Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Ontem eu cheguei rápido demais na faculdade

23 comentários

Demora cerca de 12 até 14 minutos para eu chegar na aula. 

Eu cronometro meu tempo todos os dias. Sei que é estranho, mas é algo que eu faço. Presto bastante atenção no tempo, sempre prestei. Saio de casa as 08h40 em ponto, e chego na faculdade entre 08h52 e 08h54. Depende quanto tempo eu levo para atravessar duas ruas em específico e de quão rápido estou andando. Uma vez eu fiz o caminho em 11 minutos, mas é uma exceção.

Cheguei na minha sala e entrei, descobrindo que a turma de antes da minha ainda estava em aula. Pedi desculpas e sai. Deviam ter se atrasado um pouco. Chequei meu relógio. 

08h43.

Era impossível. Não podia ter chego tão rápido assim, e certamente não estava apressado naquela manhã. 

Devia ter saído mais cedo que o habitual, ter visto o horário errado. Isso fazia mais sentido.

Eu tive aula às 09h, depois um seminário às 10h que durou 2 horas. Fui até o centro estudantil para almoçar e decidi ler do lado de fora. Me sentei eram 12h15 com meu sanduíche e um livro. Li por um tempo, cerca de cem páginas. Chequei a hora. 

12h20.

Era impossível. Meu relógio devia estar morrendo. Eu iria no banheiro, depois passaria na livraria para pegar um novo relógio antes das minhas aulas da tarde.

Entrei no banheiro e fechei a porta do cubículo. De repente todas as luzes se desligaram. Não sei como o banheiro podia estar tão escuro, será que alguém tinha fechado as persianas das janelas? Andei as cegas até a porta e abri para descobrir um prédio escuro. 

Estava de noite. Chequei meu relógio.

19h30.

Andei até uma saída que graças a Deus se fechava por fora e comecei a andar até minha casa.

Minha casa era velha, antigamente uma tia esquisita minha era a proprietária. Quando faleceu, minha família decidiu que eu poderia morar lá por alguns anos enquanto frequentava a faculdade, conseguiria cuidar da casa sozinha e guardar o dinheiro que não gastaria no alojamento. Não fiquei muito feliz, a casa era grande demais para mim e meio assustadora. Preferia viver em um dormitório com meus amigos, mas minha família fez com que me sentisse culpada. E a casa tinha regras estranhas. Sem colegas de quarto, sem convidar amigos para visitar. Era um lugar estranho.

Observei atentamente o relógio em casa. Nenhum problema. O tempo estava passando como deveria. Será que eu estava doente? Realmente estava estressada sobre a prova que teria no dia seguinte. Quatro redações enormes para minha aula de literatura, e o professor era bem rígido. Devia ser o estresse.

Naquela noite dormi com figuras enegrecidas de pé ao lado da minha cama. Eu estava paralizada. "Ela destravou," um disse. "Não demorará muito."

Acordei sozinha, coberta de suor. 

Minha caminhada até a faculdade levou 13 minutos no dia seguinte. Tudo voltara a ser como antes.

A prova começou às 10h03 e comecei a escrever furiosamente. Meus argumentos eram fantásticos. Estava preparada para aquelas questões. Preenchi uma folha inteira de respostas e depois mais metade de uma segunda. Me senti muito bem quando fui a primeira aluna a levantar e entregar a prova. Sabia que receberia a nota máxima. 

A professora olhou as folhas com um olhar embabacado. "No futuro, se quiser trapacear em uma prova, não seja tão óbvia."

Fiquei chocada. "Eu não trapaceei."

Ela riu, "É impossível que você tenha escrito tudo isso em tão pouco tempo."

Chequei meu relógio. 

10h07.

Corri para fora da sala e não parei até chegar em casa. Nada fazia sentido. Entrei pela porta e chequei meu relógio. 10h16. 

Liguei meu computador; precisava descobrir o que estava acontecendo. 

Eu tinha 945 e-mails não lidos. Sou daquelas pessoas que sempre deixa a caixa de entrada vazia. Nunca vou dormir sem checar meus e-mails. Como era possível ter recebido aquela quantidade de mensagens desde a noite anterior? 

