Postagens Semanais

Segunda-Feira
Francis Divina

Terça-Feira
Gabriel Azevedo

Quarta-Feira
Francis Divina

Quinta-Feira
Gabriel Azevedo

Sexta-Feira
Talisson Bruce

Sábado
==========

Domingo
==========

Ela Não Quer Parar de Gritar.

20 comentários
Bom dia/Boa tarde/Boa noite! Mais uma curtinha pra vocês apreciarem nessa maravilhosa quinta feira!
•••
Sou mãe de quatro crianças.

Três delas são meus lindos anjinhos, meus filhos. Eles fazem o que todo garoto normal faz, se sujam, gritam, todas essas coisas boas. São normais em todos os sentidos.

Mas, minha filha. Ela é diferente.

Ela é uma criança de cinco anos distante. É boa na escola. Escuta os outros. No entanto, ela me dá uma sensação estranha. Ela não é uma criança normal de forma alguma.

Toda noite quando vai dormir, ela grita. Tão alto. Meu marido consegue dormir mesmo assim, mas eu não. Seus gritos são penetrantes, desumanos. Parece um maldito demônio, não uma criança. Quem sabe com o que ela sonha, seja o que diabos for.. Eu não gosto.

Uma noite, ela veio ao meu quarto. Segurando firmemente o Sr. Aconchego, seu coelho de pelúcia, nas mãos. Ela estava tremendo, sangue pingava de suas mãos na pelúcia.

"Mamãe?" perguntou. O quarto estava escuro, então eu não estava ciente de suas mãos ensanguentadas. Tudo que conseguia enxergar era sua trêmula silhueta, delineada pelo brilho lunar que atravessava a janela.

"Sim, Elizabeth?" respondi naquela noite. Era um tanto estranho que ela ainda estivesse acordada e não na cama, gritando do topo de seus pulmões enquanto dormia, e me enlouquecendo. Mas, mesmo com aquela gritaria, ela era minha filha e eu não deveria tratá-la mal.

"Me desculpe" ela respondeu e foi embora. Ouvi a pia do banheiro abrir por alguns minutos e depois parar. Então seus pequenos passos e o som de sua porta rangendo se fechando. Poucos minutos depois, seus gritos preencheram a casa. Ninguém se perturbava com aquilo, além de mim. Não tinha ideia do motivo dela ter se desculpado, apenas ignorei e tentei dormir.

Toda vez que falava disso com meu marido, ele me chamava de louca ou dizia que eu estava delirando e que Elizabeth dormia tranquilamente. Eu a levei pra terapia sem ele saber. Precisava que ela parasse de gritar.

Naquela manhã, acordei-a. Sr. Aconchego estava manchado com um vermelho muito fraco, assim como suas mãos. Fiquei extremamente confusa com aquilo. Peguei-a no colo. Ela estava cansada, se inclinou para mim e bocejou. Colocou suas mãos levemente manchadas no meu braço e sussurrou "Ryan se foi." O que só me deixou mais confusa do que já estava. Ryan é seu irmão mais velho, o que gosta de provocar ela e deixá-la nervosa. Mesmo assim, eles se amavam muito, ou era o que eu pensava.

"Querida, Ryan não se foi, bobinha." Eu a tranquilizei, imaginando que ela estava confusa. Então fui mostrá-la o quarto do irmão, e abri a porta. Lá estava ele, coberto enquanto dormia tranquilamente. Mas Elizabeth apenas balançou a cabeça, olhando pra mim com seus grandes olhos cor de avelã enquanto se repetia.

"Ryan se foi."

Amo minha filha. De coração. Talvez ela me deixe um pouco desconfortável e seja um tanto estranha, mas eu realmente a amo. Minha mente estava frenética enquanto a colocava no chão. "Ryan não se foi." eu disse com raiva. Logo me acalmei um pouco, lembrando que ela só tinha cinco anos, e apenas não entendia que ele estava dormindo. Fui até seu irmão e olhei para ele. Tudo que você podia ver era seu rosto pálido e as feições tranquilas. Nada com o que se preocupar. Ou foi o que eu pensei.

"Acorde." disse a ele. Mas Ryan não acordou. Ficando frustrada, puxei sua coberta, mas deixei cair assim que vi o que estava por baixo dela. Era meu filho. e ele havia partido. Sua camisa foi arrancada, seu estômago estava aberto, pedaços do intestino faltando. Sangue encharcava a cama, mas não havia chegado às cobertas.

"Ryan se foi." Elizabeth repetiu.

Sou mãe de quatro crianças.

Duas se foram.

Um morto pela minha filha.

E minha filha morta por mim.

Meu filho pode ter partido. E eu posso estar em apuros por minha filha ter partido.

Mas ao menos os gritos pararam.
•••
FONTE  AUTOR
•••
Esse conto foi traduzido exclusivamente para o site Creepypasta Brasil. Se você vê-lo em outro site do gênero e sem créditos ou fonte, nos avise! Obrigado! Se gostou, comente, só assim saberemos se você está gostando dos contos e/ou séries que estamos postando. A qualidade do nosso blog depende muito da sua opinião!

20 comentários :

  1. Acredito que Ryan abusava de Elizabeth todas as noites, possivelmente com o consentimento do pai, por isso ela gritava, o pai não reagia, e eventualmente, Elizabeth matou o irmão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma forma interessante de interpretar a creepy, mas e quanto aos outros 2 irmãos?

      Excluir
    2. Ryan era o mais velho, poderia estar ameaçando os outros 2 irmãos...

      Excluir
    3. Se fosse isso o terapeuta teria descoberto

      Excluir
  2. ja li antes no reddit

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. foda-se. ninguém liga

      Excluir
    2. nao vou deixar de dar minha opiniao por causa da sua falta de educação

      Excluir
    3. Eu traduzi de lá mesmo :3
      É uma boa fonte porque tem temas bem diversificados, e é fácil entrar em contato com o autor pra pedir autorização pra traduzir.
      Tem alguma creepy de lá que você gostaria de ver traduzida aqui?

      Excluir
    4. tem sim heitor, vou achar o link e te mando, é a minha favorita e espero que vc traduza e poste,vc é o melhor adm

      Excluir
    5. https://www.reddit.com/r/nosleep/comments/aqk67o/electric_witch/ ela nao é muito conhecida, no inicio vc pensa que é cliche, mas o final surpreende muito, com certeza é a minha favorita

      Excluir
    6. li essa eletric witch e achei muito foda, gostaria de ver no site tbm, entrou na minha lista de top5

      Excluir
  3. Legalzinha, comum mas a graça é especular o motivo dos gritos.. o primeiro comentario daqui por ex ta legal 🤗 8/10

    ResponderExcluir
  4. Será que era mesmo abuso como foi especulado ali em cima? E talvez a mãe também soubesse, mas não conseguisse simplesmente ignorar os gritos como o pai que parecia não ouvir?

    ResponderExcluir
  5. Acho que devesse ter um interpretação mais profunda de tal, veja bem, quanto aos gritos, se você parar pra perceber, existe a possibilidade de sua mãe cair de boca na minha rola.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas antes disso ela muito provavelmente comeria o cu de quem tá lendo

      Excluir
  6. Isso mostra que o ser humano, não importa qual for a idade, possa cometer tais atos para se proteger de certas ameaças contra seu corpo e psicológico, a vilã da história foi a mãe, Elizabeth foi a vítima

    ResponderExcluir
  7. Ficou bem legal :'3

    ResponderExcluir