. Um pedaço estrelado do espaço sideral. "Nunca me desafie."

Esperei sem fôlego que os olhos de Vovô explodissem e que sua pele começasse a chiar - afinal de contas, estava exposto à luz do dia - mas isso não aconteceu.

Muitos momentos depois, Vovô golpeou Papai no rosto e voltou para a escuridão.

Nós saímos. Papai não falou de novo até vimos que nossa cabana. Então ele me pegou e me arrastou para fora do caminho.

"Ouça", rosnou. "Escute bem. Eu posso te proteger dele. E...” Ele olhou para Alexander, os olhos brilhando de desgosto. “Quando chegar a hora, posso protegê-lo também. Mas só se você me ajudar."

“Por que eu precisaria de proteção? Ele é pequeno e me ama como uma mãe”.


“Você se lembra da história de Alexandra?”, Meu pai perguntou.

Assenti.

“Sua história está chegando. Só que Alexander será eu e você será Alexandra."

Meu coração caiu na terra fria. Cuidadosamente pressionei a cabeça de Alexander no meu ombro, protegendo seu rosto.

“Ouça, cadela. Quando você sonhar com a minha irmã...” Sua voz falhou; Se afastou e passou os dedos pelos cabelos. Lágrimas brilhavam em seus olhos, que eram enormes e miseráveis acima de sua boca trêmula. "Quando ela vier de novo, traga-a para mim."

"Tudo bem, Pai." Nunca tinha visto ele chorar antes; a visão era assustadora e curiosamente emocionante. "Eu irei."


Papai assentiu com a cabeça, depois saiu. Eu quase o segui, mas pensei melhor. Em vez disso, fiquei na floresta com Alexander.

Quando a manhã se iluminou e o canto dos pássaros soou em uma sinfonia, coloquei Alexander no caminho estreito. Ele correu à frente, cantarolando uma melodia de composição própria. Sombras e luz do sol manchavam sua pele, transformando-o em um espírito da floresta. As árvores estavam em plena floração: pétalas caíam como a neve, cobrindo a terra de um branco reluzente.

Alexander ia muito na frnete. Depois de um tempo, não consegui  mais ouvi-lo ou vê-lo; se afastou, escorregando para as sombras profundas.

O pânico tomou conta de mim. “Alexander! Alexander!" Corri, fazendo uma careta contra a dor no meu peito. Meu coração batia descontroladamente, tão forte que eu podia ver minha camisa se mexer; queria fugir novamente. "Alexander!"


Ele disparou por entre as árvores. Eu parei, banhada com alívio tão poderoso que me tirou o fôlego. Pétalas cobriam a cabeça e os ombros. Enquanto eu o observava, uma desceu e pousou em seu nariz. Grandes olhos verdes brilhavam acima da pétala, brilhantes como a promessa da primavera.

Pela primeira vez na minha vida, meu coração estava tão cheio que chorei.

Naquela noite, Alexandra veio até mim novamente, com bolhas em carne viva escorrendo pelo rosto. Seus olhos haviam desaparecido, deixando massas inchadas de pele crua e em suas órbitas derretidas.

Lembrando minhas instruções, me sentei. "Pai", berrei. Alexandra me pegou cegamente, mãos ossudas se fechando em mim. "Pai!"

Papai irrompeu no meu quarto, ofegando. "Alexandra!" Ele se atirou para a frente, braços estendidos como se agarrá-la.

Ela se virou.

Papai congelou.

Alexandra cambaleou até ele. "Mikhail", choramingou. "Mikhail, meus olhos doem."

O pai desabou e cobriu os próprios olhos quando Alexandra se aproximou. Ela deixava para trás um rastro de pus e óleo, brilhando como um minúsculo rio ao luar.

"Mikhail, minhas mãos doem."


Papai ofegou miseravelmente.

"Mikhail, minha pele está em chamas e se fica se despedaçando." Ela parou diante dele e se agachou. Papai choramingava e choramingava como um cão abatido, afastando-se das mãos dela.

Ela colocou uma pequena mão nas bochechas dele. Papai guinchou e se contorceu, mas não conseguiu se afastar dela. "Mikhail", ela chorou. "Você se tornou igual a ele." Ela o empurrou e começou a encolher, afundar, desaparecendo no chão. No momento em que a mão dela sumiu, o Papai ficou de pé e correu.


Depois disso, nunca mais pediu para ver Alexandra. 