Chequei a data. Três semanas haviam se passado. 

Hiperventilei por alguns minutos. Algo de muito errado estava acontecendo comigo. Decidi que ia voltar para o campus e procurar a enfermaria, deviam ter acesso a uma ambulância e me levariam até um hospital. Tinha que ir logo.

Abri a porta e senti um frio absurdo. Não fazia sentido, era um dia quente de verão, eu tinha estado lá fora fazia pouco tempo. Subi as escadas para pegar uma jaqueta e olhar a previsão do tempo para entender como tinha ficado tão frio do nada. 

Não estou entendendo o que está acontecendo. Era para ser Outubro de 2014. As notícias não fazem sentido. Alguém está fazendo uma pegadinha comigo? Porque meu computador está dizendo que estamos em Janeiro de 2019? 

Acho que preciso ir para um hospital. Tem algo de muito errado comigo.

23 comentários :

  1. QUE???
    Começo minha manhã confusa...

    ResponderExcluir
  2. Adorei, muito boa.
    Um pouco vaga sobre o que eram as coisas na cama dela e sobre o que estava acontecendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As figuras negras que ela viu perto de sua cama eram aquelas pessoas sombras: Shadow people busca no Google

      Excluir
  3. Vai ter continuação??

    ResponderExcluir
  4. Parece que ela destravou uma nova forma de consciencia que humanos não deveriam ter acesso (mas julgando pela conversa das criaturas, acontece de vez em quando), e assim está se tornando um ser da quarta dimensão, acima do tempo, existindo em todos os momentos ao mesmo tempo, acelerendo e desacelerando, e, eventualmente, controlando o fluxo do tempo, da mesma forma que um ser humano comum controla um carro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez sim ou não , mas fiquei muito confusa acho que deveria o por quê dessas coisas e quem sabe uma continuação ??

      Excluir
    2. Então, ela conseguiu um poder de acelerar e desacelerar o tempo?

      Excluir
  5. PRGDL02022

    Simplesmente o sistema operacional MATRIX corrompeu e de vez em quando fica dando essas bugadas muito loucas. Reinstalar resolve o problema...

    P.S: Sou novo aqui e estou lendo todas as creepys anteriores, sem deixar de acompanhar as novas é claro. De trás para frente, já estou em 2015, e até agora todas as creepys e séries que li, curti demais e a respeito dessa ÓTIMA CREEPYPASTA, OTIMA TRADUÇÃO, ÓTIMO TRABALHO... não desanimem, pois mais são os leitores que curtem as histórias e o site de verdade, do que os que vem só com comentários maldosos e vazios... Parabéns a toda a equipe pelo excelente trabalho e por dedicar um pouco do seu precioso tempo para nos entreter... Que venha mais creepys!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tá achando ruim le em outro lugar, babaca, so sabe reclamar, faz algo então já que tá tão ruim, vira adm pra gente ler creepys maraviilhosas, ja que essa não estão boas

      Excluir
    2. perdao, mandei errado, era pro caramada de baixo

      Excluir
  6. Achei interessante, um enredo muito bom, senti falta de um final mais explicativo, mas talvez seja assim. comentaram sobre a quarta dimensão e sobre mover-se sobre o tempo, vou usar aquilo como fim para entender esta creepy.

    mas gostei muito

    ResponderExcluir
  7. deve ter algo de errado mesmo, porque aqui tá um calor que, meu amigo....

    ResponderExcluir
  8. Caramba,essa é uma daquelas creepys que deixa uma questão aberta para as pessoas imaginarem e fazerem teorias, foi 9/10, não foi assustadora mas deixa uma mini paranóia.

    ResponderExcluir
  9. lição de moral: a faculdade fode com teu psicológico.

    ResponderExcluir
  10. Caralho que merda explica melhor isso ai

    ResponderExcluir
  11. Dar vontade de ler, e mais vontade ainda de intender;)

    ResponderExcluir
  12. Essa pessoa certamente precisa encontrar o Doutor.

    ResponderExcluir