Isso é bom, porque não a vi mais em meus sonhos depois daquilo. Eu só via Laika. Passei a maior parte das noites flutuando entre as estrelas com aquela condenada e amável cadela ao meu lado. Imaginadas ou não, as visões eram gloriosas: formações estelares incompreensivelmente belas, planetas, grandes extensões multicoloridas de névoas celestes.

Às vezes eu acordava, inchada e incoerente, e sentia seu pelo contra a minha pele. Mas quando abria os olhos, não havia nada.

Certa manhã de inverno, acordei muito cedo. Meu estômago roncou imediatamente e não era surpresa; Papai não me alimentava faziam dias. Eu tinha alimentado Alexander com restos de comida e cascas de árvore.

Isso, decidi, mudaria naquele dia.


Me rastejei até a cozinha. Não havia muito; nunca houve. Mas eu juntei o pouco que pude e me virei.

Meu avô estava sentado à mesa, grandes olhos dourados cintilando em seu terrível rosto. “Cadelinha. O que você fez com seu pai? Ele não caça mais . Ele não come mais. Ele não obedece mais."

Senti como se estivesse de volta à sua capela: esmagada pela escuridão, pesada pelo medo, à beira do pânico.

“Sua habilidade”, disse Vovô, “não é vista nesta terra há mil anos ou mais”.

Claro que aquela habilidade não era da terra; Sem dúvidas eu a havia encontrado enquanto navegava pelo espaço e respirava poeira estelar. "São apenas pesadelos."


"Não. Você pega as coisas obscuras do mundo - o medo, o ódio, a dor - e as canaliza para a forma física. E isso é apenas o começo. Você será capaz de fazer qualquer coisa. Você fará corpos. Corpos permanentes e perfeitos só para mim... e para você."

O prazer em sua voz me deixou enjoada.

Ele disse: “Nossas mulheres sempre foram fracas e sem talento. Eu pensava o mesmo de você, cadelinha."

Lágrimas pinicavam meus olhos e meus ossos vibraram como se estivessem lutando para romper a carne e fugir. Mas não adiantava; o destino já florescia entre meu avô e eu, pesado e sujo com promessas de desespero.

Vovô sussurrou: “Escute atentamente, pois você só ouvirá isto uma vez: eu estava errado”.

Saiu. Corri para a janela e o observei atravessar as árvores enquanto o nascer do sol ameaçava aparecer. Volta a sua capela.


Eu esperei até o sol nascer. Então corri para o meu quarto, enrolei Alexander em todas as roupas que encontrei e saí.

Nós seguimos o caminho por muitos quilômetros. Nossa casa ficava a horas e horas da cidade mais próxima; não chegaríamos até o anoitecer. Minha esperança era que Vovô não notasse nossa ausência até o dia seguinte. Não era uma esperança improvável; Vovô passava a maior parte do tempo na capela.

No segundo que esse pensamento passou pela minha cabeça, uma forma escura brilhante saltou das árvores e derrubou Alexander de meus braços.

Vislumbrei um borrão de membros retorcidos e mãos feitas de pesadelo, grandes olhos amarelos como luas achatadas. Alexander gritou quando uma torrente de sangue espalhou-se pela neve. Encharcou rapidamente, derretendo cânions vermelhos através daquele branco imaculado.

Vovô olhou para mim, arfando. Então se inclinou e rasgou a garganta de Alexander.


Gritei. Pássaros voaram e mamíferos correram pela vegetação rasteira. A nota penetrante ecoou pelas montanhas. A dor dentro do berro deveria ter acabado com o mundo, mas não havia ninguém para ouvir e ninguém que se importaria. 

Vovô sorriu largamente. A carne e o sangue de Alexander por entre seus dentes. 

Desabei.

Eu senti; o peso esmagador da tristeza, a sensação quase física de meu espírito se partindo em mil pedaços e desmanchando-se com o meu interior.

Caí de joelhos e fiquei abraçada à cabeça de Alexander por horas. 

Meu pai finalmente nos encontrou no cair da noite. Tinha consigo um pedaço de pão e uma coxa de galinha oleosa. Colocou ambos em minhas mãos e partiu. 

Parti o pão em pedaços e coloquei, um por um, na boca de Alexander. Quando ele não acordou, desfiz-me em lágrimas e arremessei o pedaço de frango por entre as árvores.

A lua subiu ao céu escuro e cruel. Estrelas brilhavam por entre os galhos secos das árvores acima, criando um padrão fractal de tirar o folego.

Deitei-me abatidamente ao lado de Alexander, puxando-o para perto do meu corpo. Ele estava gelado. Gelado demais. Fiquei agarrada nele do mesmo jeito, mantendo meus olhos fixos nas estrelas. Minha mente se desprendeu com muita dificuldade, como se estivesse presa em uma areia movediça.

Finalmente, se soltou livre e navegou aos céus, desaparecendo por entre o espaço prateado no mar de estrelas, disparando cada vez mais alto até que eu vi a Terra girando lá embaixo.

O foguete de Laika passou por mim. Estiquei o braço e me agarrei a uma das barras de metal no nariz da nave. Eu podia sentir Laika lá dentro: seu pavor vibrava pela cabine e chegava na minha corrente sanguínea. 

"Está tudo bem," eu disse. "Está tudo bem, Laika. Estou aqui. Quando você aterrizar, te ajudarei a sair e vamos brincar juntas." 

O medo dela se diluiu, sua dor também. O mesmo aconteceu comigo. Juntas navegamos por entre as estrelas, olhando lá para baixo, para a Terra, admirando aquela beleza incompreensível ao nosso redor. 

Acordei com frio, dolorida e com muito mais dor do que jamais poderia descrever.

Me sentei. O corpo duro de Alexander se desprendeu de mim. Tateei por ele cegamente. Uma camada fina de gelo cobria seus olhos. A ferida em sua garganta era uma fenda de horrores, eu não conseguia sustentar o olhar por muito tempo.

Puxei meus joelhos até meu queixo e chorei. 

Depois de um tempo, algo quente tocou minha mão. Um nariz molhado tocou minha palma. Eu já sabia muito bem o que veria antes mesmo de abrir meus olhos. 

O rosto listado de de Laika e seu rabinho graciosamente curvado me fizeram sorrir, por entre as lágrimas. Estrelas brilhavam no seu pelo. gentilmente pulsando raios de luz. 

"O que é isso?" A voz de meu avô irradiou por entre as árvores. 

A raiva fluiu pelo meu sangue, esquisitamente corrosivo. Ódio, aprendi depois, pode ser prazeroso; é a fúria e é a base do poder.

Vovô surgiu da escuridão, sua pele escamosa brilhando como um lago debaixo da lua. "Você desperdiça o seu talento," debochou, "em uma vira-lata. Nem mesmo em seu próprio filhote! Não importa. Irei te corrigir."

Laika se levantou e pulou, o focinho furando um dos olhos de lua plana do Vovô. Ele gritou e balançou a cabeça para trás e para frente. Laika caiu na neve, se contorcendo mas rapidamente se endireitou. Então mordeu o pé dele. Seus dentes afundaram através daquela pele impenetrável e imortal como se fosse manteiga.

Laika não era grande o suficiente ou forte o suficiente para matá-lo, mas fez buracos nele da mesma forma quando um fósforo queima buracos em um papel. Logo Vovô estava de joelhos, a poucos metros do cadáver de Alexandre.

Laika veio até mim, ofegando e desabou no meu colo. Sangrava de mil feridas: algumas pequenas, outras indubitavelmente mortais.


"Boa menina." Minha voz falhou. A acariciei gentilmente, querendo que as feridas se fechassem. Eu era um monstro. Usei Laika como os outros tinham a usado; chamando-a em falsos pretextos, enchendo-a de esperança, antes de jogá-la no vazio. “Boa menina. Boa menina, boa menina." 

Olhei para cima quando o olho bom de vovô deslizou até meu irmão morto. Algo escuro floresceu lá: uma esperança perversa e corrompida. Se contorceu, retorcendo seu corpo, se encolhendo até ser nada mais que uma casca ressequida, e então deslizou pela garganta de Alexandre.

Gritei enquanto o corpo de Alexander se contorcia e tremia. Então ele se sentou, ossos rangendo e tendões congelados estalando.

Ele sorriu. Seus olhos brilhavam como ouro derretido em uma forja.

Laika atacou novamente. O rosto de Alexander se curvou em um grunhido quando ela mordeu e rasgou sua pele, exibindo uma energia em desacordo com suas terríveis feridas.


Assisti, impotente, desesperançosa e sofrendo, desejando que eu pudesse me soltar e voar para as estrelas mais uma vez. Exceto que não haveria mais nada lá agora; Eu chamei Laika das estrelas e a condenei.

A neve ressoou um som característico atrás de mim. Me virei. Papai estava ali, me observando com desprezo. Em suas mãos estava uma espingarda lustrosa e reluzente.

Alívio e horror me envolveram. Era o fim. Minha mente se separaria para sempre dessa vez. O medo finalmente acabaria.

Laika mordeu Vovô dentro de Alexander, que baia nela. Ela choramingou, mas voltou a segurá-lo rapidamente.

Pai passou por mim e engatilhou a arma.

"Não!" Gritei. "Não a machuque! Não a machuque!"

O pai apontou a arma para a cabeça de Alexander e disparou. Sangue e vísceras, carne escura e brilhantes explodiram na neve.

Papai disparou novamente, depois recarregou e disparou de novo e de novo. A cabeça de Alexander evaporou em uma névoa vermelha. Finalmente seu corpo se revirou e o Vovô - pequeno, sangrando, estranho - deslizou para fora de sua garganta.

Laika pegou-o e o segurou. Papai apertou o cano da arma contra o olho bom e puxou o gatilho quando o sol apareceu sobre as montanhas.

Papai recuou. Estendi a mão para ele, bêbado de esperança e gratidão, mas ele se afastou de mim. Em seu rosto envelhecido, vi desespero e raiva ...

E desprezo.

Ele manteve os olhos presos aos meus quando colocou a arma na boca.


"Não!" Gritei.

Puxou o gatilho. Metade de sua cabeça evaporou-se, deixando uma massa brilhante como uma pedra preciosa feita de carne humana. Seu corpo cambaleou para frente e depois caiu na neve.

Demorou muito tempo para o sol queimar Vovô até virar uma poça que se assemelhava a óleo sujo. Laika ficou o segurando até que o último pedaço derreteu. Então tropeçou até mim e desmoronou.

Eu a acariciei até que seu corpo se encolheu e afundou no chão, deixando nada além de uma dispersão de orbes minúsculos e escuros: as estrelas que eu via em seu pelo. Toquei em um. Estava agradavelmente quente. Eu os juntei e coloquei-os no meu bolso. Fui até o corpo de Alexander - destruído além do que posso descrever, despedaçado de formas que eu não o via como sendo inteiramente real - e sentei junto dele até o anoitecer. Então me levantei e fui embora.

E a vida continuou.

No início, eu os trouxe de volta de dentro dos meus pesadelos - Alexandre, meu pai, meu avô e até Alexandra, - mas rapidamente me ensinei desativar e eventualmente destruir essa habilidade. Não é um poder do bem; Nasce da raiva, do desespero, do egoísmo e do medo.

E eu não tolero o medo.

Além disso, os cães não têm poderes tão terríveis. É bom ser uma cadela, porque cadelas não são necromantes. Não são monstros. São nada mais nada menos do que as criaturas mais simples e mais amorosas do mundo.


É por isso que sempre serei a cadela Laika.

FONTE

Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigado! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião!

23 comentários :

  1. Caralho, muito bom. Que pena não ser uma série.

    ResponderExcluir
  2. Que creepypasta satisfatória. Nossa... Do c@r@lho mesmo do começo ao fim. Adorei.

    ResponderExcluir
  3. Que viajem vei ...Creepy foda!

    ResponderExcluir
  4. Melhor do ano ate o momento, muito boa e sai totalmente dos cliches

    ResponderExcluir
  5. Não entendi muito bem, mas foi tão bom de ler que quero mais! 10/10

    ResponderExcluir
  6. PRGDL02022

    Sem comentários, muito boa, curti demais a estória... Parabéns pelo trabalho e pelas ótimas traduções, que nunca decepciona na escolha. Que venha mais creepys sensacionais assim...

    ResponderExcluir
  7. Excelente... Eu adorei, apesar de todo o desconforto que essa história me causou.

    ResponderExcluir
  8. "Aterrissar" não se escreve com "z".

    ResponderExcluir
  9. Eu curto esses temas de fantasia então gostei.. apesar de as vezes ficar um pouquinho confuso. 8/10

    ResponderExcluir
  10. Acho que foi uma das melhores que li.
    Quem é o autor original?

    ResponderExcluir
  11. 10/10 muito foda, por mais Creppys assim. O tema Necromância foi usado numa magnitude que cativa o leitor parabéns 😁🤙🏻

    ResponderExcluir
  12. Muito boa. Tem o clima de um bom conto de terror, um desenvolvimento muito bom.

    ResponderExcluir
  13. Caraca quando ele falo vovó no corpo de mamãe que dizer que o pai transo com avó ?

    ResponderExcluir
  14. Nossa passou um filme na minha cabeça. Melhor creepy do ano ate agora 100/100

    ResponderExcluir
  15. Amo essa história. Só isso mesmo.

    ResponderExcluir
  16. Quando mataram Alex chorei tanto... Ai 💔 9/10 amei

    ResponderExcluir